- Blog do Waldiney Passos - http://www.waldineypassos.com.br -

Suposta nova paralisação dos caminhoneiros é encarada como boato por proprietários de postos de combustíveis da região

(Fila no posto Lorena III, em Petrolina. Foto: Gustavo Lacerda)

O final de semana foi marcado por correria aos postos de combustível em Pernambuco, depois de circular nas redes sociais um boato a respeito de uma nova paralisação dos caminhoneiros no estado. O rumor foi desmentido pelo Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Pernambuco (Sindicombustíveis), que afirmou não haver risco para desabastecimento.

LEIA TAMBÉM:

Preocupados com o desabastecimento de combustíveis na cidade, motoristas fazem filas nos postos de Petrolina; governo afirma que se trata de boato

Em Petrolina, alguns postos registraram um aumento na procura dos motoristas. Apesar do movimento, os proprietários desses estabelecimentos não acreditam em uma nova paralisação. O Blog Waldiney Passos conversou com alguns empresários nessa segunda-feira (3) e todos afirmam estar tranquilos quanto ao estoque de combustível.

Eles afirmam estar acompanhando a movimentação no estado, através de conversas com os sindicatos e seguem com a programação normal de compra do diesel, gasolina e álcool. Em Juazeiro (BA) a situação segue tranquila, até porque o boato da nova paralisação foi mais sentido em Pernambuco, único estado a registrar filas para abastecer.

Boato começou no final de semana

No sábado, a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH) e o Procon de Pernambuco informaram que notificariam a empresa PetroMega para prestar esclarecimentos sobre a nota veiculada em suas redes sociais, desencadeando um aumento na procura por combustível.

Preço em Petrolina

Aqui em Petrolina, alguns postos já reajustaram o valor do combustível com base na nova tabela da Agência Nacional do Petróleo. É possível encontrar gasolina entre R$ 5,139 (valor mais caro) e R$ 4,559 (o mais barato), esse último ainda sem o aumento. O diesel varia entre R$ 3,44 e R$ 3,539 (valor já ajustado).

De acordo com os proprietários dos postos, o reajuste não é reflexo da possível paralisação e já era aguardada pelos empresários, tendo em vista a política empregada pela Petrobras que leva em conta a variação no preço do dólar.