Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Parque Fluvial: prefeitura de Juazeiro realiza oficina sobre educação ambiental em passeio pelo Rio São Francisco

(Foto: Ascom PMJ)

A Prefeitura de Juazeiro (BA), através da Secretaria de Obras e Desenvolvimento Urbano (SEDUR), realiza, nesta sexta-feira (15), mais uma oficina da Meta 1 do Parque Fluvial, etapa voltada para a educação ambiental. Dessa vez, os participantes terão a oportunidade de contemplar a obra por outro ângulo, navegando pelo Rio São Francisco, em um passeio de barco por toda a extensão do Parque. A ação é gratuita e a saída está prevista para as 8h, na descida das barcas, na Orla da cidade.

Com o tema ‘Ação para conscientização de acessibilidade e mobilidade física’, a oficina tem como objetivo discutir o projeto de revitalização da Orla junto com a população, especialmente as pessoas com deficiência e os idosos. “Nós estamos fazendo um processo de construção coletiva. Assim como já ouvimos os skatistas e as pessoas que utilizam as quadras de futebol da Orla para adequar esses espaços, agora vamos conversar sobre acessibilidade e posteriormente adaptar a obra às necessidades daqueles que têm a mobilidade reduzida”, revela a diretora social da SEDUR, Graciele Gomes.

LEIA MAIS

Governo de Minas Gerais intensifica monitoramento da qualidade de água do rio Paraopeba

(Fotos: Sisema/Divulgação)

Desde o rompimento da barragem de Brumadinho (MG) em 25 de janeiro o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) monitora a qualidade da água do rio Paraopeba, principal atingido pelos rejeitos da Mina Córrego de Feijão. Na semana passada o Igam intensificou o monitoramento, dessa vez em áreas próximas ao rio São Francisco.

Quatro estações de amostragem foram criadas, somando 24 existentes. Segundo o Igam, a “ampliação vai aprimorar o acompanhamento dos parâmetros de qualidade feito pelo Instituto em pontos mais a jusante do local do rompimento da Barragem 1, da Vale, em Brumadinho”.

Três das novas estações de amostragem foram instaladas dentro do reservatório da Usina Hidrelétrica (UTE) de Três Marias, nos municípios de Felixlândia, Abaeté e Três Marias. “Existe a possibilidade de que parte do material que estava depositado na Barragem 1 possa alcançar o reservatório de Três Marias, sobretudo as partículas mais finas do rejeito. Entretanto não é possível afirmar se irá chegar e quando isso vai ocorrer. Tudo vai depender da dinâmica de transporte de sedimentos do rio, que varia de acordo com a quantidade e intensidade de chuva, tempo de detenção do reservatório de Retiro Baixo e da granulometria do rejeito”, afirma o diretor de Operações e Eventos Críticos do Igam, Heitor Soares Moreira. Com informações do Igam.

Juazeiro: movimentos sociais realizam ato em apoio a vítimas de Brumadinho

(Foto: MAB Bahia/Reprodução)

Hoje (25) o rompimento da Barragem da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG) completa um mês e em todo país instituições fazem atos públicos em solidariedade aos atingidos pela lama de rejeitos. Em Juazeiro, um grupo percorre as ruas do Centro até chegar na Orla II.

Os manifestantes saíram da Praça Dedé Caxias chamando atenção de juazeirenses e petrolinenses sobre o iminente risco de o rio São Francisco ser atingido pelos rejeitos. Nesse momento o grupo se dirige ao Vaporzinho onde um ato inter-religioso será realizado em memória às vítimas.

Além do Movimento dos Atingidos por Barragem (MAB), o Ato em solidariedade às vítimas de Brumadinho e em defesa do Rio São Francisco conta com organização do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Comissão Pastoral da Terra (CPT), CPP e a Articulação do Semiárido Brasileiro (ASA).

Univasf promove debate sobre chegada de rejeitos de Brumadinho ao Velho Chico

(Foto: Arquivo)

“Rio São Francisco: Causas e Desdobramentos do Rompimento da Barragem de Brumadinho/MG” é o tema de um debate promovido pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), logo mais às 19h, no campus de Petrolina.

O encontro é aberto ao público e acontecerá no auditório da biblioteca no campus sede. A iniciativa é promovida pelo Diretório Acadêmico (DA) de Ciências Biológicas, com apoio das Pró-Reitorias de Ensino (Proen) e de Extensão (Proex) da Univasf, do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e da Frente Brasil Popular.

A intenção do encontro é chamar a atenção da sociedade da região do Vale do São Francisco para as consequências do rompimento da barragem de Brumadinho. Haverá emissão de certificados aos participantes. Entre os integrantes da mesa está o reitor Julianeli Tolentino, que também é integrante do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF).

