A experiência de participar da festa de Iemanjá: salve Odoyá, salve a rainha do mar!

foto jornalista 9

Foto: Pedro Carvalho Diniz

Muito se especula das religiões africanas, mas poucos, de fato procuram saber. As críticas, a falta de respeito e de conhecimento, dominam o senso comum que julgam sem ao menos se permitir conhecer. Eu, até pouco tempo nada sabia sobre o universo das religiões de matriz africana. E admito, ainda pouco sei, porém respeito, infinitamente.

Dois de fevereiro, é a data em que se comemora o dia de Iemanjá, a rainha do mar, a mãe de todos os orixás, a protetora das crianças e das famílias. No sincretismo religioso ela é representada na figura de Maria, mãe de Jesus Cristo. Essa jornalista que vos escreve, sempre foi curiosa como o quê, quando o assunto é o desconhecido. Principalmente levando em consideração que nasceu e cresceu na doutrina do catolicismo tradicional, onde assim como demais vertentes do cristianismo, trata as outras religiões como sendo “o lado negro da força”. A convite de amigos, fui conhecer o Ilê Axé Ogum de Ronda, aqui em Petrolina, sertão de Pernambuco. Lá, fui apresentada a Ialorixá Socorro, a quem todos chamam de Mãe Socorro, a “Mãe-Pequena” Edinha e ao Pai Edson.

IMG_0189 (2)

Foto: Pedro Carvalho Diniz

Não posso deixar de destacar o quão lindo e diferente é o rito.  Flores enfeitam o local, aos poucos os filhos de santo da casa, a mãe Socorro, o pai Edson, os pais e mães de santo da região e os convidados, se reúnem. Com exceção dos convidados, todos começam a dançar ao som do atabaque e entoam cantigas que falam do demais orixás.  O canto alegre contagia o local. Em determinado momento, a “Mãe Edinha” entra, mas não é ela, é a mãe Iemanjá que já está presente. Ela dança com graça, a mãe de todos os orixás, também é guerreira e no seu “baile” faz referência a um combate com espada empunhada.

IMG_0132 (2)

Foto: Pedro Carvalho Diniz

Todos dançam e cantam, ela está ali, ela é a presença principal da festa. Depois de um certo tempo, a Orixá senta para dar a benção a seus filhos e se despedir. Primeiro os filhos da casa, depois os visitantes. Um a um, deitam sob seus pés e de joelhos a abraçam. Em seguida, ela entra em um quarto e quando retorna, é novamente a Mãe Edinha.

Após o término do momento festivo, um jantar foi servido. Assim como fui ensinada em casa, primeiro os convidados, depois os de casa. É um mundo curioso, enfim, mas não muito diferente daquele fui criada. São pessoas comuns que se divertem e agradecem. Não há bicho-papão, não bebi sangue de animal, nem vi criancinhas sendo sacrificadas. Para falar a verdade, fora os cachorros que por ali estavam, não vi nenhum outro bicho, que não o homem.

Sim, essa religião tem seus rituais, assim como a Católica, a Evangélica, o Espiritismo, o Budismo e tantas outras. E sabe o que mais me surpreendeu? Minha surpresa foi saber que a Umbanda também é católica e espirita, ao mesmo tempo. Os orixás que são cultuados, nada mais são que forças da natureza, que na escala da divindade, está abaixo do “Todo Poderoso”. Com doutrinas diferentes, porém bem semelhantes nas suas crenças.

foto jornalista 11

Foto: Pedro Carvalho Diniz

O conhecimento, a curiosidade, o respeito e se despir de todo preconceito é o maior poder que qualquer pessoa pode ter. No final das contas, independentemente de crença, cor, partido político e time de futebol, somos todos iguais. Não há motivo para incitar o ódio e o preconceito. Só podemos e devemos criticar o que de fato conhecemos. E é assim, enfeitiçada pelos ritos de Iemanjá que me despeço, peço proteção e a saúdo, até logo, Salve Odoyá, a rainha do mar!

Texto: Giomara Damasceno, Jornalista – Blog Waldiney Passos

Fotos: Pedro Carvalho Diniz

Deixe uma resposta