Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Cemafauna coordena investigação sobre morte e desaparecimento de abelhas na região do Vale do São Francisco

(Foto: Divulgação)

Pesquisadores do Centro de Manejo de Fauna da Caatinga (Cemafauna), da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), estão investigando as possíveis causas de morte e desaparecimento de abelhas na região. A pesquisa foi motivada a partir de um inquérito, instaurado pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE), após criadores de abelha e produtores de mel relatarem que houve uma diminuição na ocorrência da espécie Apis mellifera, nos últimos anos, sem causa identificada. Para a realização do estudo, o Cemafauna conta com o apoio da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade de Cardiff, no País de Gales.

Para o estudo, o Cemafauna realizou a coleta de abelhas mortas e do mel produzido por essa espécie. “A pesquisa envolveu somente a Apis melliferapor ser a espécie de interesse dos apicultores que diagnosticaram o problema na região”, conta a coordenadora da pesquisa no Cemafauna, a bióloga Aline Andrade. Ela destaca que esta espécie é responsável por grande parte da polinização de frutos. “Embora seja exótica, ela tem ampla distribuição por todo o país, com importante papel ecossistêmico nos serviços de polinização e, consequentemente, na produção de frutos”, explica.

O material coletado foi enviado para a Universidade de São Paulo, para ser analisado por pesquisadores. Nas primeiras análises, foi identificada a presença de substâncias químicas nas cutículas (pele) das abelhas. Estas substâncias são encontradas em pesticidas utilizados nas lavouras agrícolas.

LEIA MAIS

Ministro Sergio Moro pede que PGR investigue presidente da OAB

O crime teria sido cometido quando Santa Cruz disse que Moro “banca o chefe de quadrilha” nas investigações sobre o hacker

O ministro da Justiça, Sergio Moro, pediu à Procuradoria-Geral da República que investigue o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, por crime de calúnia. Para Moro, Santa Cruz fez declarações que constituem crime contra sua honra. A representação foi protocolada com base em uma entrevista do advogado para Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo.

Na entrevista, publicada em 26 de julho, Santa Cruz afirmou que Moro  “usa o cargo, aniquila a independência da Polícia Federal e ainda banca o chefe de quadrilha ao dizer que sabe das conversas de autoridades que não são investigadas”.

LEIA MAIS

Procuradoria Geral de Justiça instaura procedimento para apurar responsabilidade criminal do prefeito de Floresta em relação ao lixão

Diante das várias irregularidades constatadas pela equipe da Fiscalização Preventiva Integrada da Bacia do São Francisco em Pernambuco (FPI/PE) no lixão da cidade de Floresta, o procurador-geral de Justiça do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), Francisco Dirceu Barros, instaurou, ontem (1º), um procedimento investigatório criminal com o objetivo de apurar eventual responsabilidade criminal do prefeito de Floresta, Ricardo Ferraz, pelo crime de poluição, tipificado no artigo 54 da Lei de Crimes Ambientais (Lei Federal nº 9.605/98). A instauração desse tipo de procedimento é de responsabilidade do chefe do MPPE porque prefeitos detêm prerrogativa de foro na esfera criminal.

“É inadmissível, em pleno século 21, constatarmos a existência de lixões e com crianças vivendo em suas margens. As fotos revelam um absurdo inadmissível que exigem uma atuação forte e enérgica por parte das autoridades do Estado. Estamos elaborando um projeto com o presidente do TCE e Procuradoria Geral do Ministério Público de Contas com escopo elidir do nosso Estado os lixões. Há crimes ambientais e atos de improbidade por omissão que não serão toleradas pelo Ministério Público”, afirmou o procurador-geral de Justiça, Francisco Dirceu Barros.

A Procuradoria Geral de Justiça vai requisitar à Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) o envio de relatório de vistoria do lixão. Por meio da análise do documento, o Ministério Público pretende reunir evidências sobre os danos causados pelo lixão na saúde das pessoas, mortandade de animais e destruição da flora no terreno.

O procedimento investigativo também será enriquecido com informações oriundas da Promotoria de Justiça de Floresta, uma vez que a gestão municipal já celebrou um termo de ajustamento de conduta perante o MPPE comprometendo-se a retirar do lixão, com o pagamento de aluguel social e fornecimento de cestas básicas por seis meses, cerca de 50 pessoas que foram encontradas vivendo no local. Essas pessoas também serão incluídas no mercado de trabalho por meio da criação de cooperativa de coleta seletiva.

