Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

SDS emite nota sobre a possível demissão do presidente do SINPOL

(Foto: TV Jornal/Reprodução)

Na última quarta-feira (6) o Blog Waldiney Passos publicou um matéria sobre a manifestação de Policiais Civis de todo o Brasil contra a demissão do presidente do Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (SINPOL), Áureo Cisneiros. O protesto foi realizado na última quinta-feira (7), no Parque 13 de maio, em Recife (PE).

De acordo com o SINPOL, Áureo Cisneiros e demais diretores do sindicato, estão sendo vítimas de perseguições políticas por parte do Governo do Estado de Pernambuco, que teria ameaçado demitir o presidente do SINPOL.

LEIA TAMBÉM

Policiais Civis de todo o Brasil confirmam participação de ato contra a demissão de Áureo Cisneiros nesta quinta-feira

Áureo Cisneiros é eleito presidente da Federação Interestadual de Trabalhadores Policiais Civis do Nordeste

Para saber o posicionamento do Governo do Estado sobre as denúncias feitas pelo SINPOL, a equipe de Produção do Blog Waldiney Passos contactou a Secretaria de Defesa Social de Pernambuco, que por meio de nota não confirmou a demissão de Áureo Cisneiros, mas explicou a atual situação trabalhista do presidente do SIINPOL. Confira a nota na íntegra: 

LEIA MAIS

Após derrota fora de casa, Ailton Silva pede demissão da Juazeirense

(Foto: Agência CH)

Ailton Silva não é mais o treinador da Desportiva Juazeirense. O comandante pediu demissão após a derrota por 3×0 para o Remo, fora de casa na sexta-feira (29). Segundo notícias de bastidores, a saída foi amigável a diretoria, Ailton alegou improdutividade na saída do Cancão de Fogo.

Por enquanto o auxiliar-técnico Alcir Silva assume interinamente, mas dois nomes já são cotados para comandar a Juazeirense até o final do Campeonato Brasileiro da Série C. Um deles é Evandro Guimarães, que já possui passagem pelo clube.

Ailton dirigiu o time em 10 jogos, com aproveitamento de 40%, vencendo três partidas, perdendo quatro e somando três empates.

Senado aprova projeto de lei que permite a trabalhador sacar FGTS integral em caso de demissão

(Foto: Ilustrativa)

O Senado Federal aprovou nessa quarta-feira (11) um Projeto de Lei do Senado (PLS) 392/2016, que pode facilitar a vida do trabalhador. Segundo a proposta, quem pedir demissão poderá sacar integralmente o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

A matéria foi aprovada pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS) e, caso não haja apresentação de recurso para análise do tema no plenário da Casa, o texto seguirá diretamente para apreciação na Câmara dos Deputados.

A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) hoje prevê o resgate de 80% do FGTS, em casos de demissão por acordo entre patrão e empregado. Para o relator do projeto, o senador Paulo Paim (PT-RS), esse é um passo rumo à “correção de uma distorção histórica” na legislação que trata do FGTS.

Com informações da Folha PE

Câmara de Vereadores de Petrolina começa a demitir funcionários para se enquadrar na lei de responsabilidade fiscal

(Foto: Blog Waldiney Passos)

O presidente da casa Plínio Amorim, vereador Osório Siqueira (PSB), não fala em números, não diz quantas pessoas serão. Mas a partir desta quarta-feira (07), a Câmara deve concluir o processo de demissão de funcionários para se adequar à lei de responsabilidade fiscal.

A Lei de Responsabilidade Fiscal foi criada, no início dos anos 2000, com o intuito de definir o limite de gastos dos estados e municípios, conforme a quantidade de tributos arrecadados por esses entes da Federação Brasileira. Ou seja, a lei estabelece normas para que os gestores não gastem mais do que arrecadam.

“Nós temos que cumprir a lei de responsabilidade fiscal. Temos que cumprir as exigências do Tribunal de Contas. Então a forma da gente se enquadrar, é fazendo a redução de despesas e a despesa maior que temos é na folha de pessoal”, justifica Osório Siqueira.

O presidente explicou, que precisa ajustar o limite prudencial e equilibrar os recursos financeiro da Câmara para cumprir os compromissos assumidos com fornecedores.

Osório Siqueira, presidente da Câmara. (Foto: Blog Waldiney Passos)

Osório informou também, que esperava um repasse maior do município este ano, mas não aconteceu. A Câmara de Petrolina deve receber em 2018, um montante de 15 milhões e 864 mil reais, ou seja, 1 milhão e 322 mil por mês. A quantia é equivalente a 5% da receita corrente líquida do município, relativa a 2017.

Valor, que segundo o presidente da casa Plínio Amorim, não dar para continuar mantendo as atuais despesas. O dinheiro é usado para pagar os salários dos vereadores, estrutura de gabinetes, salários dos funcionários, material de expediente, contas de telefone, água, energia, internet e manter toda a estrutura do prédio.

