Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Polarização entre Bolsonaro e Haddad impulsiona robôs

(Foto: Internet)

À medida em que a polarização entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), primeiro e segundo colocados nas pesquisas de intenção de voto, se intensifica, as contas automatizadas nas redes sociais, chamadas de robôs, são multiplicadas.

Os dois têm o maior número de interações no Twitter e também maior porcentagem de perfis automatizados, interagindo com seus apoiadores – 43% e 28,4%, respectivamente, de 3.198 contas suspeitas monitoradas em estudo da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV-Dapp).

A presença de robôs nas redes vem crescendo desde o início da campanha das eleições 2018, em 15 de agosto, atingindo o ápice na última semana. Entre 12 e 18 de setembro, a pesquisa analisou 5,3 milhões de interações (retuítes) e mais de 712 mil perfis na rede social. No período, o patamar de interações envolvendo robôs chegou a 12,9%. No início da disputa eleitoral esse número era de 4,2%.

Procuradas, as campanhas negaram a utilização de robôs nas redes sociais. “A gente não contrata nenhum robô. Se está tendo, as pessoas que estão fazendo aí”, afirmou nesta quinta-feira, 20, o filho de Jair Bolsonaro, Flávio Bolsonaro.

O acirramento na campanha é um dos principais motivos do aumento de robôs na rede social, segundo um dos autores do estudo, professor Marco Aurélio Ruediger. “Você tem um crescimento repentino do candidato do PT, uma contraofensiva do campo à direita, e um terceiro campo buscando a terceira via, e aumenta a tentativa de influenciar as redes. A tendência dessa curva de acirramento é continuar crescendo”, explica.

São considerados robôs contas automatizadas que geram volume de interações nas redes. Eles podem atuar tanto para atacar um candidato, como simplesmente para fazer campanha positiva. Esses números não pertencem, necessariamente, a uma campanha ou a um candidato. Segundo a metodologia de identificação desses robôs, não há nem mesmo como provar que sejam positivos ou negativos ao candidato, mas apenas interações com suas contas.

No campo dos apoiadores de Bolsonaro e Haddad, também foram identificados os maiores patamares de retuítes suspeitos. As interações de robôs no terreno “bolsonarista” chega a 17,8%; do lado de Haddad, esse patamar chega a 13%. Marina Silva (Rede), vem abaixo, com 7,2%.

Proibição da lei eleitoral       

LEIA MAIS

Datafolha: Bolsonaro cresce e vai a 28% das intenções de voto; Haddad tem 16%

Bolsonaro segue na frente, mas vê Haddad crescer nas pesquisas.

O instituto Datafolha divulgou, na madrugada desta quinta-feira (20), uma nova pesquisa da disputa presidencial. O candidato Jair Bolsonaro (PSL) segue na frente com 28% das intenções de votos. Fernando Haddad (PT) aparece com 16% e Ciro Gomes (PDT) com 13%. Geraldo Alckmin (PSDB) é o candidato de 9% dos eleitores e Marina Silva (Rede) de 7%. Os votos brancos ou nulos registraram 12%; e 5% não sabem ou não responderam.

Alvaro Dias (Podemos) e João Amoêdo (Novo) marcam, cada um, 3% das intenções de voto. Henrique Meirelles (MDB) tem 2%. Estão empatados Guilherme Boulos (PSOL) e Vera Lúcia (PSTU), com 1% cada. João Goulart Filho (PPL), Cabo Daciolo (Patriota) e Eymael (DC) não pontuaram.

O levantamento ouviu 8.601 eleitores entre 18 e 19 de setembro em 323 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. A pesquisa foi contratada pela TV Globo e pelo jornal Folha de S. Paulo e registrada na Justiça Eleitoral com o número BR06919/2018.

Bolsonaro continua na unidade semi-intensiva, com quadro estável

Bolsonaro recebeu uma facada durante ato de campanha no último dia 6, em Juiz de Fora (MG). (Foto: Flavio Bolsonaro/Twitter)

O candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, permanece internado na unidade semi-intensiva de acordo com boletim médico divulgado há pouco pelo Hospital Israelita Albert Einstein, onde ele permanece desde o último dia 7. Seu quadro clínico continua estável e sem intercorrências.

