Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Bolsonaro anuncia convocação de 1.047 policiais federais

Com 4.310 cargos vagos, a Polícia Federal tem hoje o menor efetivo desde 2008.

O presidente Jair Bolsonaro autorizou, nessa quinta-feira (23), o Ministério da Justiça a convocar 1.047 aprovados no concurso da Polícia Federal. A convocação do contingente é uma reivindicação da categoria para equalizar um déficit de mais de 4 mil policiais em todo Brasil.

“O ministro (Sergio) Moro trabalhou muito nessa proposta junto ao ministro da Economia Paulo Guedes e, hoje, assinei o decreto. A convocação será feita o mais rápido possível”, afirmou o presidente, em transmissão de vídeo pelas redes sociais.

O decreto assinado pelo presidente especifíca a distribuição de efetivo entre os 547 aprovados que não tiveram vagas previstas no concurso inicial, que previa apenas 500 convocados: 169 delegados de polícia; 229 agentes de Polícia Federal; 68 escrivães; 17 papiloscopistas e 64 peritos criminais federais.

O presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, Edvandir Felix de Paiva, comemorou a convocação. “Foi uma luta durante o ano todo para que os quadros fossem rapidamente recompostos e a vitória está concretizada nesse decreto”, disse.

LEIA MAIS

Brumadinho: entidades fazem visita técnica e não detectam contaminação da Bacia do São Francisco

(Foto: Polícia Federal/Divulgação)

Um relatório elaborado pelo Instituto Mineiro de Gestão de Águas (Igam) apontou que não há, até o momento, contaminação da Bacia do Rio São Francisco por rejeitos de minério da barragem de Brumadinho (MG). O Igam é uma das entidades que realizou uma visita técnica entre 9 e 16 de maio ao longo dos rios Paraopeba e São Francisco, em Minas.

LEIA TAMBÉM:

Rejeitos de Brumadinho chegam ao São Francisco

Presidente do CBHSF faz alerta sobre rejeitos de Brumadinho no rio São Francisco: “Sem dúvida alguma haverá um impacto”

A expedição técnica foi coordenada pela Polícia Federal e contou com a participação da Universidade de Brasília (UnB), Agência Nacional de Águas (ANA), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Serviço Geológico Brasileiro (CPRM), além do apoio do Ministério Público do Estado de Minas Gerais, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Empresa Mineira de Pesquisa Agropecuária (Epamig), Prefeitura Municipal de Felixlância e empresas de consultoria ambiental.

LEIA MAIS

Operação Chofer apreende cheques e dinheiro na casa do prefeito de Cedro

Operação Chofer foi deflagrada na quarta-feira (Foto: Polícia Federal/Divulgação)

Equipes da Polícia Federal estiveram na sede da Prefeitura de Cedro, no Sertão de Pernambuco nessa semana para apurar denúncias de desvio de recursos públicos e irregularidades em contratações por parte do Poder Executivo. Segundo a PF, o prefeito Nilson Diniz (PDT) utilizava laranjas para vencer procedimentos licitatórios ou dispensá-los indevidamente.

Cinco medidas cautelares e apreensão foram realizadas na quarta-feira (15), com apoio de 21 policiais federais. As equipes também foram até a residência de Diniz e apreenderam R$ 45 mil em espécie e mais R$ 160 mil em cheques.

Um veículo, uma pistola com registro vencido, celular e mídias também foram recolhidos. Na Prefeitura e nas empresas foram apreendidos processos licitatórios e outros documentos referente a investigação. Em depoimento na delegacia de Polícia Federal em Salgueiro, o prefeito negou todas as acusações.

O nome da Operação – Chofer – faz referência a função de motorista desempenhada por um dos sócios da empresa, indicado como “laranja” do prefeito.

Operação Facheiro II erradica mais de 271 mil pés de maconha no Sertão de Pernambuco

(Foto: Polícia Militar/Divulgação)

Policiais Federais de Salgueiro, com apoio de agentes da Civil e da Militar conseguiram erradicar 217 mil toneladas de maconha produzidas em diversos município do Sertão Pernambucano. A ação foi executada através da Operação Facheiro II, realizada entre os dias 19 e 30 de abril.

