“O Colégio Maria Auxiliadora é um obstáculo na investigação”, diz mãe de Beatriz

Nessa terça-feira (10) fez quatro anos do caso. (Foto: Blog Waldiney Passos)

Durante a manifestação dos quatro anos da morte da garota Beatriz, os pais da menina falaram sobre diversas falhas no processo de investigação e apuração do caso. Dentre elas, eles lembraram da omissão do Colégio Maria Auxiliadora, palco do crime que chocou o país.

De acordo com Lucinha Mota, mãe de Beatriz, a escola tem sido um obstáculo na investigação. “Eu tenho mágoa porque a direção do colégio sabia do risco que todos estavam passando naquele dia. Hoje a gente vê que o Auxiliadora, de alguma forma, está tentando atrapalhar as investigações. É a única pessoa que eu vejo hoje como pessoa atrapalhando as investigações”, disse.

LEIA MAIS

“São quatro anos de dor, de muita saudade”, diz Lucinha Mota durante manifesto

Manifestação aconteceu na Praça Dom Malan, na Igreja Catedral de Petrolina.

No final da tarde dessa terça-feira (10), a família de Beatriz, juntamente com apoiadores do grupo “Somos Todos Beatiz”, realizaram uma manifestação para relembrar os quatro anos da morte da garota, que foi brutalmente assassinada dentro do Colégio Maria Auxiliadora.

Foi realizada uma exposição com fotos dos sete anos de Beatriz e dos quatro anos de luta, após a sua morte. Segundo Lucinha Mota, mãe de Beatriz, a exposição serviu para explicar para as pessoas toda a trajetória desses quatros anos.

Ainda de acordo com Lucinha, no entendimento da família, que realiza um trabalho paralelo de investigação, a impressão é de que o caso já foi solucionado. “A impressão que eu tenho é que, logo nos primeiros dias do crime, a polícia conseguiu identificar os assassinos de Beatriz e, não sei o porquê, não sei quem está financiando tudo isso para tentar colocar uma pedra no caso”, disse.

LEIA MAIS

Caso Beatriz: há quatro anos sem solução, grupo realiza manifestação em busca de justiça

O caso completa quatro anos nesta terça-feira (10). (Foto: Blog Waldiney Passos)

Nesta terça-feira (10) faz quatro anos que a garota Beatriz Mota foi brutalmente assassinada dentro do Colégio Maria Auxiliadora. Ainda sem resposta, o caso é coberto por fatos intrigantes, que dificultam o desfecho do crime que chocou todo o país.

Em busca de justiça, o grupo Somos Todos Beatriz, juntamente com a família da garota, realiza, nesta terça, uma nova manifestação, a partir das 17h, na Praça Dom Malan, em frente ao Colégio Maria Auxiliadora. Os protestos acontecem com uma mostra de fotos pessoais de Beatriz e da trajetória de luta do grupo que clama por justiça.

“A família da Beatriz Angélica Mota e o grupo Somos Todos Beatriz convidam toda população do Vale do São Francisco para participar de mais um manifesto por justiça. 4 anos sem Beatriz. Venha fazer parte dessa luta por justiça’, diz o convite para a manifestação.

Relembre o caso

Beatriz Mota tinha 7 anos quando foi brutalmente assassinada. Seu corpo foi encontrado em 10 de dezembro de 2015, com marcas de mais de quarenta facadas.

A garota sumiu durante festa na instituição de ensino em que estudava, o Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora, em Petrolina.

Com menos de 10% de valor arrecadado, Lucinha Mota pede contribuição em vaquinha para ajudar investigação do Caso Beatriz

Prazo para arrecadar meta é 24 de novembro (Foto: Jean Brito)

Lucinha Mota, mãe de Beatriz Angélica Mota, voltou a pedir a colaboração da sociedade na vaquinha on-line criada pela família da garota, morta em 2015. Com a meta de arrecadar R$ 75 mil até o próximo dia 24, até o momento pouco mais de 8% do valor estimado já foi obtido.

LEIA TAMBÉM:

Lucinha Mota lança campanha virtual para arrecadar fundos e dar continuidade às investigações particulares do caso Beatriz

“Já são quase quatro anos e até o momento não tivemos nenhuma prisão dos assassinos de Beatriz. Estamos fazendo uma investigação paralela, essa quantia que colocamos como objetivo para arrecadar é para contratar profissionais especializados na área de segurança, profissionais da área de informática, custo de viagens e despesas”, destacou Lucinha em um vídeo divulgado nas redes sociais.