Fonte: MPPE

Caso Beatriz: “O que se tem feito para prender Alisson?”, questiona Sandro Romilton

Família de Beatriz cobra respostas sobre morte da garota (Foto: Blog Waldiney Passos)

O Caso Beatriz voltou a ser destaque na imprensa local nessa semana, novamente tendo Alisson Henrique de Carvalho no centro das atenções. O ex-funcionário do Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora é suspeito de apagar imagens das câmeras de segurança no dia em que Beatriz Angélica Mota foi morta, em 2015 e segue foragido.

LEIA TAMBÉM:

Caso Beatriz: “A impressão que eu tenho é que não estão fazendo é nada”, desabafa Lucinha Mota

Na quinta-feira (18) os pais de Beatriz receberam informações sobre a possível localização de Alisson. A Polícia Civil de Pernambuco, no entanto, não conseguiu localizá-lo na residência. A atuação da instituição de segurança foi criticada pelos pais da garota, conforme mostramos ontem.

Pai de Beatriz, Sandro Romilton conversou com o Blog Waldiney Passos e voltou a questionar a capacidade da Polícia Civil em continuar à frente do caso que completará quatro anos em dezembro.

LEIA MAIS

Decisão do STF sobre suspensão de investigação beneficia Flávio Bolsonaro

Flávio é investigado por movimentações atípicas enquanto deputado estadual (Foto: Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, determinou nessa terça-feira (16) a suspensão de processos em todo o país que tenham como base dados fiscais compartilhados pelo Fisco, Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e Banco Central, sem autorização prévia da Justiça.

A decisão beneficia o filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), Flávio Bolsonaro (PSL). O senador do Rio de Janeiro é investigado desde o início do ano por movimentações financeiras atípicas envolvendo seu ex-assessor Fabrício Queiroz.

Em abril o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro autorizou a quebra de sigilo do senador e de outros 90 alvos ligados a ele e ao antigo gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Estado. De acordo com a defesa de Flávio, a investigação é suspensa já que o Coaf antecipou a autorização judicial  de quebra de sigilo bancário.

O Coaf suspeita que Flávio mantinha no gabinete um esquema conhecido como “rachadinha”, quando os funcionários repassam ao parlamentar parte dos salários. “É de todo temerário do ponto de vista das garantias constitucionais que assistem a qualquer indiciado ou a qualquer pessoa sob investigação do Estado”, justificou Toffoli. (Com informações Infomoney).

Polícia Civil prende mais um suspeito de assassinar vereador de Floresta

(Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Uma operação da Polícia Civil e Militar resultou na prisão de um dos suspeitos de matar o vereador de Floresta, Beto Souza. Willian Pereira da Silva, mais famoso como Batatinha foi preso na segunda-feira (27), foragido em Caruaru (PE). Contra ele havia um mandado de prisão provisório emitido na comarca de Floresta.

LEIA TAMBÉM:

Vereador de Floresta é assassinado em emboscada

De acordo com a polícia, Willian fugiu para Caruaru após cometer um duplo homicídio em 22 de agosto de 2018, contra dois assessores parlamentares: Marcos da Silva e José Mario Lajedo. Durante o cumprimento do mandado de prisão a polícia apreendeu diversos produtos ilícitos, entre eles uma pistola .40, um revólver .38 e munição para fuzil.

Além de Beto Souza, Vanderlanio Clesio, amigo do vereador que estava com ele no dia do crime. O duplo homicídio foi registrado em 17 de março, após ser emboscado na zona rural da cidade. Um outro suspeito de participar do assassinato foi preso em abril, em Alagoas.

Receita Federal vai criar equipe especial para investigar declarações fiscais de Flávio Bolsonaro

(Foto: Internet)

A Receita Federal vai criar uma equipe especial para investigar as declarações fiscais do senador Flávio Bolsonaro (PSL), do seu ex-assessor Fabrício Queiroz e de mais 93 pessoas que tiveram seus sigilos bancário e fiscal quebrados por ordem da 27ª Vara Criminal do Rio.

De acordo com o Jornal O Globo, o grupo deverá fazer “aranhas” das movimentações consideradas atípicas. Ou seja, vai mapear a origem e o destino final das transações financeiras. A investigação busca apontar vínculos entre os envolvidos, para compreender o caminho do dinheiro.

