“A nenhum de vocês, eu prometi ou quis demostrar sinais de uma possível candidatura”, diz Julio Lossio em carta aos pré-candidatos

SONY DSC

Antes de divulgar nome do escolhido do grupo, Júlio Lossio encaminhou carta a todos os pré-candidatos

Em carta enviada aos amigos, como o prefeito define os que se colocaram na condição de pré-candidatos a prefeito pelo seu grupo, Julio Lossio, cerca de vinte dias antes do anúncio do nome do escolhido para disputar o pleito de outubro, deixou claro os momentos de incerteza e reflexão sobre a decisão. No texto Julio deixa bem claro não ter prometido ou dado sinais a ninguém sobre uma possível candidatura e pediu cuidado com a vaidade que mora em cada um.

Confira a íntegra da carta:

Caros amigos,

Eu digo caros amigos porque, de fato, todos vocês já eram, ou porque no decorrer de nossa caminhada, tornaram-se grandes amigos para mim.

São 3h40min, é madrugada, e ainda estou acordado. E a culpa da minha insônia de hoje são vocês. “Não uma culpa dolosa, mas uma culpa culposa.”

Assim sendo, tomo a liberdade de dividir com vocês esse momento de reflexão.

Osvaldo Coelho dizia sempre: Política, o quanto pode!

E, de fato, a política, arte inigualável de se lidar com gente, é realmente como o tempo: muda sem avisar. O que parecia sol, vira chuva e o frio, de repente, vira calor.

E, assim, é a política. Hora dia, hora noite. Hora claro, hora escuro.

Todos vocês, sem exceção, ocuparam posições de destaque em nosso governo. Vemos isso pela avaliação da capacidade de desempenhar as funções que lhes atribuímos, tudo com maestria e firmeza.

Para minha sorte, acertei mais, que errei, nas escolhas. E todos vocês foram brilhantes, cada um ao seu modo e ao seu tempo.

Por outro lado, tenho plena consciência de que, a nenhum de vocês, eu prometi ou quis demostrar sinais de uma possível candidatura. Se assim você interpretou, peço desculpas, mas essa não era a minha intenção.

As minhas escolhas sempre se deram com o olhar muito mais técnico que político. Meu desejo sempre foi o de entregar à população o melhor produto possível: um melhor serviço público. E assim o fizemos. Os números do nosso governo refletem isso.

Nunca tivemos um candidato natural à sucessão. Isso ocorre, apenas, em duas ocasiões.

Uma, quando um governo é tão ruim e mal avaliado, que ninguém quer sucedê-lo. A disputa se torna um sacrifício. E eu já vi isso em nossa cidade.

Ou, no nosso caso, quando um governo é exitoso e, consequentemente, grande parte de seus quadros pode ser alçado à condição de candidato.

Contudo, nesse caso, surge um outro grande problema: temos muitos e apenas um pode ser candidato a Prefeito.

Aqueles testes que fiz com vocês, um de auto avaliação e outro de avaliação pelos colegas, mostram com muita clareza – revejam as avaliações –, a enorme dificuldade que temos de avaliar a nós mesmos.

A nossa visão do que somos, na grande maioria das vezes, está longe daquilo que realmente somos para a coletividade.

Todos vocês, ou a grande maioria, vestiram a roupa de pré-candidatos. E esse foi o nosso desejo ao fazer o convite para tal.

Todos vocês, com exceções, porém, tomaram a cachaça da política. E como todo aquele que bebe, estão embriagados, e é exatamente aí onde mora o perigo.

Cada um, sente-se e acredita, piamente, que é o melhor candidato. Sente-se e acredita, piamente, que é o mais merecedor. Sente-se e acredita, piamente, que, em um dado momento, eu sinalizei que você seria o candidato.

Nosso sinal verdadeiro sempre foi que um de vocês poderia ser candidato.
Leiam com atenção os tempos verbais.

Hoje, esse é o motivo da minha insônia.

Infelizmente, a sua embriaguez pode produzir uma ressaca danosa à nossa relação. Preocupa-me mais a relação pessoal que a política.

A política passa e as perdas daqui, recompomos ali. As relações pessoais nem sempre.

Ganhei muitos amigos. Mas, por outro lado, perdi alguns amigos queridos por conta da política. Não gostaria que acontecesse com um ou alguns de vocês.

Sei que, após a desincompatibilização, todos vocês, cada um ao seu modo, fizeram seus movimentos.

As pessoas do seu entorno, e acreditem, somente as pessoas do seu entorno, tratam vocês como candidatos. É isso mesmo.

E, acreditem, muitas delas fazem isso com mais de um de vocês, porque para muitas pessoas, faz parte do jogo cativar o ego e a vaidade do futuro prefeito.

