Caixa Econômica reduz juros para financiamento imobiliário

(Foto: Reprodução)

A Caixa Econômica Federal reduziu nessa segunda-feira (16), os juros para o financiamento imobiliário. Segundo a instituição, também houve o aumento do percentual do valor da casa própria a ser financiado na compra do imóvel usado.

As mudanças anunciadas pela Caixa passam a valer a partir de hoje, para  linhas de financiamento que utilizam recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo.

Mudanças

As novidades vêm após duas reduções no teto de financiamento imobiliário em 2017, feitos pela própria instituição. Para a compra de imóveis pelo Sistema Financeiro Habitacional (SFH), onde se enquadram residências de até R$ 800 mil para todo o país, a taxa mínima de juros caiu de 10,25% para 9% ao ano.

Já nos imóveis do Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI), cujos valores ficam acima dos limites do SFH, a taxa mínima passou de 11,25% para 10% ao ano. O percentual do valor a ser financiado dos imóveis usados subiu de 50% para 70%.

Programa ‘Petrolina Legal’ garante regularização dos imóveis de mil famílias do Nova Vida I e II

(Foto: Jonas Santos/ASCOM)

Após anos de espera, os moradores dos residenciais Nova Vida I e II terão a posse definitiva de suas casas. Nesse final de semana, o prefeito Miguel Coelho iniciou a entrega dos títulos de posse das famílias da comunidade. A ação faz parte do programa Petrolina Legal, que tem regularizado milhares de imóveis na cidade e garantido a segurança jurídica para a população.

O ato realizado na praça principal do Nova Vida foi acompanhado por centenas de moradores e autoridades como o senador Fernando Bezerra e o deputado Fernando Filho. Na ocasião, foram entregues os primeiros títulos de forma simbólica a 30 famílias. Ao longo dos próximos dias, serão distribuídos os documentos nas residências dos beneficiários do programa, totalizando cerca de mil títulos.

LEIA MAIS

Projeto de Lei de Ruy Wanderley regula doação de imóveis públicos em Petrolina

(Foto: Blog Waldiney Passos)

Na manhã desta terça-feira (31), será apreciado na Câmara Municipal de Petrolina o Projeto de Lei n. 125/2017 que estabelece normas para doação de imóveis públicos e revoga outras leis do município. Os autores do projeto são os vereadores Ruy Wanderley (PSC), Osinaldo Souza (PTB), Elias Jardim (PHS), Alex de Jesus (PRB) e Rodrigo Araújo (PSC).

Dentre as regras estabelecidas está a vedação à doação de imóvel público sobre qualquer hipótese, um ano antes em que se realizem a eleição municipal, com exceção aquelas destinada a programas habitacionais de interesse social e projetos sociais.

Além disso, será permitida a doação de bens imóveis construídos, ou não, e destinados ou efetivamente utilizados no âmbito de programas habitacionais de interesse social. Contudo, deverá haver autorização Legislativa para esse tipo de doação.

De acordo com os autores da proposição, “a medida visa facilitar a consulta e o entendimento sobre as leis em questão, que passam a fazer parte de um único documento”.

Caixa reduz para 50% limite para financiamento de imóveis usados

(Foto: Internet)

A partir desta segunda-feira (25), os mutuários terão mais dificuldade em financiar a compra de imóveis usados. A Caixa Econômica Federal reduziu para 50% do valor do imóvel o limite máximo de financiamento. Atualmente, os clientes poderiam financiar até 60% ou 70% do montante dependendo do tipo de linha de crédito contratada.

A redução vale para todas as modalidades, como Minha Casa Minha Vida, empréstimos com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (que usa recursos da poupança).

LEIA MAIS

Caixa faz nova redução do teto de financiamento da compra de imóveis usados

Em nota divulgada ontem (22), a Caixa informa que o novo limite passará a vigorar na próxima semana apenas para as novas operações. (Foto: Internet)

A partir desta segunda-feira (25), os mutuários terão mais dificuldade em financiar a compra de imóveis usados. A Caixa Econômica Federal reduziu para 50% do valor do imóvel o limite máximo de financiamento. Atualmente, os clientes poderiam financiar até 60% ou 70% do montante dependendo do tipo de linha de crédito contratada.

O ajuste dos limites de financiamento ocorre como parte da estratégia de melhor alocação de capital disponível da Caixa. A despeito da crise econômica, a concessão de crédito a para casa própria continua em forte expansão.

Em nota divulgada ontem (22), a Caixa informa que o novo limite passará a vigorar na próxima semana apenas para as novas operações. Propostas entregues recentemente e que pediam financiamento nas faixas anteriores terão o processo de análise concluído e, caso aprovadas, terão direito aos limites anteriores de crédito sem alteração dos valores.

A Caixa também deverá anunciar a suspensão temporária dos financiamentos com interveniente quitante – quando um cliente procura a instituição para financiar a compra de imóvel que ainda está alienado em outra operação de financiamento. Nessa transação, o banco quita a dívida com a instituição anterior, abrindo crédito para o novo comprador.

Com informações do EBC

Calote na faixa 1 do Minha Casa, Minha Vida chega a quase 30%

minha-casa-minha-vida

Crédito imobiliário da faixa 1 do Minha Casa se destina às famílias que têm renda mensal bruta de até R$ 1,8 mil. Foto: Bruno Peres/ Min. Cidades

“Como os pedidos só foram diminuindo, quando o celular tocava de manhã, a gente já sabia que era o banco ligando para cobrar a prestação da casa”, lembra o auxiliar de cozinha Luiz Eduardo Meirelles, de 48 anos, que faz doces para festas desde que foi demitido de uma confeitaria da Grande São Paulo, em maio. Ele está no grupo de mutuários da faixa 1 do Minha Casa, Minha Vida – a que recebe o maior subsídio do governo – que não vem conseguindo pagar as prestações.

