Ronaldo Cancão responde pais de Beatriz: “Não queiram encontrar mais um culpado”

Vice-presidente da Câmara respondeu aos pais de Beatriz (Foto: Jean Brito/CMP)

“Não conheço Allinson, não sei onde ele mora”. Foi assim que o vereador Ronaldo Cancão (PTB) se manifestou sobre a nota dos pais de Beatriz Angélica Mota que criticava o edil por ter permitido a presença de Wank Medrado na Casa Plínio Amorim na sessão da última terça-feira (8).

Segundo o vereador, a postura dos pais em repudir a Câmara de Vereadores abalou seu estado emocional ao ser apontado por algo que não tem culpa – a morte de Beatriz. “A mãe tem todo meu sentimento, o pai tem toda minha solidariedade, mas não queiram encontrar mais um culpado. Eu não assassinei Beatriz, eu abri as portas como vereador para receber ela como mãe, sofrida, machucada e querendo a verdade”, explicou.

Cancão foi além e lembrou que a Câmara sempre apoiou o casal, inclusive dando suporte financeiro na busca por informações sobre o assassino. “Sabe quem defendeu para levantar o dinheiro para encontrar o autor do crime? R$ 5 mil foi o Estado, levantei da minha cadeira e fui junto à Cristina Costa, quem fez essa campanha fui eu e Cristina”, continuou.

Confira a seguir a resposta do vereador:

Caso Beatriz: família emite nota contra Câmara de Vereadores; Osório afirma que Legislativo está de portas abertas ao povo

Em nota, família critica espaço cedido à defesa de Allinson (Foto: Blog Waldiney Passos)

A participação do advogado que representa Allinson Henrique da Cunha – apontado pela Polícia Civil de Pernambuco como responsável por apagar imagens das câmeras de monitoramento do Colégio Auxiliadora no dia em que Beatriz Angélica Mota foi assassinada – na Câmara de Vereadores ainda repercute entre os edis de Petrolina.

LEIA TAMBÉM:

Caso Beatriz: Lucinha Mota protesta contra presença de advogado de Alisson na Câmara de Vereadores

Nessa quinta-feira (10) Lucinha Mota e Sandro Romilton publicaram uma nota de repúdio ao Poder Legislativo, por ter cedido espaço a Wank Medrado, representante legal de Allinson, que foi inocentado pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE). Os pais da garota criticaram a Câmara por chancelar a participação de Medrado, que tinha “a simples intenção de defender seu cliente”.

LEIA MAIS

“Não há nada contra Alisson e, portanto, a gente sustenta a inocência dele”, diz advogado de suspeito de apagar imagens do caso Beatriz

Wank Medrado discursa na Tribuna da Câmara de Petrolina em defesa de Alisson Henrique. (Foto: Jean Brito)

A Câmara Municipal de Petrolina (PE) foi, na manhã desta terça-feira (8), palco para mais um fato que envolve o “Caso Beatriz”. Após apresentar requerimento ao poder Legislativo, Wank Medrado, advogado de defesa de Alisson Henrique, suspeito de apagar imagens de segurança do Colégio Maria Auxiliadora, usou a Tribuna para esclarecer a versão de seu cliente.

LEIA TAMBÉM: 

Caso Beatriz: Lucinha Mota protesta contra presença de advogado de Alisson na Câmara de Vereadores

“Estão colocando carro atrás de mim, tentando me intimidar”, diz Lucinha Mota

“Alisson é detentor de uma empresa micro que prestava serviços de informática ao Colégio Nossa Senhora Auxiliadora há mais de 14 anos, um sujeito de bem, uma pessoa muito bem conceituada na sociedade, mas que por erro, que nós atribuímos a uma investigação deficiente, terminou sendo apontado como uma pessoa que teria contribuído para o desaparecimento das imagens”, disse Medrado em discurso para o plenário.

Em coletiva de imprensa, ainda na Casa Plínio Amorim, Wank afirmou que Alisson está em Petrolina, na companhia de familiares. Questionado sobre a ausência do suspeito na Câmara, o advogado afirmou que Alisson não está em condições emocionais favoráveis.

LEIA MAIS

Pais de Beatriz acompanham visita do governador Paulo Câmara e cobram providências sobre investigações

(Foto: Blog Waldiney Passos)

Lucinha Mota e Sandro Romilton, pais da menina Beatriz Angélica Mota, assassinada em dezembro de 2015, durante uma festa de formatura no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora em Petrolina (PE), estiveram presentes no Seminário ‘Todos por Pernambuco’, que contou com a presença do governador de Pernambuco, Paulo Câmara, na última quarta-feira (21).

