Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Segundo pesquisa, apenas carne e leite não aumentaram de preço em fevereiro

em fevereiro, a cesta básica foi de R$ 325,16 em Juazeiro e R$ 318,17 em Petrolina. (Foto: Internet)

O Índice da Cesta Básica, realizado pelo colegiado do curso de Economia da Facape, apresentou, na comparação do mês de janeiro com fevereiro de 2019, inflação de 5,20% em Juazeiro (BA) e de 7,11% em Petrolina (PE). Considerando as informações das duas cidades, a inflação geral no período foi de 6,14%.

Isso indica que um trabalhador do Vale do São Francisco que recebeu um salário mínimo de R$ 998,00, gastou 32,2% da renda com a compra de produtos da cesta básica, restando R$ 676,33 para gastar com as demais despesas.

Com exceção da carne e do leite integral, todos os demais produtos aumentaram no período de análise. O feijão carioca e a banana, em Petrolina, e o feijão e o tomate, em Juazeiro, tiveram grande contribuição para o aumento do custo da cesta básica nas duas cidades.

LEIA MAIS

Pesquisa da CNT aponta que 11% dos entrevistados avaliam o governo de Bolsonaro como ótimo

(Foto: Marcelo Camargo/Arquivo/Agência Brasil)

Conforme pesquisa divulgada nesta terça-feira (26) pela CNT(Confederação Nacional do Transporte), a avaliação positiva do governo de Jair Bolsonaro (PSL) está em 39%, . Já a avaliação negativa ficou em 19%.

De acordo com a pesquisa CNT/MDA, a proporção de pessoas que considera a atual gestão ótima é de 11%. Outros 28% avaliaram o início de governo como bom.

LEIA MAIS

Pesquisa da Facape aponta aumento de 27% no preço do feijão em Juazeiro 

(Foto: Internet)

A pesquisa do custo da Cesta Básica realizada pelo colegiado do curso de Economia da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (Facape), apresentou, na comparação do mês de dezembro de 2018 e janeiro de 2019, deflação de -2,22% em Juazeiro (BA), e de -2,06% em Petrolina (PE). Considerando as informações das duas cidades, a deflação geral no período foi de -2,14%.

O maior aumento na pesquisa está no preço do feijão, que desde dezembro de 2018 já vinha apresentando elevação de preços e no mês de janeiro encerrou com forte alta de aproximadamente 19% em Petrolina. Em Juazeiro, este valor superou os 27%. A menor oferta e a redução da área plantada levaram a esta situação.

Os resultados da pesquisa apontam o custo da cesta básica no mês de janeiro de 2019 em R$ 309,08 para Juazeiro e R$ 297,04 em Petrolina. Isso indica que um trabalhador do Vale do São Francisco que recebe um salário mínimo de R$ 998,00 gastou 30,4% da renda com a compra de produtos da cesta básica. Sendo assim, restaram R$ 694,94 para gastar com as demais despesas relacionadas a moradia, transporte, vestuário, saúde e higiene.

40% dos eleitores aprovam governo de Bolsonaro

(Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

A primeira pesquisa avaliando o governo de Jair Bolsonaro (PSL) foi divulgada nessa quinta-feira (17). O levantamento foi encomendado  pela XP Investimentos em parceria com o Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe).

O levantamento concluiu que 40% dos entrevistados avaliam como boa ou ótima a gestão do novo presidente. Outros 20% classificaram como ruim ou péssimo o início do mandato e 29% consideram o início da gestão regular, enquanto 11% não souberam opinar ou não responderam.

A pesquisa foi realizada por telefone e ouviu mil pessoas, entre os dias 9 e 11 de janeiro. Aos entrevistados também foi perguntado qual a expectativa deles para o novo governo. 63% acreditam que o presidente fará um mandato ótimo ou bom, enquanto 15% consideram que será negativo. A margem de erro de 3,2 pontos percentuais.

Com informações de Band

Pesquisa aponta aumento de preço na cesta básica no mês de dezembro em Petrolina

Em Petrolina, quase todos os produtos tiveram aumento de preço.

O colegiado do curso de Economia da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (Facape) apresentou, na comparação do mês de dezembro de 2018 com dezembro de 2017, inflação de 8,33% em Juazeiro (BA) e de 3,05% em Petrolina (PE). Considerando as informações das duas cidades, a inflação no período foi de 5,68%.

