Miguel Coelho deve assinar ordem de serviço para construção de Central de Produtos Orgânicos

(Foto: Internet)

Uma estrutura será construída em Petrolina para potencializar a comercialização de produtos orgânicos. A ordem de serviço para início das obras será dada pelo prefeito Miguel Coelho, mas ainda não tem data definida.

A Central de Comercialização de Produtos Orgânicos dará suporte aos produtores desse segmento. Para a construção do equipamento serão investidos R$ 260 mil numa parceria da Prefeitura de Petrolina e a Codevasf. A expectativa é de que a obra seja concluída até outubro.

Juazeiro: Feira de Orgânicos terá suas atividades suspensas nesta quinta

(Foto: ASCOM)

A Prefeitura de Juazeiro, através da Agência de Desenvolvimento Econômico, Agricultura e Pecuária em parceria com as associações dos produtores de orgânicos, informou que nesta quinta-feira (28), não haverá funcionamento da Feira de Orgânicos do Vale, devido aos festejos de final do ano.

A feira que acontece todas as quintas-feiras das 16h às 20h, na Orla 2 de Juazeiro, retornará suas atividades a partir da próxima semana, dia 04 de janeiro.

Petrolina: Aberta inscrições gratuitas para seminário sobre Soluções Tecnológicas e Tratamento dos Resíduos Orgânicos

(Foto: Internet)

Na próxima quinta-feira (19), Petrolina sediará o 1º Seminário de Soluções Tecnológicas e Tratamento dos Resíduos Orgânicos. A iniciativa, que acontecerá no auditório da Unidade de Negócios do SEBRAE Sertão do São Francisco, tem como objetivo levar conhecimento sobre soluções eficazes na preservação ambiental.

O evento é uma realização da Prefeitura de Petrolina, por intermédio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Agrário e com o apoio do Sebrae e da Fundação Mokiti Okada. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo telefone: (87) 3862-2557.

LEIA MAIS

Juazeiro: Feira de Orgânicos do Vale é aberta com aprovação do público

De acordo com a consumidora Odete Amorim, a feira é uma grande conquista para o município. (Foto: ASCOM)

A Feira de Orgânicos do Vale foi aberta nesta quinta-feira (28), na Praça Santiago Maior, centro de Juazeiro, em  um espaço dedicado à comercialização de frutas, verduras e hortaliças orgânicas. Com periodicidade semanal, todas as quintas-feiras, das 16h às 20h a Feira é uma realização da Prefeitura Municipal, através da Agência de Desenvolvimento Econômico, Agricultura e Pecuária, em parceria com a Associação de Produtores de Orgânicos do João Paulo II e a Associação de Produtores e Produtores de Orgânicos de Vale do São Francisco (APROVASF).

Para o secretário de Desenvolvimento Econômico, Agricultura e Pecuária, Tiano Felix, essa é oportunidade de valorizar o setor. “Temos um grande número de produtores de orgânicos na região e a feira veio para fomentar e contribuir para o crescimento e potencialização do setor. A prefeitura através da ADEAP tem como meta, oportunizar o desenvolvimento agrícola do município, e diante disso idealizou a feira de orgânicos que além de contribuir para a pujança da atividade, oferece produtos de qualidade à população”, informou.

A presidente da APROVASF, Alzira Santana, afirmou que a Feira está dando visibilidade aos produtos e a agricultura orgânica da região. “O grupo de produtores de orgânicos embora pequeno, está fazendo uma diferença na agricultura do Vale do São Francisco, com agricultura orgânica limpa e saudável. Hoje cada vez mais as pessoas querem cuidar da saúde, fugir do químico, do convencional para ter uma qualidade de vida melhor”, destacou.

LEIA MAIS

Inicia nesta quarta o cadastramento de produtores orgânicos de Juazeiro e região

(Foto: Internet)

A Agência de Desenvolvimento Econômico, Agricultura e Pecuária (ADEAP) em parceria com a Certificadora ABC Orgânico, informa aos produtores de orgânicos de Juazeiro e região, que a partir desta quarta-feira (07), das 08h às 12h e das 14h às 18h, na sede da ADEAP (Rua Oscar Ribeiro, nº 110, Centro), terá inicio o cadastramento para o processo de certificação dos produtores que pretendem tornar seus produtos aptos a serem comercializados.

Após o cadastramento, os dados serão encaminhados à certificadora (responsável pelo monitoramento e auditoria dos produtores cadastrados). De acordo com o superintendente de agricultura da Agência, Jefferson Gonçalves, a certificação será participativa, onde o produtor poderá agregar mais valor ao produto, com baixo custo (R$ 17,00 mensal).

“Essa certificação atuará em grupos de produtores, através do monitoramento mútuo para comprovar se os mesmos estão adequados, bem como através da avaliação da certificadora. Após esse processo e comprovando toda regularidade, a ABC emitirá o certificado atestando que os produtos estão aptos a serem comercializados como orgânicos”, explicou Jefferson.

A Agência de Desenvolvimento Econômico, Agricultura e Pecuária do município informa que está em andamento o projeto para realização semanal da ‘Feira Orgânica do Vale’. “A certificação é uma oportunidade de legalizar, valorizar e ampliar o setor orgânico da nossa região”, explicou a secretária Maraiza Carvalho. Para a realização do cadastro, os produtores deverão estar munidos dos documentos pessoais (RG e CPF), comprovante de residência e cópia do cadastramento da terra.

Sesc retoma feira de orgânicos em Petrolina

(Foto: Divulgação/Ascom)

Todas as quintas-feiras, das 12h às 16h, o Sesc Petrolina, promove a feira de produtos orgânicos no prédio da instituição. É possível encontrar frutas, verduras e legumes orgânicos.