Mais uma vez, eu reafirmo: a nenhum de vocês foi ofertada a candidatura. A todos, sem exceção, foi oferecida a oportunidade de participar da discussão.

Quais os critérios serão usados na escolha? Critérios objetivos e subjetivos, posso afirmar.

Temos feito observações. De comportamento, de treinamento, a exemplo do período vivido com Aldo Vilela. De pesquisas qualitativas e quantitativas. Do ambiente externo e do clima político. E esse é o mais perigoso, pois avaliamos uma tendência, já que não temos ao alcance de nossas mãos, o instrumento da adivinhação da temperatura política no período eleitoral. No máximo, observamos uma tendência.

Assim sendo, quero pedir, e até orientar, a cada um de vocês que, neste momento e nos próximos quinze a vinte dias, parem de beber da cachaça da política. Ou seja. Viajem, procurem ler um bom livro, fujam dos “amigos” que já o chamam de prefeito (esses são os mais perigosos, alguns sem intenção, outros por puro prazer da brincadeira).

Ninguém deve colocar a faixa ou usar o nome daquilo que ainda não é.

Na melhor das hipóteses é permitido chamar alguém do que já foi. Jamais do que pretende ser.

Procurem agir e vestir a roupa do não candidato. Até porque, dos seis a quem me dirijo, só um “poderá” estar na chapa majoritária.

Então, vamos a um choque de realidade. Se nós temos seis para uma vaga, a verdade é que sua chance de não ser é muito maior do que a de ser.

Matematicamente, a chance de não ser é de 83,3%.

Assim sendo, cuidado com a vaidade que mora em cada um de nós.

Sei que, para alguns, a possibilidade de ser é de no mínimo 83% e, na verdade, essa é a possibilidade real de não ser.

Acreditem, nenhum movimento que façam nos próximos dias ajudará em absolutamente nada. Na verdade, pode até atrapalhar. A chance de cair enquanto corremos é muito maior que a de cair enquanto estamos deitados. Portanto, é hora de deitar.

Toda avaliação qualitativa e/ou quantitativa busca achar um perfil daquilo que, no momento eleitoral, o povo gostaria de ter.

Isso reflete a ação de cada de vocês nos últimos sete anos. E até durante toda vida. Digo até que todos os últimos movimentos políticos foram válidos como experiência pessoal. Contudo, de nada ajudam na escolha.

Uma fala, uma marca, uma foto produzida, um vídeo, um conceito, entre tantas outras ações. Tudo isso tem importância. Mas, nesse momento, pouca ou nenhuma importância. Não atrapalha, mas também não ajuda.

Tudo será produzido e afinado após a escolha. Os vídeos, as gravações que pedi para fazer com vocês, em um ou outro momento, não tinham a intenção de projetar o candidato. A intenção era avaliar qualitativamente o seu desempenho.

Nossa pesquisadora chega a usar técnicas de neurociência, a exemplo, a de arrancar do entrevistado a avaliação que faz no seu subconsciente da imagem que vê.

Assim, ao meu ver, é hora de deitar e relaxar.

E, agora, preparar-se mais para não ser, do que para ser. Preparar-se mais para participar e ajudar o seu colega que será escolhido, do que para ser ajudado.

Somos um time  e todos nós que não estivermos na disputa direta certamente teremos outras missões em outras tantas jornadas.

Espero que o escolhido possa somar forças. E os não escolhidos possam junto a mim que também não estarei na disputa atuar como soldados da causa.

Como em um vestibular, estudar de véspera atrapalha mais que ajuda.

E, agora, eu acho que dormirei bem, pois penso ter sido muito claro e sincero.

Um beijo em todos. Bom descanso!

Júlio Lóssio – Prefeito

Um Comentário

  • Leandro Soares

    17 de junho de 2016 at 13:16

    “A chance de cair enquanto corremos é muito maior que a de cair enquanto estamos deitados. Portanto, é hora de deitar”.
    Pra bom entendedor, meia palavra basta. Para aliados de Julio Lóssio, o sono de Cinderela.
    Com essa indireta, muito mais direta impossivel, tem endereço e localização por GPS para Orlando Tolentino, aqui vai um conselho meu: Corra Tolentino, corra mesmo. Não vá deitar-se, como lhe recomenda o ex-amigo de outrora. Corra, o efeito do veneno só atinge os que se entregam. Não faça como a Cinderela, nessa história não tem conto de fadas. Reaja ao efeito amargo do veneno embebido no punhal que lhe cravaram às costas. Voce é não é do tipo que se embriaga com essa “cachaça”, mas pode se dar muito mal se cair no conto do Lobo mau.
    E, se eu não me engano, tem lobo mau pintado de verde só pra disfarçar.

    Responder

Deixe uma resposta