Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Decreto do prefeito Paulo Bomfim visa promover maior segurança aos festejos do aniversário de Juazeiro

(Foto: Ascom/PMJ)

Para garantir maior segurança aos juazeirenses e dar visibilidade ao Princípio da Publicidade Administrativa, o prefeito Paulo Bomfim baixou Decreto, na última terça-feira (9), definindo diretrizes como: horários de fechamento de ruas e avenidas, além de organização das atrações que que se apresentarão durante os festejos de aniversário dos 141 anos de Juazeiro.

Um dos artigos do Decreto estabelece interdição de trânsito em algumas vias, como a Av. Adolfo Viana, Orlas I e II num período de duas horas antes e duas horas após os shows, entres os dias 13 e 15 de Julho. Também fica proibida a venda de bebida alcoólica ou não-alcoólica em garrafas de vidro, bem como a circulação de garrafas de vidro, além de carnes em espetos de madeira, ou outro utensílio pontiagudo. Outra regulação será sobre os níveis de emissão sonora que serão permitidos no circuito.

LEIA MAIS

Bolsonaro decide revogar decreto que facilita porte de arma de fogo

(Foto: Helvio Romero/ Estadão)

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) revogou nesta terça-feira (25), dois decretos assinados em maio que facilitaram o porte de armas de fogo. Sobre o mesmo tema, o presidente editou três novos decretos e enviou um projeto de lei ao Congresso Nacional.

Bolsonaro editou, em maio, dois decretos sobre posse e porte de armas de fogo e uso de munições. O pacote de mudanças foi alvo de críticas e, na semana passada, o plenário do Senado aprovou parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) que pede a suspensão dos decretos.

Além disso, estava previsto para amanhã (26) a análise, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), de um pedido para anular os decretos. A informação sobre a revogação e sobre os novos decretos foi dada pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, em reunião com senadores na tarde desta terça-feira (25), segundo apurou a TV Globo.

LEIA MAIS

Bolsonaro afirma que decreto de armas foi feito “no limite da lei”

O presidente da República, Jair Bolsonaro, assina decreto que dispõe sobre a aquisição, o cadastro, o registro, a posse, o porte e a comercialização de armas.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou ter ido “no limite da lei” com o decreto assinado esta semana que regulamenta a posse, o porte e a comercialização de armas e munições para caçadores, atiradores esportivos e colecionadores, os chamados CACs.

Durante sua live no Facebook, na noite dessa quinta-feira (9), ele rebateu as críticas feitas dizendo ter regulamentado o que pode dentro da lei. “Estão falando barbaridades em relação ao decreto. Não fui além do limite da lei. Não é apenas compromisso de campanha”. Segundo ele, o decreto demorou a sair pois o governo precisou ouvir vários interessados.

Segundo o porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, é normal haver diferentes interpretações sobre o assunto. “A constitucionalidade do Decreto 9875 foi analisada previamente à sua assinatura pelo presidente da República. A área jurídica do Palácio do Planalto considerou ser constitucional e o presidente da República chancelou o entendimento ao assinar o decreto. O direito não é uma ciência exata, a existência de interpretações diferentes é natural”, afirmou.

Decreto

Entre as novidades, o decreto amplia a diversidade de calibres de armas de uso permitido, incluindo semiautomáticas; aumenta a quantidade de compra de munições para armas de uso permitido (5 mil unidades por ano) e para armas de uso restrito (1 mil unidades por ano).

LEIA MAIS

Governo da Bahia decreta Situação de Emergência em Jacobina

Chuva caiu no começo da madrugada e trouxe prejuízos (Foto: Augusto Urgente)

O Diário Oficial do Governo da Bahia de segunda-feira (22) traz o Decreto n° 19.014/2019, no qual homologa Situação de Emergência no município de Jacobina. A decisão leva em conta os “danos decorrentes das inundações que estão a afetar as atividades econômicas e a atingir a população”.

LEIA TAMBÉM:

Governo da Bahia decreta situação de emergência em Filadélfia

Com o Decreto – que atende a um pedido feito pela Prefeitura de Jacobina no dia 5 de abril – o Governo do Estado fica obrigado a prestar apoio ao município para “preservar o bem-estar da população” e adotar medidas necessárias para atingir tal objetivo.