LEIA MAIS

Comissão de Direitos Humanos e Minoria da Câmara Federal repudia demora na elucidação do caso Beatriz

Caso já vai completar quatro anos sem solução. (Foto: Blog Waldiney Passos)

A Comissão de Direitos Humanos e Minoria da Câmara Federal emitiu uma nota no final da tarde dessa quinta-feira (31) repudiando a demora elucidação do crime que vitimou a garota Beatriz, de sete anos, em Petrolina (PE).

O crime ocorreu em 10 de dezembro de 2015, durante uma solenidade de formatura do Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora. As investigações, a despeito do transcurso de aproximadamente quatro anos, encontram-se ainda na fase de inquérito policial, sem que se tenha conhecimento de que os prováveis autores tenham sido identificados.

Segundo a nota, o governado de Pernambuco, Paulo Câmara, afirmou que iria “acompanhar de perto o caso. Entretanto, conforme relato dos pais da criança, eles não tiveram mais retorno a respeito da investigação”.

LEIA MAIS

Lucinha Mota lança campanha virtual para arrecadar fundos e dar continuidade às investigações particulares do caso Beatriz

Lucinha Mota, mãe de Beatriz Angélica Mota, brutalmente assassinada em dezembro de 2015, durante uma festa de formatura no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, em Petrolina (PE), lançou nesta quinta-feira (24), uma campanha virtual no intuito de arrecadar fundos para a contratação de profissionais especializados para dar continuidade às investigações particulares do caso.

LEIA TAMBÉM

Caso Beatriz: advogado da família engrossa discurso de federalização após denúncia protocolada por Lucinha Mota

“Não me deram a oportunidade de lutar pela vida de minha filha, mas eu lutarei por um inquérito justo, Beatriz não será só um número nas estatísticas da violência, enquanto vida eu tiver lutarei por justiça”, diz Lucinha ao divulgar a campanha nas redes sociais.

Intitulada como ‘Investigação Caso Beatriz’, a campanha lançada no site “Vakinha Virtual” já está aberta e será encerrada no dia 24 de novembro. A família de Beatriz pretende arrecadar R$ 75 mil. “Esse tipo de trabalho é muito custoso, envolve muita gente e equipamentos, coisas que nunca imaginei”, ressaltou Sandro Romilton, pai de Beatriz, em entrevista ao Blog Waldiney Passos.

Caso Beatriz: advogado da família engrossa discurso de federalização após denúncia protocolada por Lucinha Mota

Investigação da família aponta interferência de policiais no caso (Foto: Blog Waldiney Passos)

Federalização. O pedido da família de Beatriz Angélica Mota voltou a cobrar que a investigação do caso vá às mãos da Polícia Federal. Nessa quinta-feira (16) o advogado da família, Jaime Badeca participou do programa Palavra de Mulher com a jornalista Sibelle Fonseca, em Juazeiro (BA) e comentou sobre a denúncia protocolada por Lucinha Mota na Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social (SDS) e no Ministério Público de Pernambuco, na quarta-feira (16).

“Houve muita negligência e compadrio, continua havendo muita cumplicidade. Ontem quando Lucinha vai a Recife e protocola essa denúncia [reforça isso]. Esses avanços são resultados dos avanços das investigações paralelas que Sandro e Lucinha fizeram. Eles estão saindo na frente, avançando. O Governo de Pernambuco não consegue evoluir”, pontuou.

LEIA TAMBÉM:

“Se houver elementos suficientes, poderá ser instaurado um Procedimento Administrativo Disciplinar”, diz Corregedoria Geral sobre denúncia de Lucinha Mota

Polícia Civil de Pernambuco afirma estar “empenhada na elucidação” do Caso Beatriz

Caso Beatriz: apuração particular da família aponta que agentes da polícia teriam atrapalhado investigações

De acordo com Badeca, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB) se comprometeu a federalizar o caso se houvesse comprovação de irregularidades nas investigações. Para o advogado, hoje está mais do que comprovada a necessidade de levar o trabalho à PF.

LEIA MAIS

“Se houver elementos suficientes, poderá ser instaurado um Procedimento Administrativo Disciplinar”, diz Corregedoria Geral sobre denúncia de Lucinha Mota

(Foto: Internet)

Em nota enviada ao Blog Waldiney Passos, a Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social de Pernambuco informou que recebeu a denúncia de Lucinha Mota, mãe de Beatriz. Uma investigação particular da família da garota, aponta que agentes da Polícia Civil teriam atrapalhado as investigações do caso.

