Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Funcionários da Sintra entram em greve por tempo indeterminado em Petrolina

imagem301

Com os salários atrasados desde o mês de dezembro de 2015 e sem receber também o vale-refeição, os funcionários da empresa Sintra, responsável pela varrição da cidade de Petrolina-PE, decidiram em assembleia realizada no último sábado, 23, paralisar as atividades.

A informação foi dada na manhã desta segunda-feira, 25, a Rádio Jornal, pelo representante do Sindicato dos Trabalhadores na Limpeza Pública, João Soares. Segundo ele, a paralisação é por tempo indeterminado. “A prefeitura vem prometendo pagar, três datas que foram marcadas e nenhuma foi cumprida, então o pessoal vai ficar parado até que a prefeitura resolva liberar os salários deles, pois a empresa alega não receber da prefeitura e não tem como pagar seus funcionários”, ressaltou.

João Soares informou ainda que além da limpeza pública os funcionários que trabalham na operação tapa buracos no município também devem cruzar os braços nos próximos dias devido a falta de pagamento. “Não é somente o pessoal da limpeza, a outra empresa que presta serviço a prefeitura, os trabalhadores do tapa buracos das ruas, também vão paralisar porque não receberam ainda”, disse.

Por fim João Soares salientou que apesar de entender que a empresa contratada tinha que ter uma garantia de capital de giro para pagar seus funcionários em caso de atraso, a prefeitura como contratante também não pode se eximir da responsabilidade. “A prefeitura diz que não paga porque tem que virar o sistema, agora com a chuva disse que não pode pagar porque caiu o teto da sala do financeiro, na sexta-feira já foi a chuva que atrapalhou, então são desculpas que o trabalhador não quer saber. A prefeitura como contratante poderia exigir da empresa alguma responsabilidade”, finalizou.

Polícia Civil da Bahia paralisa atividades por 3 dias

Greve Civil BA

Nesta quarta-feira, os Policiais Civis da Bahia (PC) estão com suas atividades de investigação paralisadas, o movimento paradista segue até  o dia 22 de janeiro. De acordo com o iBahia, os policiais estiveram reunidos na manhã de hoje e entregaram as armas e a carteira funcional como forma de protesto.

A volta ao trabalho da categoria está marcada para o sábado (23). A categoria está reivindicando a reestruturação salarial com igualdade entre os cargos da Polícia Civil baseada na atividade de investigação criminal; promoções; reconhecimento do laudo de papiloscopia pelo perito técnico conforme Lei Orgânica da Polícia Civil; reforma e construção de unidades policiais para atendimento à sociedade e a categoria; nomeação, posse e designação dos concursados de 1997, 2013 e 2014; valor da escala extra de Carnaval; entre outras.

De acordo com informações o posto avançado da PC localizado no circuito do carnaval de Juazeiro (BA) estará funcionando normalmente para atender as demandas da festa momesca, junto ao demais órgãos da Segurança Pública.

Polícia Civil faz paralização de advertência na Bahia

Os policiais civis deflagraram uma greve de advertência na manhã desta quarta-feira (16) na Bahia, o movimento deve durar até amanhã 18. Na pauta de reivindicação, eles pedem melhores condições de trabalho e aumento de salário.

Quem precisar dos serviços de investigação da PC baiana deve procurar os delegados titulares das Delegacias Territoriais Especializadas ou prestar queixas através da Delegacia Digital pelo site: http://www.delegaciadigital.ssp.ba.gov.br/,

De acordo com a Coordenadoria da 17º Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin) em Juazeiro (BA) apenas 30% dos serviços estão disponíveis a população.

Médicos do INSS em greve há cem dias

inss

Há 100 dias com suas atividades paralisadas, médicos peritos do INSS cobram a efetivação em lei da carga horária de 30 horas, o fim da terceirização da perícia médica e reposição das perdas salariais de 27% divididos em dois anos. Dados do próprio instituto apontam que cerca de 1 milhão de perícias deixaram de ser realizadas desde o início da paralisação.

O presidente da Associação Nacional dos Médicos Peritos, Francisco Eduardo Cardoso, garantiu que 30% dos médicos peritos de cada gerência estão trabalhando. A dificuldade, segundo ele, é que muitos profissionais estão sendo mantidos nos cargos que exerciam antes do início da greve e que não envolvem a realização de perícia. “O INSS precisa colocá-los para atender à perícia e isso não está acontecendo”.

Por meio de nota, o INSS informou que, “ reconhece todas as dificuldades impostas à população pela não regularização do atendimento da perícia médica e espera que as negociações entre o Ministério do Planejamento e os servidores da carreira de perito médico previdenciário sejam concluídas com brevidade para a pronta retomada dos serviços”, informa o órgão na nota.