A Situação de Emergência é valida pelo prazo de 60 dias em áreas comprovadamente afetadas no município. No começo do mês o Governo da Bahia já havia decretado emergência em outros municípios, a exemplo de Juazeiro, devido à falta de chuva.

Especial: o que muda com decreto assinado por Bolsonaro sobre a posse de armas

(Foto: Blog Waldiney Passos)

Um dos primeiros compromissos do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) durante sua campanha ao Palácio do Planalto foi concretizado na primeira quinzena do seu governo: a flexibilização da posse de armas. No dia 15 de janeiro Bolsonaro assinou o Decreto 9.685/2019, alterando a proposta colocada em pratica no governo de Luiz Inácio Lula da Silva sobre a regulamentação de vendas e posse.

Segundo Bolsonaro a população queria se armar – em referência ao plebiscito de 2005 – apesar de pesquisa do Instituto Datafolha apontar que hoje 61% dos brasileiros não são favoráveis às mudanças impostas no decreto e querem a proibição da posse. Em meio a especulações, o que de fato muda é apenas um ponto: a efetiva necessidade.

De hoje (23) até a próxima sexta-feira (25) o Blog Waldiney Passos traz uma série especial a respeito da posse de armas. Hoje falaremos sobre as mudanças impostas com o decreto presidencial, mas também serão abordados o ponto de vista do comerciante e os valores do armamento comercializado em Juazeiro (BA) e Petrolina (PE).

As mudanças no Decreto

Segundo Vitor Bonicenha de Alencar, proprietário de uma loja especializada no segmento em Petrolina, o decreto não afeta o porte (direito de andar com a arma) e reflete apenas na posse (ter um armamento em casa). As mudanças, em linhas gerais, são mínimas, como explica.

LEIA MAIS

Ovos deverão ter identificação individual para ser comercializados em Pernambuco

(Foto: Getty Images)

O famoso carro do ovo que circula pelas ruas de Petrolina e outros municípios pernambucanos pode ser afetado com o Decreto nº 47.015/2019 assinado pelo governador Paulo Câmara (PSB) e sancionado no Diário Oficial do Estado no último sábado (19).

O decreto “regulamenta o trânsito e o comércio de ovos no âmbito do Estado de Pernambuco” e prevê no Artigo 1º  a implantação de um “sistema de identificação individual dos ovos produzidos no Estado de Pernambuco, que consiste no processo de identificação que permite a rastreabilidade dos mesmos, desde a procedência até a comercialização”.

Será possível ainda comercializar ovos em unidade “desde que a embalagem e forma de comercialização sejam aprovadas previamente pelo serviço de inspeção oficial, nos termos a serem disciplinados em portaria do Presidente da Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco – Adagro”.

Quanto ao produto nos supermercados, o decreto prevê a venda de ovos em caixas, conforme a legislação federal e estadual já vigente. Somente estará proibida a venda de ovos sem identificação individual.

“Decreto devolve ao povo liberdade de decidir sobre armas”, diz Bolsonaro

Presidente assinou decreto nessa terça (Foto: Reprodução/NBR)

O presidente Jair Bolsonaro disse que o decreto assinado nessa terça-feira (15), no Palácio do Planalto, devolve à população a liberdade de decidir sobre a compra de armas de fogo. “Por muito tempo, coube ao Estado determinar quem tinha ou não direito de defender a si mesmo, à sua família e à sua propriedade. Hoje, respeitando a vontade popular manifestada no referendo de 2005, devolvemos aos cidadãos brasileiros a liberdade de decidir”, afirmou.

Bolsonaro usou o Twitter para reforçar o discurso que fez no fim da manhã, ao assinar o decreto. Na rede social, o presidente afirmou que o decreto “respeita a vontade popular” expressa no referendo de 2005.

LEIA MAIS

Bolsonaro assina decreto que flexibiliza posse de armas

Presidente assinou decreto nessa terça (Foto: Reprodução/NBR)

Uma das principais promessas de campanha do presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi concretizada na manhã dessa terça-feira (15) em Brasília. Bolsonaro assinou o decreto que flexibiliza a posse de armas no país, mas ainda não é possível saber o teor das mudança porque o texto não foi publicado no Diário Oficial da União.

Antes de assinar o decreto, Bolsonaro disse que a população, no referendo de 2005, havia decidido soberanamente” sobre a questão. No entanto, uma pesquisa feita pelo Datafolha aponta que 61% da população é contrária a medida defendida pelo presidente.