Bolsonaro está em jejum oral, recebendo nutrientes por via endovenosa. Segundo o boletim, ele evolui sem sinais de infecção ou disfunções orgânicas.

Na tarde desse domingo (16), o candidato recebeu alta dos tratamentos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), quando passou a receber cuidados semi-intensivos. Ele estava na UTI desde a última quarta-feira (12), quando foi submetido a uma cirurgia de emergência para tratar uma aderência que obstruía o intestino delgado. Antes das complicações, os médicos haviam começado a reintroduzir a alimentação por via oral.

Bolsonaro recebeu uma facada durante ato de campanha no último dia 6, em Juiz de Fora (MG). Após ter sido atendido na Santa Casa da cidade, onde chegou a passar por uma cirurgia, ele foi transferido, a pedido da família, para o Hospital Albert Einstein, na capital paulista, na manhã do dia 7.

Fonte Agência Brasil

Eleitores de Bolsonaro se organizam para intensificar campanha em Petrolina

(Foto: Internet)

Na última pesquisa Datafolha, o candidato à presidência, Jair Bolsonaro (PSL), aparece liderando a disputa eleitoral, com 26% das intenções de voto. Após o atentado sofrido por Bolsonaro em Minas Gerais, sua campanha tem sido fortalecida nas redes Sociais.

O líder político está impossibilitado de ir às ruas, mas seus eleitores tomam partido, vestem a camisa e saem em busca de votos. Em Petrolina (PE), um grupo pró-Bolsonaro já está se organizando.

O grupo pretende intensificar as ações de convencimento e ganho de voto, neste caso o público alvo são os eleitores indecisos. O trabalho nas redes sociais vai continuar como canal de propagação e compartilhamento de conteúdo pró-Bolsonaro.

De forma estratégica, o grupo está se articulando para dar mais atenção a ações práticas no dia a dia com pessoas conhecidas e desconhecidas no sentido de conseguir mais votos.

LEIA MAIS

Datafolha divulga primeira pesquisa após lançamento de Haddad (PT) nesta sexta-feira

(Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

O diretor do Datafolha, Marco Paulino, anunciou nesta quinta-feira (13), em sua conta no Twitter, que o instituto está em campo e divulgará nova pesquisa nesta sexta-feira (14).

Dois acontecimentos devem influenciar os resultados do levantamento que será divulgado hoje: o lançamento de Haddad como candidato à presidência pelo Partido dos Trabalhadores (PT), e a nova cirurgia de Bolsonaro (PSL).

“A pesquisa irá contemplar possíveis reflexos emocionais da nova cirurgia de Bolsonaro”, escreveu Paulino.

No último levantamento feito pelo Datafolha, divulgado na última segunda-feira (10), portanto depois do atentado sofrido por Bolsonaro, o candidato do PSL havia crescido apenas dois pontos. Fernando Haddad (PT), com 9%, aparecia empatado tecnicamente com Ciro Gomes (PDT), com 13%; Marina Silva (Rede), 11%; e Geraldo Alckmin (PSDB), 10%.

Já em nova pesquisa realizada pela CUT e Vox Populi, divulgada nesta quinta-feira (13), quando é claramente apresentado aos eleitores como o candidato do ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), alcança 22% de intenção de votos e assume a liderança na disputa. (Com informações da revista Fórum)

Bolsonaro segue na UTI sem previsão de alta, diz boletim

Por ordem médica, as visitas estão restritas a pessoas autorizadas pela família. (Foto: Flavio Bolsonaro Via Twitter)

O candidato à Presidência da República pelo PSL Jair Bolsonaro está recebendo analgésicos para controlar a dor, após cirurgia realizada ontem à noite para tratar uma aderência que obstruiu o intestino delgado. Ele continua internado na Unidade de Terapia Intensiva sem previsão de alta, segundo o mais recente boletim médico divulgado nesta quinta-feira (13) pelo Hospital Albert Einstein, onde está internado desde o último sábado (7).

Ele não apresentou sangramentos nem outras complicações decorrentes da cirurgia e está em jejum oral, com alimentação exclusivamente endovenosa.