Os policiais encontraram a droga sendo cultivadas em ilhas do rio São Francisco e nas cidades de Orocó, Cabrobó, Belém do São Francisco e Santa Maria da Boa Vista. O restante do cultivo estava na área de caatinga em Salgueiro, Carnaubeira da Penha, Serra Talhada, Betânia, Parnamirim, Ibó e Floresta.

De acordo com a PF, caso os 217 mil pés fossem colhidos e colocados no mercado poderia-se produzir 90 toneladas de maconha. A operação também teve apoio do Corpo de Bombeiros Militar.

PF faz operação na sede do PSL de Minas Gerais

(Foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)

Equipes da Polícia Federal estão na sede do PSL de Minas Gerais na manhã dessa segunda-feira (29), para apurar suspeitas de irregularidades na aplicação de recursos em campanhas eleitorais de candidatas do partido no Estado.

As investigações fazem parte da “Operação Sufrágio Ostentação”, deflagrada hoje. Foram apreendidos documentos sobre a produção de material gráfico de campanhas eleitorais. A PF cumpriu sete mandados de busca e apreensão expedidos pela 26ª Zona Eleitoral de Belo Horizonte.

A assessoria de imprensa do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE/MG) informou que o processo tramita em segredo de Justiça e não pode fornecer informações a respeito da Operação.

O suposto esquema de corrupção tem o nome do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio no centro das atenções. Ele é suspeito de patrocinar um esquema de candidaturas laranjas durante a campanha de 2018, fato negado por ele. (Com informações de O Estado de MG e Valor Econômico).

Operação da PF mira suspeitos de disseminar “fake news” contra STF

Toffoli e Moraes, ministros do STF (Foto: Agência Brasil)

Equipes da Polícia Federal cumprem nessa terça-feira (16) mandados de busca e apreensão expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (SFT), na ação de combate a fake news contra a instituição. A ação foi deflagrada no começo da manhã, segue em segredo de Justiça.

No entanto, o candidato ao governo do Distrito Federal nas últimas eleições general Paulo Chagas informou, por meio das redes sociais, que é um dos alvos dos agentes federais. “Caros amigos, acabo de ser honrado com a visita da Polícia Federal em minha residência, com mandado de busca e apreensão expedido por ninguém menos do que ministro Alexandre de Moraes. Quanta honra!”, escreveu o general, que está viajando.

Os mandados de busca e apreensão foram autorizados pelo ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito instaurado em março, para apurar a divulgação de supostas ofensas e calúnias contra ministros da Corte.

Ontem (15) o STF foi acusado de censura após decisão de Moraes de mandar retirar do ar uma matéria publicada citando o nome do ministro Dias Toffoli em um depoimento de Marcelo Odebrecht.

Desde o começo dessa investigação o STF foi criticado por setores contrários à investigação. Na ocasião, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu esclarecimentos sobre o procedimento, argumentando que, constitucionalmente, o dever de investigar cabe exclusivamente ao Ministério Público. (Com informações da Agência Brasil).

Na primeira noite preso, Temer ficará em sala da PF no Rio

(Foto: Reprodução/ TV Globo)

A primeira noite do ex-presidente Michel Temer na prisão será em uma sala especial na Superintendência Regional da Polícia Federal (PF) no Rio de Janeiro.

O local foi definido, segundo o Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro, porque a defesa do ex-presidente argumentou que ele teria, pelo cargo exercido, direito a ser acomodado na PF, assim como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está detido em Curitiba, no Paraná.

A Superintendência da Polícia Federal fica na zona portuária do Rio, no centro da cidade. Na chegada ao local, o comboio do ex-presidente enfrentou um longo trânsito.

A defesa de Temer ingressou nessa quinta-feira (21) com pedido de habeas corpus no Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), que será examinado pelo desembargador Ivan Athié, relator da Operação Prypiat, à qual o caso de Temer é conexo.

Polícia Federal erradica 23 mil pés de maconha no interior da Bahia

(Foto: Polícia Federal/Divulgação)

Entre os dias 14 e 21 de fevereiro a Polícia Federal realizou a Operação Facheiro I no interior da Bahia. Segundo a PF, o objetivo da ação era localizar e erradicar cultivos de maconha na região norte do Estado. No total foram erradicados 23 mil pés da erva nos municípios de Curaçá, Várzea Nova, Xique-Xique e Pilão Arcado.

De acordo com estudos científicos realizados pelo Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal, a quantidade de maconha erradicada nesta operação seria capaz de produzir aproximadamente sete toneladas da droga pronta para o consumo.

