Petrobras decide segurar preço da gasolina até valor do petróleo se estabilizar

A disparada do preço do petróleo provocou tensão nos mercados, mas o Ibovespa fechou o dia com alta de 0,17%, graças ao bom desempenho das ações da Petrobras. (Foto: Ilustração)

A Petrobras vai continuar observando o comportamento do preço do petróleo no mercado internacional até decidir se vai revisar os preços dos seus derivados no Brasil. Na prática, significa que o consumidor não será afetado no curto prazo, porque a estatal vai segurar os preços. A ideia é dar continuidade à política atual, que atrela os valores aos valores praticados no mercado internacional, com repasses à medida que há mudança de patamar de preços.

Para se resguardar de prejuízos financeiros enquanto não repassa altas no mercado externo para o consumidor, a companhia recorre ao artifício financeiro de hedge, no qual oscilações de curto prazo são compensadas. Especialistas e investidores destacam, porém, da necessidade de a empresa não ser usada para atender às demandas do governo, como aconteceu no passado, quando a empresa foi usada para segurar a inação. A companhia mantinha os preços dos combustíveis inalterados apesar das oscilações externas, o que gerou um rombo nas suas caixas.

Se o mercado perceber que a mesma prática está sendo adotada pela gestão atual, o seu programa de venda de refinarias será afetado, porque nenhuma empresa terá interesse em fazer parte de um setor comandado por interesses políticos e não econômicos.

Copergás garante gás natural veicular em Petrolina até 2020

A Companhia Pernambucana de Gás (Copergás) deve, até 2020, trazer para Petrolina (PE) o gás natural veicular (GNV). A informação foi compartilha pelo professor Thiago, representante da Associação dos Motoristas de Aplicativo de Pernambuco (Amape).

O assessor da direção comercial e de expansão da Copergás, Fábio Morgado, foi quem garantiu a novidade, segundo Thiago. “Está no plano de expansão da companhia até o ano que vem sugar o gás natural veicular a Petrolina”, disse.

Em um primeiro momento, o GNV deve chegar na cidade através de carretas, o que deixa o valor um pouco mais caro do que em outras cidades, mas, ainda assim, mais barato do que o consumidor para pelo litro de gasolina em Petrolina, além de ser mais limpo.

Petrobras anuncia redução no preço do diesel

(Foto: Guilherme Testa)

O preço do diesel teve um corte de 4,6%. A redução foi anunciada na quarta-feira (12) pela Petrobras e no litro, a diminuição resultará em R$ 0,10 por litro, válido já a partir dessa quinta-feira (13). Nas refinarias o valor do combustível custa em média R$ 2,0664 por litro.

O último reajuste no preço do diesel havia sido anunciado pela empresa no dia 31 de maio, quando o valor de venda pelas suas refinarias caiu em média 6%. De acordo com dados da agência estatal americana EIA, de informações em energia, o preço do óleo diesel no Golfo do México caiu 1,7% entre o fim de maio e o início desta semana.

Em comunicado ao mercado, a Petrobras informou que não respeitará mais o prazo mínimo de 15 dias para mexer no preço do diesel, regra estabelecida em meio a crescentes ameaças de greve de caminhoneiros em março.

De acordo com a estatal, sua política de preços continua baseada no conceito de paridade de importação, que consiste no acompanhamento das cotações internacionais, incluindo o custo para trazer os produtos ao país. (Com informações da Folha de Pernambuco).

Petrobras reduz preço da gasolina nas refinarias a partir de hoje

Diesel seguirá estável, segundo estatal (Foto: Guilherme Testa)

4,4% é a média da redução do preço da gasolina nas refinarias. A diminuição no preço foi anunciado pela Petrobras na última sexta-feira (24) e passa a valer neste sábado (25). O corte é de 0,0907 real por litro, representando o primeiro reajuste da gasolina desde 30 de abril de 2019.

Já o diesel seguirá estável, segundo a estatal. A queda no preço do combustível acontece em uma semana que o mercado de petróleo marcou o pior desempenho de 2019, com o barril do Brent, referência internacional, recuando 4,5%.

Houve também valorização do real em relação ao dólar. A moeda americana iniciou a semana vendida a R$ 4,08 e fechou o período valendo R$ 4,01. Todavia, o repasse do preço da gasolina ao consumidor final depende tanto das distribuidoras como dos postos de combustível.

Segundo a companhia, o valor da gasolina na refinaria equivale a 25% do total. Outro 16% são da distribuidora e dos postos, e 59%, de imposto. (Com informações da Veja).

Ronaldo Cancão solicita audiência pública sobre preço de combustíveis e cartel de postos em Petrolina

(Foto: Blog Waldiney Passos)

O vereador Ronaldo Cancão (PTB) deve solicitar nesta terça-feira (05), durante a primeira sessão ordinária da Câmara Municipal de Petrolina, uma audiência pública para tratar do preço abusivo de combustíveis praticado na cidade.

