Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Número de inadimplentes que regularizaram dívidas cresce 11,5%, apontam CNDL e SPC Brasil

(Foto: Internet)

Com a retomada da economia a passos lentos, o cenário de recuperação de crédito entre os consumidores começa a dar sinais de melhora. Dados apurados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito ao Crédito (SPC Brasil) mostra que cresceu 11,5% o volume de brasileiros inadimplentes que regularizaram suas pendências e, que por isso, saíram do cadastro de devedores. Os dados do Indicador de Recuperação de Crédito são de janeiro de 2019 e dizem respeito ao acumulado em 12 meses. Em janeiro de 2018, houve uma queda de -0,7% na quantidade de consumidores que pagaram dívidas em atraso, resultado negativo que se repetiu em igual período de 2017 (- 2,2%) e de 2016 (-2,5%). A última vez que o dado ficou no azul foi em janeiro de 2015, cuja alta fora de 6,2%, também no acumulado em 12 meses.

Do total de devedores que recuperaram crédito no mês passado, 41% residem na região Sudeste e 31% moram no Nordeste. Em terceiro lugar aparece a região Sul (11%), seguida do Centro-oeste (8%) e Norte (6%). Já o número de dívidas que foram retiradas do cadastro de inadimplência mediante pagamento cresceu 9,6% no acumulado em 12 meses. Há um ano, esse dado representava uma queda de 5,1%.

LEIA MAIS

Casos de dengue no Brasil aumentam 149% em janeiro deste ano

(Foto: AFP Photo)

Em comparação ao mês de janeiro de 2018, o número de casos prováveis de dengue registrados no Brasil em janeiro deste ano mais que dobrou. De acordo com o Ministério da Saúde, até o dia 2 de fevereiro, o aumento era de 149%, passando de 21.992 para 54.777 casos prováveis – o equivalente a 26,3 casos por 100 mil habitantes.

Ainda segundo a pasta, foram registradas, até o momento, cinco mortes provocadas pela doença, sendo uma no Tocantins, uma em São Paulo, duas em Goiás e uma no Distrito Federal. Em 2018, foram notificados 23 óbitos por dengue.

Por meio de nota, o ministério avaliou que os dados epidemiológicos alertam para a necessidade de intensificação das ações de eliminação de focos do Aedes aegypti em todas as regiões do país. “São ações que envolvem gestores estaduais, municipais, governo federal e a população”.

Regiões

De acordo com o boletim, a região Sudeste concentra 60% (32.821) do total de casos registrados no país em 2019. Em seguida estão as regiões Centro-Oeste, com 10.827 casos de dengue; Norte, com 5.224 casos; Nordeste, com 4.105 casos e Sul, com 1.800 casos.

LEIA MAIS

Pesquisa da CNT aponta que 11% dos entrevistados avaliam o governo de Bolsonaro como ótimo

(Foto: Marcelo Camargo/Arquivo/Agência Brasil)

Conforme pesquisa divulgada nesta terça-feira (26) pela CNT(Confederação Nacional do Transporte), a avaliação positiva do governo de Jair Bolsonaro (PSL) está em 39%, . Já a avaliação negativa ficou em 19%.

De acordo com a pesquisa CNT/MDA, a proporção de pessoas que considera a atual gestão ótima é de 11%. Outros 28% avaliaram o início de governo como bom.

LEIA MAIS

Inadimplência das empresas abre o ano em desaceleração e fecha janeiro com alta de 5,91%

(Foto: Internet)

Mesmo com a melhora do cenário econômico, a inadimplência entre empresas ainda cresce, mas em ritmo menor do que o observado em meses anteriores e no auge da crise. Em janeiro, o número de empresas com contas em atraso e registradas no cadastro de inadimplentes cresceu 5,91% ante o mesmo período de 2018. Na comparação com dezembro de 2018, o avanço foi de 7,44%.