A operação foi coordenada pela Delegacia de PF em Juazeiro, com apoio das polícias Civil, Militar, Corpo de Bombeiros Militar, PF do Distrito Federal e Exército Brasileiro. Ao todo 70 policiais atuaram na ação.

Operação Fantoche mira esquema de corrupção no Sistema S em Pernambuco

(Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã dessa terça-feira (19) a Operação Fantoche que investiga um esquema de corrupção que envolve o Ministério do Turismo e entidades do Sistema S, tendo como pivô uma empresa que desde 2002 realiza eventos culturais e de publicidade ao sistema.

Durante a operação, segundo o G1, o presidente Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, foi preso em São Paulo, na manhã desta terça (19). O presidente da Federação das Indústria de Pernambuco (Fiepe), Ricardo Essinger, também é alvo de mandado de prisão.

A Operação

‘Fantoche’ cumpre oito mandados de prisão e 47 de busca e apreensão em Pernambuco e outros cinco estados, além do Distrito Federal. Os alvos da investigação são suspeitos de praticar crimes contra a administração pública, fraudes licitatórias, associação criminosa e lavagem de ativos.

LEIA MAIS

PF erradica 234 mil pés de maconha no Sertão pernambucano

(Foto: Polícia Federal/Divulgação)

234 mil pés de maconha foram erradicados em uma ação conjunta da Polícia Civil e Militar na Operação Facheiro I, coordenada pela Polícia Federal de Salgueiro (PE). A droga foi encontrada em ilhas do rio São Francisco e nos municípios de Belém do São Francisco, Cabrobó, Orocó e Santa Maria da Boa Vista, bem como nas áreas de caatinga de Salgueiro, Carnaubeira da Penha, Serra Talhada, Betânia, Parnamirim, Ibó e Floresta.

A operação foi realizada entre os dias 5 e 13 deste mês. Cerca de 40 policiais federais, civis e militares atuaram no combate ao tráfico. Além dos pés de maconha as polícias destruíram 73 plantios e 59 mil mudas da planta. Com informações do G1 Petrolina.

PF deflagra operação e cumpre mandados de busca e apreensão em Juazeiro, Petrolina e mais três cidades do Nordeste

(Foto: Ilustração)

Desde as primeiras horas dessa terça-feira (12) a Polícia Federal está nas ruas de cinco cidades do Nordeste cumprindo mandados de busca a apreensão. Cerca de 80 policiais atuam em Juazeiro e Petrolina, além de Salvador, Feira de Santana e Aracaju (SE).

A Operação Acesso Negado – Game Over busca desarticular uma organização criminosa responsável por desviar recursos públicos. As investigações tiveram início em 2015 e durante mais de três anos de trabalho a PF identificou que uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) denominada Instituto Sócio Educacional Solidariedade (ISES) era contratada irregularmente, com preços superfaturados e não prestava o serviço obrigado no contrato.

Os mandados de busca e apreensão foram expedidos pela 6ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Itabaiana (SE), com abrangência aos municípios da Bahia e Petrolina. Ainda por determinação da Justiça foram bloqueados cerca de R$ 1.300.000,00 do patrimônio dos investigados.

De acordo com a PF os envolvidos responderão por pelos delitos de participação em organização criminosa, desvio de verbas públicas praticado por Prefeito, fraude em licitação e lavagem de dinheiro. Uma coletiva de imprensa será realizada às 10h em Aracaju para apresentar novas informações.

PF pede 90 dias para fechar inquérito sobre atentado contra Bolsonaro

Bolsonaro tomou uma facada enquanto fazia campanha em Juiz de Fora (MG).

A Polícia Federal (PF) pediu nessa quarta-feira (16) à Justiça Federal em Minas Gerais mais 90 dias para encerrar o inquérito que apura quem são os responsáveis pelo financiamento da defesa de Adélio Bispo, autor do ataque contra o presidente Jair Bolsonaro durante a campanha eleitoral do ano passado.

Em dezembro do ano passado, a PF cumpriu mandados de busca e apreensão em dois imóveis relacionados ao advogado Zanone Manuel de Oliveira Júnior, um dos integrantes da defesa de Adélio. Zanone diz que manterá sigilo profissional sobre o contratante.