 “Não tem como tirar leite de pedra. Não tem como a gente deixar isso continuar, porque se não vai causar um problema maior. A gente fica triste porque pessoas vão perder seus empregos, mas não tem outro jeito”, lamentou Osório Siqueira.

O vereador informou ainda, que não cortará funcionários dos gabinetes dos vereadores. As demissões serão realizadas do quadro administrativo da casa Plínio Amorim. Para o presidente, os cortes não comprometem o funcionamento da Câmara Municipal.

Alegando falta de apoio, Bruno Araújo deixa o Ministério das Cidades

O movimento de Bruno Araújo abre caminho para a reforma ministerial. (Foto: Arquivo)

Nesta segunda-feira (13) o ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB), encaminho uma carta de demissão ao presidente Michel Temer (PMDB). O pedido de exoneração se deu em meio ao racha político no PSDB.

Na carta de demissão, o titular das Cidades agradece a oportunidade de comandar a pasta e justifica a saída do governo ao fato de, segundo ele, já não haver dentro do PSDB “apoio no tamanho que permita seguir nesta tarefa”.

O movimento de Bruno Araújo abre caminho para a reforma ministerial. A ideia do presidente da República era tirar dois ministros do PSDB, entre os quais Bruno de Araújo. A ministra de Direitos Humanos, Luislinda Vallois, também pode deixar o primeiro escalão.

Luxemburgo é demitido e publica vídeo criticando a diretoria do Sport

(Foto: Divulgação)

Na última quinta-feira (26) à noite Vanderlei Luxemburgo foi demitido do Sport. Na madrugada de hoje (28) o ex-técnico publicou um vídeo afirmando que achou desleal a decisão por parte da diretoria rubro-negra.

No vídeo postado em sua página oficial no facebook, Luxemburgo criticou a diretoria pela demissão no vestiário, após derrota por 2 a 0 para o Junior Barranquilla-COL, pela Sul-Americana.

“A maneira de mandar um profissional do meu nível ou qualquer outro profissional no vestiário, após o jogo, intempestivamente, falando que ‘você não cabe mais na comissão técnica e está dispensado’ porque vocês (diretoria) resolveram assim é uma maneira um pouco desleal. Um pouco sem propósito”, afirmou Luxemburgo

Veja o vídeo:

Prefeitura de Petrolina esclarece boatos sobre demissões de professores da rede municipal

(Foto: Arquivo)

Após boatos sobre demissões dos professores da rede municipal de ensino de Petrolina, admitidos por meio de contrato temporário, a Secretaria de Educação emitiu uma nota esclarecendo os fatos. Segundo a nota, não há a obrigação do município renovar o contrato com os professores, mas sim a autorização da prorrogação do contrato por mais um ano gradativamente.

Ainda de acordo com a nota, os professores teriam seus contratos encerrados em junho deste ano, porém, houve uma prorrogação de seis meses, ou seja, até dezembro, para não prejudicar os alunos. Portanto, não houve qualquer demissão, o que aconteceu foi o término do contrato temporário.

Confira a íntegra da nota

A  (SEDU) esclarece que todas as normas da seleção temporária de professores, conforme edital 003/2016, estão sendo respeitadas. O contrato temporário assume um papel importante na rede municipal, atendendo ao excepcional interesse da administração pública de substituir professores temporariamente e de garantir o cumprimento dos 200 dias letivos para todos os alunos, conforme determina a LDB nº. 9.394/96. 

O edital em questão deixa claro que a contratação TEMPORÁRIA é de um ano, podendo ser prorrogada até por igual período. Os professores selecionados iniciaram suas atividades em junho de 2016, e tiveram os contratos renovados por mais seis meses, ou seja, até dezembro de 2017, já que o contrato terminaria no mês de junho, em pleno andamento de ano letivo.

LEIA MAIS

Prefeito de Afrânio se mobiliza para vencer crise nacional que prejudica a administração pública

(Foto: ASCOM)

O prefeito de Afrânio, Rafael Cavalcanti, reuniu o quadro de comissionados para falar sobre o momento delicado que atravessam os municípios e comunicou a exoneração desses profissionais. Além disso, o chefe do executivo está se mobilizando com outros prefeitos pernambucanos em busca de uma solução junto aos governos estaduais e federais para a queda do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e sobre o cenário econômico, com a crise que afeta todo o país e que está prejudicando a administração pública municipal.

O prefeito segue nesta segunda-feira (16) para Recife e depois para Brasília, aonde irá se juntar a outros prefeitos do Estado para reivindicar apoio a causa municipalista, junto da bancada pernambucana no Congresso Nacional, em Brasília.