A presença dos pais de Beatriz foi mais uma forma de pressionar o governo do Estado sobre a elucidação do caso, que até hoje segue sem respostas.

“Eu estarei presente em Petrolina toda vez que o governador Paulo Câmara estiver aqui ou quando mudar de governador, eu também estarei aqui, enquanto eu tiver vida eu vou pressionar, eu vou cobrar, exigir, por que é um direito de Beatriz. Beatriz não está aqui fisicamente, mas eu estou e eu vou cobrar todas as vezes que ele estiver aqui”, disse Lucinha.

Reunião

Na próxima segunda-feira (26), Lucinha e Sandro participarão de uma reunião no Palácio das Princesas, com o Governador Paulo Câmara, para tratar do andamento do caso Beatriz. O encontro que está marcado para às 16h, foi provocado pelo governador.

“A minha maior expectativa ainda é pela audiência que será realizada pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal, prevista para outubro, onde eu fiz diversas denúncias, inclusive à Polícia Civil de Pernambuco, acredito que devido a essas  denúncias, o Governador queira conversar comigo, é uma pena, por que muito antes de realizar a denúncia eu o procurei”, ressaltou Lucinha.

“Allinson não vai se entregar porque ele é culpado, quando a pessoa é culpada ela foge, igual um rato”, diz Lucinha Mota

Lucinha Mota, mãe de Betariz Angélica Mota. (Foto: Arquivo da família)

Após a defesa de Allinson Henrique Carvalho Cunha, acusado de apagar as imagens das câmeras de segurança do Caso Beatriz, divulgar uma nota imputando o sumiço das gravações à Polícia Civil, Lucinha Mota, mãe de Beatriz, afirmou que essa atitude “só confirma que ele é culpado”.

Em entrevista ao programa Super Manhã, na rádio Jornal, com Waldiney Passos, Lucinha levantou questionamentos sobre as alegações da defesa Allinson. De acordo com os advogados, o fugitivo não teria se entregado por medo da polícia usar de “mecanismos ilegais e arbitrários a confessar crime que não cometeu”.

LEIA TAMBÉM

Perito afirma que imagens apagadas do Caso Beatriz foi erro da Polícia Civil

No entanto, Lucinha afirmou que o próprio Ministério Público já ofereceu proteção ao suspeito. “O crime que está sendo direcionado a ele é obstrução de justiça e falso testemunho. Ninguém está dizendo que foi Allinson que tirou a vida de minha princesa não. Eu que sou mãe de Beatriz tenho essa consciência. O Ministério Público pode dar proteção a ele. Por que ele não vai? Porque é culpado”, disse.

Lucinha afirmou ainda que os depoimentos de Allinson, Lorailde e Carlos André – que supostamente teriam apagado as imagens das câmeras – são controversos.  “Por tudo que eu já vi e o que foi dito pela própria desembargadora em Recife, quem apagou as imagens foi Allinson, Lorailde e Carlos André. A verdade é uma só, quando você fala a verdade sempre mantém o discurso e não é isso que acontece com esses três”.

A mãe de Beatriz disse pensar que todas as atitudes que se desdobraram do caso foram planejadas. “A imagem que não foi dada à polícia no dia, esse gravador que foi manipulado, esse pedido de dinheiro ao Colégio para mandar um HD para outro estado. Agora eu vou mais além, será que é só isso mesmo que eles querem esconder?”, questionou.

Caso Beatriz: “O que se tem feito para prender Alisson?”, questiona Sandro Romilton

Família de Beatriz cobra respostas sobre morte da garota (Foto: Blog Waldiney Passos)

O Caso Beatriz voltou a ser destaque na imprensa local nessa semana, novamente tendo Alisson Henrique de Carvalho no centro das atenções. O ex-funcionário do Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora é suspeito de apagar imagens das câmeras de segurança no dia em que Beatriz Angélica Mota foi morta, em 2015 e segue foragido.

LEIA TAMBÉM:

Caso Beatriz: “A impressão que eu tenho é que não estão fazendo é nada”, desabafa Lucinha Mota

Na quinta-feira (18) os pais de Beatriz receberam informações sobre a possível localização de Alisson. A Polícia Civil de Pernambuco, no entanto, não conseguiu localizá-lo na residência. A atuação da instituição de segurança foi criticada pelos pais da garota, conforme mostramos ontem.

