Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Apenas 9% dos brasileiros conseguem pagar despesas de início de ano com o que recebem, mostra levantamento da CNDL/SPC Brasil

(Foto: Internet)

Passada a euforia das compras de Natal e das comemorações do Réveillon, o mês de janeiro é um período que exige do consumidor muito planejamento para não começar o ano com as finanças desajustadas. Um levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revela que apenas 9% dos brasileiros dizem ter condições de pagar as despesas sazonais do início de ano, como IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores) e material escolar, com os próprios rendimentos. A pesquisa ainda mostra que 11% dos entrevistados não fizeram qualquer planejamento financeiro para pagar esses compromissos neste início de ano.

A boa notícia é que cresceu o percentual de consumidores que juntaram dinheiro ao longo do último ano para arcar com essas despesas sazonais, saltando de 21% em 2018 para 31% em 2019. Há ainda 31% de entrevistados que garantem ter guardado ao menos parte do décimo terceiro salário para cobrir os gastos, ao passo que 24% decidiram abrir mão de compras no Natal passado para sobrar recursos. O levantamento também descobriu que 19% fizeram algum bico ou trabalho extra para aumentar a renda e conseguir honrar esses compromissos.

LEIA MAIS

Cai para 76% o percentual de brasileiros que ‘vivem no limite do orçamento’, revela indicador CNDL/SPC Brasil

A maior parte dos brasileiros chega às vésperas do fim de ano sem sobras no orçamento, embora tenha diminuído a quantidade de consumidores que se encontram em situação de aperto. Dados apurados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revelam que caiu de 82% em outubro para 76% em novembro o percentual de consumidores que ‘vivem no limite do orçamento’. De acordo com o levantamento, 43% dos entrevistados terminaram o mês no ‘zero a zero’, ou seja, até conseguiram pagar as contas, mas não restou nada de seus rendimentos e, 33% encerram o mês ‘no vermelho’, isso quer dizer que eles deixaram de pagar alguma conta por falta de recursos. Os brasileiros que se encontram ‘no azul’ somam 16%.

Para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, o percentual de brasileiros que vivem sem sobras no orçamento segue elevado, mas o consumidor tem uma chance de melhorar esse quadro com as rendas extras de final de ano. “O pagamento do 13º salário pode aliviar a situação do consumidor, mas vale lembrar que se trata de um aumento de renda temporário. Uma vez restaurado o equilíbrio do orçamento, o consumidor precisa manter o controle dos gastos, estabelecendo prioridades e fazendo ajustes quando necessário. É uma tarefa constante, que exige disciplina, mas que faz diferença no bem-estar financeiro do consumidor”, afirma a economista.

Com muitos brasileiros ainda vivendo no limite das finanças, 45% dos consumidores planejavam diminuir o nível de gastos durante o mês de novembro, número inferior ao constatado em outubro (51%). Entre os que planejavam cortar despesas, a principal razão é a busca constante por economizar (34%), os preços elevados (28%), o desemprego (26%) e o endividamento (15%).

“O final do ano continua sendo o momento mais lucrativo para o varejo”, diz presidente da CDL Petrolina

Comércio na Rua Dom Vital. (Foto: ASCOM prefeitura de Petrolina)

Às vésperas do Natal, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrolina (CDL) informa que as vendas deste ano estão sinalizando o cumprimento da expectativa de aumento que é de 8%. Bom para os lojistas da cidade, que ansiosos sempre aguardam por esse período, considerado o melhor para o setor varejista.

“As vendas durante o período natalino ajudam bastante o lojista a fechar as contas no azul, mas para isso ele tem que se preparar. O fim do ano continua sendo o momento mais lucrativo para o varejo”, afirma Manoel Vilmar, presidente da CDL Petrolina.

LEIA MAIS

Prodecon contabiliza mais de 800 audiências em  oito meses e ganha novo espaço em Petrolina

(Foto: ASCOM)

Apenas oito meses após ser reaberto em Petrolina (PE), o Programa Municipal de Defesa do Consumidor (Prodecon) já contabiliza mais de 800 audiências na cidade. Os dados revelam como o órgão tem contribuído com a defesa dos direitos do consumidor, tanto que houve um aumento significativo de reclamações na unidade.

