Bolsonaro diz que governo não atuará para baixar o preço da carne

(Foto: Internet)

O presidente Jair Bolsonaro disse nesse sábado (30) que não vai interferir no preço da carne bovina, que no mercado atacadista teve alta média de 22,9%. Segundo ele, é o mercado quem define o preço do produto. Ele, no entanto, disse acreditar que o preço do produto deve baixar.

“Quero deixar bem claro que esse negócio da carne é a lei da oferta e da procura. Não posso tabelar, inventar. Isso não vai dar certo”, disse o presidente na chegada ao Palácio do Alvorada, após viagem a Resende (RJ), onde participou da inauguração da 8ª cascata de ultracentrífugas, na Fábrica de Combustível Nuclear (FCN).

“Tivemos uma pequena crise agora [no preço da carne] mas vai melhorar. A carne aqui, internamente, daqui a algum tempo, acho que vai diminuir o preço”, completou, dirigindo-se a um dos populares que o aguardavam no local.

LEIA MAIS

Preço do saco da cebola tem queda de quase 30% no mercado do produtor de Juazeiro

Preço caiu muito em apenas um dia.

Comercializado até essa terça-feira (19) por R$ 25 reais, o saco da cebola apresentou uma queda de 27% no seu valor nesta quarta-feira (20) e está sendo cotado em R$ 19 no Mercado do Produtor de Juazeiro (BA). Segundo o supervisor de cotação e estatística da Autarquia Municipal de Abastecimento (AMA), Carlonilton Dia,s é normal que neste período do ano a cebola fique mais barata.

”É normal a queda neste período, porém assim que vai restabelecendo a safra, a oferta também aumenta um pouco. A produção está normal em todas regiões, o clima também favorece para que o preço tenha baixado”, explica.

A cebola comercializada no Mercado do Produtor de Juazeiro é produzida no Vale do São Francisco, na região de Irecê, no estado de Goiás e demais regiões do país. Rica em minerais, a cebola possui grandes quantidades de vitamina C e por isso deve ser consumida crua sempre que possível, para evitar a perda de nutrientes e antioxidantes.

Conta de luz para os brasileiros em 2020 pode ter aumento

(Foto: Ilustração)

As contas de luz dos consumidores de todo o país poderão ter um aumento médio de 2,42% em 2020. O aumento consta de uma consulta pública aberta nessa quarta-feira (30) pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) sobre o orçamento para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), um dos subsídios pagos pelos consumidores de energia.

Em 2020, a Aneel aprovou um orçamento para a CDE de R$ 22,453 bilhões, um aumento de 11% em relação ao orçamento deste ano, de R$ 20,208 bilhões. Desse montante, a parte paga pelos consumidores teve um aumento de 27% e deve passar de R$ 16,238 bilhões para R$ 20,645 bilhões.

LEIA MAIS

Preço do botijão de gás residencial aumenta para as distribuidoras

(Foto: Ilustração)

O gás de cozinha residencial (GLP) aumentou 5% nas distribuidoras e o GLP industrial e comercial 3%, desde a meia-noite desta terça-feira (22). O anúncio foi feito pelo Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás) em nota à imprensa e confirmado pela Petrobras.

Os aumentos são médias, pois o valor terá variação, para maior ou menor, dependendo da área de distribuição nacional, segundo o Sindigás. O preço para o consumidor final poderá ser diferente, pois as distribuidoras acrescem ao percentual de aumento os custos com mão de obra, logística, impostos e margem de lucro.

LEIA MAIS

Oferta de alimentos contribui para a redução do preço da cesta básica no mês de agosto em Petrolina e Juazeiro

(Foto: Internet)

No boletim divulgado pelo Colegiado do curso de Economia da Facape referente ao mês de agosto, a cesta básica de alimentação apresentou, na comparação do mês de agosto de 2019 com julho, deflação de -1,01% em Juazeiro (BA) e de -2,99%, em Petrolina (PE). A pesquisa do custo da Cesta Básica ainda estimou a despesa com alimentação no mês de agosto de 2019 em R$ 329,21 para Juazeiro e R$ 319,73 em Petrolina.

Tomate, Banana, Feijão e Carne foram os produtos ofertados que contribuíram para a diminuição dos preços da cesta básica. Ambos possuem as reduções mais expressivas, devido à ausência de fatores que pudessem afetar a produção, fazendo com que fosse possível aumentar a disponibilidade desses itens no mercado interno e possibilitando a redução dos preços através da estabilidade da demanda.

O item com maior diferença de preço na cidade de Juazeiro foi o quilo da farinha, variando entre  R$ 1,99 e R$ 5,05. Já na cidade de Petrolina, o item com maior variação de preço foi a margarina com embalagem de 250 gramas, sendo ofertada entre R$1,40 e R$ 5,40. A pesquisa também aponta que este é um período da economia brasileira de baixo crescimento onde o nível de emprego formal cresce lentamente, justificando o aumento do número de pessoas com trabalho informal no país.

