Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

“Nós estamos cumprindo nossa prerrogativa enquanto fiscalizador”, destaca vereador Gilmar, após ter Requerimento negado pela Situação

Vereador afirmou que prerrogativa do Legislativo é fiscalizar e pedir informações (Foto: Blog Waldiney Passos)

O Requerimento nº 160/2019 apresentado pelo vereador Gilmar Santos (PT) no qual o edil solicitava da Prefeitura de Petrolina informações a respeito dos professores atuantes na rede municipal de ensino foi derrubado por 12 votos a seis na sessão de terça-feira (14).

LEIA TAMBÉM:

Aero Cruz justifica voto contrário da situação contra requerimento de Gilmar Santos

Bancada da Situação derruba Requerimento apresentado por Gilmar Santos

Durante coletiva de imprensa após a derrubada do pedido, afirmou que sua reivindicação tinha apenas um intuito: esclarecer os fatos. “Nós estamos cumprindo nossa prerrogativa enquanto fiscalizador dos recursos e diversos professores que passaram no concurso eles estão com dificuldades para ser chamado, essas dificuldades, segundo esses professores, é devido a um possível beneficiamento a possíveis aliados e evitando chamar esses professores que foram aprovados”, disse.

Gravidade da denúncia justifica pedido

Ainda segundo Gilmar, a denúncia apresentada pelos professores é grave, contudo, os vereadores de Oposição não podem acusar sem provas. Por isso justifica-se solicitar informações à Secretaria de Educação.

“Nós não temos certeza de que isso está acontecendo e cumprindo nossa prerrogativa e [com base] na Lei de Acesso à Informação, nós estamos solicitando as informações. Nós queremos uma lista de informações e a partir dai fazer um debate público, com responsabilidade”, ressaltou.

Postura da Situação

Contudo, com a negativa do Requerimento o vereador destacou que a postura da Bancada da Situação reforça a denúncia dos professores. “Nós não queremos fazer acusações irresponsáveis e injustas, mas possivelmente existe esquema. Os vereadores da Câmara, os vereadores governistas votaram contra obter essas informações, 12 vereadores”, lembrou.

Deixe uma resposta