Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Exumação do corpo de jovem gestante que faleceu no HDM está acontecendo na manhã desta quarta

A comissão é presidida por Ronaldo Cancão, além dos vereadores, Gabriel Menezes, Gilmar Santos, Rodrigo Araújo, Ronaldo Silva, Maria Elena e Paulo Valgueiro. (Foto: Blog Waldiney Passos)

A comissão de inquérito formada pela Câmara de Vereadores de Petrolina e a Polícia Civil já se encontram no cemitério Campo da Paz, no Henrique Leite, para a exumação do corpo da jovem Milian Carvalho da Silva, de 15 anos, que morreu no dia 02 de maio deste ano no Hospital Dom Malan/IMIP.

O procedimento foi autorizado pelo juiz Gabriel Augusto de Castro Pinto da 1ª Vara Criminal da Comarca de Petrolina após pedido da Polícia Civil. Na autorização, o juiz afirmou que “o corpo da adolescente não foi encaminhado ao IML para os procedimentos de necropsia”.

LEIA TAMBÉM

Justiça autoriza exumação de corpo de adolescente grávida que morreu no hospital Dom Malan/IMIP

De acordo com o delegado Gregório Ribeiro, que está no local e está substituindo o delegado Daniel Moreira – que é o titular do caso, mas está de férias -, “a exumação está sendo feita para descobrir a real causa da morte de Milian e para angariar alguns elementos para concluir as investigações que estão em andamento”.

A mãe da jovem, Enileide de Souza Carvalho, disse acreditar que a justiça irá prevalecer. “Isso [a exumação] representa que a justiça está sendo feita que a morte da minha filha não vai ficar só na estatística do Dom Malan. É um momento de muita dor, mas é necessário que seja feito para que a morte minha filha seja melhor esclarecida”.

Ela agradeceu ainda ao apoio prestado pela comissão formada pelos vereadores. “Agradeço a todos, principalmente à comissão de inquérito forma pela Câmara de Vereadores que está dando muito apoio”. A mãe de Milian afirmou ainda ter o desejo de saber o sexo da criança, que estava com cinco meses.

Por fim, Enileide afirmou que o hospital foi responsável pela morte de sua filha. “Não podemos permitir que outras mães passem por essa dor que estou passando, pois não é justo que a gente pague nossos impostos, procure atendimento no hospital e isso aconteça. Minha filha não morreu, eles mataram minha filha”.

Deixe uma resposta