Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Polícia Civil está investigando suposto ataque a colégio de Juazeiro

Esse é o segundo caso investigado pela Polícia Civil na cidade (Foto: Reprodução/Google Maps)

A comunidade escolar de Juazeiro (BA) amanheceu em alerta, após novos áudios divulgados em grupos de WhatsApp trazerem novas ameaças a ataques ao Colégio Dínamo, localizado no Centro da cidade. Por precaução a direção suspendeu as aulas dessa quinta-feira (4) e acionou a Polícia Civil.

LEIA TAMBÉM:

Áudio sobre suposto ataque em colégio de Juazeiro faz instituição suspender aulas nessa quinta-feira

Segundo a delegada da 17ª Coorpin, Lígia Nunes de Sá, a polícia já está ciente do fato e iniciou as investigações sobre esse fato. Questionada pela produção do Blog a delegada disse não poder comentar se os autores das ameaças são ou não alunos do colégio, para não atrapalhar o trabalho das equipes.

LEIA MAIS

Petrolina: rondas da Polícia Militar são intensificadas no entorno da Escola Humberto Soares; Polícia Civil investiga suposto ataque

(Foto: Reprodução/WhatsApp)

Uma troca de mensagens sobre um suposto ataque no Colégio Modelo, em Juazeiro (BA), e na Escola Estadual Humberto Soares, em Petrolina (PE), deixou a população do Vale do São Francisco apavorada, na manhã desta segunda-feira (18).

A conversa realizada em um grupo de WhatsApp revelava um plano de ataque nas duas unidades de ensino, semelhante ao ocorrido em Suzano (SP), na semana passada, que deixou 10 mortos. Em Juazeiro (BA), a PM destinou uma guarnição para fazer a segurança de estudantes e funcionários da escola. A polícia Civil identificou os responsáveis pelas ameaças, e agora, trabalha para localizar os acusados.

LEIA TAMBÉM:

Polícia Militar mantém policias fardados e à paisana no Colégio Modelo, Civil já identificou responsáveis por ameaças

Em nota a Secretaria de Educação e Esportes do Estado de Pernambuco, informou que não foi registrada nenhuma ocorrência sobre o suposto ataque contra a Escola Estadual Humberto Soares. Ainda de acordo com a nota, a Polícia Militar intensificou a ronda no entorno da unidade de ensino, e as aulas estão acontecendo normalmente.

LEIA MAIS

Polícia Civil divulga novos retratos falados de suspeitos por agulhadas no Carnaval

(Foto: Reprodução/Jornal do Commercio)

Nesta segunda-feira (11) a Polícia Civil de Pernambuco divulgou outros retratos falados dos suspeitos de serem responsáveis por furar foliões com agulhas durante o Carnaval em Olinda no domingo (3) e segunda (4).Ainda de acordo com informações da polícia, uma mulher também é suspeita de envolvimento com o caso, mas por enquanto não há retrato falado para divulgar.

LEIA TAMBÉM:

Polícia Civil de Pernambuco abre inquérito para investigar casos de “agulhadas” durante carnaval

Polícia Civil de Pernambuco divulga retrato falado de suspeito de usar agulha para furar foliões

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), até a última sexta (8), ao menos 190 pessoas alegaram terem sido vítimas das ‘agulhadas’ no período carnavalesco. Desse total, após triagem no Hospital Correia Picanço, no Recife (PE), onde estão sendo recebidos pacientes deste caso, 140 foram indicados para iniciarem o tratamento de prevenção contra a infecção pelo HIV.

LEIA MAIS

Inquérito sobre acidente de Eduardo Campos é arquivado sem conclusão

Quatro hipóteses foram investigadas no acidente.

O Ministério Público Federal (MPF) arquivou o inquérito que apurava as causas do acidente aéreo que matou o ex-governador de Pernambuco e então candidato à Presidência Eduardo Campos.

O jatinho que levava Eduardo caiu em agosto de 2014 em uma área residencial de Santos (SP). Outras seis pessoas morreram na tragédia: o piloto, o copiloto e quatro integrantes da equipe de campanha.

De acordo com o MPF, devido falta ou ao não funcionamento de alguns equipamentos na cabine de comando do avião, não foi possível chegar a alguma conclusão sobre as razões do acidente.

