Foragido do Rio Grande do Norte é preso em Lagoa Grande

A Polícia Militar de Lagoa Grande (PE) prendeu na tarde dessa quarta-feira (18) um homem foragido do Rio Grande do Norte. José Aldo de Souza, de 42 anos foi encontrado por equipes Malhas da Lei da 2ª CIPM.

De acordo com a Polícia Civil de Cabrobó, ele residia no bairro Chafariz e era procurado na cidade de Tangará (RN) pelo crime de violência doméstica.

José Aldo foi encaminhado à Delegacia de Polícia Civil de Cabrobó e já está preso na Cadeia Pública da cidade. A 25ª DESEC de Cabrobó também atuou na prisão.

Buscando recuperação, Salgueiro joga fora de casa pela Série C

(Foto: Internet)

Ainda sem vencer no Campeonato Brasileiro da Série C, o Salgueiro joga em Natal (RN), às 16h desse domingo (29). Longe da sua torcida, o Carcará busca se recuperar da derrota sofrida na última rodada da competição.

Durante a semana o Salgueiro teve um alívio na má fase, após vencer a Desportiva Juazeirense na partida decisiva da pré-Copa do Nordeste.

Hoje o Carcará ocupa a oitava posição, com apenas um ponto somado em duas partidas. Já o Globo, está na 5ª colocação do Grupo A.

Rio Grande do Norte decreta estado de calamidade na segurança pública

Policiais civis fizeram protestos em Natal contra atraso de salários e paralisaram atividades. (Foto: Sinpol/Divulgação)

O governo do Rio Grande do Norte decretou estado de calamidade no sistema de segurança pública. De acordo com o decreto, publicado hoje (6) no Diário Oficial do estado, o motivo é a paralisação dos policiais civis e militares, além do aumento dos índices de violência.

O decreto tem vigência de 180 dias e, com o estado de calamidade, o governo pode adotar medidas emergenciais para superar a crise no estado.

LEIA TAMBÉM

Polícia Federal mais que dobrou o número de policiais para acelerar investigação de políticos citados na Lava Jato

Segundo a publicação, enquanto perdurar a situação, ficam disponíveis para atendimento aos serviços necessários do sistema de segurança pública todos os bens, serviços e servidores da Administração Pública Direta ou Indireta.

As autoridades administrativas poderão requisitar ou contratar “quaisquer serviços e bens disponíveis, públicos ou privados, com vistas ao restabelecimento da normalidade no atendimento aos serviços de segurança pública”.

LEIA MAIS

Sem policiamento nas ruas, Mossoró registra madrugada violenta com quatro homicídios

(Foto: Internet/Ilustração)

Com oficiais da PM e do Corpo de Bombeiros em greve, a sexta-feira (22) e a madrugada de hoje (23) foram violentas em Mossoró (RN). Duas mulheres, um homem e um adolescente mortos, além de uma criança baleada e socorrida ao hospital.

Por conta da paralisação dos PMs, iniciada terça-feira (19), a cidade só conta com 30% do efetivo nas ruas. O protesto é por causa dos salários atrasados, situação recorrente já alguns meses no estado.

Em Natal, a Força Nacional foi convocada para ajudar no patrulhamento. Entre homens e mulheres, 70 agentes chegaram à cidade para dar apoio no patrulhamento. Mossoró não recebeu reforço algum.

Sem polícias, RN receberá reforços da Força Nacional

(Foto: Internet)

Em meio à paralisação das polícias militar e civil, além de agentes penitenciários, o Rio Grande do Norte receberá nas próximas horas o reforço de 70 homens da Força Nacional de Segurança Pública para se juntar aos 120 que já estão reforçando a segurança.

A maior parte do efetivo da Polícia Militar do Rio Grande Norte não tem saído dos quartéis. Além disso, policiais civis e agentes penitenciários também cruzaram os braços. Nos presídios, por exemplo, as audiências e as visitas estão suspensas. Diante desse cenário, cresceram os relatos de saques ao comércio em Natal e roubos de veículos.

Imagem aérea de reservatório do Rio Grande do Norte expõe tormento da seca no Nordeste

À esquerda, o Gargalheiras em 2011, quando ainda ocorria a sangria, a cascata artificial; à direita, nos dias atuais, sob a seca. (Foto: Canindé Soares e Anderson Barbosa/G1)

A imagem do Açude Marechal Eurico Gaspar Dutra, reservatório conhecido como Gargalheiras, localizado no Rio Grande do Norte, demonstra o tormento que a seca tem causado para o Nordeste.

