Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes deve ter nome incluído no Livro dos Heróis da Pátria

Miguel Arraes governou o estado de Pernambuco durante dois mandatos.

Ocupando pela primeira vez o Palácio do Planalto, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, assinará uma lei que inscreve o nome do ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes (1916-2005) no Livro dos Heróis e das Heroínas da Pátria.

Inaugurado em 7 de setembro de 1986, o Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves é um memorial cívico fúnebre para homenagear pessoas brasileiras que, de algum modo, serviram para a maturidade e engrandecimento da Nação Brasileira. O livro reúne grandes nomes da história do Brasil, como Getúlio Vargas, Machado de Assis, Zumbi dos Palmares e Tiradentes, por exemplo.

Miguel Arraes

Miguel Arraes governou o estado de Pernambuco durante dois mandatos, quando venceu as eleições de 1986 e 1994. Seu primeiro governo foi caracterizado por programas voltados ao pequeno agricultor, como o “Vaca na corda”, que financiava a compra de uma vaca e o “Chapéu de palha”, que empregava canavieiros, no período de entressafra, na construção de pequenas obras públicas. Outro ponto central foi a eletrificação rural.

Seu último governo, quando foi forte opositor a Fernando Henrique Cardoso, foi marcado pela grave crise financeira do estado e pela greve das polícias civil e militar. Perdeu a reeleição em 1998 para seu ex-aliado e ex-prefeito do Recife Jarbas Vasconcelos, que obteve mais de 64% dos votos válidos. Em 2002, com 86 anos, venceu sua última eleição, elegendo-se o quarto deputado federal mais votado do Estado de Pernambuco

Arraes foi internado no dia 16 de junho de 2005, com uma suspeita de dengue. No dia 12 de agosto, foi anunciado que deixaria a unidade de tratamento intensivo. Porém, durante a madrugada do dia 13, piorou com um quadro de infecção generalizada. No fim da manhã daquele dia, faleceu depois de 59 dias de internação na UTI do Hospital Esperança, no Recife. A causa mortis foi um choque séptico causado por infecção respiratória, agravada por insuficiência renal.

Deixe uma resposta