A movimentação atípica nas contas de Flávio foi apontada pelo Coaf no final de 2018 e na semana passada o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro determinou a quebra do sigilo bancário de Bolsonaro e Queiroz.

“Escorreguei, ele caiu e fui para casa”, diz mãe de bebê encontrado afogado em lagoa de Juazeiro

Corpo do bebê foi encontrado boiando em uma lagoa. (Foto: Reprodução/WhatsApp)

Nessa segunda-feira (20), o corpo de um bebê de um ano foi encontrado por populares boiando em uma lagoa, nas proximidades do Residencial São Francisco, em Juazeiro (BA).

Após investigações, a polícia apresentou Marília Santos Silva, mãe da criança, na delegacia. Segundo a genitora da vítima, ela teria saído para caminhar com o bebê, quando escorregou e o menino caiu na lagoa.

LEIA TAMBÉM

Juazeiro: Corpo de criança é encontrado em lagoa próximo ao Residencial São Francisco

Ao invés de pedir ou prestar ajuda, Marília simplesmente foi para casa. Questionada sobre o motivo de não ter voltado para salvar o bebê, a mãe afirmou que ficou “agoniada sem saber para onde ir”.

Arcoverde: Polícia Civil prende duas pessoas por envolvimento em morte de professor

Duas pessoas foram presas na quarta-feira (15) suspeitas de envolvimento na morte do professor Henry Pereira da Silva, gestor da Escola Monsenhor José Kerhle, na cidade de Arcoverde. Segundo a Polícia Civil, assim que o crime tornou-se público as equipes deram início a investigação e prenderam André Vilela dos Anjos.

Ele foi flagrado por câmeras de monitoramento saindo da residência da vítima, que foi incendiada. O corpo do professor foi encontrado carbonizado. De acordo com a polícia, André tinha um relacionamento amoroso com Henry, tendo acesso a residência onde aconteceu o crime.

A perícia feita pelo Instituto Médico Legal (IML) apontou que o professor Henry foi asfixiado, golpeado na nuca e queimado vivo. André foi visto saindo com bolsas contendo objetos roubados da residência e a polícia acredita que Ayanne Santos de Freitas Bezerra atuou como olheira, dando cobertura para que o suspeito executasse o crime. Ela também foi presa.

Polícia Civil de Petrolina investiga homicídio que vitimou jovem nesta sexta-feira

(Foto: Divulgação)

Em nota enviada ao Blog Waldiney Passos, a Polícia Civil de Pernambuco informou que está investigando o homicídio que vitimou Jessilio Gabriel Ferreira de Andrade Sá, de 23 anos.

LEIA TAMBÉM:

Corpo é encontrado próximo ao Residencial Vivendas, em Petrolina

O corpo do Jovem foi encontrado na manhã desta-sexta-feira (3), em uma estrada vicinal, que dá acesso à zona rural de Petrolina (PE).

“O corpo da vítima foi encaminhado ao IML para perícia. Foi instaurado inquérito policial para investigar o caso e identificar o autor do crime. O caso está sob o comando de Delegacia de Petrolina”, diz um trecho da nota.

Polícia Civil está investigando suposto ataque a colégio de Juazeiro

Esse é o segundo caso investigado pela Polícia Civil na cidade (Foto: Reprodução/Google Maps)

A comunidade escolar de Juazeiro (BA) amanheceu em alerta, após novos áudios divulgados em grupos de WhatsApp trazerem novas ameaças a ataques ao Colégio Dínamo, localizado no Centro da cidade. Por precaução a direção suspendeu as aulas dessa quinta-feira (4) e acionou a Polícia Civil.

LEIA TAMBÉM:

Áudio sobre suposto ataque em colégio de Juazeiro faz instituição suspender aulas nessa quinta-feira

Segundo a delegada da 17ª Coorpin, Lígia Nunes de Sá, a polícia já está ciente do fato e iniciou as investigações sobre esse fato. Questionada pela produção do Blog a delegada disse não poder comentar se os autores das ameaças são ou não alunos do colégio, para não atrapalhar o trabalho das equipes.