Diante disso, o órgão da prefeitura, inclusive, ganhou um espaço ainda mais amplo no Centro de Convenções Senador Nilo Coelho, onde a equipe conseguiu melhorar o atendimento num ambiente mais confortável para receber os usuários do serviço. De acordo com os números, a Compesa lidera o ranking com maior número de reclamações. Também ganham destaque as queixas relacionadas à Celpe, ao Banco Bradesco S/A e Via Varejo (Casas Bahia).

LEIA MAIS

Cotação: Uauá tem o menor preço do quilo de carne de caprino e ovino

O preço mais alto do quilo da carne de caprino/ovino está em Juazeiro: R$17,00. (Foto: ASCOM)

De 04 a 10 de dezembro o abatedouro Campo do Gado (antigo Abatal) em Juazeiro (BA) abateu 50 caprinos e 250 ovinos. Para o abate, o custo é de R$ 35,00 por animal, já para o transporte, de Juazeiro à Petrolina (PE), o produtor vai pagar R$ 5,00 por animal abatido levado do abatedouro ao estabelecimento comercial.

Sobra a comercialização, em Juazeiro o consumidor vai se deparar com o preço mais alto, o quilo da carne de caprino/ovino está custando R$ 17,00. O segundo preço mais alto está em Curaçá e Casa Nova, nestas duas cidades baianas o preço do quilo da carne de caprino/ovino é de R$15,00.

Já em Remanso (BA), o consumidor vai encontrar no comércio o quilo da carne de caprino/ovino por R$14,00. O preço mais barato da “carne de bode”, o consumidor vai encontrar em Uauá (BA), por lá o quilo da carne está custando R$ 13,00.

A cotação de preços da carne de capino/ovino é feita pelo Programa Bioma Caatinga, desenvolvido pelo SEBRAE. Ainda de acordo com a cotação, em média, o preço do quilo da carne está custando R$ 14,80.

Seis em cada dez consumidores pretendem comprar na Black Friday 2018, aponta pesquisa CNDL/SPC Brasil

(Foto: Ilustração)

Faltando menos de uma semana para a Black Friday, que este ano será no dia 23 de novembro, milhares de pessoas aguardam a mega liquidação para aproveitar as ofertas. Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostra que seis em cada dez (58%) consumidores têm a intenção de fazer compras na Black Friday, um expressivo aumento de 18 pontos percentuais em relação ao ano passado. Por outro lado, 32% só devem ir às compras caso encontrem boas ofertas e apenas 10% não pretendem comprar nada.

Entre os que pretendem comprar produtos de olho nos descontos, 70% consideram a data uma oportunidade de adquirir itens que estejam precisando com preços mais baixos. Cerca de 30% querem antecipar os presentes de Natal de olho nas promoções, enquanto 12% planejam aproveitar as ofertas mesmo sem ter necessidade de comprar algo no momento. Já entre os que não pretendem fazer compras na Black Friday, os principais motivos apontados são falta de dinheiro (28%) e o fato de não precisar comprar nada (22%).

LEIA MAIS

1º ‘Feirão Limpa Nome’ realizado pela CDL Petrolina obteve resultado satisfatório

Durante os dois dias de Feirão, as dívidas negociadas somam um total de R$5 milhões. (Foto: ASCOM)

No último final de semana foi realizado em Petrolina (PE) o 1º ‘Feirão Limpa Nome’ em comemoração aos 38 anos da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) do município, para oferecer a população e as empresas, a oportunidade de quitação de dívidas pensando nas compras e vendas para o Natal. A ação em parceria com a Câmara de Conciliação e Mediação do Vale do São Francisco (CCMVASF) e com o Sesc Petrolina, teve resultado satisfatório.

Em Petrolina, até o mês passado, os inadimplentes totalizavam 22 mil pessoas, acumulando um débito de R$25 milhões na economia da cidade. Esses números ainda são considerados altos e por isso a importância de garantir oportunidade para que essas pessoas possam voltar a ter crédito no comércio local.

Para o Presidente da CDL Petrolina, Manoel Vilmar, a ação foi satisfatória e o mais importante é garantir o poder de compra do consumidor. “Ficamos felizes em ouvir das pessoas que as suas propostas foram atendidas e que as negociações foram diferenciadas. Esse era o intuito do Feirão, dar novas oportunidades”, disse.

