Execução do Projeto Cisternas do Constesf é avaliada positivamente por equipe do governo federal

(Foto: Ascom/Contesf)

O Consórcio Sustentável do Território do São Francisco (Constesf) acompanhou a vistoria técnica da representante da Secretaria Especial do Desenvolvimento Social, do Ministério da Cidadania, Isabele Villwock, às cisternas de consumo humano construídas pelo Constesf nos municípios consorciados.

Segundo Isabele, que esteve nos municípios baiano de Casa Nova, Juazeiro e Sobradinho, a avaliação teve um parecer positivo visto a qualidade das tecnologias construídas. “A gente avaliou o trabalho do Constesf e da entidade como positivo, entendemos que estão comprometidos com a execução. Foi uma visita que nos deixou satisfeitos em ver a boa e cuidadosa execução do programa. As cisternas estão em boa qualidade e técnicos comprometidos em campo”, disse.

O Constesf já construiu 1.291 cisternas de consumo humano em todo o Território do Sertão do São Francisco. O projeto Cisternas é executado através de convênio com o Governo Federal e em parceria com o Instituto Nordeste Digital.

Acompanhada pelo coordenador do Projeto Cisternas, Mauro Macêdo, a técnica do Ministério da Cidadania ressaltou ainda a importância da vistoria às tecnologias. “Para a gente servidor que trabalha no escritório do Governo Federal, é fundamental ir a campo conhecer não só a efetividade da política pública com a qual a gente trabalha, mas principalmente conhecer a realidade do público para quem a gente trabalha e o que aquilo muda na vida da família”, acrescentou Isabele.

De acordo com o Presidente do Constesf, o Prefeito de Canudos Genário Rabelo, já foram construídas mais de 3.000 tecnologias sociais em 10 municípios do Território do Sertão do São Francisco. “Ficamos felizes por termos a qualidade do nosso trabalho reconhecida e aprovada! Nós já construímos 3.079 tecnologias, entre cisternas para consumo humano, cisternas de produção e barreiros. Estamos cumprindo com nosso objetivo de promover o acesso à água, levando saúde e melhorando a vida de famílias rurais de baixa renda. São tecnologias sociais que garantem água de qualidade para o consumo humano e animal e para a produção de alimentos”, declarou.

Deixe uma resposta