LEIA TAMBÉM:

Lucinha Mota protocola denúncia e deve participar de reunião com o governo de Pernambuco na tarde desta quarta-feira

Ainda de acordo com a Corregedoria, uma Investigação Preliminar será instaurada para apurar os fatos relatados na denúncia, as partes serão ouvidas, e documentos serão analisados. Caso a investigação aponte elementos suficientes, o órgão pode instaurar um Procedimento Administrativo Disciplinar contra os acusados. Confira a íntegra da nota:

“A Corregedoria Geral da SDS informa que recebeu a denúncia, na manhã de hoje, e será instaurada uma Investigação Preliminar (IP) para apurar os fatos relatados. Serão ouvidas as partes envolvidas e testemunhas, além da análise de documentos e outros materiais que colaborem com esclarecimentos.  Se houver elementos suficientes, poderá ser instaurado um Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD).”

Lucinha Mota protocola denúncia e deve participar de reunião com o governo de Pernambuco na tarde desta quarta-feira

Lucinha Mota, mãe de Betariz Angélica Mota. (Foto: Arquivo da família)

O Blog Waldiney Passos acaba de ser informado que Lucinha Mota, mãe da menina Beatriz, está neste momento na Ouvidoria da Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social, em Recife (PE), protocolando a denúncia contra agentes da Polícia Civil, que segundo investigação particular da família da garota, atrapalharam as investigações do caso.

LEIA TAMBÉM:

Caso Beatriz: apuração particular da família aponta que agentes da polícia teriam atrapalhado investigações

De acordo com Sandro Romilton, pai de Beatriz, sua esposa, Lucinha Mota foi chamada pelo governo de Pernambuco para uma reunião, marcada para às 15h desta quarta-feira (16), no Palácio das Princesas. O Blog segue acompanhando os desdobramentos desta ação da família de Beatriz.

Polícia Civil de Pernambuco afirma estar “empenhada na elucidação” do Caso Beatriz

A Polícia Civil de Pernambuco (PC-PE) divulgou uma nota oficial sobre o novo fato do Caso Beatriz trazido pelos pais da garota nessa quarta-feira (16). De acordo com a Polícia, a instituição “continua empenhada na elucidação do caso” e tem uma delegada com dedicação exclusiva no inquérito.

LEIA TAMBÉM:

Caso Beatriz: apuração particular da família aponta que agentes da polícia teriam atrapalhado investigações

Contudo, a nota não responde aos questionamentos feitos por nossa Produção sobre a suposta interferência de agentes da corporação durante a investigação. Segundo Sandro Romilton, pai de Beatriz, há indícios e nomes de policiais os quais tentaram “desvirtuar” o trabalho da PC desde 2015.

Confira a seguir a íntegra da nota da Polícia Civil de Pernambuco:

LEIA MAIS

Caso Beatriz: apuração particular da família aponta que agentes da polícia teriam atrapalhado investigações

Família denuncia desvio de função de agentes da Polícia Civil (Foto: Blog Waldiney Passos)

Um novo fato trazido pela família de Beatriz Angélica Mota nessa quarta-feira (16) deve recolocar o Caso Beatriz em destaque. De acordo com Sandro Romilton, pai da garota assassinada dentro do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora em 2015, uma investigação particular apontou desvio de função de agentes da Polícia Civil de Pernambuco.

LEIA TAMBÉM:

Caso Beatriz: Lucinha Mota protesta contra presença de advogado de Alisson na Câmara de Vereadores

“Na nossa investigação paralela a gente descobriu coisas que nem gostaria de falar. Está tendo certo desvio de função, a gente está descobrindo que alguns agentes que participaram da investigação de Beatriz de uma certa maneira eles atrapalharam as investigações”, disse em entrevista no programa Super Manhã com Waldiney Passos, na Rádio Jornal Petrolina.

LEIA MAIS

Ronaldo Cancão responde pais de Beatriz: “Não queiram encontrar mais um culpado”

Vice-presidente da Câmara respondeu aos pais de Beatriz (Foto: Jean Brito/CMP)

“Não conheço Allinson, não sei onde ele mora”. Foi assim que o vereador Ronaldo Cancão (PTB) se manifestou sobre a nota dos pais de Beatriz Angélica Mota que criticava o edil por ter permitido a presença de Wank Medrado na Casa Plínio Amorim na sessão da última terça-feira (8).

Segundo o vereador, a postura dos pais em repudir a Câmara de Vereadores abalou seu estado emocional ao ser apontado por algo que não tem culpa – a morte de Beatriz. “A mãe tem todo meu sentimento, o pai tem toda minha solidariedade, mas não queiram encontrar mais um culpado. Eu não assassinei Beatriz, eu abri as portas como vereador para receber ela como mãe, sofrida, machucada e querendo a verdade”, explicou.

