Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

ACONS classifica movimento estudantil de “fábrica de drogados sem compromisso social”

Após as manifestações nacionais da última sexta-feira (14), a Associação Nacional dos Conservadores (ACONS) criticou a forma de protestar de estudantes de Petrolina (PE) e Juazeiro (BA). Os manifestantes quebraram para-brisa, queimaram pneus na ponte Presidente Dutra, que também foi pichada por uma jovem e, segundo a ACONS, levaram “muita droga”.

Ainda de acordo com a associação, o presidente da Associação dos Professores Licenciados do Brasil (APLB) de Juazeiro passou pouco tempo na ponte e logo desceu, “deixando a baderna para os outros”. “O sindicato armou o circo e saiu”, disse.

Outra crítica da ACONS foi dirigida à atuação dos movimentos estudantis na manifestação. “Os movimentos estudantis vão enterrar todos os sonhos que você teve para seu filho. São fábricas de drogados sem compromisso social nenhum, apenas fidelidade a seus pares que cada vez mais se mostram terroristas urbanos”.

Manhã de manifestações têm BRs interditadas em Petrolina e Casa Nova

Integrantes do MST interditaram BR-235 (Foto: Reprodução/WhatsApp)

A sexta-feira (14) é marcada por manifestações em todo país e aqui na região, sindicalistas e estudantes foram às ruas de Petrolina e Juazeiro (BA), protestando contra a reforma da Previdência. O grupo chegou à Ponte Presidente Dutra perto de 11h30 e ateou fogo em pneus.

Trânsito na Ponte chegou a ser interditado

Eles interditaram o fluxo de veículos nos dois sentidos da BR-407, provocando congestionamentos nos dois sentidos. Apesar do transtorno, o trânsito já está liberado no local.

A mesma situação foi vista mais cedo na BR-253, em Casa Nova (BA). Integrantes do Movimento Sem Terra (MST) organizaram o ato e aproveitaram para denunciar o despejo de 600 famílias que estão acampadas em uma propriedade da zona rural.

Manifestantes de Juazeiro e Petrolina se encontram na Ponte Presidente Dutra

Grupo de Petrolina deixou Bambuzinho e vai se encontrar com juazeirenses (Foto: Blog Waldiney Passos)

Conforme o Blog mostrou há pouco, os manifestantes de Juazeiro (BA) e Petrolina já estão subindo a pé pela Ponte Presidente Dutra. Alguns integrantes do grupo que protesta contra a reforma da Previdência e os cortes na educação ateou fogo em pneus para impedir a passagem de veículos, na manhã dessa sexta-feira (14).

LEIA TAMBÉM:

Movimentos sociais encabeçam manifestação contra Reforma da Previdência e cortes na educação em Petrolina

Os grupo de Petrolina saiu da Praça do Bambuzinho em direção à Ponte, enquanto os juazeirenses deixaram o INSS e já estão na Orla da cidade, preparando a subida. Uma equipe do Blog está na cidade baiana acompanhando a mobilização.

O ato dessa sexta-feira é nacional e foi mobilizado pelas centrais sindicais há alguns meses. No Vale, além dos sindicatos há representantes dos estudantes das universidades públicas, professores, bancários e sindicalistas das cidades de Afrânio e Dormentes, em Pernambuco.

Atualizado ao 12h04

Movimentos sociais encabeçam manifestação contra Reforma da Previdência e cortes na educação em Petrolina

Grupo se reuniu no Bambuzinho (Foto: Blog Waldiney Passos)

A manhã dessa sexta-feira (14) é marcada por atos em diversas cidades do país. Em Petrolina, como de costume, a Praça do Bambuzinho foi escolhida como ponto de encontro de sindicalistas e estudantes que encabeçam a mobilização contra a Reforma da Previdência e os cortes na educação anunciados pelo Governo Federal.

Entre as entidades presentes etão a Fetaepe, Fetape, Sindsemp, CTB, Frente Brasil Popular, STTAR, Movimento dos Atingidos por Barragem (MAB), CUT, SindFisco, Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Afrânio (Sintea), Sinpaf, Sintelag, além de movimentos de estudantes e professores da Univasf, UPE e IF-Sertão.