A pesquisa do custo da cesta básica de alimentação estimou que um trabalhador do Vale do São Francisco que recebeu um salário mínimo de R$ 954,00, gastou 32,5% da renda com a compra de produtos da cesta básica. Isso significa que após a aquisição dos alimentos restaram R$ 644,31 para gastar com as demais despesas, tais como moradia, transporte, vestuário, saúde e higiene e serviços pessoais.

LEIA MAIS

Taxa de desemprego recua para 11,6% no trimestre encerrado em novembro

(Foto: Internet)

A taxa de desemprego no país ficou em 11,6% no trimestre encerrado em novembro deste ano. O índice é inferior aos 12,1% registrados no trimestre encerrado em agosto e aos 12% de novembro do ano passado. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com o levantamento, a população desocupada ficou em 12,2 milhões em novembro, 3,9% a menos (501 mil pessoas) que agosto e 2,9% abaixo (menos 364 mil pessoas) de novembro do ano passado.

A população ocupada, de 93,2 milhões, é a maior da série histórica, iniciada em 2012. O número de pessoas empregadas é 1,2% maior (mais 1,1 milhão de pessoas) que agosto e 1,3% maior (mais 1,2 milhão de pessoas) que novembro do ano passado.

LEIA MAIS

Pesquisa realizada pela CDL Petrolina aponta aumento de 8% nas vendas para o Natal deste ano

Câmara de Dirigentes Lojistas – CDL de Petrolina, espera um crescimento médio de vendas de 8% no Natal. (Foto: Arquivo/ASCOM)

O comércio de Petrolina (PE) já está em clima de Natal, as vitrines estão personalizadas e itens natalinos preenchem as prateleiras de cada loja. De acordo com uma pesquisa realizada pela Câmara de Dirigentes Lojistas – CDL de Petrolina, o comércio da cidade, espera um crescimento médio nas vendas de 8%.

Esse é o período mais esperado para os comerciantes, pois é a data que está em primeiro lugar na expectativa de aumento de vendas. Para isso, é necessário que os lojistas sejam criativos e busquem formas de atrair clientes para presentear nessa data especial. Os setores entrevistados para a pesquisa foram vestuário, brinquedos e presentes, móveis e eletrodomésticos, joias, perfumaria, material de construção, supermercado, automóveis, hotelaria e autopeças.

De acordo com levantamento da Federação das CDLs de Pernambuco, em 2018, a expectativa é que as vendas no Estado aumentem entre 2% e 3% com relação ao mesmo período do ano passado. Ainda segundo o levantamento, o setor que mais devem ter vendas no período é o alimentício, seguido pelo de vestuário, perfumes e cosméticos, móveis e eletrodomésticos. Os segmentos de telefonia e eletroeletrônicos também devem ter desempenho satisfatório nas vendas de fim de ano, principalmente por causa da Black Friday.

Cenário nacional

LEIA MAIS

Seis em cada dez consumidores pretendem comprar na Black Friday 2018, aponta pesquisa CNDL/SPC Brasil

(Foto: Ilustração)

Faltando menos de uma semana para a Black Friday, que este ano será no dia 23 de novembro, milhares de pessoas aguardam a mega liquidação para aproveitar as ofertas. Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostra que seis em cada dez (58%) consumidores têm a intenção de fazer compras na Black Friday, um expressivo aumento de 18 pontos percentuais em relação ao ano passado. Por outro lado, 32% só devem ir às compras caso encontrem boas ofertas e apenas 10% não pretendem comprar nada.

Entre os que pretendem comprar produtos de olho nos descontos, 70% consideram a data uma oportunidade de adquirir itens que estejam precisando com preços mais baixos. Cerca de 30% querem antecipar os presentes de Natal de olho nas promoções, enquanto 12% planejam aproveitar as ofertas mesmo sem ter necessidade de comprar algo no momento. Já entre os que não pretendem fazer compras na Black Friday, os principais motivos apontados são falta de dinheiro (28%) e o fato de não precisar comprar nada (22%).

LEIA MAIS

Desemprego é maior entre nordestinos, mulheres e negros, divulga IBGE

(Foto: Ilustração)

A taxa de desocupação no Brasil caiu para 11,9% no terceiro trimestre de 2018, mas chega a 14,4% na Região Nordeste, a 13,8% para a população parda e a 14,6% para a preta – grupos raciais definidos na pesquisa conforme a declaração dos entrevistados. Quando analisado o gênero, as mulheres, com 13,6%, têm uma taxa de desemprego maior que a dos homens, de 10,5%.

