Bolsonaro apresenta paralisia do intestino e passa a ser alimentado de forma endovenosa 

(Foto: Reprodução/Facebook)

O presidente Jair Bolsonaro apresentou dificuldades na última terça-feira (10), para eliminar gases e, por isso, a equipe médica introduziu uma sonda nasogástrica para retirar o excesso de ar do intestino do presidente, afirmou o médico responsável pela cirurgia de Bolsonaro, Antônio Macedo, na manhã de hoje (11). “Fizemos um raio-x do abdômen e ele apresentou distensão do estômago e do intestino grosso, que estava cheio de ar”, disse Macedo, no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, onde o presidente se recupera de uma cirurgia realizada no Domingo (8) para correção de uma hérnia incisional.

O boletim médico de Bolsonaro, também divulgado na manhã desta quarta, informou ainda que o presidente passou a ser alimentado diretamente na veia. Até ontem, Bolsonaro mantinha uma dieta líquida, à base de água, gelatina, chá e caldo ralo.

O médico afirmou que o presidente não tem quadro infeccioso e que a “paralisação” do intestino, conhecido como íleo paralítico, é normal em cirurgias de grande porte. “Em cirurgias como essa, você é obrigado a manipular o intestino. A resposta natural do intestino a qualquer agressão é a paralisia”, explicou.

“Quando o intestino é aberto, chega uma hora em que ele engole muito ar e não consegue soltar. Aí você consegue tirar o ar pela sonda”, disse o médico. De acordo com Macedo, Bolsonaro apresentou o mesmo quadro em cirurgias anteriores, em 12 de setembro de 2018 e em 28 de janeiro de 2019. Ele disse ainda que hoje o presidente já evacuou e eliminou gases, “o que é um bom sinal.”

O médico afirmou, ainda, que o presidente tem falado o mínimo possível. “Até com a gente (equipe médica) ele fala baixinho, para não engolir ar”.

Deixe uma resposta