Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Prefeitura de Petrolina dobra número de carros-pipa para levar água à zona rural

(Foto: ASCOM)

Para levar água a mais de 800 famílias que moram na zona rural, a prefeitura de Petrolina (PE) tem realizado um trabalho intenso. Além das longas estiagens, as famílias também foram prejudicadas após consecutivas suspensões do abastecimento d’água por parte do governo estadual, há mais de dois anos.

A iniciativa da gestão municipal, coordenada pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Agrário, está atendendo centenas de comunidades rurais que não são contempladas pela Operação Carro-Pipa ou outro tipo de programa. Este é o segundo ano consecutivo que a prefeitura adota a medida e dobra o número de carros-pipa de 10 para 20 veículos, ampliando o abastecimento às comunidades.

“Conforme determinação do prefeito Miguel Coelho, estamos intensificando os trabalhos de abastecimento de água e seguindo um cronograma de maior emergência. Já dobramos a capacidade de atendimento e estamos levando água principalmente, para aquelas comunidades que não são beneficiadas por nenhum tipo de programa”, disse o secretário de Desenvolvimento Econômico e Agrário, José Batista da Gama.

Os 20 caminhões- pipas estão trabalhando diariamente e levando água para as seguintes localidades: Aranzel- Caititu, Santo Antônio-Rajada, Almas – Simpatia, Volta do Riacho-Pau Ferro, Baixa da Melancia- Pau Ferro, Sítio Curral do Barreiro – Pau Ferro, Garcinha- Pau Ferro, Castanheiro I, Volta do Pascácio, Baixa do Mundo Novo, Barreiro – Pau Ferro, Emparedade – Pau Ferro, Sítio Surubim, Malhadinha, Sitio Lagoa Funda – Rajada, Poço Dantas, Alegria- Cristália, Caroá, Alfavaca, Baixa do Tatú, Sitio Canudos, Jacaré Tigre- Pau Ferro, Baixa Alegre, Caititu, Mudubim- Cruz de Salinas, Sítio Pereiro, Capim, Sítio Lajedo.

Licitação para dobrar quantidade de carros-pipa em Petrolina já está em andamento

Programa “Água Boa” tem beneficiado zona rural de Petrolina. (Foto: ASCOM)

Em caráter emergencial, devido à seca e às falhas no abastecimento de água por parte do governo estadual, a Prefeitura de Petrolina está dando continuidade ao Programa ‘Água Boa’. Para retomar o serviço, a prefeitura iniciou o processo licitatório para contratação de carros-pipas o qual já se encontra em andamento.

A iniciativa, coordenada pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Agrário, já beneficiou mais de 380 famílias em diversas localidades do município que sofrem com o longo período de estiagem e não são contempladas pela Operação Carro-Pipa ou outro tipo programa.

“Estamos seguindo os trâmites legais de licitação e, em breve, o Programa ‘Água Boa’ estará atendendo às comunidades rurais. Quero adiantar que vamos ampliar o número de carros-pipas de 10 para 20 e vamos atender mais de 700 famílias. Volto a repetir que hoje sim, o interior tem atenção especial devido a essa gestão”, disse o secretário de Desenvolvimento Econômico e Agrário, José Batista da Gama.

LEIA MAIS

Rodrigo Araújo critica Gabriel Menezes por dar publicidade a ações no interior

O vereador Rodrigo Araújo não apoiou a ação de Gabriel Menezes, que resolveu tomar partido pela falta d’água em algumas comunidades rurais, enviou carros pipa e depois deu publicidade ao feito.

Segundo Rodrigo, essa ação não é exclusiva do parlamentar, já que ele também tem levado carros pipa para a Zona Rural da cidade, contudo, não precisa ir às rádios fazer política com as ações.

“Sou do interior, filho de homem do campo. Meu pai foi quem mais colocou carrada de água aqui no município de Petrolina. Sempre ajudo matando a sede de quem mais precisa, colocando carradas de água, mas não preciso estar na rádio dizendo que coloquei um carro de pipa para lá ou para cá. Eu não uso a sede do povo para fazer política”, disparou.

Descrédito da Câmara perante a população

Sobre a fala de Gabriel a respeito do povo ter nojo da Casa Legislativa, Rodrigo concordou em partes com o amigo parlamentar e criticou vereadores que não acompanham toda a sessão, inclusive quando projetos são apresentados.