“Precisamos unir forças para conseguir do Governo Federal, apoio financeiro para os Municípios, que é o ente federativo que está mais próximo das pessoas e de suas necessidades básicas, sob pena das gestões municipais serem cada vez mais inviabilizadas”, ressaltou Rafael Cavalcanti.

LEIA MAIS

Governo vai propor licença não remunerada de até 6 anos para servidores federais

(Foto: Internet)

Após anunciar o Programa de Desligamento Voluntário (PDV) para servidores do Poder Executivo, o Ministério do Planejamento divulgou hoje (25) a possibilidade de os funcionários públicos federais aderirem a uma licença incentivada sem remuneração (LIP).

Nela, os trabalhadores poderão suspender temporariamente o vínculo com a administração por três anos consecutivos, prorrogáveis por igual período, recebendo como incentivo o valor equivalente a três meses de sua remuneração. O servidor que optar pela medida não poderá retornar ao trabalho antes do fim do prazo acordado.

LEIA MAIS

Planejamento estuda implantar Plano de Demissão Voluntária para servidores públicos

(Foto: Internet)

O Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão está preparando uma proposta que define regras para um Programa de Desligamento Voluntário (PDV) de funcionários públicos federais. A medida inclui também a redução da jornada de trabalho com remuneração proporcional para servidores públicos do Poder Executivo Federal. A informação foi divulgada hoje (24) pela pasta.

A proposta é oferecer uma indenização correspondente a 125% da remuneração do servidor na data de desligamento multiplicada pelo número de anos de efetivo exercício. A iniciativa do governo federal busca reduzir gastos públicos com a folha de pagamento dos servidores públicos federais. A expectativa é que a medida gere uma economia de cerca de R$ 1 bilhão ao ano.

Redução de jornada

Segundo o ministério, a proposta prevê também que os servidores efetivos poderão requerer a redução da jornada de trabalho de 8 horas diárias e 40 semanais para 6 ou 4 horas diárias e 30 ou 20 horas semanais, respectivamente, com remuneração proporcional, calculada sobre o total da remuneração. Será assegurado ainda, a quem optar pela redução de jornada, o pagamento adicional de meia hora diária, calculada conforme regulamentação a ser editada pela pasta.

LEIA MAIS

Presidente do BNDES pede demissão ao presidente Michel Temer

(Foto: Divulgação)

Nesta sexta-feira (26) a presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Maria Silvia Bastos, formalizou o pedido de demissão em reunião no início da tarde com o presidente, no Palácio do Planalto.

Maria Silva afirmou que a demissão foi motivada por razões pessoais. No fim da tarde desta sexta, o presidente Michel Temer recebeu no Planalto os ministros Dyogo Oliveira (Planejamento) e Henrique Meirelles (Fazenda).

Ministro José Serra pede demissão alegando problemas de saúde

Senador do PSDB-SP estava no cargo desde maio do ano passado. Em carta, Serra disse que deixa Relações Exteriores ‘em razão de problemas de saúde’

O Ministro das Relações Exteriores, José Serra (PSDB-SP), pediu demissão do cargo na noite desta quarta-feira (22).

Na carta enviada ao presidente Michel Temer, Serra disse que decidiu deixar a pasta “em razão de problemas de saúde”

Serra estava no cargo desde maio do ano passado, quando Temer assumiu como presidente em exercício.

O tucano é senador por São Paulo e tem mandato até 2022. Ele havia se licenciado para assumir o Itamaraty.

Ao longo do período em que ocupou o Ministério das Relações Exteriores, José Serra se envolveu em algumas polêmicas, como quando determinou o envio de uma circular a embaixadores em todo o mundo para rebater a tese da ex-presidente Dilma Rousseff de que ela foi vítima de um “golpe” no processo de impeachment.

Segundo a assessoria do Palácio do Planalto, Serra entregou pessoalmente a carta de demissão a Temer na noite desta quarta, no Planalto.

Conforme informou o colunista do G1 e da GloboNews Gerson Camarotti, desde dezembro do ano passado Serra já dava sinais a aliados de que poderia deixar o ministério.

Trechos da carta

Na carta de demissão, Serra diz que deixa o cargo “com tristeza’. Segundo o ministro, os problemas de saúde o impedem de cumprir as viagens internacionais necessárias ao cargo, além das atividades do dia a dia.

José Serra acrescenta, ainda, que os médicos estimam um período de quatro meses para o “restabelecimento adequado” da saúde.

“Para mim, foi motivo de orgulho integrar sua equipe. No Congresso, honrarei meu mandato de senador trabalhando pela aprovação de projetos que visem à recuperação da economia, ao desenvolvimento social e à consolidação democrática do Brasil”, conclui José Serra na carta.

Problemas de saúde

Na carta de demissão, José Serra não especifica os problemas de saúde que enfrenta. Em dezembro do ano passado, o então ministro foi submetido a uma cirurgia na coluna no Hospital Sírio-Libanês.