A falta de conclusões do inquérito afasta a possibilidade de qualquer responsabilização criminal. Os afetados podem, no entanto, usar os elementos do inquérito em pedidos de indenização na esfera cível.

LEIA MAIS

MPF arquiva inquérito sobre acidente que matou Eduardo Campos

O Ministério Público Federal (MPF) arquivou o inquérito que apurava as causas do acidente aéreo que matou o ex-governador de Pernambuco e candidato à Presidência, Eduardo Campos (PSB). O jatinho caiu numa área residencial de Santos (SP), em agosto de 2014.

No entendimento do MPF não foi possível definir as razões do acidente devido à falta ou ao não funcionamento de alguns equipamentos na cabine de comando do avião. O gravador de vozes, que poderia ter registrado os diálogos do piloto e copiloto, não estava funcionando.

De acordo com os procuradores, o equipamento é obrigatório para aeronaves do tipo, mas o dispositivo tinha feito o último registro em janeiro de 2013, mais de um ano antes da queda. A falta de conclusões do inquérito afasta ainda a possibilidade de qualquer responsabilização criminal. Além de Campos, mais seis pessoas morreram na tragédia: o piloto, o copiloto e quatro integrantes da equipe de campanha.

LEIA MAIS

Moro apresentará a Bolsonaro resultado de investigação sobre atentado

(Foto: Fábio Motta/Estadão Conteúdo)

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, disse nessa segunda-feira (25) que vai apresentar ao presidente da República, Jair Bolsonaro, o resultado sobre o andamento das investigações da Polícia Federal (PF) sobre o atentado sofrido pelo presidente em setembro do ano passado , em Juiz de Fora (MG), durante a campanha eleitoral.

Ao deixar um seminário sobre segurança pública, no Superior Tribunal de Justiça (STJ), Moro disse que o inquérito está em andamento e não ainda foi concluído. O encontro do ministro com o presidente estava marcado na agenda de Bolsonaro para às 17h, no Palácio do Planalto.

“O presidente é a vítima, é interessado na investigação. Então, vai ser apresentado a ele o resultado até o momento”, disse Moro. Também participaram do encontro o diretor-geral da Polícia Federal (PF), Maurício Valeixo, e os dois delegados responsáveis pela investigação.

LEIA MAIS

Operação da Polícia Federal mira senador Ciro Nogueira do Piauí

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Nesta sexta-feira (22) trinta agentes da Polícia Federal cumprem mandados de busca e apreensão em endereços de Teresina (PI), Brasília (DF) e São Paulo (SP).

A Operação “Compensação” investiga crimes de  corrupção passiva e de lavagem de dinheiro, tendo como principal alvo o senador Ciro Nogueira, do Partido Progressista (PP). O parlamentar é do Piauí. De acordo com nota da Polícia Federal, a ação é desdobramento das investigações em tramitação no Supremo Tribunal Federal (STF), que autorizou as ações.

Depoimentos prestados por colaboradores apontam repasses de R$ 43 milhões ao Partido Progressista, em pagamentos em espécie e doações oficiais, por intermédio do senador, em troca de apoio político do partido na campanha eleitoral para a eleição presidencial de 2014.

LEIA MAIS

Escola Eccos emite nota de pesar pela morte da professora assassinada na manhã desta quarta

(Foto: Reprodução/Facebook)

Na manhã desta quarta-feira (20) um crime abalou a população juazeirense. Élida Márcia de Oliveira Nascimento Souza, foi assassinada no bairro Alto do Alencar, nas proximidades do Centro Social Urbano (CSU), em Juazeiro (BA).

LEIA TAMBÉM:

Professora é morta a tiros em Juazeiro

A vítima estava a bordo de uma carro na companhia do esposo e da filha, de dois anos, saindo de casa para o trabalho, quando dois homens chegaram em uma moto e efetuaram vários diaspros contra ela. Élida era professora da Escola Eccos, da rede particular de ensino de Juazeiro, localizada no bairro Piranga.

De acordo com informações da polícia, os acuados não levaram nenhum pertence da vítima. O esposo de Élida foi ferido por estilhaços, e passa bem. A filha do casal não sofreu nenhum tipo de ferimento durante a ação dos criminosos.