“Eu vejo também que a nossa Câmara de Vereadores está muito desacreditada. Mas ele falou sobre nojo e eu quero dizer que eu nem sou seboso e nem sujo. Eu trabalho, tenho 16 projetos sancionados, aprovados, acho que sou o vereador que tem mais projetos na Casa. Semana passada na participação do pastor, na hora da votação, quase faltou quórum para apreciação do projeto. A gente tem responsabilidade sim”, afirmou.

Lagoa Grande: parceria entre Prefeitura, Exército e Codecipe levará água para regiões sequeiras

(Foto: ASCOM)

A parceria firmada nesta semana entre a Prefeitura de Lagoa Grande, através da Coordenação Municipal de Defesa Civil (COMDEC), o Exército e a Coordenadoria de Defesa Civil de Pernambuco (Codecipe) vai levar água para as famílias de regiões sequeiras de todo o município.

O ministério da Integração Nacional disponibilizou recursos para a contratação de 17 caminhões pipas. Sendo: 10 contratados pelo Exército e 07 pela Codecipe.

Agora o município fica responsável pelo cadastramento das famílias e fiscalização dos serviços prestados pelos caminhões pipas. De acordo com o secretário de Agricultura e coordenador da COMDEC de Lagoa Grande, o desejo é de contratar ainda mais caminhões para a cidade.

“O desejo do Prefeito Vilmar é contratar mais caminhões para atender toda a demanda, isto pra ele é prioridade, ele é sensível com esta situação e tão logo consiga fazer a negociação dos milhões de dívidas herdadas, conforme o seu planejamento, ampliará este serviço que é de primeira necessidade.”

Secretária de Saúde de PE alerta sobre surto de doenças causadas por água contaminada

(Foto: Ilustração)

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) identificou 79 surtos de doenças transmitidas por águas/alimentos (DTA), 3,6% a menos do que os 82 de 2015. O número de cidadãos acometidos dobrou, de 1.150 pessoas para 2.264. Alguns casos foram registrados em Petrolina e Salgueiro.

Análises laboratoriais apontam que em 29 surtos foi isolada a bactéria Escherichia coli (presente em fezes) na água para consumo populacional. Outros agentes perigosos como vírus e parasitas foram identificados em 39 surtos. A SES lançou alerta sobre qualidade e segurança da água consumida, sobretudo em áreas com crise de abastecimento.

Em Salgueiro, em dois surtos por contaminação de água, 396 pessoas ficaram doentes. Foram 160 casos a mais do que no Recife, que ocupa a 2ª colocação no ranking e teve 236 enfermos em 24 surtos de água e/ou alimentos em 2016 e tem população 30 vezes maior do que a cidade sertaneja. Terra Nova registrou uma morte.

A diretora-geral de Vigilância Epidemiológica e Ambiental do Estado, Rosilene Hans comentou que foram identificadas várias problemáticas.

“Tivemos barragem pequena que rompeu e matéria orgânica que desceu para o rio São Francisco. Municípios que consomem água desse rio, através de estações de tratamento, tiveram surtos porque nem todas conseguiram tratar toda a matéria orgânica”.

Dos 59 surtos encerrados, em 76,3% o adoecimento estava relacionado à água para consumo humano. Esse tipo de situação sempre se apresenta de forma mais problemática, porque o contágio é de proporções maiores.

Foi o caso de Salgueiro e de cidades na região de Petrolina. A gestora também elencou que a infiltração de esgoto na rede de abastecimento provocou quadros de adoecimento pontuais. Mas é a seca que compromete mais a segurança da saúde, porque a população muitas vezes não faz a higienização adequada da água armazenada e adquire água de procedência duvidosa em carros-pipa clandestinos.

O gestor da Vigilância Sanitária Estadual (Apevisa), Jaime Brito, alertou que as comunidades em zona de estiagem devem redobrar os cuidados com consumo e estocagem.

“A indicação é que se a pessoa vai ingerir essa água deve ter cuidado e não confiar apenas na cloração dos caminhões-pipa, seja do Exército, da Compesa ou de particulares”.

