Pernambuco é o terceiro estado do país com mais casos confirmados de sarampo

(Foto: Internet)

Pernambuco é o terceiro estado do país com mais casos confirmados de sarampo. O Brasil registrou 3.339 casos confirmados da doença em 16 estados, nos últimos 90 dias, de acordo com o novo boletim epidemiológico do Ministério da Saúde. Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul passaram a integrar a lista de estados com surto ativo da doença. Depois de São Paulo e Rio de Janeiro, com 3.254 casos e 18 casos, respectivamente, Pernambuco aparece ao lado de Minas Gerais, cada um com 13 confirmações. Contudo, como os dados são computados primeiro na esfera estadual, na verdade Pernambuco já tem 14 confirmações, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE).

O atual boletim do Ministério da Saúde aponta a notificação de 24.011 casos suspeitos no país, sendo que 17.713 (73,8%) estão em investigação e 2.957 (12,3%) foram descartados. Os casos confirmados, neste último levantamento, representam 89% do total de 2019.

A maioria dos casos confirmados, 97,5%, está em São Paulo, seguido do Rio de Janeiro, Pernambuco, Minas Gerais, Santa Catarina (12), Paraná (7), Rio Grande do Sul (7), Maranhão (3), Goiás (3), Distrito Federal (3), Mato Grosso do Sul (1), Espírito Santo (1), Piauí (1), Rio Grande do Norte (1), Bahia (1) e Sergipe (1). Em Pernambuco, foram notificados 457 casos suspeitos de sarampo em 2019. Desse total, 86 foram descartados, 357 estão em investigação.

As crianças são as mais suscetíveis às complicações e óbitos por sarampo. A incidência de casos em menores de 1 ano é nove vezes maior em relação à população em geral. A cada 100 mil habitantes, 52 crianças nessa faixa etária obtiveram confirmação para a enfermidade. A segunda faixa etária mais atingida é de 1 a 4 anos.

Esses dados do boletim epidemiológico, para o Ministério da Saúde, elevam atenção para ações mais pontuais para este público. Neste ano, foram confirmados quatro óbitos por sarampo: três óbitos ocorreram em menores de 1 ano de idade; e um óbito em um indivíduo de 42 anos. Nenhum dos quatro casos eram vacinados contra a doença. Um dos casos é o de um bebê de 7 meses, morador de Taquaritinga do Norte, em Pernambuco.

“É importante vacinar, neste primeiro momento, o público que é mais suscetível às complicações do sarampo. As crianças menores de 5 anos estão na faixa etária com maior número de internações e apresentam maior risco de desenvolver complicações, como cegueira, encefalite, diarreia grave, infecções no ouvido, pneumonias e óbitos pelo sarampo”, ressalta o secretário de vigilância em saúde do Ministério da Saúde, Wanderson Oliveira.

Perfil dos casos confirmados em Pernambuco:

LEIA MAIS

Bebê de sete meses morre com suspeita de sarampo no Agreste de Pernambuco

(Foto: Internet)

No último sábado (17), um bebê de sete meses faleceu em Taquaritinga do Norte, no Agreste de Pernambuco, e segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES), a suspeita é de que a morte tenha sido causada pelo sarampo. A SES informou também que a Vigilância Epidemiológica da IV Gerência Regional de Saúde e do nível central da SES estão investigando o caso e vão encaminhar amostras laboratoriais da criança para análise, para confirmar ou descartar a hipótese de sarampo.

LEIA MAIS

Pernambuco confirma dois primeiros casos de sarampo desde 2014

Os dois primeiros casos de sarampo em Pernambuco desde 2014 foram confirmados esta sexta-feira (17) pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE).

Um homem de 27 anos com histórico de viagem para Manaus, capital do Amazonas, região onde circula o vírus, e uma sobrinha de 2 anos que mora com ele no bairro de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, são as ocorrências confirmadas.

Os dois pacientes, outros dois membros da mesma família e uma funcionária estão sob monitoramento da secretaria e outros órgãos responsáveis. Amostras de sangue foram coletadas e encaminhadas para exames laboratoriais na Fundação Oswaldo Cruz do Rio de Janeiro (Fiocruz-RJ), que confirmou a doença no tio e na sobrinha.

LEIA MAIS

Cai número de casos e óbitos por arboviroses em Pernambuco

(Foto: Internet)

Mais de 5.600 casos de arboviroses foram notificados no Estado desde o início de 2017. Desses, 1.198 foram confirmados. Maria Martha tem 61 anos e, em abril do ano passado, foi diagnosticada com chikungunya. Desde então, segundo ela, seus movimentos não foram mais os mesmos. “Eu sentia dores em todas as minhas articulações, não conseguia mexer quase nada, fiquei muito debilitada”, contou. Assim como ela, outras 60.033 pessoas também foram notificadas com a arbovirose na mesma época do ano passado. O que representa uma redução de 95,5% em relação aos dados de chikungunya de 2016.

O número de óbitos por arboviroses também caiu. Do primeiro dia do ano, até o fim de abril, houve 18 casos de mortes suspeitas de arboviroses em Pernambuco. Para Maria Martha, a redução dos números de caso traz a sensação de alívio. “Depois de tudo que eu passei, não quero que mais ninguém tenha uma dessas”. Arboviroses são doenças causadas por mosquitos, como dengue, zika, chikungunya e febre amarela. Em Pernambuco, de acordo com a Secretaria de Saúde, não é registrado nenhum caso de febre amarela desde 1930.

Ainda de acordo com a Secretaria de Saúde do Estado, o LIRAa, levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti, faz uma estimativa com relação a quais lugares estão mais propícios a se desenvolver uma arbovirose.

Com informações da Folha de Pernambuco.

