Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Segundo Lucinha, mãe de Beatriz, fuga de Alisson “representa confissão de culpa”

Imagem divulgada pela Polícia Civil de Pernambuco mostra momento no qual Alisson entra na sala de monitoramento. (Imagem: Divulgação/ PC)

Após o prazo para Alisson Henrique de Carvalho Cunha, de 40 anos, se entregar à polícia expirar e ele ser considerado foragido, a mãe da garota Beatriz, Lucinha Mota, afirmou que essa fuga é a confissão dele de ter participado do crime de alguma forma.

“Se ele apagou as imagens, então, no mínimo, participou ou fez a mando de alguém. Ele é só a ponta do novelo para elucidar o caso, essa fuga é a confissão dele”, disse.

LEIA TAMBÉM

Colégio Auxiliadora pede cautela da população sobre Caso Beatriz

Caso Beatriz: Polícia Civil pede ajuda da população para localizar Alisson Henrique

Quatro equipes da PC estão em diligências para encontrar e prender Alisson, que é suspeito de ter adulterado imagens de câmeras de segurança que ajudariam a solucionar o crime. De acordo com a delegada do caso, as buscas não estão limitadas à cidade de Petrolina.

A prisão preventiva de Alisson foi decretada na quarta-feira (12) pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE). Na manhã dessa sexta-feira (14), a Polícia Civil divulgou um telefone – (81) 9.8650-1229 – para que as pessoas entrem em contato caso tenham informações sobre o paradeiro do suspeito.

De acordo com o advogado de defesa do acusado, Wank Medrado, seu cliente não se entregará. “Ele não vai se entregar porque teme pela sua integridade física. Se ele se entregar, será morto”, disse. Wank afirmou ainda que na próxima semana fará um pronunciamento importante sobre o caso.

Para os pais de Beatriz, somente a polícia pode garantir a integridade física de Alisson. “Ele já deveria ter se entregado, só a polícia pode preservar a integridade dele. Acho que ele está sendo mal orientado pelos advogados”, disse Lucinha.

Procura por Alisson

Familiares e amigos estão espalhados por todo o Vale do São Francisco em busca do suspeito. Grupos também estão realizando buscas e apelos em cidades da Bahia, onde, segundo a família da menina, o suspeito teria família.

LEIA MAIS

Caso Beatriz: Após três anos, primeiro grande passo é dado

(Foto: Blog Waldiney Passos)

Dois dias após completar três anos, o caso Beatriz deu seu primeiro grande passo em busca da elucidação do crime que chocou a população de Petrolina (PE), Juazeiro (BA) e região em dezembro de 2015.

A decisão do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJ-PE), nesta quarta-feira (12), que decretou a prisão do primeiro suspeito a ter envolvimento com o crime, Alisson Henrique de Carvalho, ex-funcionário do Colégio Maria Auxiliadora, dá um norte ao caso que por muito tempo esteve na escuridão. Alisson é suspeito de ter apagado imagens das câmeras de segurança do dia do crime.

Pais de Beatriz.

Além disso, a decisão reforça as palavras de Lúcia Mota, mãe de Beatriz, que questionou, em entrevista a este blog, o “porquê de o Colégio atrapalhar as investigações”, e coloca o Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora em situação delicada, já que a escola sempre negou ter atrapalhado investigações.

Para Lucinha, a prisão de Alisson é o “fio do novelo”. “Ele vai ter que se explicar o porquê que ele fez isso. Essa é a ponta do novelo para solucionar o caso, é o norte da investigação. Daí que a gente pode realmente começar a solucionar o caso de minha filha”.

Segundo Sandro Romilton, pai de Beatriz, durante a manifestação em frente ao TJ-PE, nesta quarta, as imagens foram apagadas 20 dias depois do crime, após a polícia pedir para que as imagens das câmeras fossem entregues. “Quem deu essa ordem para que esse funcionário voltasse à cena do crime?”, questionou.

