Moro segue sendo o ministro mais bem avaliado do governo Bolsonaro

Sérgio Moro segue sendo o ministro mais bem avaliado no governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL). O ex-juiz da Operação Lava-Jato tem 54% de aprovação entre os eleitores pesquisados pelo Instituto Datafolha. O número mais recente é praticamente estável, quando comparado aos 55% que Moro teve em julho.

A avaliação positiva do titular da pasta da Justiça se mantém mesmo após os contínuos vazamentos de conversas entre Moro e integrantes da Lava Jato e supera em 25 pontos a aprovação do presidente Bolsonaro, de 29%. Em seguida aparece Paulo Guedes, da Economia, com 38%.

Tarcísio de Freitas (Infraestrutura), com 36%, completa o pódio dos mais bem avaliados. Envolvido nas recentes polêmicas sobre a Amazônia, o ministro de Meio Ambiente, Ricardo Salles e o da Educação, Abraham Weintraub possuem porcentagem próxima a de Bolsonaro, na casa dos 29%. O Datafolha entrevistou 2.878 pessoas, em 175 municípios de todas as regiões do País.

Desaprovação de Bolsonaro cresce em nova pesquisa

Bolsonaro tem trabalho reprovado por eleitores

A desaprovação do presidente Jair Bolsonaro (PSL) cresceu. É o que indica o novo levantamento realizado pelo CNT/MDA, publicada nessa segunda-feira (26). Segundo a pesquisa, a desaprovação de Bolsonaro subiu para 53,7%, contra 28,2% em fevereiro.

Enquanto a desaprovação cresceu, a aprovação do presidente caiu. Antes 57,5% avaliavam como positivo o governo de Bolsonaro, agora são 41%. Não quiseram ou não souberam opinar totalizam R$ 5,3% dos entrevistados.

Avaliação negativa também no governo

A pesquisa também questionou aos entrevistados como eles avaliam o governo do atual presidente. Com alta de 20 pontos, 39,5% dizem ser negativo o trabalho de Bolsonaro. Já quem avalia como positivo diminuiu, caiu de 38,9% em fevereiro para 29,4% agora.

A avaliação regular do governo é de 29,1% e 2% não souberam responder. O levantamento ouviu 2.002 entrevistados entre os dias 22 e 25 de agosto, em 137 municípios de 25 Unidades da Federação. A margem de erro é de 2,2 pontos  percentuais. (Com informações do JC Online).

Pesquisa indica que 87% das pessoas acham conta de luz cara no Brasil

(Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Um levantamento feito pela Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel) em parceria com o Ibope, mostrou que 79% dos entrevistados gostaria de ter um mercado livre para escolher a sua fornecedora de energia. O percentual é 10% maior do que o obtido na avaliação de 2018. Segundo a Pesquisa de Opinião Pública 2019 sobre o que o brasileiro pensa e quer do setor elétrico, lançada hoje (12) na capital paulista, 68% dos entrevistados trocariam hoje a sua fornecedora de energia.

LEIA MAIS

Desemprego no Brasil recua 0,7%, revela pesquisa do IBGE

(Foto: Ilustração)

A taxa de desocupação no Brasil, no trimestre encerrado em junho de 2019, ficou em 12% e a subutilização foi de 24,8%. Houve ligeira queda na comparação com o trimestre anterior, quando a desocupação estava em 12,7% e a subutilização em 25%. No mesmo período do ano passado, as taxas eram de 12,4% e 25,5%, respectivamente.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio – Contínua (Pnad Contínua), divulgada hoje (31), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). São 12,8 milhões de pessoas sem trabalho no país e 28,4 milhões que trabalham menos horas do que poderiam.

LEIA MAIS

Pesquisa revela que 97% dos internautas buscam informações on-line antes de comprar em lojas físicas

(Foto: Ilustração)

Se antigamente havia uma diferenciação mais concreta entre o on-line e o off-line nas estratégias de venda do comércio, a crescente integração entre os dois meios tem diluído cada vez mais essa fronteira. Pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) para investigar o perfil e os hábitos de compra de consumidores digitais das 27 capitais brasileiras indica que 97% buscam informações na internet antes de comprar em lojas físicas, principalmente quando se trata de eletrodomésticos (59%), celulares e smartphones (57%) e eletrônicos (50%).