LEIA MAIS

Investigação da Polícia Civil aponta menor como suposto autor do homicídio que vitimou jovem no circuito do carnaval de juazeiro

(Foto: Ilustração)

No domingo (17), última noite de carnaval em Juazeiro (BA) um homicídio foi registrado na Avenida Adolfo Viana (circuito do carnaval). Igor José de Araújo Franco, de 24 anos, foi esfaqueado na região do tórax, ele foi encaminhado para o Hospital Regional de Juazeiro, mas não resistiu aos ferimentos. Igor era filho de Deroaldo Júnior, ex-vereador de Curaçá (BA).

LEIA TAMBÉM:

Filho de ex-vereador de Curaçá morre no último dia do carnaval de Juazeiro 

Informações da Polícia Civil divulgadas na tarde desta segunda-feira (18) dão conta de que diante da ocorrência,  a equipe plantonista da DHPP e 1ª Delegacia Territorial de Juazeiro saiu em diligência com viatura padronizada até o local do crime, onde foram colhidas as informações de que o suposto autor do homicídio teria sido o adolescente identificado pelas iniciais R. S. N. conhecido popularmente como “Roni”, morador do Residencial Dr. Humberto, em Juazeiro.

LEIA MAIS

MEC instala lava jato da educação, diz Bolsonaro

(Foto: Marcelo Casal Jr.)

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) defendeu hoje (15) a chamada lava jato da educação, batizada com este nome pelo ministro da área, Ricardo Vélez Rodríguez, sobre as investigações de medidas adotadas em gestões anteriores. A afirmação ocorre um dia depois da assinatura de um protocolo de intenções para apurar indícios de irregularidades no âmbito do Ministério da Educação.

“Muito além de investir, devemos garantir que investimentos sejam bem aplicados e gerem resultados. Partindo dessa determinação, o ministro professor Ricardo Vélez apurou vários indícios de corrupção no âmbito do MEC em gestões passadas. Daremos início à ‘Lava Jato da Educação’”, disse o presidente na sua conta pessoal no Twitter.

LEIA MAIS

Bolsonaro pede que PF esclareça ataque a faca que sofreu na campanha

Bolsonaro segue internado.

O presidente Jair Bolsonaro cobrou, neste domingo (10), que a Polícia Federal esclareça “nas próximas semanas” quem foi, ou “quem foram”, os mandantes do atentado sofrido por ele no dia 6 de setembro , em Juiz de Fora (MG), durante a campanha eleitoral.

“Espero que a nossa  querida Polícia Federal, polícia que nos orgulha a todos, que tenha uma solução para o nosso caso nas próximas semanas. Esse crime, essa tentativa de homicídio, esse ato terrorista praticado por um ex-integrante do PSOL, não pode ficar impune. E nós queremos, sim, e gostaríamos, que a PF indicasse, obviamente que, com dados concretos, quem foi, ou quem foram os responsáveis por determinar que o Adélio [Bispo de Oliveira] praticasse aquele crime”, disse Bolsonaro no primeiro vídeo gravado por ele no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde está internado.

Postado no Twitter, no vídeo, que tem duração de 1 minuto e 44 segundos, Bolsonaro agradece o tratamento que recebeu da equipe médica em São Paulo Einstein e também na Santa Casa de Juiz de Fora, onde teve o primeiro atendimento após o ataque.

LEIA MAIS

PF pede 90 dias para fechar inquérito sobre atentado contra Bolsonaro

Bolsonaro tomou uma facada enquanto fazia campanha em Juiz de Fora (MG).

A Polícia Federal (PF) pediu nessa quarta-feira (16) à Justiça Federal em Minas Gerais mais 90 dias para encerrar o inquérito que apura quem são os responsáveis pelo financiamento da defesa de Adélio Bispo, autor do ataque contra o presidente Jair Bolsonaro durante a campanha eleitoral do ano passado.

Em dezembro do ano passado, a PF cumpriu mandados de busca e apreensão em dois imóveis relacionados ao advogado Zanone Manuel de Oliveira Júnior, um dos integrantes da defesa de Adélio. Zanone diz que manterá sigilo profissional sobre o contratante.

Bolsonaro tomou uma facada enquanto fazia campanha em Juiz de Fora (MG), no dia 6 de setembro do ano passado. O ataque foi feito por Adélio Bispo de Oliveira, autor confesso da facada, que está preso no presídio federal em Campo Grande (MS). 