Durante os dois dias de Feirão, 2 mil pessoas foram atendidas e dessa movimentação, R$5 milhões em dívidas foram negociadas. De acordo com o Diretor Executivo da CDL Petrolina, Valdivo Carvalho, a próxima edição do Feirão Limpa Nome já está sendo programada. “Vamos nos organizar para realizar o Feirão em um período que traga benefício ao devedor e ao empresário. Nossa meta é trazer mais empresas para estar participando conosco, assim mais pessoas poderão ser contempladas a negociar as suas dívidas”, afirma.

Bahia: Sebrae oferece dicas e capacitações para empreendedores atenderem melhor seus clientes

(Foto: ASCOM)

Celebrado nesta quinta-feira, 15 de março, o Dia do Consumidor é um lembrete para os empresários cuidarem de um fator fundamental para a manutenção do cliente: o bom atendimento e relacionamento. Para ajudar os pequenos negócios nessa missão, o Sebrae oferece uma série de capacitações voltadas para conquistar um atendimento de excelência.

Até o final de abril, são seis capacitações ofertadas nos municípios de Salvador, Santo Antônio de Jesus, Feira de Santana, Alagoinhas, Lauro de Freitas e Guanambi. Há investimentos a partir de R$ 10, e as inscrições podem ser realizadas na Loja Virtual do Sebrae Bahia ou pela Central de Relacionamento Sebrae, no 0800 570 0800.

Em Salvador, a oportunidade é aprender, no dia 21 de março, como gerenciar o relacionamento digital, em palestra que acontece das 14h às 16h, no ponto de atendimento do Sebrae em Itapagipe. Outra boa oportunidade para quem quer estar antenado com as mudanças no atendimento acontece em Feira de Santana, no dia 27. Na data, os empresários podem participar do seminário “Cliente 3.0 – Desafios para o atendimento ao cliente”, das 18h às 22h, no Hotel Atmosfera.

Já os empreendedores de Santo Antônio de Jesus, Alagoinhas, Lauro de Freitas e Guanambi contam com a oferta da oficina “Pratique Atendimento”, em diferentes datas. Na capacitação, os participantes aprendem a buscar um modelo de sucesso que contribua para a satisfação do cliente, entendendo a qualidade do atendimento como um valor da empresa.

Confira cinco dicas para ter um atendimento de excelência e conquistar o cliente:

LEIA MAIS

Empresas podem ficar proibidas de ligar para o consumidor

(Foto: Ilustração)

Caso a se torne lei o PLS 420/2017, aprovado em decisão final nesta quarta-feira (13) por comissão, as empresas poderão ficar proibidas de importunar o consumidor com chamadas de telemarketing.

O texto garante que órgãos públicos de defesa do consumidor deverão disponibilizar um sistema pelo qual o consumidor que não deseja mais receber chamadas de telemarketing pode se inscrever no cadastro. Para isso, basta que ele procure o serviço e liste os números de telefone, fixo ou celular, de sua titularidade.

Em alguns estados como São Paulo, Minas Gerais e Paraná, onde há lei estadual prevendo esse direito ao consumidor, já existem serviços semelhantes. A proposta foi apresentada pelo senador Lasier Martins (PSD), mas a redação aprovada é do relator, Cidinho Santos (PR-MT).

Procon alerta consumidores sobre cobrança de seguros em passagens

A Coordenadoria de Defesa e Proteção do Consumidor está sediada à Rua José Petitinga, Nº 253, no bairro Santo Antônio (Foto: Ascom)

Em vigor desde 2015, a Resolução da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) fez uma revogação na resolução que previa a oferta do seguro facultativo aos passageiros de ônibus em viagens interestaduais. Com a determinação, as empresas de ônibus interestaduais e internacionais não podem vender, e nem mesmo ofertar, o seguro nas passagens adquiridas nas rodoviárias.

Segundo informações divulgadas pelo PROCON de Juazeiro, o não pagamento do seguro facultativo não implica a falta de assistência ao viajante. Tanto o DPVAT, seguro obrigatório pago pelas empresas de ônibus, quanto o Seguro de Responsabilidade Civil (já incluso no valor da tarifa) garantem a segurança dos passageiros e oferecem assistência em caso de acidente.

As empresas devem manter cartazes com a proibição da venda de seguros em seus guichês de vendas, em local visível ao consumidor, até o dia 31 de dezembro de 2017.