Enquanto isso, 84% dos entrevistados afirmaram fazer o caminho inverso, pesquisando primeiro em lojas físicas antes de finalizar as compras on-line. Os eletrodomésticos também ocuparam o topo do ranking nessa categoria (43%), seguidos por celulares e smartphones (41%), vestuário (34%) e eletrônicos (34%). A liderança pode ser explicada pela opinião dos consumidores quanto à experiência de compra: metade deles (51%) acredita que as lojas físicas oferecem melhor demonstração do produto. Outras categorias em que as lojas físicas levaram a melhor foram a facilidade para negociação de preços (56%) e para trocas (62%).

Por outro lado, os sites e aplicativos de lojas conquistaram o coração dos compradores em 13 das 15 categorias apresentadas, sobretudo por oferecer melhores preços (74%), maior flexibilidade nos horários de compra (72%) e maior comodidade (69%).

Datafolha: propostas de Bolsonaro para o trânsito são rejeitadas por eleitores

Eleitores não concordam com mudanças

O Datafolha fez uma pesquisa para saber o que os eleitores brasileiros acham das mudanças propostas pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) para o trânsito. O levantamento aponta que a não obrigatoriedade do uso de cadeirinhas em veículos é o ponto mais impopular.

68% dos entrevistados rejeitam a mudança. Hoje, crianças de até sete anos devem ser transportadas sentadas em cadeirinhas.  O projeto de flexibilização das leis de trânsito prevê ainda a imposição de advertência por escrito para o transporte sem cadeirinha.

LEIA TAMBÉM:

Governo Federal apresenta proposta de mudança no Código de Trânsito Brasileiro

A oposição ao fim da multa para esta infração chega a 70% no estrato dos entrevistados habilitados a dirigir. Outros 67% refutam a ideia de retirar os radares em rodovias federais. Ainda segundo o Datafolha, 41% dos entrevistados disse acreditar que o projeto do governo vai tornar o trânsito mais violento.

LEIA MAIS

Pesquisa realizada por estudantes da Facape investiga motivadores de ansiedade dos Petrolinenses

(Foto: Ilustração)

As redes sociais têm influência na ansiedade dos usuários? As pessoas percebem com facilidade os sinais de quando estão ansiosas? Quais são os fatores determinantes que causam esse mal? Essas foram algumas das perguntas que alunos do 6º período do curso de Administração da Facape buscaram responder em uma pesquisa realizada em junho deste ano. Orientados pelo professor Inácio Loyola, que ministra a disciplina Pesquisa de Marketing, os estudantes percorreram 20 bairros de Petrolina (PE) e consultaram 360 pessoas acerca do assunto. O estudo mostrou que a cidade vem sendo afetada pela ansiedade, 85,28% das pessoas afirmaram já ter vivenciado momentos de ansiedade.

A pesquisa contou com 20 alunos, que entrevistaram 18 pessoas cada, em ruas intercaladas de bairros da cidade, selecionadas por sorteio. Na amostra, 50% dos consultados eram do sexo masculino e 50% do sexo feminino, divididos em três faixas etárias: 18 a 26 anos, 27 a 50 anos e mais de 51 anos. Estudantes de Ensino Médio compuseram a maior fatia dos entrevistados,  seguidos por comerciários. A renda média familiar dos participantes é entre 2 a 3 salários mínimos.

LEIA MAIS

Datafolha: 47% são favoráveis à reforma da Previdência

Uma pesquisa do Datafolha, publicada nessa terça-feira (9) aponta que 44% dos brasileiros são contrários à reforma da Previdência, enquanto 47% são a favor da principal proposta do governo de Jair Bolsonaro (PSL) no seu início de mandato.

O levantamento foi realizado a pedido do jornal Folha de São Paulo, entre os dias 4 e 5 de julho. Dos 2.086 entrevistados, 6% não souberam opinar e 3% ficaram indiferentes à reforma. A pequisa foi feita em 130 cidades do país.

A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos. O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro. Um dado importante é que, na pesquisa anterior do instituto em abril, 51% eram a favor, 41% contra. (Com informações do G1).

