Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

ApexBrasil investe R$ 680 mil em Petrolina e promove formação de novos exportadores de frutas

(Foto: Divulgação)

Dados do Sindicato dos Produtores Rurais de Petrolina (SPR) estimam que o Vale do São Francisco tem hoje cerca de 3 mil produtores de frutas, e destes, menos de 10% já comercializaram internacionalmente seus produtos. Foi com a proposta de ampliar estes números que a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) anunciou na última terça-feira (2), em Petrolina (PE), o investimento de R$ 680 mil para implantação do Programa de Qualificação para Exportação (PEIEX).

O anúncio foi feito pelo gerente de Relações Institucionais e Governamentais da ApexBrasil, Wilson Almeida, durante reunião com o prefeito Miguel Coelho, onde participaram também representantes da Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas), Associação dos Produtores e Exportadores de Hortifrutigranjeiros e Derivados do Vale do São Francisco (Valexport) e do Sindicato dos Produtores Rurais de Petrolina (SPR).

Na ocasião, Wilson Almeida destacou o potencial exportador do município e adiantou que serão capacitados inicialmente 100 produtores com perfil adequado para exportação. “Treinamos no ano passado, em todo país, aproximadamente 15 mil empresas no processo de exportação de forma planejada e segura e destas cinco mil são hoje efetivamente exportadores”, lembrou.

LEIA MAIS

Produtores do Vale do São Francisco comemoram retirada de impostos sobre exportações de frutas

(Foto: Divulgação)

O acordo firmado entre o Mercosul e a União Europeia, na última sexta-feira (28), criou a maior área de livre comércio do mundo. Juntos, os dois blocos movimentam U$ 17 trilhões em Produto Interno Bruto (PIB). Reivindicação antiga dos produtores do Vale do São Francisco, a retirada de impostos sobre os produtos agrícolas permitirá, por exemplo, que a uva de mesa produzida na região entre na Europa com tarifa zero.

Os exportadores do São Francisco também terão maior acesso à União Europeia por meio de quotas – para açúcar e etanol –, além do reconhecimento de produtos brasileiros diferenciados, como o vinho. Em Petrolina (PE), onde recebeu os detalhes das negociações, o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais (SPR), Jailson Lira, destacou que o Vale deve se posicionar melhor no mercado internacional.

“Alguns países que concorrem conosco na mesma época de produção de frutas, como Estados Unidos, Chile, Peru e África do Sul, não têm a incidência de taxas da União Europeia. Então, esse acordo é histórico para nós porque coloca Petrolina e o Vale do São Francisco em pé de igualdade com esses competidores, uma vez que respondemos por 98% das exportações de uvas de mesa e 95% de mangas do país”, avalia o representante dos produtores do segmento que gera 100 mil empregos diretos e movimenta anualmente cerca de U$ 3,8 milhões.

LEIA MAIS

Empresa que administra terminal alfandegado de Petrolina pretende agilizar liberação de cargas

(Foto: Divulgação)

O processo de liberação de cargas e os incentivos à importação e exportação sempre são motivos de discussões entre empresários e o poder público, em Petrolina (PE). A mudança da concessionária que administra o terminal de cargas do aeroporto regional e o funcionamento da nova logística para o Vale do São Francisco repercutiram ainda mais junto ao setor produtivo.

No auditório da unidade regional da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (FIEPE), nesta quarta-feira (19), conselheiros da entidade, o empresariado local e colaboradores se reuniram com o gerente Comercial e Operacional da empresa Ponta Negra Logísticas, Rodrigo Vieira, para entender a atual situação do modal aeroportuário de Petrolina, bem como discutir o desenvolvimento econômico, através de novas tecnologias e insumos para a região.

LEIA MAIS

CIEE prevê abertura de 5 mil vagas para aprendizes no campo

(Foto: ASCOM)

Na última quinta-feira (6), o Centro de Integração Empresa- Escola – CIEE, instituição filantrópica sem fins lucrativos, lançou oficialmente o programa Aprendiz Legal Agronegócio. O novo arco de aprendizagem tem como objetivo renovar a mão de obra no campo e abrir mais de cinco mil oportunidades de emprego para os jovens nessa área até o ano que vem.

A capacitação atende a demanda crescente do setor agrícola, que já corresponde a 32% da balança comercial do País, mas ainda sofre com a escassez de mão de obra. Os jovens terão a oportunidade de atuar como volantes da agricultura, cultura de cana-de-açúcar, operar máquinas agrícolas e até mesmo manuseio de carnes.

