Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Prefeitura de Juazeiro participa do projeto ‘O valente não é violento’ e promove palestras em escolas da cidade

(Foto: ASCOM)

Dentro do projeto piloto ‘O valente não é violento’ do Governo do Estado, do qual o município é parceiro, foi realizada nesta quinta-feira (08) no Colégio Agostinho Muniz, no bairro Tabuleiro, uma palestra com a diretora de Mulheres Quitéria Lima, da Secretaria de Desenvolvimento Social, Mulher e Diversidade (SEDES). Na oportunidade, foi abordada a questão da violência no namoro.

Durante a palestra houve grande participação dos alunos que elogiaram a iniciativa. “Achei muito legal abordar esse assunto e envolver todos os alunos da turma. É um assunto que precisamos realmente discutir e espero que tenhamos outras oportunidades como esta”, afirmou a estudante Gisilaine do Nascimento. Já a aluna Lucineide Nunes acredita que falar sobre o tema serve de alerta para quem está passando por uma situação de violência e não sabe o que fazer. “Achei muito boa a palestra. Muitos vão sair daqui entendendo que para conquistar ou chamar a atenção de alguém é preciso agir com carinho e não com violência”, destacou.

A professora Ariclei Moreira considerou a palestra um importante momento de aprendizado. “Achei o momento excelente, pois o tema que é tão delicado de se abordar foi tratado de forma dinâmica e participativa. Foi enriquecedor tanto para os alunos, quanto para mim como professora que também pude aprender mais sobre o tema”, disse Ariclei Moreira.

As palestras estão sendo realizadas nas escolas selecionadas pela Secretaria Estadual de Políticas para Mulheres (SPM) com o objetivo de reforçar a promoção da igualdade entre homens e mulheres e combater as diversas formas de preconceito e discriminação. “Resolvemos trabalhar um tema que faz parte do cotidiano de muitos adolescentes promovendo a partir da palestra, um bate papo para despertar neles a importância de discutir o assunto e de entender como a violência acontece, já que muitos vivenciam e não sabem”, ressaltou a diretora Quitéria Lima.

Deixe uma resposta