A posse de arma permite ao cidadão guardar o armamento em sua residência. Passar por exames psicológicos, ter formação em academia de tiro e ser maior de 25 anos foram algumas das exigências impostas pelo Governo Federal.

Com informações do UOL

Decreto sobre o posse de armas deve ser assinado nesta sexta

Em todos os casos, a determinação é que a pessoa interessada tenha ao menos 25 anos.

O decreto que flexibiliza a posse de armas no país deve ser assinado nesta sexta-feira (11) pelo Governo Federal, segundo o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), após se reunir com o presidente Jair Bolsonaro.

De acordo com o texto preliminar, haverá um aumento no prazo para renovação da autorização de posse de cinco para 10 anos. Além disso, a medida será restringida para as cidades mais violentas do país, que são aquelas com mais de 10 homicídios por 100 mil habitantes, para moradores de áreas rurais e para servidores públicos que exercem funções com poder de polícia, além de proprietários de estabelecimentos comerciais.

Em todos os casos, a determinação é que a pessoa interessada tenha ao menos 25 anos, demonstre capacidade técnica para manusear o armamento, faça uma avaliação psicológica e obedeça a outras exigências presentes no texto que ainda será divulgado.

Para cidadãos que vivam em residências com crianças, adolescentes ou pessoas com deficiência mental, a nova legislação criará a obrigação de que o responsável pela arma tenha um cofre para guardá-la.

Versão preliminar de decreto prevê posse de até duas armas por pessoa

(Foto: Internet)

Uma das promessas de campanha do presidente Jair Bolsonaro (PSL) está perto de se concretizar ainda no primeiro mês de mandato. A versão preliminar do decreto sobre a posse de arma, exibida no SBT Brasil de quarta-feira (9) prevê até duas armas de fogo por pessoa.

Há possibilidade de o limite ser ampliado, caso o proprietário comprove necessidade. O texto menciona ainda a necessidade de justificar a posse e, em residências com crianças, deve-se instalar um cofre. O governo estipula publicar o decreto na próxima semana, revendo assim um outro decreto assinado por Luiz Inácio Lula da Silva em 2004.

O decreto

Poderão ter mais de duas armas agentes públicos de segurança e de administração penitenciária; agentes públicos envolvidos no exercício de atividades de poder de polícia administrativa ou de correição em caráter permanente; residentes em área rural; residentes em áreas urbanas com elevados índices de violência, assim consideradas aquelas localizadas em municípios ou unidades da federação com índices anuais de mais de dez homicídios por 100 mil habitantes; titulares ou responsáveis legais de estabelecimentos comerciais; colecionadores, atiradores e caçadores, devidamente registrados no Comando do Exército

Segundo a versão preliminar, a solicitação pode vir a ser negada caso a declaração de “efetiva necessidade contenha afirmações falsas”. É necessário ter 25 anos ou mais, não possuir antecedentes criminais e ser submetido a um exame psicológico, além de realizar um curso em clube de tiro.

Hoje um cidadão comum precisa solicitar à Polícia Federal (PF) mediante uma declaração, justificando os motivos para possuir a arma. O delegado julgará o motivo e pode ou não autorizar.

Com informações do UOL

Bolsonaro assina decreto e salário mínimo será de R$ 998

O novo presidente da República Jair Bolsonaro (PSL) assinou na terça-feira (1º) o decreto fixando o salário mínimo em R$ 998, valor abaixo dos R$ 1.006 aprovados para o orçamento nacional. Atualmente o salário mínimo é de R$ 954.

Pela regra, o valor é reajustado pela inflação medida pelo INPC, mais o crescimento do PIB de dois anos anteriores – foi de 1% em 2017. No orçamento, o governo projetou uma alta de 4,20% no índice, mas a variação acumulada em 12 meses até novembro está em 3 56%.

O aumento menor do que o autorizado no Orçamento abrirá espaço no caixa, já que cada R$ 1 de elevação no mínimo implica em R$ 302,8 milhões nos gastos da União, segundo o Planalto. Dois terços dos benefícios previdenciários são corrigidos pelo mínimo, assim como o Benefício de Prestação Continuada (BPC), pago a pessoas com deficiência e idosos com mais de 65 anos que comprovem ter renda familiar abaixo de um quarto do mínimo por pessoa.