De acordo com Luiz Gustavo Coppola, superintendente de Atendimento do CIEE, o programa dará início a um círculo virtuoso. “Ao menos 80% da mão-de-obra das empresas do segmento agrícola está no campo. Queremos capacitar os jovens para que eles assumam futuramente essas posições e pensem no setor como uma carreira profissional”.

LEIA MAIS

Circuito de Negócios Agro: Banco do Brasil promove evento para produtores rurais em Petrolina

(Foto: Divulgação)

O Circuito de Negócios Agro promoverá encontros com produtores rurais, assistências técnicas, gerentes de relacionamento, agentes de crédito rural, revendas, associações e demais parceiros, para divulgar os produtos e serviços do Banco do Brasil, e aumentar o resultado em regiões com potencial de realização de negócios e expansão da agropecuária.

Os eventos ocorrerão em mais de 60 municípios e serão realizados em 16 estados do Brasil, em Pernambuco o Circuito Agro acontecerá no dia 4 de junho em Petrolina, no Centro de Convenções Senador Nilo Coelho . Mas não para por aí! O BB traz uma grande novidade: a Carreta Agro. Criada para percorrer todo o país, atendendo desde o pequeno ao grande produtor, a carreta tem como foco principal reforçar a proximidade do BB com seus clientes e gerar mais negócios.

LEIA MAIS

Fenagri 2020: Prefeitura de Petrolina se prepara para receber a maior feira de agricultura irrigada do país

(Foto: Jonas Santos)

A Prefeitura de Petrolina já iniciou o planejamento para a  28ª edição da Feira Nacional da Agricultura Irrigada (FENAGRI). O assunto foi pauta da reunião com a Valexport, associação que está encarregada de organizar a Fenagri. Em 2020, a feira será sediada na capital sertaneja.

“No próximo ano, a Fenagri completa 30 anos e com o apoio da Prefeitura de Petrolina, vamos fortalecer a agricultura irrigada trazendo oportunidades de bons negócios e avanços para a região”, anuncia o secretário executivo de Desenvolvimento Econômico, Thiago Brito.

Além de rodadas de negociação, a Fenagri traz novas tecnologias de produção e logística, além de cursos de capacitação para o segmento do agronegócio. O evento é realizado a cada dois anos, alternando entre as cidades-irmãs de Petrolina (PE) e Juazeiro (BA).

Petrolina avança no comércio internacional e conquista mercado em mais dois países

(Foto: Ascom)

A Prefeitura de Petrolina (PE), através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo, se reuniu com os gestores da Valexport para discutir o crescimento da cadeia de produção  de frutas e exportações do Vale do São Francisco. Entre as novidades, foram abordados os avanços em mercados que ainda não tinham atuação, como na Coréia do Sul e África do Sul.

De acordo com o secretário executivo de Desenvolvimento Econômico, Thiago Brito, no encontro também foi tratado sobre a expansão do Selo de Origem de Procedência, que já está sendo aplicado em alguns produtores da região. “O selo é extremamente importante que valoriza nossos produtos, pois irá garantir que as frutas sejam registradas, identificadas e rastreadas nos mercados comerciais, evitando fraude e pirataria, visto que alguns mercados utilizam da falsa informação para garantir melhores preços e entregando produtos de baixa qualidade”, afirma.

Atualmente a região do Vale do São Francisco tem como produto principal uva e manga, e exporta  para cerca de 20 países, tendo como principais mercados a Holanda, Estados Unidos e Reino Unido.

Fernando Bezerra Coelho pede fim da sobretaxa nas exportações de uva e manga

(Foto: Ascom)

Na última quarta-feira (27) o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), defendeu o fim da sobretaxa de 12% cobrada nas exportações brasileiras de uva e manga para a União Europeia. Durante audiência pública com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária, o senador citou o grande impacto da sobretaxa na produção dessas frutas na região de Petrolina (PE) e Juazeiro (BA). A região é responsável por mais de 90% da produção de uva e manga exportada pelo Brasil.

