Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Incra esclarece memorando sobre reforma agrária e afirma que documento foi “medida administrativa de cautela”

Blog entrou em contato com coordenação da unidade em Petrolina (Foto: Reprodução/Internet)

Depois de repercutir negativamente na imprensa nacional o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) revogou os memorandos circulares emitidos pelo próprio órgão do último dia 3, os quais determinavam a paralisação do programa de aquisição de terras para reforma agrária no país.

Na quarta-feira (9) nossa produção entrou em contato com a Superintendência Regional do Incra no Médio São Francisco (SR-29), em Petrolina pedindo informações sobre a situação da reforma agrária na região e recebemos uma nota esclarecendo o memorando.

LEIA TAMBÉM:

Incra decide revogar decisão de paralisar a reforma agrária no País

Segundo a nota, em nenhum momento o órgão “determinou a paralisação ou recebeu orientação para suspender ações” sobre a reforma agrária. O que houve, de acordo com o Incra foi uma “interpretação equivocada” dos órgãos de imprensa.

A nota assinada pelo presidente substituto do Incra, Francisco José Nascimento, ressalta ainda que a reforma agrária é uma política assegurada na Constituição Federal. No entanto, a SR-29 não retornou nossos questionamentos sobre o andamento dos processos de reforma agrária em Petrolina e região.

Leia a seguir a nota do Incra nacional:

Com relação às notícias sobre uma suposta “paralisação da reforma agrária” no País, o Incra informa que:

1. Em nenhum momento a autarquia determinou a paralisação ou recebeu orientação para suspender ações e programas relacionados à reforma agrária;

2. Os memorandos-circulares mencionados nas reportagens apenas visavam a preservar e a adequar eventuais ações do Incra até 25 de janeiro, quando a nova estrutura criada pela recente reforma administrativa entrará em vigor. Foi, portanto, apenas uma medida administrativa de cautela, tomada pelas diretorias de Obtenção de Terras (DT) e de Ordenamento de Estrutura Fundiária (DF);

3. Diante da interpretação equivocada e apressada dos memorandos, feita sobretudo por alguns órgãos de imprensa, a direção do Incra tomou a decisão de revogar os mesmos, tornando-os sem efeito;

4. O Incra destaca que a reforma agrária é uma política assegurada pela Constituição e reafirma que jamais houve determinação do Governo Federal para suspender ações nessa área.

Brasília, 09 de janeiro de 2019.

FRANCISCO JOSÉ NASCIMENTO
Presidente Substituto

Deixe uma resposta