O mesmo acontece com o número de dívidas contraídas em nome de pessoas jurídicas, que desacelerou na comparação anual, atingindo uma alta de 2,78%. Os dados são da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

LEIA MAIS

Polícia Militar da Bahia divulga balanço do carnaval de Juazeiro; número de ocorrências foi menor este ano se comparado com ano de 2018

(Foto: Ascom CPRN)

Na manhã de segunda-feira (18), a Polícia Militar da Bahia (PMBA) encerrou sua atuação no carnaval de Juazeiro (BA). De acordo com o balanço divulgado hoje (19), os dados apontam que houve uma queda de mais de 32% no quantitativo de ocorrências registradas pela PMBA durante o Carnajuá 2019.

Segundo informações da polícia, foram 21 ocorrências neste ano contra 31 no ano ano passado. Ainda de acordo com a PMBA, os fatos delituosos são basicamente os mesmos: furto, porte de arma branca, uso e tráfico de drogas, lesão corporal; variando o quantitativo de cada fato. Este ano, a novidade foi a prisão por violência contra a mulher, foram duas, quando em 2018 não houve nenhuma; neste carnaval não foi registrado roubo pela PMBA, apenas furto.

LEIA MAIS

Inadimplência abre o ano em desaceleração, com crescimento de 2,42% no mês de janeiro, aponta pesquisa

(Foto: Internet)

O ano de 2019 começa com sinais de acomodação da inadimplência. Dados apurados pelo Indicador de Inadimplência da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) apontam que mesmo com o crescimento do número de consumidores negativados na comparação anual, o avanço foi menor em janeiro de 2019 ante os últimos meses, alcançando 2,42%.

Já o número de dívidas apresentou recuo de 0,29% no mesmo período, embora o volume de pendências continue crescendo em dois setores específicos: o de bancos, com avanço de 2%, e o de água e luz, com aumento expressivo de 14%. Em contrapartida, comércio e comunicação registraram queda de 7%.

O presidente da CNDL, José Cesar da Costa, destaca que apesar do avanço da quantidade de devedores, o número médio de dívidas vem caindo. “O problema da inadimplência, que cresceu muito nos anos mais recentes, ainda está longe de resolvido. Mas já se observa uma tendência de acomodação, que pode ser um prenúncio de melhora na capacidade de pagamento das famílias”, explica. “Este cenário só deve mudar quando a retomada da economia for percebida de fato pelos consumidores, ou seja, com a criação de novos empregos e o aumento renda”, observa Costa.

Indicadores do mercado de trabalho da FGV mostram melhora em janeiro

(Foto: Ilustração)

Os dois indicadores de mercado de trabalho da Fundação Getulio Vargas (FGV) tiveram melhoras de dezembro de 2018 para janeiro deste ano. O Indicador Antecedente de Emprego (Iaemp), que busca antecipar tendências futuras com base em entrevistas com consumidores e empresários da indústria e dos serviços, avançou 4,1 pontos. Com a alta, o indicador chegou a 101,1 pontos em uma escala de zero a 200, o maior patamar desde abril de 2018.

Segundo o economista da FGV Rodolpho Tobler, os resultados positivos nos últimos meses sinalizam uma retomada da recuperação do mercado de trabalho. De acordo com ele, no entanto, é preciso “certa cautela” já que o indicador recuperou apenas pouco mais da metade da queda observada em 2018.

LEIA MAIS

Pesquisa da Facape aponta aumento de 27% no preço do feijão em Juazeiro 

(Foto: Internet)

A pesquisa do custo da Cesta Básica realizada pelo colegiado do curso de Economia da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (Facape), apresentou, na comparação do mês de dezembro de 2018 e janeiro de 2019, deflação de -2,22% em Juazeiro (BA), e de -2,06% em Petrolina (PE). Considerando as informações das duas cidades, a deflação geral no período foi de -2,14%.

O maior aumento na pesquisa está no preço do feijão, que desde dezembro de 2018 já vinha apresentando elevação de preços e no mês de janeiro encerrou com forte alta de aproximadamente 19% em Petrolina. Em Juazeiro, este valor superou os 27%. A menor oferta e a redução da área plantada levaram a esta situação.