Com medo de perder o imóvel, ele conta que vai vender a moto da família e passará a fazer as entregas dos doces de bicicleta. “Trabalhar em casa era um sonho antigo que virou falta de opção, só que todo mundo está segurando gastos e fica difícil vender. A gente passou da fase dos pequenos cortes. Vamos abrir mão de parte do patrimônio para salvar o principal.”

A queda na renda e o aumento do desemprego têm pesado na taxa de inadimplência dos beneficiados pela faixa 1. O índice de atraso superior a três meses bateu em 28% em setembro. No mesmo mês de 2015, eram 23% com parcelas em aberto há mais de 90 dias, segundo o Ministério das Cidades. É o maior porcentual de atraso desde o agravamento da crise.

Para efeito de comparação, o índice de prestações atrasadas na carteira de crédito que inclui as faixas 2 e 3 do programa, para famílias com renda mais elevada, era de cerca de 2,03% no terceiro trimestre deste ano, de acordo com a Caixa.

O crédito imobiliário da faixa 1 do Minha Casa se destina às famílias que têm renda mensal bruta de até R$ 1,8 mil. Os preços dos imóveis variam de acordo com a localidade e, como até 90% do valor da casa é custeado com recursos públicos, os novos contratantes pagam prestações mensais a partir de R$ 80.

Até o ano passado, esses números eram mais generosos: a prestação mínima paga pelos beneficiários do programa era de R$ 25 ao mês. Além disso, para toda a faixa 1, cerca de 95% do valor do imóvel era subsidiado.

No Amapá e em Roraima, os Estados com maior porcentual de inadimplentes em setembro, os atrasos nos pagamentos chegam a 41%. Em seguida estão Pará (40%), Bahia (37%) e Mato Grosso (36%). Distrito Federal, Alagoas e Rondônia têm os menores índices, com 7%, 11% e 19%, respectivamente.

Residências do Park São Gonçalo serão entregues dia 28

(Foto: Ilustração)

(Foto: Ilustração)

Após conversa entre o prefeito eleito de Petrolina (PE), Miguel Coelho, e a superintendente da Caixa Econômica Federal, Simone Benevides, nesta quarta-feira (19), o impasse sobre a entrega das residências do Park São Gonçalo foi resolvido. Segundo a gestora, as pendências no cadastro foram resolvidas e isso permitirá a entrega das casas aos contemplados no dia 28 de outubro.

“Fiz questão de conversar com a superintendente da caixa sobre este assunto primeiro em respeito as centenas de famílias que desejam realizar o sonho da casa própria. Segundo porque isso foi usado politicamente contra nós de forma injusta e irresponsável. Fica claro agora que os moradores serão atendidos e todas as críticas irresponsáveis não passam de politicagem de baixo nível. O mais importante é que as pessoas terão sua casa para morar de forma digna e justa”, comentou Miguel após a conversa com a superintendente.

Na semana passada, Miguel Coelho foi procurado por um grupo de moradores sobre o impasse e se comprometeu a procurar a Caixa e o Ministério das Cidades. A entrega das moradias havia sido adiada por conta de problemas cadastrais. Segundo Simone Benevides, a Prefeitura atendeu por meio de documento emitido nesta quarta as exigências de uma portaria do Ministério das Cidades. Com isso, a Caixa recebeu autorização para entregar as moradias.

Com informações da ASCOM

Vendas de imóveis sobem 1,4% em agosto; 1ª alta desde junho de 2015

(Foto: Internet)

(Foto: Internet)

Após 13 meses consecutivos de queda, o mercado imobiliário nacional registrou aumento nas vendas em agosto em relação ao mesmo mês do ano anterior. Foram negociadas 9,271 mil unidades, o que representa um pequeno avanço de 1,4% na comparação com as vendas de agosto de 2015, de acordo com pesquisa realizada pela Associação Brasileira das Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) em parceria com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). A pesquisa considera dados fornecidos por 19 incorporadoras de grande porte, com presença em diversas regiões e associadas à Abrainc.

No acumulado do ano até agosto de 2016, as vendas somaram 67.069 unidades, queda de 11,3% frente ao volume observado no mesmo período de 2015. Já nos últimos 12 meses, foram vendidas 103.675 unidades, volume 13,3% inferior ao total de vendas do período precedente.

LEIA MAIS

MPF/PE firma acordo que obriga construtora a contratar corretores para venda de imóveis

mpf pe

O Ministério Público Federal (MPF) em Pernambuco (PE) firmou nesta semana, o termo de ajustamento de conduta (TAC) com o Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci/PE) e com a MRV Engenharia e Participações, para que a construtora passe a contratar apenas corretores de imóveis, e não vendedores sem formação na área, para o departamento de vendas da empresa. O caso está sob responsabilidade do procurador da República Alfredo Falcão Jr.

Durante apurações realizadas em inquérito civil instaurado pelo MPF, o Creci/PE informou que a MRV mantém departamento comercial para venda de imóveis, incluindo empreendimentos do “Minha Casa Minha Vida”, mesmo não sendo registrada no conselho, com vendedores que não são corretores, praticando o exercício ilegal da profissão.

LEIA MAIS