O reservatório, que é um dos mais belos da região Seridó potiguar, está no volume morto depois de seis anos consecutivos de seca. Na condição de volume morto, a água se torna imprópria para o consumo humano em razão da mistura com a lama e demais dejetos que estão no fundo do leito.

Gargalheiras

Açude Gargalheiras é uma barragem/açude localizada no município de Acari, distante 210 quilômetros de Natal. Fica na bacia hidrográfica do Rio Piranhas-Açu, tendo sido inaugurado em 1959.

Rio São Francisco

O lago da Usina de Sobradinho, na Bahia, está operando com a menor vazão desde que iniciou suas atividades, em 1979. Diante da falta de chuvas na região, a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), que opera o equipamento, baixou de 600 m³/s para 580 m³/s o volume de água que continua seguindo o curso do rio São Francisco.

Vítimas de massacre no Rio Grande do Norte no século 17 se tornam santos neste domingo

(Foto: Internet)

Em 1645, um grupo de católicos foi arrastado para um trecho do rio Potengi, perto de Natal, no Rio Grande do Norte. Seus algozes, soldados holandeses e índios tapuias, lhes arrancaram línguas, deceparam pernas e braços e partiram crianças ao meio.

Enquanto tinha o coração arrancado pelas costas, umas das vítimas Mateus Moreira repetia: “Louvado seja o Santíssimo Sacramento”, segundo relato da Igreja Católica.
Neste domingo (15), o papa Francisco o canonizou em uma missa na Praça de São Pedro, juntamente com as demais vítimas e outras figuras ligadas à violenta história da evangelização na América Latina.

“Não se pode dizer ‘Senhor, Senhor’, sem viver e colocar em prática a vontade de Deus. Necessitamos nos revestir a cada dia com seu amor, de renovar a cada dia a escolha de Deus. Os santos canonizados hoje, sobretudo os tantos mártires, indicam esse caminho. Eles não disseram ‘sim’ ao amor apenas com palavras, mas com a vida, e até o fim”, ressaltou o papa na cerimônia de canonização.

O episódio, conhecido como massacre de Cunhau e Uruaçu, ocorreu no Rio Grande do Norte durante a dominação holandesa na região. Suas vítimas se tornaram os primeiros mártires do país.

LEIA MAIS

Rio Grande do Norte registra a maior fuga da história do sistema prisional Estado

(Foto: Divulgação)

Durante a madrugada desta quinta-feira (25) 91 presos escaparam por um túnel de aproximadamente 30 metros de extensão, da Penitenciária Estadual de Parnamirim, na Grande Natal. A lista com os nomes dos detentos que permanecem foragidos ainda não foi divulgada.

Dos fugitivos, nove foram recapturados e 82 ainda estão soltos pelas ruas. As informações foram confirmadas pela Secretaria de Justiça e da Cidadania (Sejuc), que já determinou a abertura de uma sindicância para apurar se houve facilitação.

Até então, a maior fuga ocorrida no estado havia sido a de janeiro deste ano, durante o massacre de Alcaçuz. A penitenciária, a maior do RN, fica em Nísia Floresta, também na região metropolitana da capital potiguar. A Secretaria de Justiça e da Cidadania (Sejuc) considera que pelo menos 26 presos foram assassinados na ocasião, e que 56 conseguiram escapar em meio à matança.

A Penitenciária Estadual de Parnamirim tem capacidade para 436 detentos. No entanto, abrigava 589 presos antes da fuga.

Com informações do G1

Servidor atira em procurador geral e promotor em Natal

(Foto: Divulgação/MP)

Durante a manhã desta sexta-feira (24), um servidor do Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) baleou o procurador ­geral adjunto do estado e o promotor de Justiça, lotado no Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Segundo informações da a assessoria do Ministério Público, o autor dos disparos já foi identificado e é um servidor concursado do órgão que trabalhava como assessor de uma procuradoria, Guilherme Wanderley Lopes da Silva.

