Polícia Civil segue com diligências para elucidar atentado contra José Carlos

Trabalho está em fase inicial e linha de investigação ainda não foi formada (Foto: Emerson Rocha/G1 Petrolina)

A Polícia Civil de Pernambuco disse em nota que continua as diligências na investigação da tentativa de homicídio sofrida pelo secretário executivo da Autarquia Municipal de Mobilidade de Petrolina (AMMPLA), José Carlos Alves, no início da manhã de quarta-feira (11).

LEIA TAMBÉM:

Notícia sobre prisão de Leãozinho é falsa, garante Polícia Civil

Após atentado contra secretário da Ammpla, segurança de Miguel Coelho e de demais envolvidos em licitação será reforçada

Em nota, Polícia Civil afirma que só comentará atentado sofrido por secretário da Ammpla ao final das investigações

Licitação pode ter sido motivação do atentado contra secretário: “Muita coincidência”, afirma Miguel Coelho

A investigação é coordenada pelo delegado Gregório Ribeiro, que em entrevista a veículos locais comentou o andamento do trabalho iniciado ainda ontem (11), pouco depois do atentado. “A gente entende que o autor chegou no local e efetuou os disparos. A gente precisa ver várias situações, se foi ameaça ou não, a gente não pode fechar uma linha de investigação”, destacou.

Análise de imagens

Imagens de câmeras de monitoramento próximas ao local do crime já foram analisadas e em uma delas é possível identificar um homem correndo. Testemunhas ouvidas pela TV Grande Rio disseram que o atirador é moreno e forte, mas até o momento ele não foi identificado. Contudo, oficialmente a PC respondeu apenas que “se pronunciará sobre o caso ao final das investigações”.

Licitação pode ter sido motivação do atentado contra secretário: “Muita coincidência”, afirma Miguel Coelho

Prefeito havia confirmado ameaças a envolvidos na licitação (Foto: Thamires Santos/Cortesia)

Consternação. Esse é o sentimento da equipe da Prefeitura de Petrolina após a tentativa de homicídio contra o secretário executivo da Ammpla, José Carlos Alves. Em coletiva se imprensa realizada na manhã dessa quarta-feira (11), o prefeito Miguel Coelho confirmou que ele e servidores envolvidos no processo licitatório do transporte coletivo sofreram ameaças, entre eles Zé Carlos.

Para o gestor, é “muita coincidência” o atentado sofrido pelo secretário acontecer após o início da operação da nova empresa de transporte coletivo. “Nós não podemos fazer nenhuma conjectura, mas não podemos ignorar as ameaças que vínhamos recebendo. É muita coincidência isso acontecer logo nos primeiros 15 dias que a gente está no novo sistema de transporte público”, afirmou.

LEIA TAMBÉM:

Prefeito Miguel fala em ameaças por mudança no transporte público e sobre estado de saúde de José Carlos

Zé Carlos tem quadro de saúde estável após tentativa de homicídio

Delegado fala sobre tentativa de homicídio contra secretário executivo da AMMPLA

Urgente: Secretário executivo da Ammpla sofre tentativa de homicídio em Petrolina

As ameças teriam sido feitas através de mensagens em aplicativos de mensagem, cartas escritas com sangue e com pessoas desconhecidas rondando a residência dos servidores municipais. Ainda segundo o prefeito, essa é uma das linhas de investigação da Polícia Civil. “Existe uma linha de investigação que essa pessoa teria sido mandada por alguém. Nós vamos até o fundo do poço com essa história”, disse.

LEIA MAIS

Coletiva de imprensa na Prefeitura deve trazer informações oficiais sobre estado de saúde de secretário da AMMPLA

Equipes da polícia já estiveram na casa do secretário (Foto: Emerson Rocha/G1 Petrolina)

O prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (MDB) convocou uma coletiva de imprensa às 11h30 dessa quarta-feira (11), para comentar a tentativa de homicídio contra o secretário executivo da Autarquia Municipal de Mobilidade de Petrolina (AMMPLA), José Carlos Alves.