Pai de Beatriz, Sandro Romilton conversou com o Blog Waldiney Passos e voltou a questionar a capacidade da Polícia Civil em continuar à frente do caso que completará quatro anos em dezembro.

LEIA MAIS

Caso Beatriz: “A impressão que eu tenho é que não estão fazendo é nada”, desabafa Lucinha Mota

Familiares de Beatriz foram cobrar Polícia Civil sobre investigação (Foto: Blog Waldiney Passos)

Revolta. Esse é o sentimento de Lucinha Mota e Sandro Romilton, pais da menina Beatriz Angélica Mota. Nessa sexta-feira (19) eles foram até o Batalhão da Polícia Militar de Petrolina, onde também está localizada a Delegacia da Polícia Civil que investiga o Caso Beatriz para cobrar respostas sobre a investigação.

LEIA TAMBÉM:

Caso Beatriz: “A impressão que eu tenho é que não estão fazendo é nada”, desabafa Lucinha Mota

Os pais da garota e familiares não conseguem entender por qual motivo Alisson Henrique de Carvalho, suspeito de apagar imagens das câmeras de monitoramento do Colégio Auxiliadora no dia em que a menina foi morta, continua solto.

“Ficou provado que o Estado não tem nenhuma equipe de prontidão para prender Alisson. A impressão que eu tenho é que não estão fazendo é nada. Quando me refiro à Polícia Civil me refiro à instituição, não vamos arredar os pés daqui enquanto vocês provarem na prática quem são os agentes que estão na rua”, disse Lucinha.

Ontem (18) policiais foram à uma residência no bairro Padre Cícero, onde Alisson estaria escondido. Segundo os pais de Beatriz, apesar de haver um mandado de prisão expedido contra ele, a Polícia Civil de Pernambuco demorou em agir.

LEIA MAIS

Polícia Civil de Pernambuco afirma que Caso Beatriz tem “estrutura necessária”

Polícia Civil de Pernambuco se manifesta após falas da mãe de Beatriz (Foto: Blog Waldiney Passos)

Um dia após o cumprimento do mandado de busca e apreensão na residência de Alisson Henrique de Carvalho, suspeito de apagar imagens das câmeras de segurança do Colégio Auxiliadora, a Polícia Civil de Pernambuco emitiu uma nota refutando as críticas feitas pelos pais de Beatriz Angélica Mota sobre inoperância do órgão.

Segundo a Polícia Civil, o caso conta com uma delegada exclusiva, Polyana Neri, e “estrutura necessária, além de contar com o apoio do Ministério Público e da Diretoria de Inteligência da PCPE”, mesmo com as afirmações de Lucinha Mota e Sando Romilton de falhas na investigação.

LEIA TAMBÉM:

Após receber informações sobre o paradeiro de Alisson, Lucinha Mota entra em greve de fome para conseguir mandado de busca e apreensão contra o acusado

Ontem (18) Lucinha chegou a fazer greve de fome, cobrando da Polícia Civil a prisão de Alisson que estaria escondido na sua própria residência, no bairro Padre Cícero. De acordo com a família, em nenhum momento a instituição informou se houve alguma prisão ou atualização do caso.

Confira a seguir a resposta da Polícia Civil:

LEIA MAIS

Após receber informações sobre o paradeiro de Alisson, Lucinha Mota entra em greve de fome para conseguir mandado de busca e apreensão contra o acusado

Policiais cercam residência de Alisson Henrique. (Foto: Preto no Branco)

Pouco mais de sete meses após o Tribunal de Justiça de Pernambuco decretar a prisão preventiva de Alisson Henrique de Carvalho, ex-funcionário do Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora, acusado de obstruir as investigações do Caso Beatriz, a busca pelo foragido parece estar próxima de ser encerrada.

LEIA TAMBÉM:

Caso Beatriz: “Sem previsão de entrega”, afirma defesa de Alisson um mês após o decreto de prisão preventiva

No final da manhã desta quinta-feira (18), Lucinha Mota, mãe de Beatriz, recebeu informações do paradeiro do acusado. De acordo com a reportagem do Portal Preto no Branco, que conversou com Lucinha, uma fonte anônima informou que Alisson estaria em sua própria residência, localizada em um bairro periférico de Petrolina (PE).

De posse das informações, Lucinha acionou a Polícia no intuito de que a prisão fosse cumprida. No entanto, segundo Lucinha, uma pessoa que está dentro da casa de Alisson não abre a porta, e os policiais precisam de um mandado de busca para adentrar o imóvel.

