Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Palestras sobre a prevenção do suicídio movimentam o Setembro Amarelo na UPAE/IMIP de Petrolina

Palestra realizada na UPAE/IMIP, Petrolina (Foto: ASCOM)

Em 2017, a Unidade de Pronto Atendimento e Atenção Especializada de Petrolina (PE) (UPAE/IMIP) registrou na uma morte por suicídio e foram notificadas 157 violências autoprovocadas. Este ano (até agosto), foram registradas duas mortes e 115 violências autoprovocadas. O suicídio na UPAE é tratado como questão de saúde pública.

Durante a programação do setembro amarelo, mês dedicado a luta em combate ao suicídio, além da palestra com o Grupo Suicidologia no Vale, voltado para funcionários e colaboradores, a Unidade de Pronto Atendimento e Atenção Especializada de Petrolina (UPAE/IMIP) conseguiu promover para os usuários um momento de reflexão e informação com a equipe do Centro de Valorização da Vida (CVV), assistentes sociais e setor de psicologia do serviço.

A programação tem acontecido durante todo o mês, com mobilizações semanais a respeito das formas de prevenção. “Temos feito palestras com a nossa equipe, mas ontem contamos com a participação do CVV que falou um pouco sobre o serviço por eles prestado”, esclarece a supervisora do Serviço Social, Nazaré Cunha.

O Centro de Valorização da Vida (CVV) realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone (188), e-mail e chat 24 horas todos os dias. “Falar sobre as dores emocionais e transtornos mentais é uma forma de prevenção e um importante fator de proteção. O CVV existe para isso, e as pessoas precisam conhecer melhor esse instrumento”, justificou Nazaré.

“A cada 40 segundos uma pessoa interrompe a própria vida e tantas mortes significam epidemia. Esse é um fenômeno complexo, multifacetado e que precisa de um forte engajamento dos serviços de saúde e da sociedade para ser combatido”, completou.

Deixe uma resposta