Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Mulher acusada de fazer parte de facção criminosa do Ceará é presa em Juazeiro

(Foto: Divulgação/PM)

Na madrugada deste sábado (12), ao realizar rondas na invasão do bairro Alto da Aliança em Juazeiro (BA), policiais militares da 76ª CIPM avistaram um casal em atitude suspeita. De imediato foi feita a abordagem pessoal, e encontraram três trouxas de maconha e a quantia R$50,00 com Maximiliano Manoel Silva (ex-presidiário na Condicional pelo  crime de receptação).

Na companhia de Maximiliano, estava Girlene Dias Ferreira, com ela, os policiais encontraram duas trouxas de maconha. Questionados sobre onde moravam, os acusados entraram em contradição, gerando desconfiança da Guarnição, que se deslocou até um endereço indicado por eles.

De acordo com a polícia, ao chegar no local, a guarnição foi recebida pela mãe de Girlene, que primeiramente tentou esconder onde era a casa do casal, mas os  moradores indicaram a casa. Na residência, os policiais encontraram aproximadamente 2 kg de maconha, e três pedras de crack.

Com Girlene havia um aparelho celular da marca Samsung, modelo J2 Prime, com o aplicativo WhatsApp aberto. Segundo os policiais foram encontradas várias conversas sobre os ataques ocorridos no estado do Ceará nos últimos dias, bem como sobre as transferências dos presos para presídios federais.

Questionada sobre o conteúdo das conversas, Girlene confessou ser a conselheira de uma facção cearense, tendo fugido para Juazeiro para não ser presa devido a intensidade das operações policiais realizadas no Ceará. Devido a grande quantidade e riqueza dos detalhes contidos no aparelho celular, foi acionado os agentes Depol, policiais do DTE da Policia Civil para periciar o aparelho e também para ser levado à Polícia Federal por se tratar de um assunto que envolve a Segurança Nacional.

Os acusados juntamente com o material apreendido foram encaminhados para a Delegacia de Polícia Civil de Juazeiro (17ª COORPIN) para serem tomadas as medidas cabíveis.

Deixe uma resposta