Os resultados da pesquisa apontam o custo da cesta básica no mês de janeiro de 2019 em R$ 309,08 para Juazeiro e R$ 297,04 em Petrolina. Isso indica que um trabalhador do Vale do São Francisco que recebe um salário mínimo de R$ 998,00 gastou 30,4% da renda com a compra de produtos da cesta básica. Sendo assim, restaram R$ 694,94 para gastar com as demais despesas relacionadas a moradia, transporte, vestuário, saúde e higiene.

Com economia desfavorável, brasileiro muda hábitos de consumo e passa a pesquisar mais 

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil/EBC)

Diante de um cenário econômico desfavorável, boa parte das famílias brasileiras passou a administrar melhor o orçamento e, consequentemente, criar uma relação mais saudável com o dinheiro. É o que aponta um levantamento feito pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em parceria com o Banco Central do Brasil (BCB). De acordo com o estudo, oito em cada dez (79%) brasileiros mudaram seus hábitos no dia a dia e entre as medidas adotadas, destaca-se a pesquisa de preços (59%) antes da aquisição de algum produto — percentual que chega a 68% nas classes A e B.

Além disso, 56% passaram a limitar gastos com lazer e 55% a controlar despesas pessoais. O aperto financeiro também fez com que muitas pessoas encontrassem alternativas para economizar. Mais da metade (54%) dos entrevistados procurou reduzir o consumo de luz, água e telefone, de olho no valor da conta. Outros 53% passaram a ficar atentos às promoções em busca de preços menores, enquanto 46% substituíram produtos por marcas similares mais baratas e 42% admitem ter incorporado em sua rotina a prática de pechinchar.

LEIA MAIS

Hospital Universitário realizou mais de 86 mil atendimentos em 2018

(Foto: Ascom HU)

O Hospital da Universidade Federal do Vale do São Francisco (HU-Univasf) divulgou, recentemente, os dados de produção da unidade durante o ano de 2018. Somando os serviços de emergência e urgência, consultas ambulatoriais e internamentos, foram 86.626 atendimentos, aumento de 8,1% comparando a 2017.

Os números são expressivos e mostram a evolução do HU-Univasf nesses quatro anos sob a gestão da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) que vem investindo na melhoria da infraestrutura física e na modernização do parque tecnológico da unidade. Foram executadas 5.433 cirurgias, destas, 2.613 ortopédicas e 493 neurocirúrgicas, uma média de 452 procedimentos por mês. O número de exames laboratoriais e de imagens ultrapassou 235 mil.

O setor de Urgência e Emergência recebeu 41.325 pessoas. Mais da metade dos atendimentos foram caracterizados como pouco urgentes, chegando a 57,9%, seguido por urgentes, com 20,4%, e os atendimentos muito urgentes representaram 3,7%. O número alto de casos pouco urgentes acolhidos pelo HU é reflexo dos problemas que afetam a Rede PEBA, uma vez que os municípios integrantes à rede não oferecem à população uma assistência eficiente em saúde para os casos de baixa complexidade.

LEIA MAIS

Brasil encerra 2018 com 12,2 milhões de desempregados

(Foto: Internet)

A taxa média de desemprego do país fechou o trimestre móvel encerrado em dezembro de 2018 em 11,6% – queda de 0,3 ponto percentual em relação ao trimestre julho a setembro (11,9%). Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada hoje (31), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em relação ao mesmo trimestre de 2017, quando a taxa média fechou o trimestre em 11,8%, o quadro é de estabilidade, embora a taxa média anual tenha recuado 0,4 ponto percentual, passando de 12,7%, em 2017, para 12,3% em 2018.

A população desocupada fechou o trimestre encerrado em dezembro em 12,2 milhões de pessoas, caindo 2,4% (menos 297 mil pessoas) em relação ao trimestre de julho a setembro de 2018. No confronto com igual trimestre de 2017, houve estabilidade.

LEIA MAIS

UPAE de Petrolina registra mais de 100 mil atendimentos na urgência e emergência em 2018

(Foto: Reprodução/ IMIP)

Na manhã desta terça-feira (29) a Unidade de Pronto Atendimento e Atenção Especializada de Petrolina (UPAE/IMIP) divulgou os números de balanço do ano passado, que apontam crescimento em alguns dos seus principais serviços.

