Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Pela primeira vez, avaliação negativa do governo de Bolsonaro supera positiva

(Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

Pela primeira vez desde que assumiu a Presidência da República a avaliação negativa de Jair Bolsonaro (PSL) superou a positiva. A pesquisa foi divulgada nessa sexta-feira (24), uma semana após a manifestação dos estudantes contra o corte na educação anunciado pelo Governo Federal.

A pesquisa foi realizada pelo XP/Ipespe nos dias 20 e 21 de maio. Os entrevistados que consideravam o governo como bom e ótimo ficou em 34% (estava em 35%), enquanto os que avaliavam a gestão como ruim ou péssima ficou em 36% (estava em 31% antes).

A margem de erro da pesquisa é de 3,2 pontos percentuais para mais ou para menos. Foram 1000 entrevistas realizadas. Já a avaliação regular foi de 26%, quando anteriormente totalizou 31%. Não souberam ou não opinaram teve 4%.

O Ipespe questionou aos eleitores se a manifestação do último dia 15 foi relevante para o país: 57% disseram que os atos foram importantes, enquanto contra 38% que consideraram irrelevante. A pesquisa foi divulgada há pouco, momentos antes do desembarque de Bolsonaro em Pernambuco. (Com informações do JC Online).

Visita de Bolsonaro a Petrolina deve ser marcada por manifestações pró e contra presidente

(Foto: Internet)

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL) desembarcará em Petrolina no começo da tarde e deve ser recepcionado com manifestações favoráveis e contrárias a sua vinda. Durante a sessão de quinta-feira (23) na Câmara de Vereadores o Blog conversou com manifestantes os quais acompanhavam a votação do Título de Cidadão Petrolinese a Bolsonaro, que explicaram como será a agenda de hoje (24).

Apoiadores devem fazer recepção no Aeroporto

Segundo Everaldo de Almeida, que acompanhava a votação do Título, haverá uma recepção ao presidente ainda no Aeroporto de Petrolina. “Os grupos estão organizando um encontro no Aeroporto ao meio dia, ainda não sei a agenda oficialmente dele, mas a princípio essa recepção está mantida para o Aeroporto”, destacou.

Opositores também programam ato 

Representante do DA de Artes Visuais da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), Bruno de Melo explicou que movimentos sociais e estudantis estão mobilizados para um protesto contrário ao presidente. “A gente está se organizando para fazer essa recepção às avessas, para que ele nunca mais volte e pise mais”, afirmou.

LEIA MAIS

Bem avaliado por eleitores, Moro descarta candidatura à presidência

(Foto: Ilustração)

Ministro mais bem avaliado nesse começo de Jair Bolsonaro (PSL), Sérgio Moro concedeu entrevista a Brasil Urgente, da Band e negou que tenha a intenção de se candidatar a presidente. A entrevista irá ao ar na edição de hoje (9).

“Eu nem penso nisso“, disse ao jornalista José Luiz Datena. Questionado sobre sua avaliação, ele afirmou estar feliz. “As pesquisas são relativas, mas de todo o modo, claro, me traz felicidade“, disse. No domingo (7) o Datafolha, divulgou o resultado de um levantamento feito com eleitores, avaliando o governo de Bolsonaro e seus ministros.

Moro atribui essa porcentagem de aprovação ao seu trabalho realizado em anos de Operação Lava Jato e que ele tenta levar para a Pasta. “É aprovação de um projeto, que é firme no combate contra a corrupção, ao crime organizado e crimes violentos”, concluiu. (Com informações de Band).

30% avaliam governo de Bolsonaro como ruim ou péssimo, segundo Datafolha

(Foto: Internet)

Perto de completar 100 dias de governo, Jair Bolsonaro (PSL) é o presidente em primeiro mandato mais rejeitado desde a redemocratização, segundo pesquisa divulgada pelo Instituto Datafolha nesse domingo (7).

33% dos brasileiros consideram a gestão do presidente regular, 32% a avaliam como ótima ou boa e 30% disseram que o governo é ruim ou péssimo. Segundo o Datafolha, 4% não souberam opinar.