LEIA MAIS

Pais de Beatriz se reúnem com presidente da Comissão dos Direitos Humanos da Câmara dos Deputados

(Foto: Reprodução/Facebook)

Lucinha Mota e Sandro Romilton, pais de Beatriz Angélica Mota, se reuniram com o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, em Brasília. O encontro aconteceu na terça-feira (18), no momento em que a Comissão se dispôs a dar voz à luta do casal.

Helder Salomão (PT-ES) se comprometeu a, dentro das prerrogativas dos deputados federais, cobrar celeridade nas investigações do crime. Para quem não lembra, Beatriz foi morta em 2015, no Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora e desde então, apesar da repercussão do caso, ninguém foi preso.

No encontro com o deputado, os pais de Beatriz relataram a luta incansável por justiça. Ele recebeu um relatório que aponta várias falhas na investigação feita pela polícia de Petrolina e pede a federalização do caso. Também estiveram na reunião o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ), Tulio Gadelha (PDT-PE), que se comprometeu a abraçar a causa.

Lucinha e Sandro foram acompanhados pelos advogados Jayme Badeca, presidente da Comissão Especial da subseção OAB Juazeiro, Valentine Oliveira, secretária de formação do PSOL e Paulo José presidente, do PSOL de Juazeiro (BA).

“Enquanto tivermos força, energia, dinheiro, o que for, não vamos parar”, disse Sandro Romilton durante cerimônia de sepultamento do corpo de Beatriz

(Foto: Blog Waldiney Passos)

6 de abril de 2019, mais um dia marcante para a família de Lucinha Mota e Sandro Romilton, pais da menina Beatriz Angélica Mota, assassinada em dezembro de 2015, durante uma festa de formatura no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora em Petrolina (PE).

Neste sábado (06), o corpo de Beatriz foi exumado do cemitério da família, localizado na comunidade Lagoa da Pedra, zona rural de Juazeiro (BA), e transferido para o Memorial SAF em Petrolina.

Samira Mota, irmã de Beatriz, foi a primeira a chegar na cerimônia de sepultamento, prestigiada por familiares, amigos, e imprensa local. Em seguida, Sandro e Lucinha chegaram, bastante emocionada, ela não se conteve e abraçou a urna que depositava os restos mortais da filha.

Durante a cerimônia, Sandro Romilton falou sobre o que motivou a família a realizar a transferência do corpo da menina.

“Trazer Beatriz para Petrolina é necessário. Eu sempre repito, Beatriz nasceu em Juazeiro, mas foi morta em Petrolina, e isso não deve ser esquecido, um dos motivos que nos levou a trazer Beatriz para Petrolina foram as orações respondidas por Deus. E hoje, estamos trazendo o corpo físico dela, mas sua alma, seu espírito, traz um amor tão grande que vence qualquer tipo de ódio.”

LEIA MAIS

Homem rasga cartaz com foto de Alisson Henrique e lança veículo contra portão do Colégio Auxiliadora

Um homem ainda não identificado rasgou um dos cartazes colados na parte externa do Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora, com o rosto de Alisson Henrique, apontado pela Polícia Civil como responsável por apagar as imagens de câmeras de monitoramento no dia em que Beatriz Angélica Mota foi assassinada.

O flagra foi feito pela equipe da Rádio Jornal Petrolina que se encaminhava para uma pauta nas proximidades no começo da manhã dessa quinta-feira (21). Uma moradora contou a equipe que o vândalo chegou por volta de 5h, desceu do veículo gritando e rasgou o cartaz. Em seguida ele voltou ao veículo e atingiu o portão.

Ele fugiu em seguida e até o momento não foi identificado. O Blog entrou em contato com o Colégio Auxiliadora e fomos informados que a instituição se manifestará oficialmente a respeito do fato.

Lucinha Mota afirma que colégio se contradiz sobre imagens deletadas no dia em que Beatriz Angélica foi morta

(Foto: Blog Waldiney Passos)

Mãe de Beatriz Angélica Mota, Lucinha Mota questionou o posicionamento do advogado do Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora em creditar à Polícia Civil de Petrolina a responsabilidade de apagar as imagens do sistema de monitoramento no dia 10 de dezembro de 2015.