De acordo com o requerimento 001/2019, que solicita a audiência, Petrolina é a primeira colocada entre as cidades pernambucanas em que os postos de combustíveis obtiveram a maior margem na venda de gasolina, segundo dados da Agência Nacional de Petróleo.

“Em média esses postos compram a gasolina a R$ 3,746 e vendem ao consumidor final pelo preço de R$ 4,829, acrescentando, dessa forma, o valor médio de R$ 1,083 por litro. Além disso é possível observar que há um ‘cartel’ entre os postos de combustíveis”, diz o requerimento do parlamentar.

O vereador solicita a presença de várias autoridades para participarem da audiência, tais como o Promotor de Justiça responsável pela defesa do consumidor, o Coordenador do Prodecon da Prefeitura Municipal de Petrolina, o Gerente da Distribuidora de Combustível da Região do Vale do São Francisco, o representante de combustíveis, entre outras autoridades políticas.

Prodecon cobra repasse de desconto no preço de combustíveis em Petrolina

(Foto: Arquivo)

O Programa Municipal de Defesa do Consumidor (Prodecon) está acompanhando de perto se o desconto concedido pelas distribuidoras de combustíveis está sendo repassado aos consumidores de Petrolina (PE). Durante workshop realizado pelo Sindcombustíveis de Pernambuco na última semana, o diretor presidente do Prodecon, Dhiego Serra, falou aos empresários do ramo e questionou aos mesmos sobre os repasses ao consumidor final.

De acordo com Serra, o encontro foi proveitoso e o consumidor petrolinense já pode verificar uma redução de preços nas bombas dos postos da cidade. “Não é papel do Prodecon regular os preços dos combustíveis, essa é uma competência da Agência Nacional do Petróleo (ANP), o que cabe aos órgãos fiscalizadores é acompanhar se este desconto está sendo repassado aos consumidores como estamos fazendo. Aqui em Petrolina, houve bom senso dos empresários que já estão repassando o desconto aos consumidores”, disse.

Serra  também passou esclarecimentos sobre o Código de Defesa do Consumidor e a Lei 13.455/2017  que obriga o fornecedor a informar, em local visível ao consumidor, os descontos oferecidos em função do meio e do prazo de pagamento. A proposta não obriga a diferenciação de preços, somente oferece essa possibilidade ao comércio.

O repasse dos reajustes da Petrobras nas refinarias aos consumidores depende dos distribuidores – ou seja, fica a cargo dos postos repassar ou não a baixa do preço da gasolina ao consumidor final. Apesar disso, em Petrolina, o litro da gasolina que antes custava em média R$  5,06 agora pode ser encontrado a por R$ 4,92.

Apesar da redução do preço da gasolina nas refinarias, consumidores de Petrolina reclamam do valor cobrado nos postos

(Foto: Arquivo)

O mês de outubro foi marcado por quedas no preço da gasolina tipo A nas refinarias. Mas os consumidores de Petrolina não estão sentindo essa redução nos postos de combustíveis da cidade. O leitor Luis Henrique abasteceu seu veículo em um estabelecimento na Avenida São Francisco, no bairro Areia Branca e criticou o valor cobrado no litro.

Segundo Luis, o posto já teria recebido o combustível com valor novo, entretanto não repassou o reajuste ao consumidor final. “Não houve nenhum mudança no valor da gasolina, perguntei pra o frentista se eles receberam algum novo caminho de combustíveis já com o novo valor e ele me informou que sim”, afirmou à nossa produção.

Citando os direitos do consumidor, Luis fez um desabafo: “não é possível ver redução nas bombas dos postos de combustíveis de Petrolina. O diretor do consumidor tem que ser respeitado”, finaliza. Na cidade, o preço médio da gasolina é de R$ 5,04.

Petrobras anuncia corte de 6,% no preço da gasolina nas refinarias

A partir desta quarta-feira (31) o preço médio do litro da gasolina nas refinarias terá redução de 6,2%. De acordo com a estatal, a gasolina tipo A não terá tributos e será comercializada a R$ 1,8623.

No entanto, o diesel não sofreu alteração e ficou estagnado em R$ 2,1228. Há pelo menos duas semanas a Petrobras vem anunciando reduções no preço da gasolina vendida nas refinarias, mas o diesel pouco se alterou.

As mudanças fazem parte da nova política de divulgação de preços da estatal, que também conta com um mecanismo de proteção.

Petrobras anuncia redução do preço do combustível em 2% nas refinarias; preço em Petrolina deve permanecer

A diminuição representa uma queda de 8,33% no preço. (Foto: Ilustração)

Nessa segunda-feira (22), a Petrobras anunciou uma redução de 2% no preço da gasolina comercializada em suas refinarias. De acordo com a estatal, a partir desta terça-feira (23), o litro do combustível passará a ser negociado a R$ 2,0639.

No entanto, embora essa seja a sétima queda consecutiva do preço desde 22 de setembro, quando custava R$ 2,2514 por litro, o preço do combustível não deve alterar nas bombas dos postos de gasolina em Petrolina (PE).