Petrobras decide segurar preço da gasolina até valor do petróleo se estabilizar

A disparada do preço do petróleo provocou tensão nos mercados, mas o Ibovespa fechou o dia com alta de 0,17%, graças ao bom desempenho das ações da Petrobras. (Foto: Ilustração)

A Petrobras vai continuar observando o comportamento do preço do petróleo no mercado internacional até decidir se vai revisar os preços dos seus derivados no Brasil. Na prática, significa que o consumidor não será afetado no curto prazo, porque a estatal vai segurar os preços. A ideia é dar continuidade à política atual, que atrela os valores aos valores praticados no mercado internacional, com repasses à medida que há mudança de patamar de preços.

Para se resguardar de prejuízos financeiros enquanto não repassa altas no mercado externo para o consumidor, a companhia recorre ao artifício financeiro de hedge, no qual oscilações de curto prazo são compensadas. Especialistas e investidores destacam, porém, da necessidade de a empresa não ser usada para atender às demandas do governo, como aconteceu no passado, quando a empresa foi usada para segurar a inação. A companhia mantinha os preços dos combustíveis inalterados apesar das oscilações externas, o que gerou um rombo nas suas caixas.

Se o mercado perceber que a mesma prática está sendo adotada pela gestão atual, o seu programa de venda de refinarias será afetado, porque nenhuma empresa terá interesse em fazer parte de um setor comandado por interesses políticos e não econômicos.

Petrobras anuncia aumento nos preços da gasolina e do diesel

(Foto: Arquivo)

A Petrobras anunciou nesta quinta (5) reajustes de 2,5% no preço da gasolina e de 1,3% no preço do diesel. É o segundo aumento no preço da gasolina em 20 dias. O valor de venda do diesel não variava desde o início de agosto. O preço da gasolina nas refinarias da estatal subirá R$ 0,0223 por litro, passando a custar, em média, R$ 1,6455 por litro. Desde que a série atual de aumentos foi iniciada, a alta acumulada é de 4,9%. No caso do diesel, a alta é de R$ 0,0525 por litro. O preço médio do combustível nas refinarias passou de R$ 2,0962 para R$ 2,1487 por litro.

LEIA MAIS

Governo aprovará fim da diferenciação de preços para gás de cozinha

(Foto: Ilustração)

O governo deve aprovar nesta quinta-feira (29), o fim da diferenciação de preços de gás de cozinha (GLP), com validade daqui a seis meses. A decisão será tomada em reunião extraordinária do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), colegiado de ministros presidido pelo Ministro de Minas e Energia (MME).

Para isso, o governo deve revogar uma resolução do CNPE de 2005, que criou a política de diferenciação de preços, uma tentativa de privilegiar os consumidores de baixa renda. A análise do governo é que essa medida não gerou os resultados pretendidos e inibiu a entrada de novas empresas na atividade de produção, importação e distribuição, concentrando ainda mais o mercado.

Atualmente, o botijão residencial de 13 kg tem um subsídio, mas todos os demais envasamentos não contam com o mesmo benefício, o que encarece outros produtos e envases para compensar perdas.

LEIA MAIS

Em reunião com presidente da Azul, Miguel solicita mais voos e tarifa mais barata para Recife

Miguel Coelho esteve em reunião com presidente da companhia aérea Azul.

O prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, em breve passagem por São Paulo, nessa quinta-feira (22), reuniu-se com a diretoria da Companhia Azul Linhas Aéreas e solicitou a ampliação do número de operações na empresa de aviação para a cidade sertaneja, além da redução do valor das passagens.

O gestor municipal foi recebido pelo presidente da Azul, John Rodgerson, e o diretor de Planejamento, Marcelo Bento. Na reunião, Miguel falou sobre o crescimento da geração de empregos em Petrolina, a produção de frutas e o volume de obras que tem impulsionado o município a se desenvolver e a importância do turismo na região.

LEIA MAIS

Petrolina: custo da cesta básica apresenta queda no mês de julho

(Foto: Internet)

No mês de julho, o custo da cesta básica em Petrolina (PE), apresentou uma queda de 7,08% em comparação ao mês de junho. Em boletim mensal divulgado pelo Colegiado do curso de Economia da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (Facape), o levantamento constatou que o preço médio da cesta básica no município ficou em R$ 329,57.

Dos 12 itens pesquisados, o que teve a maior alta de preço foi o leite integral, que aumentou 4,47%. Já o tomate fechou o mês com uma redução de 30,80% nos preços, devido fatores climáticos, e o feijão carioca também apresentou forte diminuição de preço em razão de uma demanda baixa de consumo e grande oferta do produto no mercado, uma redução de 15,35%.

De acordo com o informativo, o trabalhador da cidade de Petrolina, que recebe um salário mínimo fixado em R$ 998,00, gastou, no mês de julho, 33% de sua renda com a compra de produtos da cesta básica.