Projeto realiza implantação de sistema de agrofloresta no campus Petrolina Zona Rural

(Foto: Divulgação)

Plantas nativas da Caatinga, espécies frutíferas e de ciclo curto convivendo harmoniosamente na mesma área. Essa é a ideia principal do sistema de agrofloresta, que teve uma unidade demonstrativa implantada no campus Petrolina Zona Rural do IF Sertão-PE, através de um projeto de extensão.

O sistema agroflorestal é um modelo de cultivo milenar, que permite que o produtor tenha várias colheitas por ano de diversos produtos e ao mesmo tempo mantenha a sustentabilidade do ecossistema. “O sistema de fato visa imitar uma floresta, o solo é todo coberto por plantas espontâneas e matéria orgânica e as plantas vão crescendo juntas, uma ajudando a outra. Temos também uma menor incidência de pragas e doenças, porque tem vários inimigos naturais na área”, explicou a orientadora do projeto, professora Luciana Oliveira.

Na área cultivada no campus Petrolina Zona Rural, instalada há cerca de um ano, as espécies nativas como angico, caatingueira, mulungu, caraibeira, tamboril, juazeiro, umbuzeiro, baraúna e macaúba estão em consórcio com pés de banana, mamão, pinha, abacaxi, cana-de-açúcar, abóbora, melancia e melão. É priorizada a utilização de sementes crioulas, sem o uso de agrotóxicos, apenas adubação com produtos da agricultura orgânica. “As plantas vivem em perfeita harmonia, ocupando diversos estratos tanto de forma horizontal, como também em relação ao espaço vertical, de forma que a energia solar seja melhor aproveitada pelas diferentes espécies no processo de fotossíntese”, afirmou Luciana.

LEIA MAIS

Pesquisa do Ibope afirma que 73% dos brasileiros são contrários a flexibilização do porte de arma

Decreto de Bolsonaro será analisado nessa semana no Senado (Foto: Blog Waldiney Passos)

O Ibope divulgou uma pesquisa nessa segunda-feira (3) afirmando que 73% dos entrevistados são contrários à flexibilização do porte de arma para cidadãos comuns. O levantamento foi realizado entre 16 e 19 de março, em 143 municípios e foram ouvidas 2.002 pessoas.

26% dos entrevistados são favoráveis e 1% não soube opinar ou não respondeu, segundo o Ibope. O apoio maior segue entre os homens, 34%. Entre as mulheres, cai para 18%. De acordo com a região do País, a aprovação se destaca no Norte/Centro-Oeste: 34%.

Os números vão caindo, respectivamente, nas regiões Sul: 29%, Nordeste: 27% e Sudeste, agora na última posição, com 22%. A pesquisa também questionou a respeito da posse de armas: 61% dos entrevistados são contrários; 37% são favoráveis e 2% não souberam opinar ou não responderam.

O instituto ouviu 2.002 pessoas em 143 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos. (Com informações do Diário de Pernambuco).

59% dos brasileiros veem reforma da Previdência como necessária, segundo pesquisa

Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) afirma que 59% dos brasileiros é favorável a reforma da Previdência. O levantamento apresentado hoje (8) indica que seis a cada 10 cidadãos veem a matéria como necessária, já 36% discordam da necessidade da reforma.

A percepção de que as mudanças são imprescindíveis é maior entre os homens, com ensino superior e renda familiar acima de cinco salários mínimos, informa o CNI que contratou o Ibope para realizar a pesquisa.  63% dizem que é preciso fazer a reforma da previdência.

Já entre as mulheres, o porcentual cai para 54%. As mudanças são necessárias para 68% dos entrevistados com ensino superior e para 73% dos que têm renda familiar acima de cinco salários mínimos.

LEIA MAIS

35% consideram governo de Bolsonaro ótimo, segundo Ibope

(Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)

35% dos brasileiros consideram o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) “Ótimo ou bom”. O dado foi obtido na mais nova pesquisa realizada pelo Ibope, encomendada pela Confederação Nacional de Indústria (CNI), divulgada nessa quarta-feira (24).

Segundo a pesquisa, 27% dos entrevistados classificaram como “ruim ou péssimo” e outros 31% consideram a gestão “regular”. Dos demais, 7% não sabem ou não responderam.