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa consta na Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral (Pnad Contínua Tri). É considerada desocupada a pessoa com mais de 14 anos que procurou emprego e não encontrou.

Quatro estados do Nordeste estão entre os cinco com maior desemprego: Sergipe (17,5%), Alagoas (17,1%), Pernambuco (16,7%) e Bahia (16,2%). Apesar disso, a maior desocupação verificada no terceiro trimestre de 2018 foi no Amapá, onde o percentual chegou a 18,3%.

LEIA MAIS

XP/Ipespe: Bolsonaro lidera com 58%, Haddad tem 42%

(Foto: Reprodução/Internet)

Divulgada na manhã desta sexta-feira (26), a pesquisa XP/Ipespe feita por telefone, entre os dias 23 e 24 de outubro, apresenta números idênticos aos da pesquisa divulgada na semana passada, o que confirma o favoritismo de Bolsonaro (PSL) para o segundo turno. Haddad (PT) precisaria converter mais de 8,5 milhões de eleitores em apenas dois dias e sem horário de propaganda eleitoral no rádio e na televisão.

Foram 2 mil entrevistados de todas as regiões do país. Bolsonaro mantém 58% dos votos válidos, mesmo valor obtido na pesquisa da semana passada. Fernando Haddad tem 42%. O levantamento tem margem de erro de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Considerando o quadro geral em votos totais, a pesquisa mostra Bolsonaro com apoio de 51% dos eleitores, ao passo que Haddad conta com 37%. Votos em branco, nulos e eleitores indecisos somam 12%. A atual diferença é apenas 1 ponto percentual menor do que a maior já registrada no levantamento, há duas semanas.

Com informações da Istoé

Datafolha: Bolsonaro cai 3 pontos mais continua com ampla vantagem

A distância entre os candidatos a presidente Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) caiu de 18 para 12 pontos em uma semana, aponta pesquisa do Datafolha.

A três dias do segundo turno, o deputado tem 56% dos votos válidos, contra 44% do ex-prefeito de São Paulo. No levantamento passado, apurado em 17 e 18 de outubro, a diferença era de 59% a 41%. Tanto a queda de Bolsonaro quanto a subida de Haddad se deram acima da margem de erro, que é de dois pontos percentuais para mais ou menos.

O Datafolha entrevistou 9.173 eleitores em 341 cidades no levantamento, encomendado pela Folha e pela TV Globo e realizado na quarta (24) e na quinta (25).

Em votos totais, Bolsonaro tem 48%, ante 38% de Haddad e 6% de indecisos. Há 8% de eleitores que declaram que irão votar branco ou nulo. Desses, 22% afirmam que podem mudar de ideia até o dia da eleição.

O deputado perdeu apoio em todas as regiões do país, embora mantenha sua liderança uniforme, exceto no Nordeste, onde Haddad tem 56% dos votos totais e Bolsonaro, 30%.

A maior subida de Haddad ocorreu na região Norte, onde ganhou sete pontos, seguido da Sul, onde ganhou quatro. Já Bolsonaro mantém uma sólida vantagem na área mais populosa do país, o Sudeste: 53% a 31%. O Centro-Oeste e o Sul seguem como sua maior fortaleza eleitoral, com quase 60% dos votos totais nas regiões.

Entre os mais jovens (16 a 24 anos), Haddad viu sua intenção de voto subir de 39% para 45%, empatando tecnicamente com Bolsonaro, que caiu de 48% para 42%. Em todas as faixas etárias superiores, contudo, o deputado mantém sua vantagem sobre o ex-prefeito.

O segmento em que o petista mais subiu foi entre os mais ricos, aqueles que ganham mais de 10 salários mínimos. Ali, cresceu oito pontos, mas segue perdendo de forma elástica para Bolsonaro: 61% a 32% dos votos totais. Haddad lidera na outra ponta do estrato, entre os mais pobres (até 2 salários mínimos), com 47% contra 37% do deputado.

Entre o eleitorado masculino, Bolsonaro mantém ampla vantagem, embora tenha caído três pontos —mesma medida da subida do petista. Tem 55% a 35%, distância que é reduzida a um empate técnico por 42% a 41% entre as mulheres.

A rejeição a ambos os candidatos, uma marca desta eleição, permanece alta. Haddad viu a sua oscilar negativamente de 54% para 52%, enquanto Bolsonaro teve a sua subindo três pontos, para 44%. A certeza do voto dos eleitores declarados de ambos é alta: 94% dos bolsonaristas e 91% dos pró-Haddad se dizem convictos.