Cancão foi além e lembrou que a Câmara sempre apoiou o casal, inclusive dando suporte financeiro na busca por informações sobre o assassino. “Sabe quem defendeu para levantar o dinheiro para encontrar o autor do crime? R$ 5 mil foi o Estado, levantei da minha cadeira e fui junto à Cristina Costa, quem fez essa campanha fui eu e Cristina”, continuou.

Confira a seguir a resposta do vereador:

Caso Beatriz: família emite nota contra Câmara de Vereadores; Osório afirma que Legislativo está de portas abertas ao povo

Em nota, família critica espaço cedido à defesa de Allinson (Foto: Blog Waldiney Passos)

A participação do advogado que representa Allinson Henrique da Cunha – apontado pela Polícia Civil de Pernambuco como responsável por apagar imagens das câmeras de monitoramento do Colégio Auxiliadora no dia em que Beatriz Angélica Mota foi assassinada – na Câmara de Vereadores ainda repercute entre os edis de Petrolina.

LEIA TAMBÉM:

Caso Beatriz: Lucinha Mota protesta contra presença de advogado de Alisson na Câmara de Vereadores

Nessa quinta-feira (10) Lucinha Mota e Sandro Romilton publicaram uma nota de repúdio ao Poder Legislativo, por ter cedido espaço a Wank Medrado, representante legal de Allinson, que foi inocentado pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE). Os pais da garota criticaram a Câmara por chancelar a participação de Medrado, que tinha “a simples intenção de defender seu cliente”.

LEIA MAIS

“Não há nada contra Alisson e, portanto, a gente sustenta a inocência dele”, diz advogado de suspeito de apagar imagens do caso Beatriz

Wank Medrado discursa na Tribuna da Câmara de Petrolina em defesa de Alisson Henrique. (Foto: Jean Brito)

A Câmara Municipal de Petrolina (PE) foi, na manhã desta terça-feira (8), palco para mais um fato que envolve o “Caso Beatriz”. Após apresentar requerimento ao poder Legislativo, Wank Medrado, advogado de defesa de Alisson Henrique, suspeito de apagar imagens de segurança do Colégio Maria Auxiliadora, usou a Tribuna para esclarecer a versão de seu cliente.

LEIA TAMBÉM: 

Caso Beatriz: Lucinha Mota protesta contra presença de advogado de Alisson na Câmara de Vereadores

“Estão colocando carro atrás de mim, tentando me intimidar”, diz Lucinha Mota

“Alisson é detentor de uma empresa micro que prestava serviços de informática ao Colégio Nossa Senhora Auxiliadora há mais de 14 anos, um sujeito de bem, uma pessoa muito bem conceituada na sociedade, mas que por erro, que nós atribuímos a uma investigação deficiente, terminou sendo apontado como uma pessoa que teria contribuído para o desaparecimento das imagens”, disse Medrado em discurso para o plenário.

Em coletiva de imprensa, ainda na Casa Plínio Amorim, Wank afirmou que Alisson está em Petrolina, na companhia de familiares. Questionado sobre a ausência do suspeito na Câmara, o advogado afirmou que Alisson não está em condições emocionais favoráveis.

LEIA MAIS

Pais de Beatriz acompanham visita do governador Paulo Câmara e cobram providências sobre investigações

(Foto: Blog Waldiney Passos)

Lucinha Mota e Sandro Romilton, pais da menina Beatriz Angélica Mota, assassinada em dezembro de 2015, durante uma festa de formatura no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora em Petrolina (PE), estiveram presentes no Seminário ‘Todos por Pernambuco’, que contou com a presença do governador de Pernambuco, Paulo Câmara, na última quarta-feira (21).

A presença dos pais de Beatriz foi mais uma forma de pressionar o governo do Estado sobre a elucidação do caso, que até hoje segue sem respostas.

“Eu estarei presente em Petrolina toda vez que o governador Paulo Câmara estiver aqui ou quando mudar de governador, eu também estarei aqui, enquanto eu tiver vida eu vou pressionar, eu vou cobrar, exigir, por que é um direito de Beatriz. Beatriz não está aqui fisicamente, mas eu estou e eu vou cobrar todas as vezes que ele estiver aqui”, disse Lucinha.

Reunião

Na próxima segunda-feira (26), Lucinha e Sandro participarão de uma reunião no Palácio das Princesas, com o Governador Paulo Câmara, para tratar do andamento do caso Beatriz. O encontro que está marcado para às 16h, foi provocado pelo governador.

“A minha maior expectativa ainda é pela audiência que será realizada pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal, prevista para outubro, onde eu fiz diversas denúncias, inclusive à Polícia Civil de Pernambuco, acredito que devido a essas  denúncias, o Governador queira conversar comigo, é uma pena, por que muito antes de realizar a denúncia eu o procurei”, ressaltou Lucinha.

123