Com informações do Diário de Pernambuco

Temer muda de ideia sobre indulto natalino e desiste de decreto

(Foto: Ilustração)

O presidente Michel Temer mudou novamente de ideia e desistiu de editar o decreto de indulto natalino, que concede perdão a presos condenados a determinados crimes não violentos. A decisão ocorre após o Supremo Tribunal Federal (STF) encerrar o ano sem finalizar o julgamento sobre a validade do indulto assinado por ele no ano passado.

Essa é a primeira vez desde a redemocratização que o decreto não será editado. Segundo o jornal O Estado de São Paulo, Temer já tinha em mãos a proposta do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP), ligado ao Ministério da Justiça e responsável por elaborar as regras para o indulto a cada ano.

O documento previa endurecer as condições para um condenado obter o perdão da pena e incorporava restrições impostas em decisão liminar do ministro do STF Luís Roberto Barroso, como o veto do indulto a condenados por corrupção.

Com informações do Estado de São Paulo

Situação de emergência na zona rural de Juazeiro é prolongada por mais 180 dias

(Foto: ASCOM)

Um Decreto do Poder Executivo de Juazeiro prolongou a situação de emergência na zona rural da cidade. Conforme o Artigo 1º “fica prorrogado por mais 180 dias o prazo estabelecido no Decreto nº 439 de 10 de maio de 2018, que declara situação de emergência nas áreas rurais do município de Juazeiro, município da Bahia, afetadas  por estiagem“.

O novo Decreto de número 832/2018 (página 3 do DO) foi publicado no Diário Oficial de terça-feira (27), ratificando os termos do seu antecessor. Assim sendo, todo os órgãos municipais permanecem autorizados a atuar sob comando da Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil (COMPDEC).

Pela decisão municipal está assegurada a desapropriação em locais considerados inseguros. Licitações de bens “considerados necessários às atividades de resposta ao desastre” estão dispensadas. Em vigor desde ontem, data de sua publicação, a situação de emergência permanecerá até o primeiro semestre de 2019.

De volta à Prefeitura de Jaguarari, Everton Rocha suspende atendimento público em repartições

Depois de ganhar na Justiça o direito de retornar à Prefeitura de Jaguarari (BA), Everton Rocha (PSDB) suspendeu o atendimento ao público nas repartições municipais por 30 dias. O Decreto nº 03/2018 foi publicado na segunda-feira (5) e não afetará serviços da saúde, arrecadação, tributos, limpeza pública, Guarda Municipal, secretarias, Procuradoria, licitação e contratos.

Outro decreto estabelecido pelo gestor que voltou ao cargo depois de ter sido afastado pela Câmara de Vereadores num imbróglio que durou meses suspendeu os pagamentos das obrigações contraídas pela administração anterior e criou uma auditoria para investigar gastos feitos pela prefeitura quando esteve ausente.

Um terceiro decreto estabelece uma comissão de transição com vistas “a preservação da continuidade dos serviços públicos visando os interesses da população de Jaguarari”. No total, Everton ficou sete meses afastados da prefeitura.

Com informações do Bahia Notícias

Após manifestação, motoristas de Uber comemoram Decreto do Executivo que modificará lei aprovada na Câmara Municipal

Motoristas prestadores de serviço via aplicativos de celular se reunirem na manhã dessa segunda-feira (24) em frente à Prefeitura de Petrolina, para cobrar mudanças na Lei do Uber. Sancionada de forma integral no dia 13 de setembro, a Lei nº 3.094/2018 ganhará um Decreto do Poder Executivo ainda hoje, conforme anunciado pela gestão de Miguel Coelho.

Inicialmente os motoristas realizaram um buzinaço na Avenida Guararapes, deixando o trânsito lento. Agentes da Autarquia Municipal de Mobilidade de Petrolina (AMMPLA) foram acionados e dialogaram com representantes do movimento, acertando a retirada dos veículos para a Orla da cidade.

LEIA TAMBÉM:

Com sanção de Miguel, projeto que regulamenta Uber em Petrolina agora é lei

Dois líderes da categoria se reuniram com Miguel Coelho na Prefeitura, para apresentar as demandas e após pouco mais de meia hora os motoristas de Uber comemoraram as novidades. Um dos representantes do movimento, Rafael Ferreira conversou com o Blog e falou sobre as conquistas.

LEIA MAIS
1234