A feira acontece 2016, e é fruto de uma parceria entre o Sesc e a Associação dos Produtores Orgânicos do Vale do São Francisco (Aprovasf), a feira voltou a ser realizada neste mês de março após um período de recesso.

No espaço é possível encontrar macaxeira, banana, feijão, goiaba, coco, acerola, além de outras frutas e hortaliças, que são vendidos a preços populares, diretamente pelos agricultores familiares. Outras informações através do telefone (87) 3866-7474.

Orgânicos do Vale do São Francisco ganham mercado europeu

Frutas também são destaque nos produtos orgânicos plantados na região./ Foto: arquivo

Frutas também são destaque nos produtos orgânicos plantados na região./ Foto: arquivo

Comida saudável, sem agrotóxico e cultivada com agressão zero ao ecossistema. É para atender a esse paladar ambientalmente correto cujo mercado cresce 30% ao ano que o cultivo de produtos orgânicos vem se consolidando em projetos públicos de irrigação da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), principalmente em Petrolina (PE).

São 54 irrigantes dedicados exclusivamente a essa produção num cardápio onde o carro-chefe é a manga orgânica, mas que também inclui hortaliças, acerola, goiaba, maracujá e mamão. “A cadeia de hortaliças está bem consolidada. O foco agora é a fruticultura, principal produto nos projetos da Codevasf”, explica o engenheiro agrônomo Osnan Soares Ferreira, gerente regional de Revitalização da Codevasf em Petrolina.

LEIA MAIS

Projeto que coíbe falsos orgânicos é debatido na Comissão de Meio Ambiente

alepe

O tema ainda deve voltar à comissão antes que seja emitido parecer sobre a proposição./ Foto: Alepe

Reunião extraordinária da Comissão de Meio Ambiente, nesta terça (9), terminou sem posição do colegiado acerca do Projeto de Lei n° 769/2016. Discutida nos termos de seu Substitutivo nº 01, a matéria de autoria do deputado Miguel Coelho (PSB), que estava na pauta de votação, quer regulamentar as feiras de produtos orgânicos em Pernambuco, com a pretensão de dificultar o comércio de itens que não cumpram com requisitos para fazer jus à classificação. A proposição já havia sido retirada da pauta do colegiado em junho, quando os deputados consideraram que regras contidas no texto poderiam ser demasiado desfavoráveis a pequenos produtores rurais. Na reunião desta tarde, especialistas foram ouvidos sobre o tema, mas não se formou consenso sobre a redação da norma.

Relator da proposta, o deputado Henrique Queiroz (PR) quer apresentar novo substitutivo ao projeto, para suprimir os trechos que citam a necessidade de cadastro dos produtores junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Auditor fiscal do órgão em Pernambuco, Vladimir Guimarães explicou que a exigência já existe na legislação federal acerca da atividade. “A produção orgânica está devidamente regulamentada na legislação federal, a que inclusive a proposição faz referência. Aqui estamos tratando apenas de matéria regulamentar, sobre detalhes da comercialização”, elucidou.

LEIA MAIS

Toda quarta: Petrolina ganha mais um dia de feira de orgânicos

hotaliças orgânicos

Semanalmente, os visitantes da feira poderão adquirir os alimentos em sete barracas de vendas./ Foto: internet

Alimentos mais nutritivos e livres de agrotóxicos podem ser encontrados a preço justo todas as quartas-feiras nas dependências do Sesc Petrolina, Sertão de Pernambuco. Itens como banana, alface, laranja, macaxeira e até feijão são comercializados diretamente pelo agricultor familiar. A iniciativa, que funciona das 12h às 16h, é uma parceria entre os Produtores Orgânico do Vale do São Francisco (Aprovasf).

Semanalmente, os visitantes da feira poderão adquirir os alimentos em sete barracas de vendas. Os itens são produzidos por sete agricultores e a iniciativa já beneficiou aproximadamente 200 pessoas. “Nosso objetivo é proporcionar uma alimentação saudável com produtos variados e de qualidade e, além disso, estimular o trabalho dos pequenos produtores”, explicou a coordenadora de Sustentabilidade Ambiental do Sesc, Elisabete Lacerda.

Serviço:

Feira de Orgânicos

Local: Sesc Petrolina – Rua Pacífico da Luz, n° 618

Dia: todas as quartas-feiras

Horário: 12h às 16h

 

Alepe: justiça aprova projeto de lei para regulamentar feiras de produtos orgânicos

hotaliças orgânicos

Se preencher os requisitos, o fornecedor será autorizado a distinguir seus produtos com um selo que facilitará a identificação dos orgânicos pelo consumidor./ Foto: arquivo

Buscando combater o comércio de falsos produtos orgânicos nas feiras do Estado, a Comissão de Justiça aprovou, nesta terça (14), o Projeto de Lei n° 769/2016, que estabelece regras a serem cumpridas por comerciantes desse tipo de alimento. A proposta, que recebeu um substitutivo do colegiado, visa coibir a venda de produtos que, apesar de serem assim denominados, não cumprem com os requisitos estabelecidos pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para terem direito a essa classificação.

Proposta pelo deputado Miguel Coelho (PSB), a matéria determina que, para comercializar alimentos com essa nomenclatura, os produtores devem possuir o Certificado de Conformidade Orgânica, documento emitido por órgãos de controle credenciados pelo Mapa. A certificação garante que o alimento atende a critérios como: emprego de métodos culturais, biológicos e mecânicos, em contraposição ao uso de materiais sintéticos; eliminação do uso de organismos geneticamente modificados; e uso de recursos naturais e socioeconômicos que respeitem a integridade cultural das comunidades rurais.

LEIA MAIS