Com informações do FolhaPE

Ministério Público constata diversas irregularidades no serviço de saneamento em municípios do norte da Bahia

Sistema de saneamento ainda não é eficiente nas cidades visitadas por órgãos de fiscalização integrada/Imagem ilustrativa

Sistema de saneamento ainda não é eficiente nas cidades visitadas por órgãos de fiscalização integrada/Imagem ilustrativa

Recentemente, o Ministério Público da Bahia elaborou um diagnóstico da situação de saneamento em municípios do norte baiano, como por exemplo, Sento Sé, Sobradinho, Juazeiro, Curaçá, Uauá, Jaguarari, Casa Nova, Remanso, Pilão Arcado e Campo Alegre de Lourdes. O que se constatou não foi nada animador. De acordo com informações postadas no portal do IRPAA (Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada), a partir da 37ª Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) foi identificado, dentre outros problemas, que a água do São Francisco está imprópria para consumo, com a presença de diversos organismos patogênicos, inclusive coliformes fecais. Este problema se agrava quando se observa como esta água chega às residências das pessoas, já que os sistemas de tratamento não atendem a toda a população.

Segundo o relatório do FPI, ficou constatado que as áreas que são atendidas por carros-pipa recebem água contaminada. “Observamos que todos os carros-pipa estão distribuindo água bruta, que não é submetida a nenhum tipo de tratamento, logo, não é boa para beber”, afirma o engenheiro sanitarista do Ministério Público da Bahia, Zuri Pessoa. “Ao percorrer os municípios, os órgãos participantes da Operação providenciaram análises tanto da água retirada do rio quanto da levada pelos carros-pipa”.

Um exemplo claro desta irregularidade foi verificado em Casa Nova. Através de observação in loco e por meio de imagem de satélite, foi comprovado pela Fiscalização Integrada que a estação de tratamento do esgoto não está sendo bem operada, sendo o material lançado para o lago de Sobradinho em um local bem próximo ao ponto de captação do Saae (Sistema Autônomo de Água e Esgoto) e dos carros-pipa, que levam essa água bruta para as comunidades rurais, principalmente. “Eles [prestadores de serviço] não têm controle da água que estão distribuindo. A população fica sujeita a um risco grande de contrair doenças pelo consumo dessa água”, constata Pessoa.

LEIA MAIS

Políticos debatem distribuição de água através de carros pipa no interior de Petrolina 

 

ODACY E CHICÔ

O Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), unidade – Petrolina, reuniu na sexta-feira, 8, agricultores da zona rural do município para debater o problema da distribuição de água por meio de carro pipa na região.

A reunião foi uma iniciativa do deputado estadual Odacy Amorim (PT), juntamente com os vereadores José Batista da Gama, PDT e Manoel da Acosape, PHS.

Estiveram presentes também na reunião os vereadores de Petrolina, Cristina Costa e Geraldo da Acerola, do PT; Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Conselho Municipal de Desenvolvimento Sustentável e vereadores de outros municípios como Lagoa Grande e Afrânio.

Odacy considerou os resultados da reunião positivos e sugeriu ao Governo do Estado que a distribuição de água seja sob a coordenação da Comissão de Defesa Civil de Pernambuco (Codecipe).

 “Consegui um contato com o governador Paulo Câmara que designou o secretário Nilton Mota para me ligar imediatamente, conversamos sobre a questão do pagamento dos carros pipas. Nilton confirmou que nos dava retorno nesta segunda-feira, 11. A secretaria também assumiu o compromisso de até o dia 15, pagar o pessoal dos tratores do programa Terra Pronta que foram alugados ao Governo no ano passado”, afirmou o petista.

Retrospectiva 2015: forte estiagem maltrata o sertanejo

CARRO PIPA - SECA

A seca que vem castigando impiedosamente o sertanejo atingiu em cheio a economia de Petrolina, a falta de água causou inúmeros prejuízos a fruticultura irrigada e principalmente os pequenos produtores que sobrevivem da agricultura.

A crise hídrica e a falta de incentivos para agricultura têm sido as maiores preocupações do aglomerado do semiárido, vez que compromete a produção e consequentemente a economia local.

Outro agravante foi o corte no número de carros-pipa que abastece a Zona Rural atingindo a população e os agricultores familiares. Em Petrolina, por exemplo, o número de carros-pipa foi reduzido a menos de um quarto, passando de 73 para 17. Em Dormentes e Lagoa Grande, caiu de 20 para sete carros-pipa.