Pernambuco confirma 354 casos de microcefalia, outros 555 casos seguem em investigação

microcefalia-600

De agosto de 2015 a maio deste ano, foram notificados 1.947 casos suspeitos de microcefalia. Até o momento, 1.038 foram descartados (Foto ilustrativa: Edmar Melo / Acervo JC Imagem)

Segundo boletim divulgado nesta quarta-feira (18) pela Secretaria Estadual de Saúde (SES), foram notificados em Pernambuco 1.947 casos de microcefalia de 1º de agosto de 2015 até 14 de maio deste ano. Ainda de acordo com os dados, 826 casos (42%) atendem ao parâmetros da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a malformação congênita. Dos registros, 354 casos foram confirmados como microcefalia e outros 1.038 foram descartados. Até o momento, 555 casos seguem em investigação. No último boletim divulgado pela SES, 582 notificações ainda não tinham diagnóstico fechado.

Também foram registrados 29 casos de bebês natimortos. Outros 27 morreram logo após o nascimento. O órgão ressalta, no entanto, que nenhum dos casos teve microcefalia como causa básica de morte.

LEIA MAIS

Petrolina está em médio risco de infestação do mosquito Aedes, aponta 2º Lira

Combate a Dengue

Mesmo com alguns casos notificados de pessoas infectadas com o mosquito da Dengue em Petrolina, no Sertão de Pernambuco, a Secretaria da Saúde apresenta nesta sexta-feira, o resultado do segundo Levantamento de Índice Rápido de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) de 2016, e mostra  levantamento que Petrolina está com apenas 1% de risco para infestação do mosquito transmissor da Dengue, Chikungunya e Zika.

Segundo o executivo municipal a pesquisa, que aponta médio risco, foi realizada entre os dias 29 e 10 de março em 13 estratos do município.

A diretora de Vigilância em Saúde, Silvana Mudo, explica os fatores preponderantes para o aumento do índice. “Esse segundo LIRAa foi realizado após o período chuvoso o que, consequentemente, eleva o índice de infestação, pois após as chuvas a temperatura eleva e torna as condições totalmente favoráveis para a proliferação e reprodução do mosquito”.

Entre os bairros com maior infestação do Aedes estão Dom Avelar, São Jorge, Terras do Sul, São Gonçalo, Jardim Petrópolis e Vila Chocolate com 2,1%, em seguida vêm os bairros Vila Eduardo, Loteamento Nova York, Loteamento Recife, Vila Débora, Vila Marcela e Vila Carolina com 1,9%. Já as comunidades da Areia Branca, Dom Malan, Maria Auxiliadora e Caminho do Sol permanecem com 0%.

Até o dia 27 de dezembro, 1.153 casos de microcefalia foram notificados em Pernambuco

microcefalia

Até o dia 27 de dezembro, 1.153 casos de microcefalia foram notificados em todo o Estado, com 89 casos (7,7%) confirmados com a microcefalia e 42 (3,6%) descartados – levando em consideração o resultado dos exames de imagem dos bebês. Desse total, 426 (36,9%) atendem aos parâmetros da Organização Mundial de Saúde (OMS) para microcefalia, que identifica a malformação em bebês com perímetro cefálico igual ou menor que 32 centímetros.

Os índices atualizados foram divulgados nesta terça-feira (29) pela Secretaria Estadual de Saúde (SES). Do total de casos prováveis, 419 (98,4%) foram detectados no pós-parto e quatro (0,9%) detectados intraútero (feto com microcefalia). Também foram registrados três (0,7%) natimortos com microcefalia. As causas dos óbitos estão sendo investigadas.

Desde que a notificação de casos de gestantes com exantemas foi tornada obrigatória, 45 municípios do Estado notificaram 265 casos de gestantes com esse quadro clínico. Desse total, quatro apresentaram diagnóstico de microcefalia intraútero.

Municípios
O Recife é a cidade com o maior número de casos suspeitos de microcefalia por região de saúde, com 217 suspeitas.Jaboatão dos Guararapes fica em segundo lugar com 74 casos.

Exclusivo: sobe para 7 o número de casos de microcefalia em Petrolina

GEDSC DIGITAL CAMERA

Secretária de Saúde de Petrolina Lúcia Giesta

Em entrevista exclusiva a este Blog a secretária de Saúde Lúcia Giesta, informou que subiu para 7 o número de casos de bebês com microcefalia no município de Petrolina. Da última vez em que convocou a imprensa para uma coletiva o número de registros era de apenas 2 casos, agora são 3 casos confirmados de bebês recém-nascidos e 4 suspeitos que a secretaria está monitorando ainda intra útero.

Os casos confirmados são de dois bebês dos bairros Idalino Bezerra e Mandacaru e o terceiro de uma gestante que mora em Petrolina, mas que foi ter o filho em Salgueiro-PE.

Muito preocupada com o aumento do número de bebês com microcefalia em todo o país, sobretudo em Pernambuco que registra o maior número de casos com 874 confirmados até agora,  Lúcia Giesta comunicou que o município está realizando uma campanha com outdoors espalhados pela cidades, investimentos em Bus Mídia e orientações nas escolas para alertar a sociedade sobre os riscos causados pelo mosquito Aedes Aegypti. Mas ela lembrou também que o mosquito não é o único transmissor da doença que pode ser adquerida também através do sêmen e transfusão sanguínea, portanto, unge uma atenção maior de toda a população.

Em Petrolina toda criança que nasce e tem indicativo de perímetro cefálico igual ou inferior a 32 centímetros é encaminhada para fazer  uma tomografia para ver se tem alguma alteração, se confirmado segue com outras investigações. “Foi montado um ambulatório na AME da Vila Eduardo com pediatra,  psicólogo e fisioterapeuta, para poder está estimulando essas crianças”, ressaltou a secretária.