Os consumidores que se sentirem lesados em seus direitos podem denunciar ao PROCON de Juazeiro localizado à Rua José Petitinga, 253, bairro Santo Antônio. Outras informações podem ser adquiridas através do telefone 3613 4523.

Conta de luz de maio terá bandeira tarifária vermelha

(Foto: Ilustração)

As contas de luz de maio terão um acréscimo de R$ 3 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos, com a bandeira tarifária vermelha patamar 1, pelo o segundo mês. O aumento é causado pela falta de chuvas.

Como o sinal para o consumo é vermelho, os consumidores devem fazer uso eficiente de energia elétrica e combater os desperdícios. Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo real da energia gerada, possibilitando aos consumidores o uso consciente. As cores verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2) indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração de eletricidade.

Recentemente, o diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, disse que as contas de luz deverão continuar com a bandeira vermelha patamar 1 até o fim do período seco, que vai até novembro.

Com informações do EBC

Consumidor: Anvisa proíbe venda de lote de extrato de tomate com pelo de roedor

(Foto: Internet)

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a venda e a distribuição de um lote do extrato de tomate da marca Quero, fabricado pela Heinz Brasil, após laudo que constatou presença de pelo de roedor no produto. A proibição vale para todo o território nacional e está publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (20).

De acordo com a Anvisa, o laudo “apresentou resultado insatisfatório ao detectar matéria estranha indicativa de risco à saúde humana, pelo de roedor, acima do limite máximo de tolerância pela legislação vigente”.

A punição é sobre o “lote L. 11 07:35 do produto extrato de tomate da marca Quero, produzido por Heinz Brasil S.A (CNPJ 50 955.707/0004-72), localizada na Rodovia GO 080 Km 26, Nerópolis-GO”. Pela decisão da Anvisa, a empresa deverá recolher todo o estoque do lote insatisfatório existente no mercado.

Com informações do NE10

Retrospectiva 2016: Fechamento do Matadouro Municipal de Petrolina e suas consequências

Matadouro Petrolina

Fechamento sob promessas de melhorias

Está marcado para amanhã dia 02/02/2016 o fechamento oficial do matadouro municipal de Petrolina com isso os abates passarão a ser realizados na vizinha cidade de Juazeiro (BA). Durante as reuniões do Poder Público Municipal com os marchantes, houve um termo de compromisso no sentido de ajudá-los em parte dos custos, mas que não existe uma data para isso, que seria construído novo abatedouro de ovinos e caprinos, mas sem prazo certo, todavia, até o momento não cumpriu nenhuma das promessas.

Abate clandestino, questão de saúde pública

 Ademais, a população petrolinense está apavorada com a possibilidade do abate clandestino o que certamente colocaria em risco a saúde dos consumidores, vez que chegaram a nossa redação inúmeras reclamações dos leitores, no sentido de que já estão sendo comercializadas nas feiras livres carnes resultantes de abates irregulares, sem nenhuma condição de higiene.

Caracterizando desse modo uma contradição o Poder Público fechar o matadouro alegando questões como saúde pública e higiene, quando o seu fechamento pode acarretar a proliferação de abates clandestinos de animais para consumo humano, permanecendo inerte diante todas essas situações.

Desemprego e Reclamações trabalhistas em massa

Mais de 300 feirantes sobrevivem da comercialização da carne nas feiras livres, tirando o seu sustento e de sua família. Fora isso, são 103 (cento e três) pessoas empregadas no Matadouro Municipal, sendo que 54 (cinquenta e quatro) são pagas diretamente pelo matadouro e o restante pela prefeitura, fechando de pronto o matadouro geraria uma enorme despesa aos cofres públicos, já que é da responsabilidade do Município o pagamento das verbas rescisórias dos funcionários contratados.

Abates em Juazeiro e o aumento certo dos preço das carnes

Os custos para abate na cidade de Juazeiro são muito superiores aos praticados em Petrolina, além do custo adicional do transporte entre as duas cidades, que será repassado ao próprio abatedouro.

Esses custos vão refletir no valor da comercialização dos produtos de origem animal que forem abatidos na cidade de Juazeiro, elevando o seu custo, gerando um desequilíbrio entre os preços praticados pelos supermercados e os produtos comercializados nas feiras livres.

