4ª Semana e Parada do Orgulho LGBT+ de Petrolina começa na próxima segunda-feira

No período de 11 a 16 de novembro, a cidade de Petrolina será palco para a 4ª edição da Semana e Parada do Orgulho LGBT+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais). Com o tema “Enquanto houver cores, haverá resistência: Petrolina de mãos dadas contra o conservadorismo e as LGBTfobias”, o evento contará com diversas atividades, como: rodas de diálogo em escolas públicas, seminário em universidade, audiências públicas, tenda da diversidade na Praça do Bambuzinho, realização de testagem rápida para infecções sexualmente transmissíveis (IST), esquetes teatrais, dentre outras.

O objetivo principal da 4ª Semana e Parada do Orgulho LGBT+ de Petrolina é sensibilizar a sociedade em geral para o respeito à população LGBT, além de chamar a atenção do Poder Público para a urgente necessidade de implantar e implementar políticas públicas para esta população. Segundo a série histórica do mapa da violência, os índices de criminalidade no Brasil são altíssimos se comparados a outros países da América Latina, e Pernambuco é um dos Estados mais violentos nesse ranking.

A semana de atividades,  será encerrada com a realização da 4ª Parada do Orgulho LGBT+ de Petrolina, no sábado (16). A concentração está marcada para às 17h, na Praça da Algaroba, finalizando no palco da orla de Petrolina.

A organização da 4ª Semana e Parada do Orgulho LGBT+ de Petrolina está sob a responsabilidade da Associação e Movimento da Parada da Diversidade Sexual de Petrolina, da Rede LGBT do Interior de Pernambuco e do Movimento LGBT Leões do Norte (sediado em Recife).

LGBTfobia

A LGBTfobia causou, em 2018, 420 mortes de lésbicas, gays, bissexuais e pessoas transexuais no país, sendo 320 homicídios (76%) e 100 suicídios (24%). Os dados são do relatório do Grupo Gay da Bahia, que recolhe estatísticas há 39 anos. Segundo esses dados, em 2017 a cada 19 horas, um/a LGBT morreu por motivação homotransfóbica no Brasil.

De acordo com a ONG alemã Transgender Europe, através de seu mapa de monitoramento das violações de direitos humanos, o Brasil é a nação que mais mata pessoas transexuais no mundo. De 2011 a 2015 foram registrados 546 casos. Para se ter uma ideia, o México, segundo colocado, teve no mesmo período 190 casos.

O relatório Nª 543/2019 da Secretaria de Defesa Social (SDS), do Governo de Pernambuco, divulgado em 25/07/2019 dá conta de que no período de janeiro/2018 a junho/2019 1.441 LGBT foram vítimas de violência em Pernambuco.

Deixe uma resposta