Ibope: rejeição de Haddad é de 41% e Bolsonaro 40%

Haddad ainda é o candidato mais rejeitado.

A pesquisa divulgada pelo Ibope na noite dessa terça-feira (23) mostrou que Jair Bolsonaro (PSL) segue liderando as intenções de votos na corrida presidencial. O candidato do PSL tem 57% dos votos válidos, enquanto seu adversário, Fernando Haddad, apareceu com 43%.

Além disso, foi medida a rejeição e o potencial de voto em Bolsonaro e Haddad em uma pergunta sobre a opinião dos entrevistados em relação aos candidatos, com cinco opções de resposta. 41% afirmaram que não votariam no petista de forma alguma, enquanto 40% disseram que não votariam em Bolsonaro.

Confira

Fernando Haddad

  • 31% com certeza votariam nele para presidente
  • 12% poderiam votar nele
  • 41% não votariam nele de jeito nenhum
  • 14% não o conhecem o suficiente para opinar
  • 2% não souberam ou não responderam

Jair Bolsonaro

  • 37% disseram que com certeza votariam nele para presidente
  • 11% responderam que poderiam votar nele
  • 40% disseram que não votariam nele de jeito nenhum
  • 11% falaram que não o conhecem o suficiente para opinar
  • 2% não souberam ou não responderam.

Bolsonaro tem 57% dos votos válidos e Haddad 43%, segundo Ibope

Bolsonaro continua na frente.

Em pesquisa divulgada na noite dessa terça-feira (23), o Ibope mostrou que Jair Bolsonaro (PSL) continua na frente da corrida presidencial. O candidato do PSL aparece com 57% dos votos válidos, enquanto seu adversário, Fernando Haddad (PT), soma 43%.  A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Os votos válidos são aqueles usados pela Justiça Eleitoral para determinar o resultado da eleição. São os votos dados diretamente em um dos candidatos, descontados os brancos e nulos.

Na intenção de voto total, Bolsonaro aparece com 50% e Haddad, 37%. Brancos e nulos somam 10%. Os entrevistados que não souberam ou não responderam são 3%.

A pesquisa Ibope foi feita entre os dias 22 e 23 de outubro com 3.010 entrevistados em todo o Brasil. O levantamento foi contratado pelo jornal “O Estado de S. Paulo” e a TV Globo, e registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número BR07272/2018. O intervalo de confiança da pesquisa é de 95%

Bolsonaro tem 59% dos votos válidos, e Haddad, 41%, indica Datafolha

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira indica que o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, tem 59% dos votos válidos, enquanto o candidato do PT, Fernando Haddad, aparece com 41%. No levantamento da semana passada, o candidato do PSL tinha 58% dos votos válidos, e o petista, 42%. As oscilações dos candidatos estão dentro da margem de erro, que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Na contagem dos votos totais, Bolsonaro tem 50%, enquanto Haddad tem 35%. Brancos e nulos somam 10%, e 5% não souberam responder.

A vantagem de Bolsonaro sobre Haddad continua maior entre os homens (58% a 32%) do que entre as mulheres (43% a 39%).

A convicção do voto no deputado federal é maior do que dos eleitores do candidato do PT. De acordo com a pesquisa, 95% dos apoiadores de Bolsonaro dizem que estão completamente decididos. Entre os que votam em Haddad, 89% dizem o mesmo.

A rejeição a Haddad também é maior. Entre os entrevistados, 54% dizem que não votariam no petista de jeito nenhum, e 41%, no capitão.

Ibope: Haddad tem 47% de rejeição e Bolsonaro 35%

Haddad e Bolsonaro disputam segundo turno das eleições. (Foto: Reprodução)

Segundo a pesquisa Ibope divulgada nesta segunda-feira (15), o candidato à presidência Fernando Haddad (PT) tem 47% de rejeição dos eleitores no segundo turno, enquanto Jair Bolsonaro (PSL) apareceu com 35% de rejeição. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

O Ibope mediu a taxa de rejeição com uma pergunta sobre a opinião dos entrevistados em relação aos candidatos, com quatro opções de resposta.

Sobre Haddad, 28% disseram que com certeza votariam nele para presidente; 11% responderam que poderiam votar nele; 47% disseram que não votariam nele de jeito nenhum; e 12% falaram que não o conhecem o suficiente para opinar. Outros 2% não souberam ou não responderam.

LEIA MAIS
123