Bancários querem fim dos privilégios dos mais ricos

Representando o Sindicato dos Bancários de Petrolina e Região (Seeb), o diretor Augusto Ribeiro fez um discurso contrário à proposta do Governo de Jair Bolsonaro (PSL). “Qual foi o privilégio que foi tirado até agora nessa elaboração da Reforma da Previdência? É uma falácia. Tem que cobrar a grande dívida aos grandes devedores“, disse.

LEIA MAIS

Estudantes vão às ruas de Petrolina em defesa da educação pública

(Foto: Blog Waldiney Passos)

A Praça do Bambuzinho foi mais uma vez, palco para manifestação de estudantes, trabalhadoras e trabalhadores e população em geral que se reuniram na tarde desta quinta-feira (30) em Petrolina (PE), contra o corte na educação e contra a reforma da Previdência Social.

Lideradas pela União Nacional dos Estudantes (UNE), apoiadas pela Frente Brasil Popular, as manifestações acontecem em todo o país, desde a manhã de hoje. “A ideia é mobilizar cada vez mais pessoas, toda a sociedade, em defesa dessa grande pauta que é a educação pública e também em defesa da previdência social pública, por que o que a gente tem aí como proposta de Paulo Guedes é a capitalização da previdência”, disse Bismarques Augusto, representante da Frente Brasil Popular/Petrolina.

Bruna Barbosa é estudante do curso de Medicina Veterinária na Univasf, e veio do interior de São Paulo para cursar o nível superior no Vale do São Francisco. Ela faz parte da UNE, através da União dos Estudantes de Pernambuco Cândido Pinto, e falou sobre a atual situação vivenciada pelos estudantes.

“Hoje nós estamos vivendo um cenário de desmonte da universidade pública. Na Univasf essa conta está sendo diretamente para o aluno. Já foram cortadas diversas bolsas de assistência estudantil, do total de 2 mil bolsas ofertadas no último processo seletivo, agora nós temos 500 bolsas. […] Nós estamos em extrema vulnerabilidade, a evasão na universidade só cresce e cada vez mais o filho do pobre, do trabalhador, não tem mais condições”, contou a estudante.

LEIA MAIS

Petrolina: estudantes realizam manifestação em defesa da educação nesta quinta-feira

(Cartaz/Divulgação)

Mais uma vez, estudantes, professores, trabalhadoras e trabalhadores e população em geral irão às ruas de Petrolina (PE) em defesa da educação pública e da Previdência social. As manifestações ocorrerão nesta quinta-feira (30), a partir das 15h, na Praça do Bambuzinho e principais avenidas da cidade.

Em nota, a Frente Brasil Popular/Petrolina, composta por entidades sindicais, associações e movimentos sociais, declarou apoio ao movimento dos estudantes, considerando a ação como parte da luta em defesa dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil.

LEIA MAIS

Vale do São Francisco também registra atos de apoio a Bolsonaro

Em Petrolina, grupo percorreu algumas ruas do Centro (Foto: Emerson Rocha/G1 Petrolina)

As manifestações de apoio ao governo de Jair Bolsonaro (PSL) também foram realizadas em Juazeiro (BA) e Petrolina (PE). Mobilizados através das redes sociais, os apoiadores do presidente da República foram às ruas na tarde de domingo (26).

Em Juazeiro a concentração aconteceu na Orla da cidade. Vestindo camisas da seleção e com a foto do presidente estampada, os juazeirenses levaram cartazes, alguns deles com críticas ao prefeito Paulo Bomfim (PC do B).  Já em Petrolina os manifestantes percorreram algumas ruas do Centro, como a Avenida Guararapes e seguiram até a Orla.

Os atos foram registrados em diversas capitais do país, inclusive no Distrito Federal e tinha como pautas: apoio às reformas de Bolsonaro e o pacote anti-crime apresentado por Sergio Moro. Os órgãos de segurança não informaram números oficiais a respeito do público presente nas manifestações.

Visita de Bolsonaro a Petrolina deve ser marcada por manifestações pró e contra presidente

(Foto: Internet)

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL) desembarcará em Petrolina no começo da tarde e deve ser recepcionado com manifestações favoráveis e contrárias a sua vinda. Durante a sessão de quinta-feira (23) na Câmara de Vereadores o Blog conversou com manifestantes os quais acompanhavam a votação do Título de Cidadão Petrolinese a Bolsonaro, que explicaram como será a agenda de hoje (24).