O comunicado destacou ainda que, para todo benefício concedido, o que vale é a data de entrada do requerimento. Isso significa que, se um segurado tinha uma perícia marcada para novembro, por exemplo, mas será atendido apenas em janeiro, se o benefício for aprovado, passa a valer, para efeitos financeiros, a data de entrada do requerimento e não a data em que ele foi concedido.

A proposta oferecida pelo governo à categoria consiste no reajuste geral dado ao funcionalismo público e a criação de um comitê de reestruturação da carreira, mas não trata da efetivação da jornada de 30 horas e do fim da discussão da terceirização das perícias. O pacote será votado hoje (14) pela manhã durante assembleias realizadas em diversos estados.

Protestos em Petrolina. Construção Civil e Polícia Civil cruzam os braços e vão às ruas

IMG-20151201-WA0002

Quem esperava trânsito livre nesta terça-feira (1º) na região central da cidade, teve uma surpresa negativa agora pela manhã. Os motoristas enfrentam congestionamentos quilométricos na Avenida Guararapes.

Desde as primeiras horas de hoje trabalhadores da Construção Civil e a Polícia Civil realizam mobilizações nas ruas de Petrolina por melhores condições de trabalho.

A manifestação dos trabalhadores da construção civil partiu do Distrito Industrial da cidade e percorreu avenidas e ruas causando um grande engarrafamento.

A pauta de reivindicação da categoria é extensa o destaque é para dois itens: Aumento salarial, e a não aprovação do projeto de lei 4330 que autoriza a terceirização dos serviços.

De acordo com os trabalhadores, o setor da Construção Civil está no topo dos mais atingidos pela terceirização do trabalho. Com a aprovação da referida lei as construtoras, que deveriam simplesmente construir, erguer prédios e outros empreendimentos, seriam administradoras, e dessa forma passariam a cumprir papel meramente burocrático.

Na prática segundo a classe, as empresas subcontratadas, as “gatas”, administrariam a rotina do empregado, o que para eles representaria novos problemas de ordem trabalhista no futuro.

Protesto da Polícia 

Na manhã de hoje na Praça Dom Malan, centro, o Sindicato da Polícia Civil de Pernambuco (Sinpol) afixou 3,5 mil cruzes. Elas representam, segundo Áureo Cisneiros, presidente do Sinpol,  as pessoas assassinadas no Estado até o mês de novembro no Estado.

Foto protesto polícia civis 02

Em estado de greve policias civis realizam protesto contra aumento da violência em Petrolina.

GEDSC DIGITAL CAMERA

Áureo Cisneiros – Presidente do  Sinpol  

Visando protestar contra o que acredita ser “desdém” do governo de Pernambuco em menosprezar as condições precárias e os baixos salários pagos aos policiais, o Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol) estará realizando na manhã desta terça-feira (01), na praça Dom Malan, Centro, Petrolina-PE, Sertão do São Francisco, um ato de protesto contra o aumento da violência no Estado.

Em entrevista ao programa Bom Dia Vale, Rádio Jornal FM, o presidente do sindicato, Áureo Cisneiros, afirmou que Petrolina é a segunda cidade mais violenta do interior Estado, com um índice altíssimo de assassinatos, perdendo apenas para a cidade de Caruaru – PE. “Aqui em Petrolina a gente quer contribuir também com esse debate sobre a insegurança pública que está ocorrendo na cidade”, salientou.

download (2)Como aconteceu na praia de Boa Viagem no Recife-PE e na cidade de Caruaru -PE o ato constará da colocação de 3.500 (três mil e quinhentas) cruzes, simbolizando o número de assassinatos no Estado somente neste ano de 2015.

Na última sexta-feira (27) os policiais civis de Pernambuco decidiram em assembleia decretar estado de Greve “um aviso ao Governo do Estado que a categoria pode paralisar as atividades em uma greve geral dos policias civis de Pernambuco, mas também para dizer que estamos prontos para dialogar e negociar com o governo”, salientou.

“Até agora o Estado continua intransigente, tratando o movimento da gente com desdém, não dando a devida atenção aos pleitos da categoria”, alfinetou Cisneiros.

Caso não haja um acordo com o governo os policias civis poderão paralisar as atividades durante o carnaval.

Dilma veta lei que previa anistia a PMs e bombeiros

policial

Na mensagem nº 507 enviada ao Congresso Nacional, hoje, a presidente Dilma Rousseff (PT) anuncia o veto total ao Projeto de Lei 177/15, que previa anistia para policiais militares e bombeiros que deflagraram movimentos de greve em pelo menos 18 Estados em meados de 2014.

A paralisação durou semanas, e os policiais e bombeiros reivindicavam melhores salários.

Na justificativa para o veto, a presidente se respaldou em parecer do Ministério da Justiça. Entre outros pontos, avisa que o”projeto ampliaria o lapso temporal e territorial de anistia concedida pela Lei no 12.505, já ampliada pela Lei no 12.848, passando a abranger situações que se deram em contextos distintos das originais”.

LEIA MAIS
111213