Ausência de vistorias no local

É inaceitável o fechamento do matadouro sem que novas vistorias sejam realizadas para atestar as condições atuais do estabelecimento. Pois mesmo funcionando em situações “precárias” jamais fora noticiado nenhuma doença ocasionada pelo consumo de carne abatida nas dependências do matadouro municipal de Petrolina.

Vara da Fazenda Pública indefere pedido de fechamento do matadouro

Foi negado o pedido judicial para permitir o funcionamento do estabelecimento, MATADOURO MUNICIPAL, dentro de um prazo razoável de no mínimo 6(seis) meses ou outro fixado pelo judiciário,o qual determinasse que o Poder Público cumprisse com o acordado nas reuniões com o Ministério Público, a saber, colocar a disposição dos feirantes linha de crédito via banco do empreendedor para aquisição dos balcões frigoríficos e construção dos boxes, fornecer toda logística para que as feiras recebam a carne refrigerada do outro abatedouro (inspeção dos entrepostos, orientar os usuários como funcionarão estes equipamentos etc.), discutir preços dos abates com os marchantes e subsidiar financeiramente para equilibrar os preços, bem como isentar as taxas dos feirantes, tudo formalizado nos termos da legislação aplicável ao caso, de modo a viabilizar a comercialização adequada da carne abatida.

Dessa decisão ainda cabe recurso, o que já esta sendo providenciado pela advogada Dra Caroline Tosaka.

Comissão aprova proibição de cobrança de taxa de serviço em restaurantes por peso

gorjeta

A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviço, da Câmara dos Deputados, aprovou o Projeto de Lei 2768/15, do deputado Carlos Manato (SD-ES), que proíbe a cobrança de taxa de serviço, gorjeta de 10% sobre o valor total da conta, de clientes de restaurantes por peso.

Para Luiz Carlos Ramos, por se tratar de autoatendimento em empresas prestadoras de serviço de alimentos prontos, devemos reconhecer que é absolutamente inadequada a cobrança da taxa sobre parcela da conta correspondente aos alimentos do bufê.
LEIA MAIS

ANP: preço do etanol cai no DF e em 22 Estados

Os preços do etanol hidratado nos postos brasileiros caíram em 22 Estados e no Distrito Federal e subiram em outros quatro nesta semana. Os dados são da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP)/Foto:Marcos Santos

Os preços do etanol hidratado nos postos brasileiros caíram em 22 Estados e no Distrito Federal e subiram em outros quatro nesta semana. Os dados são da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP)/Foto:Marcos Santos

Os preços do etanol hidratado nos postos brasileiros caíram em 22 Estados e no Distrito Federal e subiram em outros quatro nesta semana. Os dados são da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Na semana anterior, houve queda em 20 Estados e no Distrito Federal e alta em outros seis. No período de um mês, os preços caíram em 24 Estados e no Distrito Federal e avançaram no Acre e no Amapá.

Em São Paulo, principal Estado produtor e consumidor, a cotação caiu 2,36% na semana, para R$ 2,232 o litro. No período de um mês, acumula desvalorização de 14,38%. Na semana, a maior alta ocorreu no Amapá (1,81%) e o maior recuo, no Distrito Federal (6,71%). No mês, o etanol subiu mais no Amapá (1,81%) e recuou mais em São Paulo (14,38%).

No Brasil, o preço mínimo registrado para o etanol foi de R$ 1,699 o litro, em São Paulo, e o máximo foi de R$ 4,135 o litro, no Pará. Na média, o menor preço foi de R$ 2,232 o litro, em São Paulo. O maior foi registrado em Roraima, a R$ 3,690 por litro.

O etanol passou a ser competitivo em Goiás nesta semana, além de Mato Grosso, Minas Gerais e São Paulo, onde já era, de acordo com dados da ANP compilados pelo AE-Taxas. No restante do País, o derivado de petróleo continua mais vantajoso.

Segundo o levantamento, o preço do etanol em Goiás equivale a 69,50% do da gasolina. Em Mato Grosso, a relação está em 68,86%; em Minas Gerais, em 67,47%; e em São Paulo, 64,03%. O biocombustível tem a menor vantagem no Amapá, onde o preço equivale a 100,91% do valor da gasolina na bomba – a relação é favorável ao etanol quando está abaixo de 70%.

Em São Paulo, a gasolina tem cotação média de R$ 3,486 o litro, enquanto o etanol hidratado, de R$ 2,232 o litro.

Com informações do Estadão Conteúdo

12