Apesar do procedimento, a avaliação médica é de que Bolsonaro tem evolução clínica estável, permanece sem febre, sem sinais de infecção e com função renal normal.

Histórico

No último dia 6, o candidato a presidente levou uma facada na região abdominal durante atividade de campanha nas ruas de Juiz de Fora (MG). Ele foi atendido pela Santa Casa da cidade onde passou por cirurgia.

Na sexta-feira (7), o candidato foi transferido para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo, a pedido da família.

Fonte Agência Brasil

Jair Bolsonaro passa por nova cirurgia em SP; candidato passa bem

(Foto: Flavio Bolsonaro Via Twitter)

O candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), passou por uma nova cirurgia na noite desta quarta-feira (12), segundo o Hospital Albert Einstein, onde o candidato está internado desde sexta (07), após ser vítima de uma facada durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG).

Na noite de quarta, o hospital informou que o quadro clínico de Bolsonaro evoluiu para um quadro de “distensão abdominal progressiva e náuseas” e precisou passar por uma tomografia no abdômen. O exame identificou presença de aderência obstruindo o intestino delgado. Segundo o hospital, a solução do problema era cirúrgica.

“Ele teve um corte, perdeu muito sangue, é normal que o intestino fique muito dilatado. Com o passar dos dias, vai melhorando. Provavelmente, piorou nas últimas 18 horas, o que levou a essa distensão, provavelmente uma alça intestinal se juntou, ficou muito próxima à outra, com um quadro que a gente chama de obstrução intestinal”, disse Alfredo Guarischi, médico especialista em grandes cirurgias à GloboNews.

LEIA MAIS

Ibope: Bolsonaro cresce quatro pontos e diminui rejeição; 2º lugar tem quatro empatados

A pesquisa foi feita entre 8 e 10 de setembro, dois dias após o ataque a faca contra Jair Bolsonaro em Juiz de Fora (MG).

O Instituto Ibope divulgou nessa terça-feira (11) uma nova pesquisa de intenção de votos para os candidatos a presidente do Brasil. De acordo com a pesquisa, Jair Bolsonaro (PSL) tem 26% das intenções de voto. Na sequência, há quatro candidatos tecnicamente empatados disputando o segundo lugar: Ciro Gomes (PDT) com 11%; Marina Silva (Rede), 9%; Geraldo Alckmin (PSDB), 9%; e Fernando Haddad (PT), 8%.

Após esse grupo, seguem tecnicamente empatados com 3% das intenções de voto: Alvaro Dias (Podemos); João Amoêdo (Novo); e Henrique Meirelles (MDB). Vera Lúcia (PSTU) e Cabo Daciolo (Patriota) foram indicados por 1% dos eleitores.

Segundo o Ibope, Guilherme Boulos (PSOL), João Goulart Filho (PPL) e Eymael (DC) não pontuaram. O percentual de votos em branco ou nulos é de 19%. Sete por cento dos entrevistados não sabem ou não quiseram responder.

Entre as duas pesquisas Álvaro Dias e João Amoêdo mantiveram 3% das intenções de voto, e Henrique Meirelles oscilou de 2% para 3%. A proporção de votos nulos ou em branco caiu de 21% para 19%. O percentual de quem não sabe ou não quis declarar a intenção de voto manteve-se em 7%.

LEIA MAIS

Supremo julga nesta terça denúncia de racismo contra Bolsonaro

O julgamento foi iniciado em 28 de agosto, quando foi interrompido por um pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes. O placar ficou em 2 a 2.

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) retoma na tarde desta terça-feira (11) o julgamento da denúncia de racismo feita pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Jair Bolsonaro, candidato do PSL à Presidência. Ele é acusado de promover manifestações discriminatórias contra quilombolas, índios, refugiados, mulheres e lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBTs).

Bolsonaro é acusado de racismo pela Procuradoria-Geral da República. A denúncia foi protocolada no STF em 13 de abril em decorrência de uma palestra proferida pelo candidato, no ano passado,  no Clube Hebraica, no Rio de Janeiro.