“Esse agronegócio tem um volume de mais de US$ 300 milhões por ano e é responsável por mais de 100 mil empregos, especialmente em Petrolina e Juazeiro, na Bahia. Por isso, precisamos acabar com a sobretaxa de uva e manga para União Europeia. A gente paga 12% a mais. Chile e Peru não pagam. Isso está tirando o mercado e o emprego aqui no Brasil. Precisamos agilizar o acordo Mercosul – União Europeia em defesa do interesse nacional”, ressaltou o senador.

LEIA MAIS

Senar Juazeiro abre inscrições curso gratuito de Técnico em Agronegócio 

(Foto: ASCOM FENAGRI)

Os interessados em participar do processo seletivo do Curso Técnico em Agronegócio do Senar podem fazer as inscrições até o próximo dia 14 de fevereiro. Tanto o curso quanto as inscrições são gratuitos, e podem ser efetuadas através do site do Senar.

Na Bahia estão sendo oferecidas 160 vagas, sendo 60 em Barreiras, 60 em Juazeiro e 40 em no polo de ensino de Salvador. Possui 80% da carga horária a distância e os outros 20% das aulas são presenciais.

O curso é oferecido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), que possui mais de 25 anos atuando com educação voltada para o setor agropecuário e é certificado pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC).

LEIA MAIS

Rejeitos de Brumadinho ameaçam contaminar o Rio São Francisco; produção de Petrolina pode ser afetada

Pesquisadores temem que produtos tóxicos eventualmente despejados no rio sejam carregados até áreas produtivas. (Foto: Divulgação/Ministério da Integração Nacional)

Pesquisadores da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) temem que os efeitos do desastre ocorrido em Brumadinho (MG) afetem a população pernambuco. O grupo está realizando um estudo emergencial a partir de imagens de satélites para descobrir o alcance de uma provável contaminação da bacia do Rio São Francisco.

O responsável pelo estudo e pós-doutor em risco de desastres pela Universidade de Buenos Aires (Argentina), Neison Freire, está avaliando os volumes em quilômetros quadrados e a velocidade de movimentação da lama. “Teremos a extensão da área de contaminação até determinada data. Saberemos se haverá possibilidade de atingir a bacia do São Francisco. Se houver contaminação lá, com certeza sentiremos aqui. Fatalmente o rio será contaminado. Procuramos agora o nível de contaminação. Mais cedo ou mais tarde isso chegará à foz, em Piaçabuçu, Alagoas”, explicou o pesquisador.

Em Pernambuco, Neison demonstra preocupação especialmente com a produção frutiovinocultura (consorciação de fruteiras com criação de ovinos) de Petrolina. “Os elementos dessa vez são mais pesados que os da barragem de Mariana, rompida em 2015. Por isso temos mais energia cinética (que dá velocidade à lama) e mais poder de destruição”, avalia.

“Se for detectado metal pesado nos melões ou nas mangas produzidas em Petrolina, sem dúvida as exportações para a Europa serão afetadas. O problema vai do pescador, do pequeno produtor, até o grande latifundiário. Falamos de um rio que já é muito sofrido. Pela contaminação por esgoto, desmatamento, assoreamento”, ressalta o pesquisador.

O problema, contudo, não é a lama em si, mas os elementos químicos que se misturam na água, segundo o doutor em Oceanografia Biológica pela Universidade de São Paulo Clemente Coelho. “Não veremos a parte física, aquela lama, mas sentiremos a partir do material diluído na água. E, mesmo se toda a lama fosse contida agora, esse material chegaria até o litoral através da cadeia de fauna e flora do rio São Francisco.

LEIA MAIS

Senar abre inscrições para curso Técnico em Agronegócio, há vagas para Juazeiro

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) está com inscrições abertas para o curso Técnico em Agronegócio. Há vagas para Barreiras, Juazeiro e Salvador. 80% do curso é a distância e os outros 20% serão presenciais, no polo escolhido.

A carga horária do curso é de 1.230 horas e durante a formação o estudante será capacitado a planejar e auxiliar na organização e controle das atividades de gestão do negócio rural. Para Juazeiro há 60 vagas. As inscrições seguem até 14 de fevereiro pela internet.

Informações sobre a documentação necessária, inscrição e o curso podem ser consultadas no site do Senar ou pelo número 0800 642 0999.