LEIA TAMBÉM:

Zé Carlos tem quadro de saúde estável após tentativa de homicídio

Delegado fala sobre tentativa de homicídio contra secretário executivo da AMMPLA

Urgente: Secretário executivo da Ammpla sofre tentativa de homicídio em Petrolina

Zé Carlos foi alvejado na manhã de hoje, quando pelo menos dois tiros atingiram sua cabeça e região do tórax. Ele foi submetido a uma cirurgia para reparar um osso do crânio, mas tinha quadro de saúde considerável estável. A Polícia Civil de Pernambuco investiga o caso e o delegado Gregório Ribeiro foi ao Hospital Unimed para colher informações as quais possam ajudar nos trabalhos da polícia.

Até o momento não há informações oficiais do hospital. A coletiva de imprensa será realizada no gabinete da Prefeitura.

Petrolina: presos por tentativa de fraude no concurso da Guarda são liberados após audiência de custódia

Celulares e gabarito foram apreendidos no domingo (Foto: Blog Waldiney Passos)

Os cincos presos na tentativa de fraude do concurso da Guarda Civil Municipal de Petrolina foram liberados após a audiência de custódia, realizada na manhã de ontem (1°). A informação foi confirmada pelo delegado responsável pela Operação Test Failed, da Polícia Civil de Pernambuco.

LEIA TAMBÉM:

Polícia Civil detalha operação que prendeu cinco pessoas durante concurso em Petrolina

Cinco pessoas são presas após fraude no concurso da Guarda Municipal de Petrolina

De acordo com o delegado Gregório Ribeiro, todos foram liberados mediante o pagamento de fianças. “O professor mediante o pagamento de três salários mínimos e o restante, incluindo o policial militar, mediante o pagamento de um salário mínimo”, explicou ao Blog.

LEIA MAIS

Polícia Civil detalha operação que prendeu cinco pessoas durante concurso em Petrolina

Delegados Gregório Ribeiro (centro) e Isabella Cabral (dir.) deram detalhes das investigações (Foto: Blog Waldiney Passos)

A Polícia Civil apresentou hoje (1°) detalhes da Operação Test Failed – que ontem prendeu cinco pessoas por tentativa de fraude no concurso da Guarda Civil de Petrolina. De acordo com o delegado Gregório Ribeiro, um dos responsáveis pela investigação, os trabalhos tiveram início em maio, quando a prova deveria ter sido aplicado pela primeira vez.

Nesses 60 dias os trabalhos seguiram, aguardando o momento para deter os envolvidos em flagrante. “Os candidatos estariam contratando um cabeça para transcrever o gabarito, esse cabeça era o professor Dionísio. Cada candidato pagaria R$ 10 mil reais quando saísse a lista e eles estivessem aprovados”, explicou Ribeiro.

LEIA TAMBÉM:

“Não há nenhuma razão que nos leve hoje a optar pelo cancelamento da prova”, afirma secretário de Segurança Pública de Petrolina

Fotos da prova da Guarda Municipal nas redes sociais e prisões põem em xeque lisura do certame

Cinco pessoas são presas após fraude no concurso da Guarda Municipal de Petrolina

Dionísio Felipe dos Santos Júnior foi detido em sua residência, no bairro Jatobá 2 com um gabarito respondido por ele após receber fotos da prova, enviada pelos candidatos. Ele estava acompanhado de Joilton Feitosa, um policial militar que também foi preso. A dupla repassaria as respostas aos candidatos que contrataram o serviço.

LEIA MAIS

Drogas sintéticas e armas foram apreendidas durante operação Okia, em Petrolina

(Foto: Polícia Civil/Divulgação)

13 mandados de busca e apreensão, três de prisão preventiva e quatro em flagrante foram cumpridos pela Polícia Civil de Petrolina na manhã dessa terça-feira (18), através da Operação Okia. As investigações foram iniciadas há quase um ano, no mês de julho de 2018 com o objetivo de tornar as festividades juninas de 2019, em Petrolina, mais tranquilas.

