Ação da Codevasf em Petrolina permite economia de água e ganho ambiental em projeto irrigado

(Foto: ASCOM)

O projeto de irrigação comunitária de Porto de Palha é ocupado por vinte famílias com lotes agrícolas de dois hectares cada um. (Foto: ASCOM)

Agricultores familiares assentados no projeto de irrigação comunitária Porto de Palha, que é ocupado por vinte famílias que já produzem caju, manga, uva, mamão e tomate, entre outros cultivos, em Petrolina (PE), no semiárido pernambucano, passarão a desenvolver seus cultivos com economia de água e ganhos ambientais.

Nesta quinta-feira (08) o superintendente regional da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) em Pernambuco, Aurivalter Cordeiro, fez a entrega aos produtores dos hidrômetros, equipamento que vai possibilitar a individualização da cobrança da água.

Os hidrômetros eram uma reivindicação antiga dos agricultores do projeto, que foi implantado em 2012 pela Secretaria de Agricultura e Reforma Agrária do Estado de Pernambuco com recursos do Ministério da Integração Nacional.

O projeto de irrigação comunitária de Porto de Palha é ocupado por vinte famílias com lotes agrícolas de dois hectares cada um. Os irrigantes utilizam os sistemas de gotejamento e microaspersão; e cultivam principalmente caju, manga, uva, mamão e tomate, produção que é comercializada nos mercados local e regional.

Para o superintendente regional da Codevasf, o projeto deverá em breve se destacar na região por se tratar de um sistema comunitário de operação, cujos resultados já podem ser observados pela produção de frutas. “Servirá de modelo”, garante Cordeiro.

Para Cícero Almeida, presidente da Associação dos Pequenos Produtores de Porto de Palha (APAPP), a ação vai melhorar bastante a situação dos irrigantes. “Antes, o valor total do custo da água era dividido igualmente por todos. Então alguns não se preocupavam em economizar água. Agora, cada um vai pagar só o que consumir, e, com certeza, todos aprenderão a economizar”, acredita.

Com informações da ASCOM

Deixe uma resposta