Além disso, em janeiro de 2014, Serra foi submetido a uma cirurgia na próstata. Ele apresentava um quadro de hiperplasia prostática benigna, quando há aumento do órgão.

Antes disso, em julho de 2013, o ministro foi submetido a um cateterismo. À época, os médicos colocaram no coração dele um stent, mola metálica que expande a artéria e aumenta a capacidade de fluxo sanguíneo.

PSDB no governo Temer

Mesmo com a saída de José Serra, o PSDB continua sendo um dos principais partido que integram a base de apoio do presidente Michel Temer.

Isso porque a legenda comanda os ministérios das Cidades (Bruno de Araújo-PE), da Secretaria de Governo (Antonio Imbassahy-BA) e dos Direitos Humanos (Luislinda Valois-BA).

Além disso, o líder do governo no Senado é o tucano Aloysio Nunes (SP), candidato a vice-presidente em 2014 na chapa formada com Aécio Neves (MG), que acabou derrotada.

Carta de demissão do ministro José Serra (Foto: Reprodução)

Carta de demissão do ministro José Serra (Foto: Reprodução)

Com informações do G1

Começou o prazo de adesão a plano de demissão voluntária da Caixa

(Foto: Internet)

Começou nesta terça-feira (7) e vai até 20 de fevereiro o prazo para funcionários da Caixa Econômica Federal aderirem ao programa de demissão voluntária (PDV) do banco. O limite máximo de desligamento estabelecido para o programa é 10 mil empregados. Caso esse número seja atingido, a instituição espera economizar R$ 1,8 bilhão por ano a partir de 2018.

Quem optar pela adesão receberá indenização equivalente a 10 remunerações-base, considerando como referência a data de 31 de janeiro deste ano. O valor será pago em parcela única, sem incidência de Imposto de Renda, recolhimento de encargos sociais e contribuição à Fundação dos Economiários Federais (Funcef).

Podem participar os aposentados pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) ou aptos a se aposentarem até 30 de junho de 2017, sem exigência de tempo mínimo de exercício na Caixa; e os empregados com no mínimo 15 anos de trabalho na Caixa, no contrato de trabalho vigente até a data do desligamento ou, ainda com adicional de incorporação de função de confiança, cargo em comissão ou função gratificada, sem exigência de tempo na instituição.

Com informações do EBC

Caixa inicia hoje programa de demissão voluntária

Agência da Caixa em Petrolina

O presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, anunciou que o processo de adesão ao programa de demissão voluntária (PDV) dos funcionários do bancos será aberto nesta terça-feira (7). Segundo Occhi, o objetivo é alcançar no máximo 10 mil funcionários, dentre os cerca de 30 mil que trabalham atualmente na empresa.

Com o objetivo de cortar gastos, a saída dos servidores do banco pode gerar uma economia de cerca de R$ 1,8 bilhão somente no ano de 2018. De acordo com Occhi, porém, esse valor só será atingido se o limite de 10 mil funcionários for alcançado.

“À medida que forem sendo feitas as inscrições, vamos enquadrá-los [os funcionários] em todas as regras. O limite é 10 mil, pode ser 6 mil, 7 mil, mas nosso limite é 10 mil de um público, um universo de cerca de 30 mil”, disse.

Segundo o presidente da Caixa, a orientação do ministério do Planejamento é fazer a escolha com base em critérios. Ele informou que, até o fim do dia. uma nota à imprensa será divulgada com mais detalhes do plano, mas adiantou que, entre os “elegíveis”, estão “aposentados ou não”, com, no mínimo, 15 anos de casa”.

Hospital demite médica suspeita de vazar exame de Marisa Letícia

(Foto: Internet)

O Hospital Sírio-Libanês demitiu a médica Gabriela Munhoz, suspeita de divulgar no whatsapp resultados de exames da ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva. O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) abriu uma sindicância para apurar se houve violação ao Código de Ética por parte da profissional ou participação de médicos em supostas ofensas contra a mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo o jornal O Globo, Gabriela, de 31 anos, formada pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, divulgou no grupo do WhatsApp de ex-colegas da faculdade detalhes sobre o diagnóstico da ex-primeira-dama. A partir daí, a informação se espalhou por outros grupos em alguns dos quais médicos fizeram ofensas à mulher de Lula.

“O Sírio-Libanês tem uma política rígida relacionada à privacidade de todos os seus pacientes e repudia a quebra do sigilo de pacientes por qualquer profissional de saúde. Por não permitir esse tipo de atitude entre seus colaboradores, a instituição tomou as medidas disciplinares cabíveis em relação à médica, assim que teve conhecimento da troca de mensagens”, disse o hospital, em nota.

Com informações do Diário de Pernambuco

12