LEIA TAMBÉM

Caso Beatriz: TJPE aceita recurso e decreta prisão preventiva de suspeito de apagar imagens

Caso Beatriz: segundo TJPE, prisão de Alisson deve ser cumprida até esta quinta

Caso Beatriz: Colégio Maria Auxiliadora nega ter atrapalhado investigações

Até a decisão do TJ-PE o que a polícia tinha de material para dar seguimento à elucidação do crime era um retrato falado do suspeito de ter assassinado Beatriz e algumas imagens de câmeras de segurança do lado externo da escola que mostram uma movimentação estranha de um indivíduo, considerado um dos suspeitos de ter cometido o crime.

Relembre o caso

Beatriz Mota tinha 7 anos quando foi brutalmente assassinada. Seu corpo foi encontrado em 10 de dezembro de 2015, com marcas de mais de quarenta facadas.

A garota sumiu durante festa na instituição de ensino em que estudava, o Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora, em Petrolina.

Caso Beatriz: Colégio Maria Auxiliadora nega ter atrapalhado investigações

Nessa segunda-feira (10) o caso completou três anos. (Foto: Blog Waldiney Passos)

Após as declarações da mãe de Beatriz, Lucinha Mota, nessa segunda-feira (10), em entrevista ao nosso blog, questionando o porquê de o Colégio Maria Auxiliadora estar “atrapalhando as investigações”, a escola se pronunciou por meio de nota afirmando que “é de total interesse da instituição que o crime seja brevemente elucidado”.

LEIA TAMBÉM

Caso Beatriz: “A gente quer saber porquê o Colégio está atrapalhando as investigações”, afirma Lucinha

“Três anos sem Beatriz”: Lucinha Mota fala sobre exumação do corpo da filha e a postura da imprensa local

Perito levanta questionamentos sobre caso Beatriz; “por que tão pouco foi realizado?”

Lucinha afirmou ainda que tudo “está registrado em câmeras, os funcionários se juntaram e fizeram toda essa armação” e questionou porque a escola não ajudou a polícia. O colégio disse estar sempre solícito às demandas da polícia.

Confira a nota do colégio na íntegra

Conforme já nos posicionamos em outras oportunidades, o Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, se compadece com a dor de todos os familiares de Beatriz Mota, no entanto, discorda veementemente das recentes acusações.

Em momento algum o colégio deu fuga ao assassino, como também não atrapalhou as investigações, pelo contrário, a todo o momento esteve solícito a todas as demandas da Policia Civil do Estado de Pernambuco.

Registra-se que é de total interesse da instituição que o crime seja brevemente elucidado, apurando-se a verdade real, principalmente pela dor que a família está passando, bem como também pela dor da família Salesiana, uma vez que a criança era filha de nossa Congregação”.

Caso Beatriz: Família realizará protesto em Recife na próxima quarta-feira

Dia 10 faz três anos que o crime aconteceu. (Foto: Jean Brito)

Em entrevista à Rádio Jornal, na tarde dessa quinta-feira (06), Lúcia Mota, mãe da garota Beatriz, afirmou que na próxima quarta-feira (12) será realizada uma manifestação em frente ao Tribunal de Justiça de Pernambuco, em Recife, às 8h. Dia 10 faz três anos que o crime aconteceu.

“Eu convido a todas as mães, que perderam seus filhos, que perderam um amigo, um parente, que compareça, dia 12 de dezembro, em frente ao tribunal de justiça, em Recife. Porque nós estaremos lá, protestando, e de lá seguiremos até o Palácio Campo das Princesas, para protestarmos, porque nós queremos justiça”, disse.

Lucinha falou ainda sobre a constante alternância de delegados no caso. “Esperamos que o Estado de Pernambuco dê a ela [delegada Polyana] todas as condições necessárias para que ela possa concluir o caso. É o mínimo que o Estado, que o governador Paulo Câmara pode fazer. Essa será uma cobrança. Nós queremos a permanência de Polyana. Eu não aceito mais uma mudança de delegado”.