Apoiadores devem fazer recepção no Aeroporto

Segundo Everaldo de Almeida, que acompanhava a votação do Título, haverá uma recepção ao presidente ainda no Aeroporto de Petrolina. “Os grupos estão organizando um encontro no Aeroporto ao meio dia, ainda não sei a agenda oficialmente dele, mas a princípio essa recepção está mantida para o Aeroporto”, destacou.

Opositores também programam ato 

Representante do DA de Artes Visuais da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), Bruno de Melo explicou que movimentos sociais e estudantis estão mobilizados para um protesto contrário ao presidente. “A gente está se organizando para fazer essa recepção às avessas, para que ele nunca mais volte e pise mais”, afirmou.

LEIA MAIS

Trânsito na Ponte Presidente Dutra está paralisado devido a manifestação de estudantes

Trânsito em Juazeiro já está congestionado (Foto: Reprodução)

A manifestação dos estudantes, professores e servidores técnicos administrativos das universidades e institutos federais de Petrolina chegou à Ponte Presidente Dutra, que liga Pernambuco a Bahia. O grupo de Juazeiro – reunido em frente ao INSS – começou a subida pela Ponte por volta de 11h40.

LEIA TAMBÉM:

Em dia de manifestação nacional, Petrolina realiza ato contra cortes na educação

O trânsito no lado baiano já está congestionado, com grandes filas já que esse é um horário de pico, enquanto o grupo de Petrolina caminha para se encontrar com os juazeirenses na Ponte. Antes, os manifestantes saíram em caminhada pela Avenida Souza Filho, passaram pela Prefeitura na Avenida Guararapes e paralisaram o trânsito por alguns minutos.

A manifestação dessa quarta-feira (15) é nacional tendo como principal pauta os cortes de 30% anunciado pelo Ministério da Educação (MEC), inicialmente às universidades que praticavam “balbúrdia”, mas se estendeu a todas instituições de ensino públicas.

Em dia de manifestação nacional, Petrolina realiza ato contra cortes na educação

Estudantes levaram cartazes e criticaram cortes (Foto: Blog Waldiney Passos)

A quarta-feira (15) é um dia de manifestação nacional pela educação. Estudantes, professores e servidores técnicos administrativos das universidades públicas e instituições federais se reúnem em capitais e cidades do interior, para denunciar a defasagem nas instituições e protestar contra os cortes anunciados pelo Ministério da Educação (MEC).

Petrolina não ficou de fora e a Praça do Bambuzinho recebe o ato público que conta com a participação de alunos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), Universidade de Pernambuco (UPE) e IF-Sertão, além de estudantes do ensino médio, prestes a ingressar na academia.

“Estamos todos contra o corte na educação”, dizia uma dos cartazes levantado por uma aluna, acompanhada de sua mãe na manifestação. De acordo com o presidente do Sindicato dos Docentes da Univasf, SindUnivasf, Adalton Marques, a paralisação de hoje é um chamamento para a greve geral de 14 de junho.

LEIA MAIS

Bancada de oposição: vereadores de Petrolina participam de ato em defesa da educação e contra a Reforma da Previdência

Bancada de oposição. (Foto: Ascom)

Esta quarta-feira (15) será marcada por mobilizações em todo o Brasil. Intitulado como Greve Geral, o movimento contra os cortes na educação realizados pelo governo federal e contra a reforma da previdência também acontecerá em Petrolina. De acordo com a coordenação do ato, a concentração está marcada para ás 8h30, na Praça do Bambuzinho.

Juntamente com a população, movimentos sociais e diversos segmentos da sociedade civil, os vereadores de Oposição de Petrolina, Cristina Costa (PT), Domingos de Cristália (PSL), Elismar Gonçalves (MDB), Gabriel Menezes (PSL), Gilmar Santos (PT) e Paulo Valgueiro (MDB), estarão presentes e convocam todos, inclusive as entidades do setor, para a paralisação nacional.