Na ocasião, o deputado disse que ao visitar um quilombo constatou que “o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada! Eu acho que nem para procriador eles servem mais”.

LEIA MAIS

Datafolha: Bolsonaro cresce em primeiro e quatro empatam em segundo

Bolsonaro cresceu 2 pontos percentuais em relação ao último levantamento.

O candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) atingiu 24% das intenções de voto em pesquisa divulgada hoje (10) pelo Instituto Datafolha. Ciro Gomes (PDT) teve 13% das preferências; Marina Silva (Rede), 11%; Geraldo Alckmin (PSDB), 11% e Fernando Haddad (PT), 9%.

De acordo com a pesquisa, Ciro, Marina, Alckmin, e Haddad estão tecnicamente empatados, conforme margem de erro de dois pontos percentuais que pode oscilar para baixo ou para cima. A margem de pesquisa divulgada pelo Datafolha é de 95%.

Álvaro Dias (Pode) foi indicado por 3% dos eleitores entrevistados, o mesmo percentual de João Amoêdo (Novo) e de Henrique Meirelles (PMDB). Guilherme Boulos (PSOL), Vera Lúcia (PSTU) e Cabo Daciolo (Patri) pontuaram com 1%. João Goulart Filho (PPL) e José Maria Eymael (DC) não pontuaram. Os brancos e nulos somaram 15% e não responderam ou não quiseram responder 7%.

Essa foi a primeira pesquisa do Datafolha após o ataque a faca contra Jair Bolsonaro, ocorrido na última quinta-feira (6), em Juiz de Fora (MG). É o primeiro levantamento que exclui o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba (PR) desde abril. Não foram divulgados resultados de intenção espontânea de voto.

LEIA MAIS

Bolsonaro é transferido para hospital Albert Einstein em São Paulo

Bolsonaro foi transferido da Santa Casa de Juiz de Fora, para o hospital Albert Einstein, em São Paulo
(Foto: Flavio Bolsonaro Via Twitter)

A junta médica que atendeu o candidato à presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) decidiu, juntamente com a família do parlamentar, transferi-lo da Santa Casa de Juiz de Fora, para o hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Bolsonaro saiu nesta sexta-feira (7) às 8h30 em uma ambulância, escoltada por carros da polícia, em direção ao aeroporto da cidade.

A diretora técnica da Santa Casa, médica Eunice Dantas, considerou positiva a recuperação do candidato nas últimas horas e destacou que a facada que ele levou, por questões de centímetros, não atingiu regiões mais vitais do corpo, o que teria agravado muito a situação.

De acordo com o deputado estadual, Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do candidato, o pai já está lúcido, inclusive fazendo brincadeiras sobre o que ocorreu. Sobre a disputa eleitoral, o deputado afirmou que não é possível definir se Bolsonaro terá condições de saúde para voltar às ruas ainda no primeiro turno. Segundo ele, o mais provável é que a campanha seja feita pela internet. (Com informações do Jornal do Comércio)

Cúpula militar vê risco de ataque a Bolsonaro acirrar ânimos

A cúpula das Forças Armadas avalia que o ataque ao candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) pode levar ao acirramento dos ânimos no processo eleitoral.

Os comandantes militares estavam reunidos no Ministério da Defesa quando foram avisados que Bolsonaro foi esfaqueado na tarde desta quinta-feira (6) em ato de campanha na cidade de Juiz de Fora (MG).

Eles receberam a notícia com preocupação e destacaram o ineditismo do ataque a um presidenciável durante evento de campanha. A avaliação foi de que os ânimos já exaltados no país durante a campanha podem se acirrar.

Em março, quando a campanha presidencial ainda não havia começado, dois ônibus da caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foram atingidos por tiros. Ninguém foi ferido.

O ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, estava em reunião com os comandantes Eduardo Villas Bôas (Exército), Eduardo Bacellar Leal Ferreira (Marinha) e Nivaldo Luiz Rossato (Aeronáutica) e com o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, Ademir Sobrinho. O encontro, que começou às 15h, estava marcado previamente.

A análise dos militares é que o homem que atacou Bolsonaro provavelmente agiu por fanatismo, em ato isolado, que não tem relação com outros candidatos ou partidos.