Alepe cria comissão para monitorar situação do Velho Chico

(Foto: Reprodução/Ministério da Integração Nacional)

Os deputados estaduais de Pernambuco instauraram a Frente Parlamentar em Defesa do Rio São Francisco, com a intenção de monitorar os impactos negativos com a chegada dos rejeitos da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG).

A Frente da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) fará audiências públicas, visitas técnicas e produzirá relatórios sobre a situação. Na semana passada o Blog Waldiney Passos conversou com o presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco (CBHSF), Anivaldo Miranda e ele foi categórico ao afirmar que o Velho Chico sofrerá impactos.

LEIA TAMBÉM:

Presidente do CBHSF faz alerta sobre rejeitos de Brumadinho no rio São Francisco: “Sem dúvida alguma haverá um impacto”

Isso porque os rejeitos de Brumadinho atingiram o rio Paraopeba e a pluma se encaminha a Três Marias, já na bacia do São Francisco. A Frente tem como coordenador-geral Lucas Ramos (PSB), que se encontrará com a comissão da Câmara dos Deputados.

A intenção da Alepe é promover debates também na Bahia, Rio Grande do Norte, Sergipe, Paraíba e Ceará, por onde o rio São Francisco passa. A pluma de rejeitos é monitorada pelo Instituto Mineiro de Gestão de Águas (IGAM) com apoio da Agência Nacional de Águas (ANA).

Presidente do CBHSF faz alerta sobre rejeitos de Brumadinho no rio São Francisco: “Sem dúvida alguma haverá um impacto”

Rompimento de Barragem no dia 25 deixou rio Paraopeba morto, Três Marias está no caminho dos rejeitos (Foto: Washington Alves/AFP Photo)

O rompimento da barragem de Brumadinho (MG) no dia 25 de janeiro provocou comoção nacional, pelo número de mortos, bem como das perdas materiais e ambientais. Os rejeitos minerais deixaram o estado mineiro em alerta, repercutindo também nos sertanejos banhados pelo rio São Francisco.

Desde o rompimento, órgãos estaduais e federais fazem o monitoramento da pluma de rejeitos. Segundo o presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco (CBHSF), Anivaldo de Miranda, é inevitável que o Velho Chico seja atingido. Ele conversou com exclusividade com o Blog Waldiney Passos por telefone e fez um alerta.

LEIA TAMBÉM:

Rejeitos de Brumadinho: nota informativa da Agência Nacional das Águas fala sobre possíveis impactos ao rio São Francisco

“A pluma está em evolução, segundo as primeiras informações de prognóstico a pluma chegaria no lago de Três Marias, que já é São Francisco entre os dias 15 e 20 desse mês. Ainda não chegou, ela está se aproximando. A última barreira das águas do Paraopeba atinjam Três Marias é o reservatório de Retiro Baixo, já está na entrada dessas águas. Em algum momento essa água atingirá Três Marias, ai serão necessárias análises dessa água”, explicou Anivaldo.

LEIA MAIS

Rejeitos de Brumadinho: nota informativa da Agência Nacional das Águas fala sobre possíveis impactos ao rio São Francisco

Segundo a ANA, no momento não é possível afirmar se os rejeitos da barragem de Brumadinho irão atingir o reservatório de Três Marias. (Foto: Divulgação/Codevasf)

A Barragem I da mina Córrego do Feijão, rompida no último dia 25 de janeiro de 2019, está localizada em Brumadinho (MG), em um córrego afluente ao rio Paraopeba, que, por sua vez, deságua no rio São Francisco no reservatório da Usina Hidrelétrica de Três Marias, localizado a 331 km da barragem rompida.

Segundo o Serviço Geológico do Brasil (CPRM), nesta quinta-feira (7), o ponto mais a vazante do rio Paraopeba onde foram identificadas alterações do parâmetro turbidez se localiza no município de São José da Varginha (MG). Este local se encontra a cerca de 200 km do início do reservatório da Usina Hidrelétrica (UHE) Três Marias. Entretanto, essas alterações se mostram ainda pequenas e dentro da faixa de valores usuais para o período.

LEIA TAMBÉM:

Rejeitos de Brumadinho ameaçam contaminar o Rio São Francisco; produção de Petrolina pode ser afetada

Vale ressaltar, ainda, que a ausência de precipitações significativas nos primeiros dias após o rompimento da barragem de Brumadinho colaborou para a baixa velocidade de propagação da frente de sedimentos e para sua deposição no leito do rio.

LEIA MAIS

Governo de Pernambuco fará pente-fino em barragens do Estado

Barragem de Palmeirinha, em Belo Jardim. (Foto: Divulgação/Compesa)

Depois de mais uma tragédia envolvendo barragens no país, o Governo de Pernambuco decidiu se precaver e vai criar um grupo de trabalho com o objetivo de cadastrar as barragens no Estado. A fiscalização deve ser encerrada em seis meses e a equipe será composta por pessoas de diferentes setores.