A operação considerada exitosa pela polícia teve como foco o combate ao tráfico de drogas, associação para o tráfico e venda ilegal de arma de fogo. Até o momento sete pessoas foram presas: Richardson Brendo Soares, Felipe Freire de Jesus, Eduardo Bruno Moraes, José Ricardo Duarte de Souza, Gabriel Costa e Silva e José Elton de Souza Reis. Lourival Gomes da Luz foi preso ano passado.

LEIA TAMBÉM:

“Okia”: Polícia Civil deflagra nova operação contra tráfico de drogas em Petrolina

A investigação teve como foco as drogas sintéticas e foi realizada pelas 214ª Delegacia, sob o comando dos delegados Gregório Ribeiro e Daniel Moreira, além do Departamento de Repressão ao Narcotráfico (DENARC), com o delegado Dark Blacker.

LEIA MAIS

Exclusivo: processo contra condutor que atropelou ciclistas aguarda denúncia do Ministério Público

Vítimas foram atingidas enquanto pedalavam sentido Serra da Santa (Foto: Reprodução/Internet)

Na próxima quarta-feira (23) a morte dos ciclistas Anaelton Rodrigues Macedo e Rogério Teles de Siqueira completa um mês e o processo que tramita na Justiça de Pernambuco está, por ora, paralisado. Em consulta ao site do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) nossa produção verificou que a última movimentação, datada em 17 de janeiro consta como “Arquivado Provisoriamente”.

Em contato com o TJ fomos informados que “a fase atual do processo é esperar a finalização do inquérito [policial]. Após essa etapa, haverá a formalização da denúncia do Ministério Público de Pernambuco [MPPE]”, afirmou o Tribunal. O despacho foi assinado pelo juiz da 2ª Vara Criminal de Petrolina, Elder Muniz, no dia 14 desse mês. O Blog tentou contato com o juiz, todavia sem sucesso.

LEIA TAMBÉM:

Ciclistas ocupam ruas de Petrolina e cobram justiça para Anaelton e Rogério

Familiares de ciclistas mortos na BR-428 fazem manifestação pacífica neste final de semana, em Petrolina

Petrolina: ciclistas morrem atropelados em acidente na BR-428

Inquérito já foi encaminhado ao Ministério Público, afirma delegado

No entanto, segundo o delegado responsável pelas investigações, Gregório Ribeiro da 124ª Delegacia de Polícia Civil, o Inquérito Policial foi encaminhado ao MPPE no dia 7 de janeiro, primeira segunda-feira do ano. “O inquérito já foi remetido há mais de uma semana”, disse à nossa equipe.

LEIA MAIS

Petrolina: mulher forja sequestro com ajuda de policial civil da Bahia

A suposta vítima e sequestradores foram presos (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

A Polícia Civil de Petrolina conseguiu prender todos os envolvidos em um falso sequestro na cidade. Coordenada pelos delegados Daniel Moreira e Gregório Ribeiro da 214ª DP, as equipes descobriram que o suposto rapto de Tathiany Suellen Silva Santos, que ocorreu no dia 16, não passava de uma mentira.

Os criminosos exigiam à família da suposta vítima o pagamento de R$ 63 mil de resgate para liberação de Tathiany. Após agendar o horário e local para o pagamento, que aconteceu na tarde de sexta-feira (17) na cidade de Juazeiro (BA), a Polícia Civil de Petrolina resgatou a vítima e deu início a perseguição dos criminosos.

Depois de prender os supostos sequestradores, a Polícia Civil descobriu que na verdade o crime foi arquitetado pela própria Tathiany com a ajuda de um policial civil de Juazeiro, que era um dos sequestradores.

Ao todo quatro pessoas foram presos, entre eles Tathiany e o policial civil. Na ação também foi apreendida uma pistola Taurus PT 100, quatro carregadores, uma moto Honda Biz e o dinheiro pago ao resgate.