Bolsonaro tomou uma facada enquanto fazia campanha em Juiz de Fora (MG), no dia 6 de setembro do ano passado. O ataque foi feito por Adélio Bispo de Oliveira, autor confesso da facada, que está preso no presídio federal em Campo Grande (MS). 

LEIA MAIS

Mulher é presa com quase 10 kg de maconha em Belém do São Francisco

(Foto: Polícia Federal/Divulgação)

Uma mulher foi presa na noite de terça-feira (15) em Belém do São Francisco, Sertão de Pernambuco enquanto transportava 9,372 kg de maconha em um ônibus que seguia para Recife. A droga era transportada em duas bolsas sob os cuidados de Naftaly Diane dos Reis.

Ela contou aos policiais que havia recebido a droga em Cabrobó e seguia para Goiana. A intenção era comercializar o entorpecente durante o carnaval na cidade. A suspeita foi detida em flagrante em uma ação conjunta da Polícia Federal (PF) e a da Polícia Militar, através da 1ª CIPM.

Mais um incêndio atinge comunidade dos Pankararu

(Foto: Reprodução/Internet)

Um incêndio na noite de Natal (25) atingiu a Escola Estadual Indígena José Luciano, localizada no território Pankararu, no Sertão de Pernambuco. Esse é o terceiro caso semelhante registrado na cidade de Jatobá, onde os Pankararu residem.

O primeiro caso aconteceu em outubro, quando a Unidade de Saúde da Família e a Escola Municipal de Jatobá foram alvo de um incêndios. No começo de dezembro a igreja da aldeia foi vandalizada e teve seus vidros e portas quebradas.

“O incêndio foi nos mesmos moldes de outros ataques, em datas especiais, quando as pessoas estão distraídas durante a noite. Houve perda total de mesas, cadeiras, material escolar, o teto caiu”, relatou uma testemunha que não quis se identificar.

Os Pankararu utilizaram as redes sociais para desabafar e cobrar ação das autoridades. “A gente já não tem mais o que dizer além de que já passou dos limites. Agora são duas escolas, uma unidade de saúde e uma igreja incendiadas. Estão nos atacando onde nos é mais frágil: saúde, educação e fé. A população da aldeia Caldeirão agora segue em vigilância constante pra proteger a igreja da comunidade até que o Estado, a Polícia, a Justiça façam o seu trabalho de verdade. Seguiremos unidos, de pé e cabeça erguida”, relata a publicação no Facebook.

A Polícia Federal informou em nota estar investigando o fato, através da delegacia de Salgueiro. Por outro lado a secretaria de Educação do Estado (SEE) lamentou o fato. “Gerência Regional de Educação Submédio São Francisco enviou uma equipe nesta manhã para avaliar a situação da unidade e tomar as medidas cabíveis. A pasta afirma ainda que um boletim de ocorrência foi registrado e o caso está sendo investigado pela polícia”, afirmou a nota.

Com informações da Folha de Pernambuco

PF faz operação na casa de Gilberto Kassab, PGR afirma que ministro recebeu dinheiro da J&F

(Foto: Dida Sampaio/Estadão)

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab (PSD) foi alvo de uma operação a Polícia Federal (PF) na manhã dessa quarta-feira (19). De acordo com as investigações Kassab teria recebido R$ 58 milhões do grupo J&F, dono da JBS.

A procuradora-geral da República Raquel Dodge afirma que os repasses foram feitos em dois momentos, a primeira delas entre 2010 e outra em 2016, quando Kassab recebeu contribuições mensais totalizando R$ 30 milhões. Hoje a PF cumpriu mandados de busca e apreensão na casa do ministro do governo de Michel Temer (MDB).

“O objetivo dos pagamentos era contar com poder de influência do ministro em eventual demanda futura de interesse do referido grupo”, afirmou a PGR. As informações foram obtidas através de delação premiada, segundo o jornal Estado de São Paulo.

Em resposta às acusações a defesa de Kassab alegou que acredita na Justiça e que não houve irregularidades nos repasses. “O ministro confia na Justiça brasileira, no Ministério Público e na imprensa, sabe que as pessoas que estão na vida pública estão corretamente sujeitas à especial atenção do Judiciário, reforça que está sempre à disposição para quaisquer esclarecimentos que se façam necessários, ressalta que todos os seus atos seguiram a legislação e foram pautados pelo interesse público”, afirmou a nota.

Com informações do Estadão

123