Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Projetos de Lei do Executivo são aprovados por unanimidade, mas oposição não poupa críticas

Três matérias foram colocadas em votação na sessão de ontem (23) (Foto: Blog Waldiney Passos)

Diferentemente das outras votações, as propostas do Poder Executivo colocadas em votação na quinta-feira (23) em Petrolina foram aprovadas por 16×0. Apesar de discordarem, os vereadores da oposição votaram a favor das propostas nº 055/2018 e nº 054/2018.

Os projetos autorizavam o prefeito a alienar por doação, área pública a favor do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR) e instituíam o bônus FliSertão aos professores municipais. Membro da situação, Ronaldo Souza (PTB) defendeu as matérias, em especial a de doação.

“O prefeito Miguel Coelho manda um Projeto de Lei para construção de núcleo habitacional para pessoas de baixa renda, sem pagar financiamento da Caixa. Quero parabenizar o prefeito por com seus olhos, enxergar as pessoas simples”, disse antes da votação.

Oposição questiona tempo das matérias, mas vota a favor

Os membros da oposição ajudaram a aprovar os projetos, mas teceram críticas ao tempo no qual as matérias chegaram à Casa Plínio Amorim. Paulo Valgueiro (MDB) ironizou o bônus da FliSertão a um governo que não realiza concursos públicos.

“A gente quer que tenha mais capacitação, a gente quer que tenha concursos públicos para ficar com essa manobra de contratar. A gente não está aqui para ser contra a população, na hora que a gente vota contra a gente não concorda com a forma que é empurrada a matéria, se faltam informações. Mas nesses dois votarei a favor“, disse.

Outro membro da oposição a debater as matérias foi o vereador Gilmar Santos (PT) foi favorável aos projetos, mas não poupou críticas ao teor político dos projetos. “Nós reconhecemos sim que os professores precisam de incentivo, o que a gente não pode é se calar diante dessa política. Hoje o município paga R$ 7.800,00 para uma Biblioteca que não funciona”, pontuou.

Além dos projetos do Executivo, a matéria do Legislativo nº 113/2018 que denomina o PSF da Ilha do Massangano de José Amâncio Freitas (Zuquinha) também foi votado e aprovado, por 17×0.

Deixe uma resposta