Para Lucinha o posicionamento da instituição não condiz com os fatos. “Desde quando as imagens foram divulgadas eu tive acesso às informações, são provas reais. Contra fatos não há argumentos, o dia e a hora de quando as imagens foram apagadas dentro do Colégio. É uma prova técnica, está lá”, afirmou ao programa Super Manhã com Waldiney Passos de segunda-feira (14).

LEIA TAMBÉM:

Caso Beatriz: Lucinha Mota faz apelo a sociedade para localizar Allinson Henrique

Caso Beatriz: “Sem previsão de entrega”, afirma defesa de Alisson um mês após o decreto de prisão preventiva

Caso Beatriz: advogado atribui à polícia responsabilidade por deletar imagens de HDs

Há três anos Lucinha e seu esposo, Sandro Romilton batalham incansavelmente para solucionar o caso e novamente veio a público cobrar o colégio onde Beatriz foi morta. Ela lembrou que na época do crime a instituição afirmou não ter câmeras de monitoramento, fato que representa uma contradição. “Um dia eu vou ter oportunidade de perguntar diretamente a Allinson e ao Colégio Auxiliadora e se eles quiseram já de pronto responder, é por que, no dia 10 de dezembro de 2015 o Colégio Maria Auxiliadora não entregou essas imagens à polícia?”, questionou.

LEIA MAIS

Caso Beatriz: Lucinha Mota faz apelo a sociedade para localizar Allinson Henrique

Lucinha Mota pede ajuda para obter informações sobre Allinson (Foto: Blog Waldiney Passos)

32 dias após o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) decretar a prisão de Allinson Henrique Cunha, a Polícia Civil de Petrolina ainda não conseguiu localizar o ex-funcionário do Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora, apontado nas investigações do Caso Beatriz como responsável por apagar imagens das câmeras de monitoramento no dia em que a garota foi morta.

Na sexta-feira (11) Lucinha Mota, mãe de Beatriz Angélica Mota, esteve no Recife em busca de informações sobre o recurso perpetrado pela defesa do suspeito. Para Lucinha, é importante a prisão de Allinson para esclarecer algumas perguntas que há três anos estão sem resposta.

LEIA TAMBÉM:

Caso Beatriz: “Sem previsão de entrega”, afirma defesa de Alisson um mês após o decreto de prisão preventiva

Caso Beatriz: advogado atribui à polícia responsabilidade por deletar imagens de HDs

Caso Beatriz: TJPE aceita recurso e decreta prisão preventiva de suspeito de apagar imagens

“A gente levanta uma série de questionamentos: por que ele apagou, ele estava a mando de alguém, ele recebeu algum dinheiro pra isso ou ele apagou porque quis apagar. São uma série de questões que podem direcionar a polícia para a motivação do crime”, disse em entrevista por telefone ao programa Super Manhã com Waldiney Passos.

LEIA MAIS

Caso Beatriz: “Sem previsão de entrega”, afirma defesa de Alisson um mês após o decreto de prisão preventiva

Alisson Henrique é considerado foragido desde o dia 12 de dezembro de 2018. (Foto: Blog Waldiney Passos)

Neste sábado, 12 de janeiro, completa-se um mês do decreto de prisão preventiva acatado pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), em desfavor de Alisson Henrique de Carvalho, ex-funcionário do Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora, acusado de obstruir as investigações do Caso Beatriz.

Imagens do sistema interno da escola mostram o momento no qual Alisson Henrique entra na sala de monitoramento do Colégio Auxiliadora e teria apagado as gravações do dia em que Beatriz foi morta. Ele é considerado foragido.

Na incessante luta por justiça, a mãe de Beatriz, Lucinha Mota, retornou ao Recife (PE), na Sexta-feira (11), onde conversou pessoalmente com o desembargador presidente do TJPE, Adalberto de Oliveira Melo. Na ocasião, Lucinha pediu agilidade e transparência nas investigações.

LEIA TAMBÉM:

Caso Beatriz: Polícia pede ajuda da população para localizar Alisson Henrique

Caso Beatriz: “Essa preventiva é um recomeço pra tudo, afirma delegada Polyana Neri

Por meio de nota, o TJPE informou ao Blog Waldiney Passos que um recurso da defesa relacionado à decretação da prisão preventiva de Alisson foi registrado no dia 04 de janeiro deste ano. Ainda segundo o Tribunal, o recurso “será analisado pela desembargadora Daisy Andrade, quando os autos voltarem da Diretoria Criminal do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) para o Gabinete da magistrada.” A previsão é que a desembargadora tenha acesso ao recurso na próxima semana.

LEIA MAIS
123