Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Capacitação do projeto ‘Fortalecendo o Semiárido’ chega ao distrito de Maniçoba, em Juazeiro

Pratos elaborados durante a capacitação. (Foto: ASCOM)

Nos dias 17, 18 e 19 de setembro, moradores do distrito de Maniçoba, em Juazeiro participaram do projeto ‘Fortalecendo o Semiárido’, realizado pela Prefeitura de Juazeiro através da Agência de Desenvolvimento Econômico, Agricultura e Pecuária (ADEAP). A capacitação em boas práticas de manipulação e produção de alimentos do curso abrange desde o processo de segurança alimentar, transporte do alimento, embalagem, manuseio, armazenamento e higienização.

“A capacitação do curso engloba todo o processo de beneficiamento da carne de bode, das frutas e hortaliças. Estamos ensinando como fazer o uso correto do material para garantir um produto final seguro e de qualidade para o consumidor. Teremos ainda outras nove capacitações dentro desse curso”, explicou a tecnóloga em alimentos da ADEAP, Ataildes Pinheiro.

Para Maria Francisca Dias de Souza moradora da comunidade de Lagoa do Bastião, Maniçoba, o curso é de grande importância para a comunidade, por que além de proporcionar o aprendizado, todos saem empoderados. “ Não temos nem palavras, nesses três dias de encontro aprendi a fazer muitos pratos gostosos com carne de bode, estou empolgada com o que vimos até aqui. Esse projeto da ADEAP faz toda a diferença na nossa comunidade, a gente se sente muito feliz”, disse.

O projeto ‘Fortalecendo o Semiárido’ faz parte de uma das etapas preparatórias do processo de implantação do Serviço de Inspeção Municipal (SIM), que possibilitará aos empreendedores de Juazeiro a certificação dos seus produtos e serviços através do Selo de Inspeção Municipal.

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico, Agricultura e Pecuária, Tiano Felix, o objetivo do projeto “é promover o desenvolvimento econômico dos produtores da agricultura familiar, bem como qualificar, valorizar e padronizar a cadeia produtiva de forma sistemática, sustentável, participativa e descentralizada. Estamos felizes com os resultados e acredito que os cursos serão de grande valia para desenvolvimento econômico das comunidades da zona rural”, afirmou.

Deixe uma resposta