O processo será iniciado nas barragens de onde há maior índice pluviométrico, a Região Metropolitana do Recife (RMR) e a Zona da Mata Sul. Além da força-tarefa, prefeituras se preparam com os recursos que têm, mesmo que não tenham obrigações com as barragens.

A ação será encabeçada pela secretaria de Infraestrutura e Recursos Hídricos e servirá como um pente-fino. Dos 477 reservatórios em Pernambuco registados na Agência Nacional de Águas (ANA), 63 estão em perigo e são de responsabilidade do Governo do Estado, como Duas Unas, em Jaboatão e Pirapama, no Cabo de Santo Agostinho.

A Fundação Joaquim Nabuco continua monitorando o avanço do rejeitos de Brumadinho em direção ao São Francisco. De acordo com o pesquisador Neison Freire, é preciso se antecipar. “Nós pesquisadores podemos ajudar nessa antecipação. Nas cidades ao longo do rio, até a foz, em Alagoas, é preciso se prevenir. Incluindo as cidades que captam água da transposição”, disse. Com informações da Folha de Pernambuco.

Verão: Salva-vidas dá dicas de segurança para evitar afogamentos

(Foto: Maria Akemi)

O verão, estação mais esperada por muitos, começou no dia 21 de dezembro de 2018, e termina no dia 20 de março de 2019. Neste período, as temperaturas ficam mais elevadas e em cidades ribeirinhas como, Petrolina (PE) e Juazeiro (BA), os pontos de diversão mais disputados são as ilhas, e piscinas.

É nesta época também, que os números de afogamentos tendem a crescer. Em entrevista a Blog Waldiney Passos, o Salva-vidas Antônio Carlos, que atua na região do Vale do São Francisco há 12 anos, pontuou algumas dicas de prevenção de acidentes aquáticos. Confira:

Nunca deixar a criança sozinha

“Os pais devem ter muito cuidado com as crianças, nada de deixar criança à vontade. Antes de liberar o banho, se certifiquem das condições do local, profundidade, e limpeza, tudo isso deve ser levado em conta.”

Distância da margem

“Nós aconselhamos que as pessoas não se banhem na parte mais funda, tanto do rio como da piscina, tente se banhar no local que você tenha visualização. Caso haja alguma eventualidade o socorro chegará mais rápido por que a vítima foi visualizada.”

LEIA MAIS

Miguel Coelho acredita que ações devem evitar que rejeitos de Brumadinho atinjam São Francisco

Animais e seres humanos continuam sob lama desde sexta-feira (Foto: Rodney Costa/Getty Images)

Presente na audiência sobre o Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) nessa terça-feira (29), o prefeito Miguel Coelho comentou a situação de Brumadinho (MG) e se disse preocupado com uma possível chegada dos rejeitos ao rio São Francisco, mas afirmou que a situação vem sendo monitorada.

“A gente está preocupado sim, mas tanto a Defesa Civil Municipal quanto a do Estado têm monitorado [a situação]. A gente tem mantido contato com a Defesa Civil da Bahia também, porque se chega aqui, chega na Bahia antes, para que a gente possa tomar todas as medidas”, informou.

LEIA TAMBÉM:

Plano Municipal de Saneamento é debatido por entidades de Petrolina na manhã de hoje

Segundo o prefeito, as informações federais e estaduais indicam que a possibilidade dos rejeitos atingiram o Velho Chico é pequena. “[As ações são para] que esse sedimento possa ficar contido já na barragem de Baixo Retiro, a primeira antes de chegar em Três Marias e caso chegue em Três Marias eles já estão preparados em fechar a barragem, exatamente para evitar que contamine o São Francisco”, destacou à imprensa local.

LEIA MAIS

Especialista afirma que “rejeitos da barragem da Vale chegarão ao Rio São Francisco”

Bombeiros buscam vítimas em Brumadinho. (Foto: Whasington Alves/AFP Photo)

O geólogo e professor doutor em Geografia Física da Universidade Federal do Ceará (UFC), Jeovah Meireles, afirmou, nesse domingo (27), em entrevista à Agência Eco Nordeste, que os rejeitos de minério de ferro da Barragem 1 da Mina Feijão, em Brumadinho (MG), “chegarão até a Bacia do Rio São Francisco de qualquer forma”.

A barragem, que pertence à mineradora brasileira Vale, rompeu no início da tarde desta sexta-feira (25), deixando, a princípio, 58 mortos e 305 desaparecidos, casas soterradas, além de destruição da fauna e da flora da região. Outra 192 pessoas foram resgatadas com vida. Um ônibus foi encontrado na noite desse domingo com vários corpos.