Testemunhas informaram que Guilherme Wanderley ingressou na sala onde o procurador ­geral e o promotor participavam de uma reunião administrativa e, bastante exaltado, sacou a arma e disparou a esmo. O procurador ­geral foi atingido no tórax. Um dos tiros atingiu o promotor pelas costas. Os dois foram levados para o Pronto ­Socorro Clóvis Sarinho. De acordo com a assessoria do Ministério Público, inicialmente o quadro de ambos foi considerado estável.

O autor dos disparos conseguiu fugir. A Polícia Militar não se pronunciou sobre a ocorrência. Ainda não se sabe o que pode ter motivado o crime

Com informações do NE10

Presídio do RN ainda está sob controle de detentos e muro deve ser construído hoje

(Foto: Andressa Anholete/AFP)

O sétimo dia de confronto na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte, continuou com o interior do prédio sob o controle dos detentos, apesar de não ter havido novos confrontos como os que foram vistos quinta-feira (19) e transmitidos ao vivo pela televisão em todo o país. Três feridos foram retirados por cima dos muros da prisão e 11 detentos foram transferidos por ter direito à progressão da pena para o semiaberto.

De acordo com a assessoria de comunicação da Secretaria de Saúde do estado, pelo menos 20 presos já foram retirados de Alcaçuz desde ontem. A maioria foi resgatada na madrugada de hoje, segundo a pasta. Foi solicitado que o hospital para onde todos foram transferidos seja mantido em sigilo para evitar tentativas de resgate. O estado de saúde do internos também não foi divulgado.

Outros três homens foram retirados nesta tarde por meio de macas içadas pelo Corpo de Bombeiros. O trabalho foi feito com a ajuda de cordas para ultrapassar os altos muros da unidade, já que as forças policiais estaduais têm acesso livre somente à parte de fora.

O secretário de Segurança Pública e Defesa Social do Rio Grande do Norte, Caio César Marques Bezerra, declarou à imprensa nesta noite que a guarda do presídio “está no perímetro externo e nas guaritas”. “O choque e o Bope entraram ontem para definir uma área de não confrontação e estamos mantendo esses limites”, informou. “Temos as guaritas para fazer a proteção e o patrulhamento externo”.

Com informações do EBC

Presos interrompem rebelião em presídio do RN para culto evangélico

(Foto: Magnus Nascimento)

Parte dos presos da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte,  interromperam a rebelião que acontece desde sábado (14) para a realização de um culto evangélico nesta sexta (20). Os detentos entoaram músicas religiosas e fizeram orações.

Além de um violão, os presos contavam com caixa de som, microfones, cadeiras de plástico e até um púlpito para a celebração religiosa.

Apesar da pausa para o culto, o clima continua tenso na unidade prisional. Desde sábado, pelo menos 26 presos já morreram na rebelião. Na manhã desta sexta os presos continuavam soltos pelos pavilhões e pelos pátios do presídio. Também era possível ver detentos sobre os telhados da unidade.

Com informações do G1

Agentes penitenciários do Rio Grande do Norte decretam greve; MP considera ilegal

(Foto: AFP)

Os agentes penitenciários do Rio Grande do Norte decidiram, em assembleia quinta-feira (19) entrar em greve por tempo indeterminado a partir da próxima quarta-feira (25), caso o governador Robison Faria leve em frente a intenção de contratar, de forma simplificada, 700 pessoas para atuar como agente nos presídios.

A contratação foi uma das medidas anunciadas pelo governador para reagir à crise penitenciária que o estado enfrenta há uma semana – desde o último sábado (14) – e que já deixou 26 mortos no presídio estadual de Alcaçuz. Facções rivais brigam pelo controle da unidade, como parte da ofensiva nacional do Primeiro Comando da Capital (PCC) para expandir sua área de dominação no país. Ontem, imagens do último confronto foram transmitidas ao vivo durante horas, por diversos veículos de comunicação.

Por telefone, o procurador-geral de Justiça do Rio Grande do Norte, Rinaldo Reis Lima, disse à Agência Brasil que considera a greve ilegal. “Um concurso público é demorado. Essa contratação é temporária. Nós estamos precisando de agentes agora, hoje. Aliás já estávamos precisando desde antes. Uma greve com esta fundamentação é totalmente desarrazoada, além de ser ilegal porque não é possível se pensar em fazer isso agora”.