Foram consultadas 2.086 pessoas maiores de 16 anos em 130 municípios entre os dias 2 e 3 de abril. A pesquisa tem margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Antecessores

Em início de primeiro mandato, todos os seus antecessores desde a redemocratização tinham índices de rejeição menores. Fernando Collor (então PRN) somava reprovação de 19% em 1990, com Fernando Henrique Cardoso o número chegou a 16%. Luiz Inácio Lula da Silva (PT) marcava 10%, enquanto Dilma Rousseff (PT) tinha só 7%, depois dos 100 primeiros dias de governo. (Com informações do Exame).

Legislação trabalhista deve “beirar informalidade”, afirma Bolsonaro durante visita ao Chile

Presidente cumpriu agenda no Chile durante a semana (Foto: Internet)

Depois da viagem que fez aos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) esteve no Chile e se encontrou com empresários locais em um café da manhã no sábado (23). Em conversa com o grupo Bolsonaro afirmou que a legislação trabalhista no Brasil deve “beirar a informalidade”.

“A equipe econômica nossa também trabalha uma forma de desburocratizar o governo, desregulamentar muita coisa. Tenho dito à equipe econômica que na questão trabalhista nós devemos beirar a informalidade porque a nossa mão-de-obra é talvez uma das mais caras do mundo”, disse Bolsonaro.

Ideologia volta a ser criticada

O presidente mais uma vez voltou a criticar a doutrinação em escolas e na imprensa. “Nos preocupa também, começou no governo Fernando Henrique e se agravou nos governos Lula e Dilma a questão ideológica que tomou conta das universidades e inclusive das escolas de ensino fundamental e também da grande mídia. É difícil encontrar um jornalista da grande imprensa que possa discutir conosco de igual para igual. Sempre tem um viés de esquerda nas discussões e parece que eles não querem enxergar ou foram doutrinados demais”, afirmou.

Depois do café com empresários, Bolsonaro segui para o Palácio La Moneda onde participa de uma reunião bilateral com o presidente com o presidente do Chile, Sebástian Piñera. Com informações de Band.

“Por enquanto não”, afirma Mourão sobre privatização dos Correios

(Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Com a viagem de Jair Bolsonaro (PSL) à Suíça o vice-presidente, general Hamilton Mourão ocupa o cargo de presidente em exercício e durante um evento na manhã dessa quinta-feira (24), ele disse que não há intenção de privatizar os Correios.

“Por enquanto, não”, respondeu Mourão, ao ser questionado se era a favor da privatização da estatal. Mourão esteve em uma cerimônia de comemoração dos 365 anos do órgão em homenagem ao Dia do Carteiro, em Brasília (DF).

Durante a campanha eleitoral, o presidente Jair Bolsonaro declarou que os Correios tinham “grande chance” de entrar em um programa de privatizações. Já o ministro de Ciência, Tecnologia e Comunicações, Marcos Pontes, disse, em dezembro, que o tema não estava na pauta no momento. Com informações de Band

Com primeira viagem de Bolsonaro, Mourão assume presidência nesta segunda

(Foto: Marcos Corrêa/PR)

Depois de dois anos e cinco meses um vice-presidente assumirá o comando do país. Presidente eleito em outubro passado, Jair Bolsonaro (PSL) fará sua primeira viagem ao exterior e o general Hamilton Mourão assume o país na madrugada desta segunda-feira (21).

Mourão assume a cadeira de presidente em exercício até sexta-feira (25), quando Bolsonaro retorna do Fórum Econômico Mundial, na Suíça. Além de Bolsonaro, farão a viagem Paulo Guedes (Economia), Ernesto Araújo Relações Exteriores), general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Sergio Moro (Justiça) e Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral).

Antes da viagem, na sexta passada (18), Mourão se reuniu com Bolsonaro e  assessores para ouvir pedidos específicos e se inteirar sobre os trâmites do dia a dia. O substituto costuma assinar somente medidas pré-acordadas com o presidente e que não impactam o cotidiano governamental e político.

Com informações do UOL

Bolsonaro fará ‘pente-fino’ nos dois últimos meses do governo Temer

Acompanhado de agentes da PF e da mulher, Bolsonaro vota no Rio.

O presidente eleito Jair Bolsonaro vai promover uma revisão geral nos atos praticados pelo atual presidente, Michel Temer nos últimos dois meses do mandato. O objetivo é verificar se as medidas tomadas por Temer estão de acordo com compromissos do governo do novo chefe do país.