“A lama contaminada com minério de ferro já atingiu o Rio Paraopeba, que deságua no Rio São Francisco. Então, mesmo que eles tentem conter o seguimento da lama de rejeitos na barragem da Usina Hidrelétrica de Retiro Baixo, quando houver precipitações acima da média na região, a barragem vai precisar sangrar e os rejeitos vão sair misturados à água. E essa água vai seguir o fluxo do rio, que deságua no São Francisco e em outros, até chegar ao mar. A contaminação irá se espalhar”, explica o professor. 

LEIA MAIS

Governo monitora lama de dejetos que pode atingir o Rio São Francisco

Barragem de Retiro de Baixo (Foto: Furnas)

A lama de rejeitos da barragem de Brumadinho (MG) atingiu o rio Paraopeba, um dos principais afluentes do rio São Francisco. Apesar disso, o governo espera que as barragens nos estados consigam amortecer a onda de rejeitos de minério e não impactem o Velho Chico.

O maior obstáculo é o reservatório da Hidrelétrica Retiro de Baixo, localizado a 220 km do acidente em Brumadinho, cuja previsão é que a lama alcance o local em até dois dias. Por precaução o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) determinou a interrupção da operação da usina.

LEIA TAMBÉM:

Rejeito de Brumadinho ameaça um dos principais afluentes do Rio São Francisco

Barragem da empresa Vale do Rio Doce se rompe em Brumadinho (MG)

A hidrelétrica pertence à Cemig e Furnas. A avaliação do ONS é que o acidente não terá impacto significativo nem causará problemas para a operação do sistema elétrico do país. Furnas também monitora a possibilidade de a onda de rejeitos atingir a usina de Três Marias.

LEIA MAIS

Rejeito de Brumadinho ameaça um dos principais afluentes do Rio São Francisco

Usina hidrelétrica de Retiro Baixo (Foto: Google Maps)

A chegada dos rejeitos da barragem de Brumadinho (MG) na hidrelétrica Retiro Baixo, instalada no Rio Paraopeba, representa uma ameça a este, que é um dos principais afluentes do Rio São Francisco, e pode comprometer as operações da usina.

A Agência Nacional de Águas (ANA), confirmou que a barragem da usina hidrelétrica Retiro Baixo, localizada a 220 km do local do rompimento “possibilitará amortecimento da onda de rejeito”. Segundo a ANA, a estimativa é que essa onda atinja a usina dentro de dois dias.

LEIA TAMBÉM:

Barragem da empresa Vale do Rio Doce se rompe em Brumadinho (MG)

A hidrelétrica Retiro Baixo está localizada entre os municípios mineiros de Curvelo e Pompeu. A usina tem duas turbinas em operação, com capacidade instalada de 82 megawatts, energia suficiente para atender 200 mil habitantes, e opera desde 2010. Seu reservatório é de 22 quilômetros quadrados.

LEIA MAIS

Estabelecimentos são multados por despejo irregular no rio São Francisco

(Foto: Ascom/PMP)

Equipes da Agência Municipal de Meio Ambiente (AMMA) identificaram na tarde de quinta-feira (24) irregularidades de duas empresas no bairro São José, por despejo direto no rio São Francisco. A ação realizada com apoio da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), dentro do programa Orla Nossa, descobriu que os estabelecimentos tinham ligação direta com o canal pluvial, mesmo existindo rede de saneamento.

Cada empreendimento foi multado em R$ 10 mil. Os proprietários têm 48h para fazer a ligação correta e caso não seja feito, os estabelecimentos serão interditados. Outras ligações irregulares foram identificadas, mas não foi possível saber a origem, mas as equipes vedaram a ligação.

“Desde o início da gestão tem sido uma preocupação do nosso prefeito Miguel Coelho o cuidado com o Rio São Francisco. Em mais uma ação, a AMMA vem desenvolvendo atividades para melhorar a vida dos petrolinenses e, principalmente, do Velho Chico”, disse o diretor-presidente da AMMA, Geraldo Miranda.

Moradores do bairro Angari encontram corpo de homem que teria se afogado no Rio São Francisco

(Foto: Reprodução/WhatsApp)

No início da tarde desta sexta-feira (11), moradores do Bairro Angari, Centro de Juazeiro (BA), encontraram o corpo de um homem boiando no Rio São Francisco, nas proximidades da Orla da cidade. Segundo informações de testemunhas, o homem teria se afogado enquanto tomava banho.

De acordo com informações que circulam nas redes sociais, a vítima morava no bairro Olarias, e trabalhava como carroceiro. Ainda não se sabe as reais causas da morte. O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML).

A equipe de produção do Blog Waldiney Passos tentou contato com o Corpo e Bombeiros de Juazeiro para saber maiores detalhes da ocorrência, mas não foi atendida pela autoridade responsável pelas informações.

123