Inédito no país, livro de inglês voltado ao agronegócio será lançado em Petrolina

O livro será lançado na quarta-feira (23) no auditório do Petrolina Palace Hotel, às 19h30. (Foto: Ascom)

Em um ranking que leva em conta 54 países com fluência no inglês, a Unesco posicionou o Brasil na 46ª posição. Em Petrolina (PE), um projeto da escola de inglês AECUS quer trazer para o dia a dia dos produtores rurais do Vale do São Francisco mais de 800 termos específicos que existem no mundo dos negócios agrícolas.

O projeto ‘Agribusiness English Course’ consiste em três volumes de um livro didático que será lançado na próxima quarta-feira (23), às 19h30, no auditório do Petrolina Palace Hotel. A coletânea é uma iniciativa inédita no país. Até agora não havia material com vocabulário técnico voltado para o agronegócio que atendesse a demanda de produtores, engenheiros, pesquisadores agrônomos, dentre outros.

Segundo o diretor da AECUS, Júlio Bernardino, a ideia de desenvolver o livro surgiu em 2009, quando percebeu as dificuldades que os produtores do Vale do São Francisco tinham ao iniciarem um diálogo com estrangeiros, repleto de inglês técnico. “Na prática, existe o inglês geral e o específico, de acordo com a área do conhecimento. Se o profissional não conhece os termos técnicos da sua área, dificulta a sua comunicação”, disse.

LEIA MAIS

IBGE estima queda de 5,5% na safra de grãos para este ano, outros produtos também estão na lista 

(Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)

A safra de cereais, leguminosas e oleaginosas do país deve fechar 2018 com queda de 5,5% na comparação com as 240,6 milhões de toneladas do ano passado – número recorde.

Segundo previsão de novembro feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção deste ano deverá ficar em 227,3 milhões de toneladas.

A previsão é 0,1% superior a feita pela pesquisa de outubro do IBGE. A queda da produção de 2017 para 2018 deverá ser puxada principalmente pelo milho (-17,8%), arroz (-5,6%), feijão (-9,8%) e sorgo (-5,4%). A soja, com uma alta de 2,6%, deve evitar uma queda mais acentuada, assim como o algodão herbáceo (28,6%) e o trigo (34%).

Outros produtos

LEIA MAIS

Ampliação da Vinícola Terra Nova deverá criar 100 novos postos de trabalho em Casa Nova

O governador Rui Costa (BA) autorizou a ampliação da unidade da vinícola Terra Nova em Casa Nova. Nos próximos dois anos o grupo deverá investir R$ 30 milhões na ampliação do espaço e produção de vinhos, além de implantar uma nova linha de fabricação de sucos.

A meta do grupo é dobrar a produção anual de vinhos e espumantes, passando dos atuais quatro milhões de litros para oito milhões. Estima-se ainda a geração de 100 novos empregos, somando-se aos 180 postos de trabalho já existentes na vinícola.

Em Casa Nova a vinícola conta com 200 hectares irrigados com as águas do Rio São Francisco, por meio do sistema de gotejamento. Anualmente são realizadas duas colheitas anuais. A autorização foi concedida na quarta-feira (5), juntamente com autorizações para a cidade de Barra ao grupo Miolo.

Com informações do A Tarde

Alto volume de chuva traz prejuízo para produtores de uva do Vale do São Francisco

Em seis dias de precipitação, produtores calculam prejuízos que já chegam a R$ 7 milhões. (Foto: ASCOM)

A tão esperada chuva chegou, mas o volume de água foi acima do esperado. Na zona rural de Petrolina (PE), produtores de uva calculam os prejuízos, que, em seis dias de precipitação, já chegam a R$ 7 milhões e uma perda de 650 toneladas da fruta. Os pomares estão molhados, trabalhadores parados e os produtos perecendo.

Segundo cálculos do Sindicato dos Produtores Rurais do município (SPR), feitos a partir dos relatos dos fruticultores, há a estimativa de que 35% da produção de uva que estava pronta para colheita tenha sido comprometida com a chuva, que registrou uma média de 90 milímetros nas regiões de fazendas. “A maioria das variedades de uva não suporta tanta água”, comenta o gerente executivo da entidade, Flávio Diniz.

Flávio explica que os prejuízos dos últimos seis dias se concentram nas frutas que seriam colhidas para o consumo interno durante o Natal. Mas as consequências podem se estender para o próximo ano. “Os produtores já vêm se preparando há algum tempo para a safra 2019.1, só que a uva tem um ciclo, ela obedece a tratos culturais. E por conta da chuva poderá existir uma redução de produtividade”.

LEIA MAIS
1234