Gás de cozinha mais barato em até 12% para residências a partir de hoje

Anúncio significa que o preço médio de venda do botijão pela Petrobras às distribuidoras deve cair de R$ 26,20 para R$ 24,06

O gás de cozinha ficará mais barato a partir desta segunda-feira (5/8), divulgou, na última sexta-feira (2/8), o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás). A Petrobras vai diminuir o preço dos botijões de gás usados em casa e em empresas. O GLP residencial, de embalagens até 13 kg, deve ficar de 6,5% a 12% mais barato. O empresarial terá redução de 11% a 17%, a depender da localidade.

O anúncio significa que o preço médio de venda do botijão pela Petrobras às distribuidoras deve cair de R$ 26,20 para R$ 24,06. Já o repasse ao consumidor final é incerto, porque ainda depende da incidência de impostos e da margem de lucro visada pelas empresas, que é variável.
De acordo com o Sindigás, que se pronunciou em nota, o ágio praticado pela Petrobras está em cerca de 31% em relação ao preço praticado no mercado internacional, “o que vem pressionando ainda mais os custos de negócios que têm o GLP entre seus principais insumos, impactando de forma crucial empresas que operam com uso intensivo de GLP”.

Petrobras eleva preço da gasolina em 4% nas refinarias

Desde a adoção de novo formato na política de ajuste de preços em 2017, a gasolina acumula alta de 30,82% de preço.

A Petrobras elevou, nessa quinta-feira (01), em 3,75% o preço do diesel e em 4% o preço da gasolina nas refinarias. Com o aumento anunciado, o preço médio do litro diesel sofrerá uma elevação de R$ 0,0757 passando de R$ 2,0205 para R$ 2,0962. Já o preço da gasolina subirá R$ 0,0658, com o litro passando, na média, de R$ 1,6457 para R$ 1,7115.

As informações constam no site da empresa, no qual a petroleira detalha preços praticados nos 37 pontos de suprimento do mercado brasileiro, para a gasolina, o diesel S10 e o diesel S500.

Antes do reajuste anunciado nessa quarta-feira (31), a mais recente alteração havia sido anunciada pela estatal no dia 18 de julho, quando informou a redução, válida a partir do dia 19, de 2,14% no preço médio do litro da gasolina vendida nas refinarias e de 2,15% no preço médio do diesel.

Levantamento aponta Pernambuco com gasolina mais barata do Nordeste

(Foto: Ilustração)

Com preços médios de R$ 4,185 e R$ 4,259, respectivamente, Santa Catarina e São Paulo têm o litro da gasolina comum mais barato do país, conforme levantamento da ValeCard, empresa especializada em meios de pagamentos, benefícios e gestão de frotas. No Nordeste, Pernambuco apresenta o preço médio mais baixo (R$ 4,585). Já Sergipe tem o valor mais alto (R$ 4,763).

Obtidos por meio do registro das transações realizadas em junho em cerca de 20 mil postos credenciados, os dados mostram que Acre e Rio de Janeiro são os estados com o combustível mais caro – R$ 5,115 e R$ 5,015, respectivamente.

Em Petrolina, no mês de junho, o litro da gasolina era comercializado a R$ 5,05, um dos maiores valores cobrados no estado. Hoje, o litro do produto pode ser encontrado em alguns pontos de venda da cidade por R$ 4,87, muito acima da média do levantamento, que é de R$ 4,58, sendo, ainda, uma das mais caras de Pernambuco.

Petrobras anuncia redução no preço da gasolina e do diesel

O presidente Jair Bolsonaro informou, em sua conta no Twitter, que a redução [média] foi de 2,1% na gasolina e de 2,2% no diesel.

A Petrobras anunciou, nessa quinta-feira (18), uma redução no preço do litro da gasolina de R$ 0,0360 e no litro do diesel de R$ 0,0444. Os valores são referentes aos preços médios dos combustíveis vendidos pelas refinarias aos distribuidores e valem a partir da meia-noite desta sexta-feira (19).

Os preços variam segundo cada refinaria da estatal, nos diversos estados brasileiros. Os menores valores da gasolina são praticados em São Luís (MA), R$ 1,51; Itacoatiara (AM), R$ 1,55; e Manaus (AM), R$ 1,58. Os maiores valores da gasolina estão nas refinarias de Brasília, R$ 1,81; Senador Canedo (GO), R$ 1,80; e Uberaba, R$ 1,80.

Os menores preços do diesel S500, mais vendido nas estradas, estão em Itacoatiara (AM), R$ 1,93; São Luís, R$ 1,94; Guamaré (RN), R$ 1,96; e Manaus (AM), R$ 1,96. Os maiores valores são os praticados em Senador Canedo (GO), R$ 2,17; Brasília, R$ 2,17; e Uberaba (MG), R$ 2,17.

Segundo a estatal “os preços para a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras têm como base o preço de paridade de importação, formado pelas cotações internacionais destes produtos mais os custos que importadores teriam, como transporte e taxas portuárias”.

123