“Nos primeiros dez dias, cada ministério deverá elencar as políticas prioritárias dentro de sua área de atuação – incluindo a revisão de atos normativos legais ou infralegais publicados nos últimos 60 dias do mandato anterior, para avaliação de aderência aos compromissos da nova gestão”, diz trecho do plano intitulado “Agenda de Governo e Governança Pública”, distribuído aos futuros ministros de Bolsonaro.

A revisão deve ser feita nos 100 primeiros dias de novo governo. O documento também determina que os futuros ministros avaliem todos os contratos de manutenção das respectivas pastas, com vistas à melhoria dos serviços e economia, mas não ordena cortes imediatos.

O plano para os primeiros 100 dias de gestão inclui orientações sobre nepotismo, contratações e cerimonial aos futuros ministros. Outro ponto destacado é a redução da burocracia no processo administrativo.

Com informações do Diário de Pernambuco

Saiba como acompanhar o resultado das eleições por meio do seu celular

(Foto: Divulgação/TSE)

O aplicativo “Resultados”, oferecido gratuitamente pela Justiça Eleitoral, permite aos cidadãos acompanharem o andamento do processo de apuração de votos das eleições 2018. Com o app é possível saber a contagem de votos de todo o Brasil e visualizá-la a partir de consulta nominal, que apresenta o quantitativo de votos totalizados para cada candidato com a indicação dos eleitos no segundo turno.

A nova versão traz inúmeras novidades em relação à versão anterior, utilizada em 2014. Dentre as mudanças, está o aprimoramento do layout do sistema, que aparece completamente renovado com a apresentação das fotos de todos os candidatos que disputam o segundo turno da eleição.

O aplicativo contém um tutorial com interação intuitiva, acessível ao usuário já no primeiro contato com o aplicativo. Além do “Resultado”, você pode baixar outros cinco aplicativos da Justiça Eleitoral. São eles: JE Processo, Boletim de Mão, E-título, Mesários e Pardal. Todos estão disponíveis para o eleitor tanto na versão para Android quanto para IOS e podem ser baixados nas lojas virtuais App Store e Google Play.

Com informações do TSE

Segundo turno terá duração de 20 dias, campanha estará liberada 24h após encerramento da votação

(Foto: Ilustração)

Encerrada a apuração das urnas, os dois candidatos à Presidência da República que vão disputar o segundo turno poderão iniciar suas campanhas depois das 17h dessa segunda-feira (8). O prazo é determinado pela Justiça Eleitoral que obriga esperar 24 horas do encerramento da votação para iniciar a propaganda, comícios e divulgações pagas.

Em 20 dias Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL) deverão buscar alianças e conseguir apoio dos eleitores para vencer no dia 28 de outubro. São esperadas reuniões das executivas nacionais do PTD, PSTU e PSDB para definir as alianças no segundo turno.

Ciro Gomes (PDT) sinalizou que apoiará Haddad na reta final, o que pode garantir uma vantagem ao petista no Ceará, único estado onde não liderou. A propaganda eleitoral começa na sexta-feira (12) e termina em 26 de setembro, dois dias antes da eleição.

Fernando Haddad lidera intenções de voto em Pernambuco

Haddad e Bolsonaro continuam polarizando intenções no Estado (Foto: Reprodução)

Faltando apenas um dia para a eleição deste domingo (7) o candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad é líder na intenção de votos em Pernambuco. Segundo pesquisa do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (IPESPE), Haddad subiu de 32% para 44%.

Na segunda posição vem Jair Bolsonaro (PSL), que também cresceu de 17% para 23%. Ciro Gomes (PDT) tem 10%, na terceira posição. Marina Silva (Rede) caiu de 15% para 5%, tecnicamente empatada com Geraldo Alckmin (PSDB), com 4%.

Henrique Meirelles (MDB), Cabo Daciolo somam 1%. Álvaro Dias (Podemos), João Goulart Filho (PPL), Vera Lúcia (PSTU) e Eymael (DC) tem 0%. Guilherme Boulos (Psol) e João Amoêdo (Novo) não pontuaram.

LEIA MAIS

Último debate presidencial será realizado na noite dessa quinta-feira (4)

(Foto: Ilustração)

Sete candidatos à Presidência da República participarão do último debate antes do primeiro turno das eleições, a ser realizado na noite de hoje (4) no Rio de Janeiro (RJ), promovido pela TV Globo.

