Vereador Zé Batista quer debate sobre Plano de Arborização em Petrolina

(Foto: ASCOM)

A Câmara de Vereadores de Petrolina deve realizar na próxima quinta-feira (5) uma Audiência Pública para discutir o Plano de Arborização Municipal. O debate foi proposto pelo vereador José Batista da Gama, no final de agosto e aprovado pelos colegas de Casa Plínio Amorim.

Engenheiro agrônomo, Zé Batista propôs a participação de diversos órgãos, entre eles Embrapa, Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEDURBH), Agência Municipal do Meio Ambiente (AMMA) e IF-Sertão. Na audiência serão analisados os pré-requisitos do projeto, em especial, os aspectos urbanísticos e paisagísticos do município.

“Antes da formação do Plano de Governo eu já discutia a possibilidade de entrar com um projeto municipal de arborização, considerando que nossa cidade é crua, carente de arborização. Como engenheiro agrônomo eu sentia esse dever”, justificou o edil.

Mortandade das abelhas

O vereador já antecipou que fará um novo pedido para realização de audiência na Casa Plínio Amorim, porém, voltada às abelhas. “É uma preocupação nossa com a cadeia produtiva, as abelhas estão morrendo e quem é responsável pela produção de alimentos é a abelha”, pontuou.

Um Comentário

  • Roberto José

    2 de setembro de 2019 at 11:09

    De fato, Petrolina é muito carente de arborização; nossas vias, salvo algumas exceções, não dispõe de cobertura vegetal no mínimo adequada. O poder público até que tenta plantar algumas árvores, mas peca no quesito manutenção, pois sem um cuidado contínuo, com adubação e, principalmente, irrigação; muitas delas não sobrevivem ao primeiro ano. Uma solução para atenuar a falta de árvores seria a criação de mais parques municipais, com a implantação de várias áreas verdes dentro e no entorno; aliás, há duas obras que foram anunciadas pela prefeitura que poderiam contribuir para isso: o parque da cidade e o parque da orla 2. Se saírem do papel, e investirem na arborização, trará maior qualidade de vida aos munícipes das circunvizinhanças. Além disso, investir em campanhas de conscientização, bem como distribuir, através das sementeiras municipais, árvores nativas da região, ou, no mínimo, resistentes ao calor e ao tempo seco. Já com relação ao desaparecimento das abelhas, a causa mais provável é a manipulação e uso indiscriminado de novos agrotóxicos nos cultivos da nossa região. Há uma desconfiança muito grande da participação da Monsanto (hoje Bayer), empresa envolva em diversos escândalos, mundo afora, de envenenamento e alteração genética de alimentos; mas certamente nenhum desses políticos terão coragem, se de fato for essa a causa, de expor a verdade.

    Responder

Deixe uma resposta