Vale ressaltar que o bom desempenho da Unidade, consolidado ao longo dos últimos cinco anos, pode ser comprovado de várias maneiras, mas a gestão escolhe o índice de satisfação do usuário como seu melhor avaliador, já que é para o paciente que todo trabalho é voltado. “Quase 70% dos usuários consideram o nosso serviço bom/excelente e esse, sem dúvida, é o nosso melhor número”, garante a coordenadora geral, Graziella Franklin.

UPA 24h (Urgência e Emergência)

Na UPA 24h foram registrados 115.518 atendimentos (em 2017 foram 108.504), sendo 105.889 na urgência e emergência clínica, 6.026 na odontológica e 3.603 no serviço social. Neste setor, ainda foram contabilizados 540.081 procedimentos, divididos entre os serviços de radiologia, laboratório, nebulização, eletrocardiograma, telemedicina, medicação, sutura e curativo.

LEIA MAIS

Pesquisa da CNDL e SPC Brasil aponta que 41% dos micro e pequenos empresários devem investir mais em 2019

(Foto: Internet)

Diante da perspectiva de recuperação da economia, os micro e pequenos empresários do varejo e comércio têm demonstrado maior apetite para realizar investimentos em 2019. É o que aponta dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). O levantamento mostra que 41% desses empresários pretendem investir este ano, ante 35% em 2018. Por outro lado, 38% não planejam fazer qualquer tipo de movimento nesse sentido e 21% ainda não sabem o que farão.

O indicador que mede a propensão de investimento das MPEs (micro e pequenas empresas) passou de 41,4 pontos em janeiro de 2018 para 47,9 em janeiro de 2019, uma alta de 16% na comparação anual. Pela metodologia, quanto mais próximo de 100, maior a propensão para o investimento. Quanto mais próximo de zero, menor a propensão.

LEIA MAIS

Balanço 2018: HDM/IMIP de Petrolina registra aumento em todos os atendimentos e serviços 

(Foto: Arquivo)

Há quase dez anos o Hospital Dom Malan/IMIP de Petrolina (PE) aceitou o desafio de atender a uma população de aproximadamente 2 milhões de pessoas, de mais de 50 municípios, e ser a referência em alto risco materno-infantil para a Rede de Saúde Pernambuco-Bahia (PEBA). Desde então, a unidade hospitalar vem se superando nas suas lutas diárias. Prova disso é que o número de atendimentos e serviços vem aumentando gradativamente.

De acordo com os dados do balanço de 2018, os atendimentos de urgência e emergência saltaram de 111.757 em 2017 para 115.208 no ano passado. O número de partos também aumentou e chegou a 7.173, com uma média de quase 600 por mês; a oferta de consultas ambulatoriais passou de 83.419 para 86.837 em um ano; e o número de cirurgias de urgência e eletivas fechou em 6.322.

LEIA MAIS

Mesmo com índice de confiança elevado, consumidor se diz pessimista com o cenário econômico do Brasil

(Foto: Ilustração)

Com a definição do novo governo, os consumidores estão mais confiantes. Dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revelam que, no último mês de dezembro, o ‘Indicador de Confiança do Consumidor’ alcançou 45,8 pontos, frente a 40,9 observados no mesmo período de 2017. O avanço foi de 12% na comparação anual. Apesar do crescimento expressivo, o índice mostra que a maioria ainda está pessimista. A escala do indicador varia de zero a 100, sendo que resultados acima de 50 pontos, mostram uma percepção mais otimista do consumidor.

Na avaliação do atual cenário econômico e da própria vida financeira, a percepção dos entrevistados permanece ruim. Em cada dez brasileiros, sete (72%) enxergam o momento da economia de forma negativa — apesar de elevado, esse é o menor percentual desde o início da série histórica, em janeiro de 2017. As principais razões apontadas são desemprego elevado (63%), aumento dos preços (59%), alta na taxa de juros (38%), desvalorização do real frente ao dólar (25%) e menor poder de compra do consumidor (22%). Para 25%, o quadro econômico é regular e apenas 2% consideram bom.

LEIA MAIS
123