Alvaro Dias (Podemos), Ciro Gomes (PDT), Fernando Haddad (PT), Geraldo Alckmin (PSDB), Guilherme Boulos (PSOL), Henrique Meirelles (MDB) e Marina Silva (Rede) estão confirmados. Jair Bolsonaro (PSL) será a única ausência confirmada.

O calendário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estabeleceu essa data como limite para realização de debates e hoje também é o último dia para a propaganda eleitoral em rádio e TV; propaganda política através de comícios, e reuniões públicas.

No domingo (7) os eleitores vão às urnas escolher seus deputados estaduais, federais, distritais, senadores e governadores, além do presidente e vice. A votação começa às 8h e se encerra às 17h.

Bolsonaro cai para 31% e Haddad sobe na pesquisa do BTG/FSB

(Foto: Arquivo/O Globo)

Na semana das eleições, Jair Bolsonaro (PSL) aparece na liderança das intenções de voto em uma pesquisa realizada pelo BTG/FSB, com 31%. O segundo lugar é do candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, somando 24%.

Em comparação ao último levantamento, Bolsonaro oscilou dentro da margem de erro,  de 33% para 31%. Por outro lado, Haddad subiu de 16% para 23%. Ciro Gomes (PDT) caiu de 10% para 9%, enquanto Geraldo Alckmin (PSDB) passou de 8% para 11%. Marina Silva (Rede) foi de 5% para 4%.

A pesquisa do BTG é a que tem dado maior pontuação a Bolsonaro na comparação aos outros levantamentos como o Datafolha e o Ibope. Foram ouvidos dois mil eleitores com idade a partir de 16 anos, entre os dias 29 e 30 de setembro de 2018, por telefone.

Eleições: Bolsonaro lidera em nova pesquisa, Haddad supera Ciro

(Foto: Agência Brasil)

Uma nova pesquisa encomendada pela Confederação Nacional de Transportes (CNT), divulgada nessa segunda-feira (17), sobre a corrida presidencial coloca Jair Bolsonaro (PSL) com 28,2% das intenções de voto. Em seguida aparece Fernando Haddad (PT), com 17,6%.

Essa é a primeira análise com Haddad candidato e o ex-prefeito de São Paulo se aproveita da transferência de votos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para deixar Ciro Gomes (PDT) em terceiro, com 10,8%.

Geraldo Alckmin (PSDB) vem em seguida, somando 6,1% e Marina Silva (Rede) aparece com 4,1%. João Amôedo (Novo) aparece com 2,8% das intenções, na frente de Álvaro Dias (Podemos), que tem 1,9%, e Henrique Meirelles (MDB) que tem 1,7%.

Na primeira pesquisa, Bolsonaro aparecia em segundo om 18,8%, seguido por Marina, Alckmin e Ciro. Haddad não constava no levantamento, pois até então o nome de Lula era utilizado na pesquisa. O ex-presidente liderava com 37,3%.

Alckmin é o que mais arrecadou entre candidatos à Presidência da República

(Foto: Ilustração)

A prestação de conta dos candidatos à Presidência da República aponta Geraldo Alckmin (PSDB) como o pleiteante que mais arrecadou até o momento. Os dados foram apresentados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no sábado (15).

Alckmin (PSDB) levantou R$ 46,4 milhões. Do montante, R$ 46,26 milhões (97,8%) foram oriundos do Fundo Eleitoral. A segunda maior arrecadação foi de Henrique Meirelles (MDB), que declarou R$ 45 milhões em receitas até o momento, recurso do próprio candidato.

A terceira maior declaração foi a do PT, com Fernando Haddad. Foram movimentados R$ 20,6 milhões em receitas, destaque para o financiamento coletivo que arrecadou R$ 598 mil. Ciro Gomes (PDT) vem na quarta posição, com R$ 16,1 milhões recebidos, todo do Fundo Eleitoral.

Marina Silva arrecadou R$ 7,2 milhões. Álvaro Dias (Podemos) recebeu R$ 5,2 milhões, Guilherme Boulos (PSOL) recebeu até agora R$ 5,99 milhões, a maior parte do Fundo Eleitoral. João Amoêdo (Novo) afirma ter recebido R$, 2,6 milhões.

José Maria Eymael (PSDC) declarou R$ 849 mil e Jair Bolsonaro (PSL) disse ter conseguido R$ 688,7 mil. Vera Lúcia (PSTU) declarou receitas no valor de R$ 401 mil, praticamente toda oriunda do Fundo Eleitoral.

123