Polícia Federal prende homem acusado de esfaquear Bolsonaro (PSL)

Bolsonaro é atendido após atentado.(Reprodução/Brasil Urgente)

A Polícia Federal, que realiza a segurança dos presidenciáveis, prendeu um homem suspeito de ter realizado o ataque contra o candidato à Presidência, Jair Bolsonaro (PSL). O nome do suspeito é Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos. Ele é de Montes Claros, também no interior de Minas Gerais.

O candidato à Presidência, Jair Bolsonaro (PSL), levou uma facada durante um ato de campanha na tarde desta quinta-feira (6), em Juiz de Fora (MG). Segundo a Polícia Militar de Minas Gerais, o presidenciável levou uma facada na região do tórax.

As informações ainda estão desencontradas. A assessoria de imprensa de Jair Bolsonaro afirmou à Rádio Bandeirantes que o candidato está em e estado grave, com hemorragia interna, e que no momento o deputado passa por cirurgia na Santa Casa de Juiz de Fora. O Brasil Urgente divulgou uma imagem em que Bolsonaro aparece sendo atendido no hospital. (Com informações da Band News)

Bolsonaro é esfaqueado em ato de campanha em Juiz de Fora (MG)

Um ato de campanha do candidato à Presidência, Jair Bolsonaro (PSL), foi interrompido na tarde desta quinta-feira (6), em Juiz de Fora (MG), após um tumulto generalizado. Segundo a Polícia Militar de Minas Gerais, o presidenciável levou uma facada na região do tórax.

No momento da confusão, Bolsonaro estava sendo carregado nos ombros por um apoiador de sua campanha, na região do Parque Halfeld, no centro da cidade. Enquanto ele acenava para os simpatizantes de sua candidatura, uma pessoa se aproximou dele e, supostamente, deu uma facada no presidenciável.

(Foto: Fábio Motta/Estadão Conteúdo)

A informação foi confirmada por um dos filhos de Bolsonaro, o deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). Ele disse em uma rede social que o caso não foi grave, e que o pai passa bem. “Graças a Deus, foi apenas superficial. Peço que intensifiquem as orações por nós!”, escreveu, em postagem no Twitter.

Com informações do site UOL

Bolsonaro lidera corrida presidencial com folga, segundo pesquisa do IBOPE

A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

A primeira pesquisa de intenção de voto divulgada após o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) barrar a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) mostra Bolsonaro na liderança da corrida presidencial com 22%, dez pontos a mais do que Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT), que aparecem com 12% cada.

Os números do Ibope foram anunciados nesta quarta-feira (5). Fernando Haddad, vice na chapa do PT, foi apresentado aos entrevistados como o candidato do partido e recebeu 6% das intenções de voto, atrás de Geraldo Alckmin (PSDB), que tem 9%.

Depois aparecem: Alvaro Dias (Podemos) e João Amoêdo (Novo) com 3%; Henrique Meirelles (MDB) com 2%; Guilherme Boulos (PSOL) e Vera (PSTU), João Goulart Filho (PPL) com 1%; Cabo Daciolo (Patriota) e Eymael (DC) com 0%. Branco/nulos somam 21%. Não sabem ou não responderam: 7%.

O Ibope fez a pesquisa entre os dias 1º e 3 de setembro, em 142 municípios em todo o país, com 2.002 entrevistados. A pesquisa foi contratada pelo jornal “O Estado de S. Paulo” e pela TV Globo, e registrada no TSE com o número BR05003/2018.

A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, e o intervalo de confiança estimado é de 95%. Segundo o Ibope, isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados serem um retrato do “atual momento eleitoral”.

Segundo turno

Em um eventual segundo turno com os principais candidatos, Jair Bolsonaro só venceria Haddad, de acordo com a pesquisa, com uma diferença de apenas 1%.

Enfrentando Marina, Ciro e Alckmin, o deputado federal não conseguiria se eleger. Contra Ciro, por exemplo, perderia por 44% a 33%. Marina venceria Bolsonaro com 10 pontos de vantagem e Alckmin venceria com 9 pontos à frente do parlamentar.

12345