Segundo o procurador, atualmente seis agentes penitenciários se revezam em turnos para tomar conta do presídio de Alcaçuz, que, antes do conflito entre as facções, aprisionava cerca de 1,2 mil homens. Existe uma ação civil pública movida pela Procuradoria desde 2015 que exige a realização de concurso público, mas ela não foi julgada até o presente momento, conforme Rinaldo Reis.

Com informações do FolhaPE

Presos voltam a se rebelar no Rio Grande do Norte

(Foto: Magnus Nascimento/Tribuna do Norte)

Nesta terça-feira (17) presos da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte, voltaram a se rebelar. A informação foi confirmada pelo Comando da Guarda da unidade prisional.

Os presos dos pavilhões 1, 2, 3 e 4 montaram uma barricada no final da manhã de frente ao pavilhão 5. Pelo outro lado, os detentos do pavilhão 5 também fizeram a mesma coisa. As barricadas são feitas com portas e outros objetos que foram arrancados de dentro dos pavilhões. Às 14h o “caveirão” e viaturas da Tropa de Choque chegaram ao presídio.

A PM tenta conter a situação com bombas de efeito moral e tiros de arma não letal. “A situação é muito tensa”, disse o major Wellington Camilo, do Comando da Guarda Penitenciária.

Há gritaria e os presos do Sindicato do Crime e do PCC montaram barricadas. Viaturas da Força Nacional e da Polícia Militar fazem o patrulhamento dos arredores do presídio para tentar impedir fugas.

Por volta das 11h55 foram ouvidos muito tiros dentro da unidade. Ainda não se sabe se foram tiros com munição não letal. Às 12h40 os presos levaram outros quatro detentos, provavelmente feridos, com carrinhos de mão para a área administrativa do presídio.

Às 14h25 uma ambulância levou presos para serem atendidos no Hospital Walfredo Gurgel, em Natal. De acordo com o assessor de comunicação do Walfredo, apenas um detento deu entrada no hospital, com um tiro na mão.

Com informações do G1

Rebelião no maior presídio do Rio Grande do Norte termina com 10 mortes confirmadas

(Foto: Sejuc/divulgação)

A rebelião na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, do Rio Grande do Norte, acabou após 14h20 de duração. Os detentos, que se rebelaram às 17h deste sábado (14), se renderam às 7h20 deste domingo (15) após a Tropa de Choque da Polícia Militar entrar nos pavilhões.

Segundo a Secretaria de Segurança, não houve troca de tiros. Há ao menos dez mortes confirmadas durante a rebelião, informou o governo estadual do Rio Grande do Norte.

A rebelião começou com uma briga entre presos dos pavilhões 4 e 5. Segundo o governo, a briga estava restrita aos dois pavilhões. O pavilhão 5 é o presídio Rogério Coutinho Madruga, que fica anexo a Alcaçuz. Há separação entre presos de facções criminosas entre os dois presídios.

Um helicóptero da PM auxiliou na operação, que envolve Choque, Bope e GOE (Grupo de Operações Especiais). Às 6h20, era possível ver fumaça negra nos pavilhões e ouvir bombas de efeito moral do lado de fora da penitenciária.

Alcaçuz fica em Nísia Floresta, cidade da Grande Natal, e é o maior presídio do estado. A penitenciária possui capacidade para 620 detentos, mas abriga cerca de 1.150 presos, segundo a Sejuc, órgão responsável pelo sistema prisional do RN.

Com informações do G1

Após ataques no Rio Grande do Norte, STF afirma que estados não podem bloquear celulares em presídios

(Foto: Internet)

Bloqueadores de celular nas presídios é de competência da União, diz STF. (Foto: Internet)

Leis estaduais que determinam o bloqueio do sinal de telefones celulares em áreas próximas aos presídios, foi o que decidiu o Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira (3). Os ministros decidiram, por 8 votos a 3, que somente a União pode legislar sobre o tema.

O STF (Supremo Tribunal Federal) considerou nesta quarta-feira (3) que são inconstitucionais leis estaduais que determinam o bloqueio do sinal de telefones celulares em áreas próximas aos presídios. Por 8 votos a 3, os ministros definiram que apenas a União pode legislar sobre o tema.

A discussão acontece após vários ataques que aconteceram no Rio Grande do Norte devido a instalação de bloqueadores de sinal de celular em penitenciárias do estado. Os bloqueadores, que foram instalados na quinta-feira (28), devem impedir que os detentos façam ou recebam ligações de dentro do presídio.

LEIA MAIS
12