Exumação

Segundo Lucinha, o corpo de Beatriz será exumado e transferido para Petrolina. “Nós não sabemos ainda a data, por causa dos trâmites legais, mas assim que a gente tiver, nós vamos informar a todos”, afirmou.

Lucinha Mota é confirmada como candidata a deputada estadual pelo PSOL

Antes de discursar, o público presente respeitou um minuto de silêncio em homenagem a Beatriz.

Nesse sábado (04), o PSOL confirmou a candidatura de Lucinha Mota, mãe da garota Beatriz, para deputada estadual. O anunciou aconteceu durante a convenção do partido.

No seu discurso, Lucinha falou sobre sua luta em defesa dos direitos de Beatriz após o crime que chocou toda a região do Vale do São Francisco. A mãe da garota destacou as dificuldades da Polícia Civil para dar andamento às investigações devido à falta de estrutura.

LEIA TAMBÉM

Convenção do PSOL vai confirmar Lucinha Mota como candidata a deputada estadual

“A primeira vez que eu fui em uma delegacia foi para prestar depoimento. Eu me deparei com uma estrutura precária, profissionais sem qualificação técnica, agentes tendo que dividir um computador para trabalhar. Eu perguntei a meu marido: ‘Essa polícia que vai resolver o caso de Beatriz?”, disse Lucinha.

Lucinha afirmou ter escolhido o PSOL após ter feito um estudo sobre o perfil de cada político do partido. “É esse perfil de político que o nosso Brasil precisa para a gente mudar esse cenário de corrupção”, disse.

Grupo ‘Somos Todos Beatriz” realiza protesto em frente ao Fórum de Petrolina

Nesta quinta-feira (02), o grupo “Somos Todos Beatriz” realizará um protesto em frente ao Fórum de Petrolina. A manifestação está marcada para acontecer às 6h30 e deve seguir até às 10h.

O grupo deve cobrar do Judiciário a prisão preventiva do suspeito de ter apagado imagens das câmeras de segurança do Colégio Maria Auxiliadora. Em nota enviada à imprensa, Alisson negou ter excluído as imagens.

Em entrevista exclusiva, pais da garota Beatriz falam sobre os dois anos do caso sem respostas

Os pais da garota Beatriz Angélica, que foi brutalmente assassinada em 10 de dezembro de 2015, estiveram no blog Waldiney Passos para uma entrevista exclusiva. Neste domingo (10), faz dois anos que o fato aconteceu e até o momento o responsável pelo crime foi sequer identificado.

Durante a entrevista, Sandro Romilton e Lúcia Mota falam detalhadamente sobre o andamento das investigações, atuações dos delegados que já passaram pelo caso, erros da Polícia no dia do evento, dificuldade para se chegar às imagens do suspeito, descaso do Colégio Maria Auxiliadora e sobre a caminhada ‘Todos pela Paz’ que acontece neste domingo, às 7h30.

As denúncias sobre o caso podem ser feitas através dos telefones (87) 98137-3902 ou (81) 3719-4545.

Caso Beatriz: MPPE reforça divulgação de imagens para tentar localizar suspeito do crime

Os promotores de Justiça do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) que integram o grupo de trabalho responsável por auxiliar nas investigações do assassinato da garota Beatriz Mota, que completa dois anos no dia 10 deste mês, optaram por reforçar a divulgação das imagens de câmeras que gravaram o suspeito do crime, ocorrido nas dependências do colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora, onde a menina estudava, em Petrolina (PE).

Nas imagens, além da figura do homem, os membros do MPPE destacaram características físicas, como formato do rosto, detalhes do cabelo e o tipo físico do indivíduo, que podem ser determinantes para a população ajudar a localizar o suspeito.