Preço do litro da gasolina nas refinarias terá redução a partir deste sábado

(Foto: Reprodução/Internet)

O litro da gasolina A terá uma redução de 2% no preço médio neste sábado (20), informou a Petrobras. O corte no valor foi possível já que o produto que terá tributação nas refinarias e será comercializado a R$ 2,1060 neste final de semana.

Conforme apuração da revista Exame, o preço médio do diesel também será reduzido, chegando a R$ 2,3606 conforme tabela divulgada no site da Petrobras.

No entanto, não foi informada de que forma a redução será sentida no bolso do consumidor final nos postos de combustível. Em Petrolina há estabelecimentos com preços acima de R$ 5,30 no litro da gasolina comum e R$ 3,89 para o diesel.

Gasolina vendida nas refinarias está mais cara a partir desta quinta

Preço vai aumentar a partir desta quinta. (Foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)

O preço do litro da gasolina vendida nas refinarias aumenta nesta quinta-feira (30) de R$ 2,0829 para R$ 2,1079. Já o preço do diesel permanece estável em R$ 2,0316. O aumento obedece à política de preços da Petrobras para a gasolina e o diesel comercializados com as distribuidoras e que “tem como base o preço de paridade, formado pelas cotações internacionais”.

De acordo com a empresa, a paridade é necessária porque o mercado brasileiro de combustíveis é aberto à livre concorrência, dando às distribuidoras a alternativa de importar os produtos. A Petrobras informa ainda que a gasolina e o diesel comercializados com as distribuidoras diferem dos produtos no posto de combustíveis.

LEIA MAIS

ANP pede transparência da Petrobras sobre reajuste no preço do combustível

(Foto: Arquivo)

Não é apenas o consumidor brasileiro que está descontente com a política utilizada pela Petrobras no reajuste no preço dos combustíveis. A Agência Nacional do Petróleo (ANP) pediu transparência nas regras e vai obrigar das empresas informações.

Dessa forma a Petrobras deverá informar à ANP qual a referência internacional utilizada para o ajuste e o custo com a internação dos produtos no Brasil. A agência chegou a ser criticada pelas novas regras, já que há o risco de afetar a as estratégias comerciais da Petrobras.

“Algumas das prerrogativas que ela (Petrobras) tinha como braço estatal deixam de estar presentes e aumenta a necessidade de haver regulação. Uma empresa que age para maximizar legitimamente seu lucro, e sou favorável a isso, não deve ser monopolista no refino, não deve ter concentração excessiva em nenhum mercado – e ela tem no gás natural -, e tem que ser mais transparente na formação de preço, enquanto a competição não vem”, afirmou o diretor-geral da ANP, Décio Oddone.

Preço da gasolina tem alta após seis semanas em queda

(Foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) divulgou um relatório sobre o preço do combustível no país. De acordo com o órgão, a gasolina nas bombas teve alta após seis semanas consecutivas de queda.

O preço da gasolina subiu 0,13% na semana, custando R$ 4,50 por litro em média. Já o diesel nas bombas teve redução de 0,23% na semana. Desde a greve dos caminhoneiros o valor do diesel foi congelado.

Por outro lado, Petrobras baixou o preço da gasolina nas refinarias em R$ 0,04. A decisão segue a política da empresa, onde são levados em conta o câmbio e o preço do barril de petróleo.

Já o preço do botijão de gás de cozinha ficou praticamente estável, com redução de 0,01% na semana, para a média de R$ 68,68. No ano, há alta acumulada de 1,9%.

Preço da gasolina na refinaria tem nova redução

(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)

A Petrobras anunciou uma nova redução no preço da gasolina nas refinarias. A partir dessa quinta-feira (7), o combustível ficará 0,49% mais barato, custando o litro R$ 1,9521.

Até ontem a gasolina era comercializada por R$ 1,9617. Essa é a quarta redução anunciada pela estatal em uma semana. No acumulado a gasolina já teve uma redução de quase seis centavos, o que representa 2,94%.

Ainda não se sabe se os donos de postos de combustível repassarão essa queda ao consumidor final.

Governo estuda reduzir preço do combustível e do gás de cozinha

A quatro meses antes das eleições o Governo Federal já estuda reduzir o preço do combustível e do gás de cozinha. Apesar da iniciativa, já se sabe que não haverá interferências no reajuste de preços praticados pela Petrobrás. O objetivo é evitar novos protestos que possam desgastar a imagem do presidente Michel Temer.

O receio da equipe governista é que o clamor popular por uma redução na gasolina e do gás virem uma crise incontrolável. Nos bastidores a cúpula do MDB pressiona Temer a tomar medidas mais contundentes.

A equipe governista busca criar um “seguro” no qual será estimado um valor médio para a cotação do barril de petróleo e então seria feita uma tributação diferenciada.Para que esse modelo funcione, a equipe de Temer tentará fazer um acordo com os governadores, no intuito de que todos reduzam a carga do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o preço final para o consumidor.

123