Maneira de governar

Quanto a maneira do presidente Bolsonaro governar, 51% dos entrevistados disseram que aprovam, 40% desaprovam e 9% não sabe ou não responderam. No quesito confiança, 51% afirma que confia no presidente, 45% não confia e 4% não sabe ou não respondeu.

Áreas

Por áreas, Bolsonaro tem seu governo mais bem aprovado no quesito segurança pública, onde 57% disseram aprovar as ações e políticas do governo; educação (51%); e meio ambiente (48%). Na contramão, as áreas com piores índices são taxa de juros (57%) e impostos (56%).

O levantamento foi realizado entre os dias 12 e 15 de abril, com 2 mil pessoas, em 126 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.(Com informações do JC Online).

Pesquisa da Facape mostra que alta do feijão deve ser revertida

O tomate continua o movimento de aumento de preço iniciado em fevereiro. (Foto: Ilustração)

A cesta básica de alimentação, calculada pelo colegiado de Economia da Facape, apresentou, na comparação entre fevereiro e março de 2019, inflação de 7,27% em Petrolina (PE) e 5,16% em Juazeiro (BA).

A pesquisa estima o custo da cesta básica em R$ 341,29 para Petrolina e R$ 341,94 para Juazeiro no mês de março. Isso significa que um trabalhador do Vale de São Francisco gasta 34,2% de um salário mínimo com os alimentos básicos, restando R$ 656,38 para despesas relacionadas a moradia, transporte, vestuário, saúde e higiene.

Em Juazeiro, o preço da carne foi o que mais mostrou variação. Já em Petrolina, as maiores altas foram do Tomate, do Feijão e da Banana. O preço do Feijão vem subindo todos os meses desde novembro de 2018, porém o pico do crescimento se deu em fevereiro.

Em março o aumento do feijão foi menor, indicando que o ciclo de alta de preços está perto de se reverter. O aumento foi reflexo da redução de oferta devido a uma menor área plantada e às chuvas, que comprometeram a qualidade.

LEIA MAIS

Segundo Datafolha, 51% são contrários a reforma da Previdência

(Foto: Agência Brasil)

A proposta de reforma da Previdência enviada ao Congresso pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) é rejeitada por 51% dos brasileiros. Outros 41% apoiam a medida, segundo uma pesquisa do Instituto Datafolha divulgada nesta quarta-feira (10).

O resultado foi divulgado na Folha de São Paulo e afirma que, maior parte da população é contrária a idade mínima imposta para a aposentadoria. Entre os entrevistados, 65% disseram ser contra a idade mínima de 62 anos para as mulheres, 53% se opuseram à idade de 65 anos para os homens.

Menor rejeição

Segundo os dados da pesquisa, mesmo com a rejeição ainda forte, a proposta de Bolsonaro é mais aceita que a de Michel Temer (MDB). Em 2017, às vésperas de o texto ser votado por comissão especial da Câmara, segundo a Folha, 71% rejeitavam a reforma.

O Datafolha entrevistou 2.086 brasileiros com 16 anos ou mais, em 130 municípios em todo o Brasil, nos dias 2 e 3 de abril. A pesquisa tem margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. (Com informações de Band).

“Não vou perder tempo para comentar pesquisa do Datafolha”, diz Bolsonaro

(Foto: Internet)

Após o Datafolha divulgar uma pesquisa afirmando que Bolsonaro seria o presidente pior avaliado nos três primeiros meses de gestão desde a redemocratização, o chefe do Executivo Nacional afirmou que não iria perder tempo em se manifestar sobre o levantamento do instituto.

LEIA TAMBÉM

30% avaliam governo de Bolsonaro como ruim ou péssimo, segundo Datafolha

“Datafolha? Não vou perder tempo para comentar pesquisa do Datafolha, que diz que eu ia perder para todo mundo no segundo turno”, afirmou o Presidente da República. A pesquisa mostra ainda uma aprovação a favor de Bolsonaro de 65% entre bom, ótimo ou regular.

O instituto ouviu 2.086 pessoas com mais de 16 anos em 130 municípios nos dias 2 e 3 de abril. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, segundo o Datafolha.

123