Quem tiver informações relevantes sobre o caso pode entrar em contato com o grupo de trabalho do MPPE por do WhatsApp, pelo número (81) 98878.5733, dedicado exclusivamente a receber o contato da população.

O caso

Beatriz foi brutalmente assassinada no dia 10 de dezembro de 2015. Na ocasião, a família comemorava a formatura da filha mais velha no colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora. A garota havia sumido e foi encontrada morta com 42 perfurações causadas por uma faca em uma das dependências do colégio.

Delegada responsável por prisão de assassino do garoto Walisson assume caso Beatriz Mota

Crime ainda não foi elucidado. (Foto: Divulgação)

O secretário de Defesa Social Antônio de Pádua afirmou, durante entrevista ao programa de Wuinston Monteclaro, na Rádio Jornal, nesta segunda-feira (27) que a delegada Gleide Ângelo não estará mais a frente do caso Beatriz Mota. A delegada adjunta do interior Poliana Néri assumirá o caso.

Desde o crime, que aconteceu  em dezembro de 2015, três delegados já passaram pela investigações. Sarah Machado, Marceone Ferreira e Gleide Ângelo não conseguiram elucidar o fato que chocou a população petrolinense.

Segundo o secretário, a delegada “está debruçada sobre os 14 volumes dessa investigação”. Ele mostrou fé na resolução do caso. “A gente não tem dúvida que ela vai encontrar o suspeito, fazer a prisão e levá-lo à Justiça”.

Prisão assassino do garoto Walisson

Segundo informações do JC Online, Poliana, então delegada de Floresta, foi responsável por prender José Cícero da Silva, homem que confessou o assassinato do menino Wallisson Pedro, de 9 anos, em Petrolina. Na ocasião, o garoto foi estuprado, asfixiado e morto

Caso Beatriz Mota

A garota Beatriz Mota foi assassinada no dia 10 de dezembro de 2015, quando estava com sua família na festa de formatura do Ensino Médio de sua irmã, no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora.

Ela sumiu e foi encontrada 30 minutos depois em um depósito de materiais esportivos da escola. A garota foi assassinada com 42 facadas.

Por acesso a inquérito, mãe de Beatriz inicia greve de fome

Mãe de Beatriz inicia greve de fome por acesso a inquérito. (Foto: Júlio Jacobina/DP)

Em Recife para mais uma manifestação em busca de respostas, Lúcia Mota, mãe da garota Beatriz Angélica, que foi cruelmente assassinada em dezembro de 2015 em Petrolina (PE), iniciou nesta segunda-feira (13) uma greve de fome por tempo indeterminado. Lucinha, como é conhecida, requer acesso ao inquérito que investiga o crime.

Segundo Lúcia, até hoje nenhuma resposta da Polícia Civil em relação ao seu pedido de acesso ao inquérito do assassinato da filha foi concedida. De acordo com a mãe, desde que solicitou as informações à delegada Gleide Ângelo, em agosto deste ano, não obteve retorno. “Ela só disse que tem que alinhar o assunto com o Ministério Público e outras desculpas. Mas não me deu uma resposta definitiva”, afirma.

Ela alega também que conversou com promotores que afirmam não haver nenhum impedimento para que a família saiba do conteúdo do inquérito. “Vou até onde o meu corpo aguentar. Só paro quando tiver uma resposta da delegada, deferindo ou indeferindo o meu pedido”, garante.

LEIA MAIS

CD ‘Uma Canção Para Beatriz’ reúne artistas baianos e pernambucanos

(Foto: Arquivo)

Com o lançamento agendado para o próximo domingo (3), o CD ‘Uma Canção Para Beatriz’ reunirá artistas de Pernambuco e da Bahia. O evento está marcado para acontecer às 8h, no clube da APLB, localizado na estrada da Adutora, e contará com um super café tradicional.

Os interessados em adquirir os ingressos podem entrar em contato com o telefone 3611-4338 e falar com Carmela Dutra ou com os integrantes do movimento #somostodosbeatriz.