LEIA MAIS

Casa Nova: Prefeito Wilker Torres defende universidades públicas e apoia manifestações

O Prefeito Wilker Torres defendeu nas redes sociais, a unidade de luta contra os cortes propostos pelo governo federal e a participação da população nos atos previstos para esta quarta-feira (15), em todo o País.

“Casa Nova tem o dever de se posicionar contra estes cortes e contra o sucateamento dos Institutos Federais. Nosso município se tornou um polo de educação superior, com universidades públicas e privadas, com um IF (Instituto Federal), a ser inaugurado. Abrimos perspectivas de formação, capacitação e inserção no mercado de trabalho para nossos jovens. O fechamento destas instituições é um retrocesso e um atentado ao desenvolvimento de Casa Nova. Todos na rua para defender a educação”, conclama.

“Casa Nova mais uma vez é chamada e não fugirá à luta”, diz um trecho do post do gestor, convidando a população casanovense a participar do ato, que terá concentração em frente ao INSS de Juazeiro, a partir das 8h30, nesta quarta-feira (15).

Bancários de Juazeiro aderem à manifestação nacional da educação

Nesta quarta-feira (15) estudantes universitários, professores e servidores técnico administrativos paralisarão suas atividades em um ato nacional contra os cortes na educação, anunciado pelo Governo Federal no final de abril. Em Juazeiro (BA) a manifestação terá adesão dos bancários.

LEIA TAMBÉM:

Univasf realiza ato contra cortes na educação na quarta-feira, em Juazeiro

Em nota, o Sindicato dos Bancários de Juazeiro e Região (Seeb) confirmou adesão à Mobilização Nacional da Educação, cuja concentração será às 08:30h, em frente ao INSS da cidade. Essa não é a primeira vez que o Seeb se mostra contrário às pautas federais.

LEIA MAIS

Com manifestação nacional prevista para quarta-feira, ministro da Educação deve se reunir com reitores ainda nessa semana

Nesta quarta-feira (15) estudantes, professores e técnicos administrativos das universidades federais e institutos federais do país devem realizar um grande ato nacional contra o corte de 30% na educação, anunciado pelo Governo Federal no final de abril.

O movimento já vinha sendo organizado desde abril, quando o governo de Jair Bolsonaro (PSL) começou a tratar das mudanças na regra da contribuição sindical. O ato ganhou força nos bastidores, já que o corte na educação deve paralisar pesquisas e o andamento das universidades e IFs.

LEIA TAMBÉM:

Univasf realiza ato contra cortes na educação na quarta-feira, em Juazeiro

Para evitar um problema ainda maior, o  ministro da Educação, Abraham Weintraub, deve receber representantes da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), presidida por Reinaldo Centoducatte, reitor da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) na quinta-feira (16).

LEIA MAIS

Caminhoneiro sinalizam paralisação no dia 29 de abril

(Foto: Internet)

O reajuste no preço do diesel deixou os caminhoneiros descontentes e a categoria já estuda uma paralisação ainda em abril. Segundo o representante da categoria, Wanderlei Alves, mais conhecido como Dedéco, a manifestação da classe teria início na madrugada o dia 29.

A maioria dos grupos de caminhoneiros já decidiu pelo dia 29 de abril, tem uns ou outros que acham que é pouco tempo, que devemos esperar ainda, mas a maioria concorda sobre o dia 29 porque chegamos num ponto que não tem mais condições de trabalhar”, disse ao Broadcast Agro, do Estadão.

Em grupos de WhatsApp os caminhoneiros insatisfeitos com pacote de Jair Bolsonaro (PSL) já articularam uma greve. “Os caminhoneiros estão cientes de que, dentro de 14, 15 ou 16 dias vai ter outro aumento do diesel, e esse aumento de R$ 0,10/litro já afetou em R$ 1 mil o lucro mensal, e o frete continua o mesmo”, destacou Dedéco.

Na quarta-feira (17) a Petrobras elevou o preço do diesel em R$ 0,10/litro, o que implica uma variação mínima de 4,518% e máxima de 5,147%, nos seus 35 pontos de venda no Brasil. O aumento começou a vigorar na quinta, véspera de feriado. (Com informações do JC Online).

123