Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Mulheres do Vale do São Francisco unidas contra Bolsonaro

Gercyane Mylena, militante do grupo “Sertanejas contra o Facismo”. (Foto: Blog Waldiney Passos)

No próximo dia (29), mulheres de todo o Brasil vão às ruas para expressar posicionamento contrário ao candidato à presidência, Jair Bolsonaro (PSL) e a qualquer discurso que viole os direitos das mulheres.  Em Petrolina (PE), o grupo “Sertanejas contra o Fascismo” promoverá um ato na Praça do Bambuzinho, centro, a partir das 9h.

O ato apartidário é mais um braço do movimento nacional “Mulheres unidas contra Bolsonaro” e da campanha #elenão disseminada nas redes sociais. São diversas mulheres, de várias idades, etnias e classes, que se unem em um só coro, sobretudo contra a misoginia e o machismo.

“Sertanejas contra o Fascismo” é um grupo que nasceu recentemente, oriundo do sentimento de indignação com a atual situação política do Brasil. Mulheres que resolveram se unir e lutar contra a disseminação do movimento fascista que ameaça o direito das mulheres.

Em entrevista para o nosso blog, Gercyane Mylena, militante do grupo responsável pela organização do ato, disse que a questão é de sobrevivência. “Quando existe um candidato que pratica um discurso fascista vem à tona para nós mulheres de um modo geral a necessidade de sobrevivência, por que essas pautas que estão sendo colocadas e defendidas infelizmente por uma grande parcela da sociedade brasileira, colocam a nossa existência em risco”, frisou.

Na Praça do Bambuzinho vai acontecer um momento de falas e de debate, em seguida as mulheres vão percorrer as ruas do centro de Petrolina, para dialogar com a população, panfletar e afirmar seus posicionamentos diante da atual conjuntura do país.

“Independentemente do resultado das eleições o nosso trabalho não vai parar, o trabalho de base não pode parar, o combate ao fascismo se dá no dia a dia, no cotidiano, ele deve ser constante, principalmente quando se trata dos nossos direitos”, disse Gercyane.

Em Juazeiro (BA), o ato contra Bolsonaro está sendo organizado pelas mulheres do Partido dos Trabalhadores (PT), e pelas mulheres do Partido Comunista do Brasil (PCdoB). A concentração está marcada para às 9h, na Praça Santiago Maior, no centro da cidade.

7 Comentários

  • Daniela

    26 de setembro de 2018 at 09:39

    Tenho certeza de que quem está vindo aqui se posicionar contra o ato nunca foi atrás procurar saber da integridade de seu candidato! O ato é pra garantir que o direito de vocês continuem intactos! Bolsonaro é uma ameaça para as classes que por muito tempo viveram sob desigualdade, como por exemplo os negros (que tiveram por muito tempo sob dominação,sendo escravos e ainda hoje são marginalizados); as mulheres (que por muito tempo não tiveram direitos nenhum, e hoje os direitos que possuem foram conquistados pelas feministas que vocês tanto condenam e demonizam); pelos indígenas (que são o povo base da formação brasileira, e que inclusive bolsonaro já declarou que não vai deixar sequer nenhum pedacinho de terra pra demarcação indígena). Mas agora se vocês preferem acreditar que voltar pra vida de “Amélia” que nossas ancestrais tinham antes, que objetificar nossas filhas e desrespeitar nossas mulheres é a saída pra liberar todo esse ódio elitista de vocês, continuem em frente, pensando somente em seus umbigos! Por que de onde eu venho, política se faz pensando na sociedade como um todo e não com egoísmo! Política se faz pensando desde a saúde à educação, desde a pobreza ao plano econômico que possa servir aos ricos e aos pobres. Ou seja, se faz com IGUALDADE para TODOS!

    Responder
  • Daniela Freire

    26 de setembro de 2018 at 09:49

    Tenho certeza de que quem está vindo aqui se posicionar contra o ato nunca foi atrás procurar saber da integridade de seu candidato! O ato é pra garantir que o direito de vocês continuem intactos! Bolsonaro é uma ameaça para as classes que por muito tempo viveram sob desigualdade, como por exemplo os negros (que tiveram por muito tempo sob dominação,sendo escravos e ainda hoje são marginalizados, e inclusive bolsonaro diz que racismo é “mimimi”); as mulheres (que por muito tempo não tiveram direitos e ainda hoje lutam com a desigualdade de gênero, feminicídio e com o machismo); os indígenas (que são os povos base da nossa nação, e que bolsonaro já deixou bem claro que não irá deixar nenhuma terra para demarcação). Vocês, mulheres, que o defendem, apenas o fazem por um ódio sem fundamento, pois hoje sabem muito bem que usufruem melhor do que ninguém os direitos conquistados pelas feministas que vocês tanto demonizam! Então parem de ofender, de objetificar mulheres! Nós não somos objetos, não servimos pra agradar homens, não servimos pra procriar! Somo donas do nosso corpo, da nossa vida! E mais, política não se faz por ódio, se faz com informações econômicas, sociais, e educacionais! Então parem de usar: pela família tradicional, pelos valores de bens…. isso candidato nenhum vai te oferecer, só quem pode ser responsável por isso é você mesmo!

    Responder

Deixe uma resposta