Confira a lista de artistas

Camila Yasmine, Júlia Ribeiro, que participou do programa ‘The Voice’,  João Sereno, Geraldo Azevedo, Assunção de Maria, Dominguinhos, Eugênio Cruz, Wilson Duarte, Endira, Andrezza Santos , Neto e Mundinho, Gervilson Duarte, Julhão, Nilton Freitas, Wilson Freitas, Paulo César Andrade, Paulo César Oliveira, Cida Miranda, Elder Ferrari, Alan K, Rogério Leal , Dalmo Funchal, A.C. Tatau, Marcos Roriz, Euvaldāo, Maurício Dias Cordeiro (Mauriçola), Iehoshua Iahueh, Edésio César, Lícia Macedo e Soneca Martins.

‘Uma canção para Beatriz”: Compositores de Petrolina e região podem enviar músicas para integrar cd

(Foto: Divulgação)

Os compositores de Petrolina e região podem participar do projeto “uma canção para Beatriz”, que será um cd com músicas destinadas ao movimento #somostodosbeatriz.

Os interessados devem enviar seu trabalho para o e-mail mauriciodiascordeiro@hotmail.com. As músicas passaram por uma análise de qualidade e conteúdo.

Já tem músicas de Eugênio Cruz, interpretada por Rogério Leal, Wilson Duarte com Gervilson e Paulo César Oliveira, Antonio Carlos Tatau, Julhão, Zé Maurício e Neto, João Sereno.

Uma canção para Beatriz, de autoria do compositor Maurício Cordeiro, interpretada por Júlia Ribeiro (the voice) Camila Yasmine, Andrezza Santos, Cida Miranda, Elder Ferrari, Rogério Leal e os músicos Edésio César , Soneca Martins. Tem ainda o hino da padroeira de Juazeiro e do centenário de Petrolina.

Caso Beatriz: Mãe escreve carta ao papa em busca de apoio

(Foto: Blog Waldiney Passos)

A mãe da garota Beatriz Angélica Mota da Silva, que foi brutalmente assassinada em dezembro de 2015 no colégio onde estudava, em Petrolina (PE), divulgou uma carta endereçada ao Papa Francisco. Lúcia Mota relata no texto sobre o sofrimento causado pela não descoberto do autor do crime. No texto, ela afirma, ainda, que a direção da escola não tem colaborado com as investigações.

“Vossa venerável pessoa (…) exerce um papel profético capaz de atingir as consciências e intervir no auxílio ou mesmo no sentido de sensibilizar as autoridades policiais, Ministério Público e Governador do Estado de Pernambuco, como também os administradores do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora de Petrolina, a cooperarem com a elucidação desse hediondo crime”, afirma Lúcia.

As fotos do suposto criminoso foram divulgadas em março deste ano pela delegada Gleide Ângelo. Para Lúcia, “o Vaticano também pode ajudar dando “publicidade às imagens do assassino recentemente reveladas pela Polícia Civil”.

A mensagem ao Papa é mais uma tentativa da família de Beatriz de buscar ajuda das autoridades. Os pais da menina já fizeram, pelo menos, três protestos no Recife e tiveram encontro com o governador Paulo Câmara, que assegurou esforços feitos para solucionar o caso.

Leia a carta na íntegra

Sua Santidade, Papa Francisco, Bispo de Roma e Pastor Supremo da Igreja, Estado da Cidade do Vaticano, Roma

Santo Padre,

Com profundo respeito, fé e esperança, entrego em vossas mãos esta carta que relata uma tragédia familiar e a dor de uma mãe em busca de justiça.

Todo povo brasileiro compartilha da preocupação de Vossa Santidade em se solidarizar com as mazelas sociais que afetam profundamente nossas famílias.

Quero compartilhar com Vossa Santidade um acontecimento que destruiu completamente minha família.