LEIA MAIS

Operação da PF combate fraudes na compra de medicamentos em Pernambuco

(Foto: Ilustração)

Na manhã desta quarta-feira (19), a Polícia Federal, com o apoio da Controladoria-Geral da União (CGU) e Receita Federal, deflagrou uma operação para apurar irregularidades na compra e fornecimento de medicamentos, custeados com dinheiro público, em três prefeituras do estado de Pernambuco.

De acordo com a CGU, o inquérito, instaurado a partir dos resultados de fiscalização da CGU em contratos para fornecimento de medicamentos num dos municípios, constatou fraudes em processos licitatórios, superfaturamento, pagamento por medicamentos entregues fora do prazo previsto em contratos e ausência de justificativa para a quantidade de medicamentos contratados entre outras irregularidades.

LEIA MAIS

Polícia cumpre mandados contra envolvidos na morte de Marielle

A vereadora Marielle Franco foi assassinada junto com o motorista Anderson Gomes, na noite de 14 de março deste ano. (Foto: Internet)

Agentes da Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Rio de Janeiro cumprem nesta quinta-feira (13) na capital e em outros municípios os primeiros mandados de prisão e apreensão contra suspeitos de envolvimento na morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

 O delegado Giniton Lages, responsável pelas investigações, informou à Agência Brasil que a operação se estende a bairros do município do Rio e em Angra dos Reis, Nova Iguaçu, Petrópolis, e fora do estado, na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais.

Segundo o delegado, a operação deriva de inquéritos policiais paralelos às investigações do caso Marielle e Anderson.

Desde que começaram as investigações, que apuram a autoria dos crimes, a Delegacia de Homicídios vem realizando várias operações policiais para a checagem de informações anônimas.

LEIA MAIS

Caso Beatriz: Após três anos, primeiro grande passo é dado

(Foto: Blog Waldiney Passos)

Dois dias após completar três anos, o caso Beatriz deu seu primeiro grande passo em busca da elucidação do crime que chocou a população de Petrolina (PE), Juazeiro (BA) e região em dezembro de 2015.

A decisão do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJ-PE), nesta quarta-feira (12), que decretou a prisão do primeiro suspeito a ter envolvimento com o crime, Alisson Henrique de Carvalho, ex-funcionário do Colégio Maria Auxiliadora, dá um norte ao caso que por muito tempo esteve na escuridão. Alisson é suspeito de ter apagado imagens das câmeras de segurança do dia do crime.

Pais de Beatriz.

Além disso, a decisão reforça as palavras de Lúcia Mota, mãe de Beatriz, que questionou, em entrevista a este blog, o “porquê de o Colégio atrapalhar as investigações”, e coloca o Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora em situação delicada, já que a escola sempre negou ter atrapalhado investigações.

Para Lucinha, a prisão de Alisson é o “fio do novelo”. “Ele vai ter que se explicar o porquê que ele fez isso. Essa é a ponta do novelo para solucionar o caso, é o norte da investigação. Daí que a gente pode realmente começar a solucionar o caso de minha filha”.

Segundo Sandro Romilton, pai de Beatriz, durante a manifestação em frente ao TJ-PE, nesta quarta, as imagens foram apagadas 20 dias depois do crime, após a polícia pedir para que as imagens das câmeras fossem entregues. “Quem deu essa ordem para que esse funcionário voltasse à cena do crime?”, questionou.

LEIA TAMBÉM

Caso Beatriz: TJPE aceita recurso e decreta prisão preventiva de suspeito de apagar imagens

Caso Beatriz: segundo TJPE, prisão de Alisson deve ser cumprida até esta quinta

Caso Beatriz: Colégio Maria Auxiliadora nega ter atrapalhado investigações

Até a decisão do TJ-PE o que a polícia tinha de material para dar seguimento à elucidação do crime era um retrato falado do suspeito de ter assassinado Beatriz e algumas imagens de câmeras de segurança do lado externo da escola que mostram uma movimentação estranha de um indivíduo, considerado um dos suspeitos de ter cometido o crime.

Relembre o caso

Beatriz Mota tinha 7 anos quando foi brutalmente assassinada. Seu corpo foi encontrado em 10 de dezembro de 2015, com marcas de mais de quarenta facadas.

A garota sumiu durante festa na instituição de ensino em que estudava, o Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora, em Petrolina.

123