LEIA MAIS

Petrolina: rondas da Polícia Militar são intensificadas no entorno da Escola Humberto Soares; Polícia Civil investiga suposto ataque

(Foto: Reprodução/WhatsApp)

Uma troca de mensagens sobre um suposto ataque no Colégio Modelo, em Juazeiro (BA), e na Escola Estadual Humberto Soares, em Petrolina (PE), deixou a população do Vale do São Francisco apavorada, na manhã desta segunda-feira (18).

A conversa realizada em um grupo de WhatsApp revelava um plano de ataque nas duas unidades de ensino, semelhante ao ocorrido em Suzano (SP), na semana passada, que deixou 10 mortos. Em Juazeiro (BA), a PM destinou uma guarnição para fazer a segurança de estudantes e funcionários da escola. A polícia Civil identificou os responsáveis pelas ameaças, e agora, trabalha para localizar os acusados.

LEIA TAMBÉM:

Polícia Militar mantém policias fardados e à paisana no Colégio Modelo, Civil já identificou responsáveis por ameaças

Em nota a Secretaria de Educação e Esportes do Estado de Pernambuco, informou que não foi registrada nenhuma ocorrência sobre o suposto ataque contra a Escola Estadual Humberto Soares. Ainda de acordo com a nota, a Polícia Militar intensificou a ronda no entorno da unidade de ensino, e as aulas estão acontecendo normalmente.

LEIA MAIS

Polícia Civil divulga novos retratos falados de suspeitos por agulhadas no Carnaval

(Foto: Reprodução/Jornal do Commercio)

Nesta segunda-feira (11) a Polícia Civil de Pernambuco divulgou outros retratos falados dos suspeitos de serem responsáveis por furar foliões com agulhas durante o Carnaval em Olinda no domingo (3) e segunda (4).Ainda de acordo com informações da polícia, uma mulher também é suspeita de envolvimento com o caso, mas por enquanto não há retrato falado para divulgar.

LEIA TAMBÉM:

Polícia Civil de Pernambuco abre inquérito para investigar casos de “agulhadas” durante carnaval

Polícia Civil de Pernambuco divulga retrato falado de suspeito de usar agulha para furar foliões

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), até a última sexta (8), ao menos 190 pessoas alegaram terem sido vítimas das ‘agulhadas’ no período carnavalesco. Desse total, após triagem no Hospital Correia Picanço, no Recife (PE), onde estão sendo recebidos pacientes deste caso, 140 foram indicados para iniciarem o tratamento de prevenção contra a infecção pelo HIV.

LEIA MAIS

Inquérito sobre acidente de Eduardo Campos é arquivado sem conclusão

Quatro hipóteses foram investigadas no acidente.

O Ministério Público Federal (MPF) arquivou o inquérito que apurava as causas do acidente aéreo que matou o ex-governador de Pernambuco e então candidato à Presidência Eduardo Campos.

O jatinho que levava Eduardo caiu em agosto de 2014 em uma área residencial de Santos (SP). Outras seis pessoas morreram na tragédia: o piloto, o copiloto e quatro integrantes da equipe de campanha.

De acordo com o MPF, devido falta ou ao não funcionamento de alguns equipamentos na cabine de comando do avião, não foi possível chegar a alguma conclusão sobre as razões do acidente.

A falta de conclusões do inquérito afasta a possibilidade de qualquer responsabilização criminal. Os afetados podem, no entanto, usar os elementos do inquérito em pedidos de indenização na esfera cível.

LEIA MAIS

MPF arquiva inquérito sobre acidente que matou Eduardo Campos

O Ministério Público Federal (MPF) arquivou o inquérito que apurava as causas do acidente aéreo que matou o ex-governador de Pernambuco e candidato à Presidência, Eduardo Campos (PSB). O jatinho caiu numa área residencial de Santos (SP), em agosto de 2014.

No entendimento do MPF não foi possível definir as razões do acidente devido à falta ou ao não funcionamento de alguns equipamentos na cabine de comando do avião. O gravador de vozes, que poderia ter registrado os diálogos do piloto e copiloto, não estava funcionando.

De acordo com os procuradores, o equipamento é obrigatório para aeronaves do tipo, mas o dispositivo tinha feito o último registro em janeiro de 2013, mais de um ano antes da queda. A falta de conclusões do inquérito afasta ainda a possibilidade de qualquer responsabilização criminal. Além de Campos, mais seis pessoas morreram na tragédia: o piloto, o copiloto e quatro integrantes da equipe de campanha.

LEIA MAIS
123