Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Cristina Costa pede transparência sobre licitação do transporte realizada pela Câmara

(Foto: Blog Waldiney Passos)

Última vereadora a utilizar a Tribuna Livre na sessão de ontem (27), Cristina Costa (PT) chegou trazendo vários papéis em mãos. O motivo da documentação era a sua fala: a licitação do transporte na Casa Plínio Amorim, em Petrolina, alvo de uma ação no Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Ela foi atrás de toda documentação envolvendo a suspensão do processo licitatório da Câmara de Vereadores e afirmou que toda essa celeuma somente será resolvida apenas de fevereiro em diante, afetando diretamente a todos os edis.

LEIA TAMBÉM:

Presidente da Câmara de Vereadores, Osório Siqueira comenta decisão do TCE: “Decisão judicial se cumpre”

Conselheiro do TCE-PE suspende contrato de locação de veículos pela Câmara Municipal de Petrolina

Entretanto, o que chamou a atenção da petista foi o fato de a empresa participante da licitação da Câmara ser do Rio Grande do Norte, assim como a prestadora de serviço à Prefeitura Municipal, quando o município dispensou abrir licitação e fez um pregão online.

“Eu quero pedir à Comissão de Finanças que pegue o processo da Câmara e veja e empresa que entrou questionando o processo de licitação da Câmara, o valor que ela propôs e pegue o valor que a outra empresa do Rio Grande do Norte que está prestando serviços à Prefeitura de Petrolina [propôs]”, destacou Cristina.

Mais ética para dar exemplo

Para a vereadora é necessário ter ética e cumprir o que cabe ao Legislativo e reivindicou mais transparência da Câmara, com a instalação do Portal da Transparência. “Eu estou vereadora, o salário do vereador é R$ 15 mil, temos quatro assessores e todos são pagos com o dinheiro público. Você abre o Portal da Transparência e não consta o nome da vereadora e seus assessores”, argumentou.

Colegas da situação apoiam vereadora

Presidente da Comissão de Finanças, Ronaldo Silva (PSDB) argumentou que a transparência precisa ser cobrada de forma mais firme pela nova Mesa Diretora. “Tenho feito meu papel, tenho procurado informações da secretaria e da tesouraria daqui da Câmara, principalmente do repasse do município, não só esses contratos. Nós estamos sendo prejudicados por essa questão”, afirmou Ronaldo.

Ronaldo Cancão (PTB) também abordou a licitação, alegando que o processo foi indeferido pelo TCE por falta de documentação. “O Tribunal de Contas ele fiscaliza, não tem o poder de condenar ninguém. Mas isso [a celeuma da licitação] está prejudicando o andamento dessa Casa”, concluiu. Cícero Freire (PR) endossou a fala da colega, apoiando a necessidade da Câmara ter seu Portal da Transparência e “dar exemplo”.

Um Comentário

  • josé pedro quirino

    28 de novembro de 2018 at 15:11

    Quero ver quem terá coragem de abrir essa caixa preta que é o sistema de transporte de Petrolina. Um sistema que presta um desserviço ao povo que precisa , infelizmente desse transporte que é caro e ruim.
    O transporte intermunicipal prestado pela Joalina é outro. caríssimo. É um absurdo ser cobrado 12,00 R$ de Petrolina-Pau-Ferro, ônibus na maioria das vezes lotado. roda 53 km em linha reta cobrando um valor que acho exorbitante, principalmente em se tratando de pessoas que ganham muito pouco.
    Fica a dica. Que seja aberto a caixa-preta do sistema de transporte de Petrolina.

    Responder

Deixe uma resposta