Exclusiva: escolha do PT sobre nome que disputará governo do estado deve acontecer em maio, de acordo com senador Humberto Costa

Senador (esq.) revelou que PT pode ter candidatura própria ou se aliar a PSB (Foto: Ascom)

A escolha do Partido dos Trabalhadores para o nome que disputará as eleições de outubro para o governo de Pernambuco não deve ser definida por ora. Foi o que afirmou o senador Humberto Costa em entrevista exclusiva ao Blog.

Hoje três nomes disputam a preferência dos membros petistas: o deputado estadual Odacy Amorim, a vereadora do Recife, Marília Arraes e o militante dos movimentos sociais José de Oliveira, entretanto, a martelo somente deverá ser batido em maio.

“Hoje a decisão do partido tem é de ter uma candidatura própria, nós temos três nomes disputando: Odacy, Marília e José de Oliveira, militante do movimento social e ainda há uma discussão a ser feita antes disso, se o PT vai sair com uma candidatura própria ou se o PT vai fazer uma aliança, no caso com o PSB“, explica o senador.

LEIA TAMBÉM:

Em Petrolina, senador Humberto Costa reafirma que PT continua trabalhando na candidatura de Lula

Humberto Costa acredita que Lula pode participar das eleições de outubro

Pesquisa interna

Segundo Humberto Costa, o PT contratou uma pesquisa para analisar o cenário eleitoral e depois dessas informações será decidido o futuro ou não de uma aliança com os socialistas. O próximo passo para o diretório avançar na escolha dos nomes para a eleição a governo de Pernambuco em 2018 é uma reunião no dia 5 de maio.

No domingo (22) o Blog já havia adiantando que o senador tentará a reeleição, ratificando que será candidato se houver a construção de uma chapa forte, o que na visão dele “a chapa forte em que eu possa disputar é na aliança com o PSB”.

Reaproximação com PSB

O que para alguns possa ser motivo de estranhamento, para o líder do PT no Senado Federal, a reaproximação com o PSB foi um movimento natural, já que hoje os socialistas fazem oposição ao governo do presidente Michel Temer.

“Na verdade nós tivemos um afastamento muito sério, eles votaram pelo impeachment, nós tivemos disputas muito fortes em 2012, 2014 e 2016. No entanto, de um tempo pra cá eles têm mudado de posição, nacionalmente está contra o governo de Temer, está junto com nós na oposição, votou contra essas reformas todas. Portanto cria-se a condição para que a gente se aproximar nos estados“, afirma.

Apoio dos socialistas

Para Humberto Costa, a reaproximação com o PSB tem uma contrapartida: o apoio do partido nas eleições presidenciais. “Nós estamos querendo apoio do PSB para nossa candidatura presidencial”, explicou o senador. O nome preferido para representar o PT em outubro é o de Lula.

Deixe uma resposta