Inclusão de membro LGBT no Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de Petrolina é vetada em votação apertada

Por 8 votos a 5, emenda foi rejeitada. Projeto passou por unanimidade (Foto: Blog Waldiney Passos)

A emenda aditiva apresentada pelo vereador Gilmar Santos (PT) ao projeto de Lei nº 039/2019, de Maria Elena de Alencar (PRTB), na sessão de quinta-feira (9), na Casa Plínio Amorim foi rejeitada por 8 votos a 5, após um longo debate marcado por declarações polêmicas.

Votado em primeiro lugar, o projeto que amplia o número de integrantes do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher para 24 – sendo 12 titulares e 12 suplentes passou por 18 a zero. A emenda de Gilmar – que teve apoio da autora do projeto – acabou rejeitada no plenário em uma votação que durou horas.

“Vamos votar na emenda que garante da mulher lésbica, a presença LGBT no Conselho. Está provado que homens e mulheres, diante de suas opções sexuais não representam nenhum mal, assumir sua preferência sexual e em que isso pode atingir a criação dos nossos filhos e da nossa família? Não precisa ser de esquerda, é uma questão de natureza e nós temos esse compromisso de particularizar os problemas e as dificuldades das pessoas”, disse Elena.

Membros da Situação reforçaram importância da emenda

Autor da emenda, Gilmar lembrou que o voto contrário dos vereadores governistas mostra uma contradição de interesses já que o prefeito Miguel Coelho trabalha com políticas de inclusão dos LGBTs na gestão municipal. “O que a vereadora está propondo é que mais mulheres sejam representadas. A mulher não é igual, existe a mulher rica e a mulher pobre, tem a mulher branca e a negra, assim como tem a mulher hétero e a mulher que se relaciona com mulher. A emenda de minha autoria é para que as mulheres LGBT possam debater seus direitos”, disse.

Aberto o microfone para justificativa dos edis, José Batista da Gama (PSB) foi claro ao afirmar que “Deus é um só” e não viu “nenhuma razão por não votar nessa semana. Por que não ter um membro LGBT nesse conselho? Não é porque é da vereadora Maria Elena que vou votar, se fosse do PT eu votava do mesmo jeito. Petrolina é uma cidade politizada e precisa acompanhar os avanços”.

Assim como Zé Batista, Ronaldo Silva (PSDB), aliado do prefeito votou a favor da emenda:

Cristina Costa (PT) que é companheira de Gilmar e reforçou o discurso dos colegas votou favorável à emenda e lembrou uma contradição dos edis: “eu aprovo uma Moção de Aplauso ao secretário-executivo Cássio Lucena [que é gay], mas a representatividade não pode participar do Conselho da Mulher. Por favor, não nos matem de vergonha. Na hora da eleição os LGBTs votam”, disse.

Vereadores colocam religião como justificativa a negativa

Do lado contrário à emenda se mostraram firmes no voto os pastores Elias Jardim (PHS) e Osinaldo Souza (PTB), além de Ronaldo Cancão (PTB), que é católico. Osinaldo afirmou que a “esquerda doente só quer falar em voto, quer sempre ter uma polêmica pra ter voto, mas não quer resolver problema nenhum” e complementou que “não cabe LGBT no projeto que define Conselho da Mulher?”.

Em seguida o vereador Elias fez um discurso citando que Deus criou o macho e a fêmea: confira no vídeo:

Cancão foi outro a citar a religião como seu argumento para rejeitar a emenda. O vice-presidente da Câmara disse que legisla conforme os princípios bíblicos e não estaria “dizendo que Deus maravilhoso contradizendo os princípios bíblicos” e que não poderia aprovar o pedido de Gilmar.

Líder da Oposição, Valgueiro questionou o andamento da sessão que viu o Plenário ficar vazio a medida que o debate se acalorava. A própria autora do projeto teve que se ausentar por motivos de saúde. Mesmo assim, depois de muito embate a emenda foi rejeitada.

Deixe uma resposta