No dia 10 de dezembro de 2015, num evento festivo que acontecia numa escola católica administrada pelas freiras “Filhas de Maria” – o Colégio Nossa Senhora Auxiliadora de Petrolina-Pernambuco, que pertence a Rede Salesiana de Escolas – a minha filha, Beatriz Angélica Mota F. da Silva (7), foi brutal e covardemente assassinada a facadas dentro daquelas dependências.

Esse crime ainda não foi solucionado. QUERO RESPOSTAS. PRECISO DE JUSTIÇA.

Santo Padre,

O Evangelho é a grande mensagem da Vida, plenamente revelada na pessoa e na palavra de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Eu deposito minha fé na crença de que DEUS AMA A JUSTIÇA.

Não consigo continuar vivendo esse sentimento de injustiça. As autoridades policiais não possuem estrutura para atender nosso clamor. A instituição (Escola Católica) NÃO nos ajuda, omite informações, e ainda age como se estivéssemos na idade das trevas. A administração dessa entidade se utiliza de subterfúgios procurando esconder importantes evidências, obstruindo as investigações e procurando descredenciar os trabalhos já realizados pelos investigadores do caso, mesmo porque, alguns de seus funcionários são os principais suspeitos na facilitação dessa atrocidade. E isso contradiz radicalmente o ideal evangélico apoiado pelas instituições religiosas de nosso país.

Existe uma mancha indelével na nossa sociedade e esse estranho comportamento dessa escola católica afasta as famílias do Vale do São Francisco da nossa Santa Igreja.

Papa Francisco,

Vossa venerável pessoa, na qualidade de Pastor Supremo da Igreja, sendo internacionalmente reconhecido como grande líder moral da humanidade exerce um papel profético capaz de atingir as consciências e intervir no auxílio ou mesmo no sentido de sensibilizar as autoridades policiais, Ministério Público e Governador do estado de Pernambuco, como também os administradores do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora de Petrolina a cooperarem com a elucidação desse hediondo crime. E principalmente dar publicidade às imagens do assassino recentemente reveladas pela Polícia Civil de Pernambuco.

Enquanto não forem esclarecidos todos os fatos e os seus reais culpados não forem punidos existirá uma dúvida em nossa comunidade de que algumas instituições católicas trabalham para esconder práticas condenáveis de alguns de seus membros.

Querido Irmão Maior, OUÇA O MEU CLAMOR e venha em meu socorro com sua palavra de ânimo e com seus gestos divinos, capazes de expressar o Evangelho como a grande Mensagem da Alegria, da Esperança, da solidariedade e da compaixão para com todos.

Maria Lúcia Mota da Silva, Mãe de Beatriz Angélica Mota F. da Silva.

Juazeiro, Bahia.

Brasil, 10 de Julho de 2017

Família de Beatriz faz protesto em Recife e afirma que Colégio apagou imagens

(Foto: Alfeu Tavares/Folha de Pernambuco)

A família da garota Beatriz Mota esteve em Recife, na tarde desta quarta-feira (24), para realizar um protesto em frente ao Ministério Público de Pernambuco.

Os familiares pediram as prisões imediatas dos envolvidos no crime e contesta as informações divulgadas pelo órgão e pela Polícia Civil. Segundo Sandro, pai de Beatriz, o MPPE tem posse de imagens que denunciariam a identidade de cúmplices no crime.

Além disso, Sandro afirma que o Colégio Maria Auxiliadora tem atrapalhado o processo de investigação da morte da filha. De acordo com ele, o colégio teria apagado as imagens das câmeras internas. “Eu quero pedir a prisão dessa pessoa que apagou as imagens e também quero denunciar que a escola escondeu e apagou essas provas”, comentou o pai da menina.

De acordo com Lucinha Mota, mãe da criança, as imagens divulgadas em março foram recuperadas pela polícia depois de serem apagadas utilizando uma senha de administrador, que deveria estar em posse apenas de funcionários da escola.

123