Artigo: A mulher onde deveria estar

(Foto: Profa Dra Rita Cristiane R.G.Soares)

A Professora Dra Rita Cristiane R.G.Soares, enviou um artigo reflexivo sobre o papel da mulher na sociedade, desde o início do século XX, até os dias atuais.
Acompanhe na íntegra:

“Na Contemporaneidade a mulher conquistou o merecido espaço de igualdade com o homem, desempenhando funções, exercendo cargos e auferindo direitos antes, injustamente, reservados apenas para à população masculina.

Em tempos passados, sobretudo até o início do século XX, as mulheres eram ensinadas a serem as “damas do lar”, especialistas na arte de bordar e costurar, sendo educadas para se tornarem donas de casa, mães e esposas dedicadas aos seus maridos e seus filhos. Bem diferente da educação que era dada aos homens, os quais desde cedo aprendiam a ler e escrever, possibilitando que pudessem ter acesso ao ensino superior e a relevantes funções públicas e empresariais.

A entrada das mulheres, pela primeira vez, na universidade, aconteceu nos Estados  Unidos, no ano de 1837, no Estado de Ohio, com a criação da women’s college, uma universidade exclusiva para a população feminina.

Embora o ensino superior estivesse presente no Brasil desde 1792, com a criação, no Rio de Janeiro, da “Real Academia de Artilharia, Fortificação e Desenho”, primeira escola superior de engenharia das Américas, somente em 1879 a mulher passou a ter acesso a esse direito, sendo Rita Lobato Velho Lopes, a primeira brasileira a se graduar no solo pátrio, no ano de 1887, na Faculdade de Medicina da Bahia.

Hoje, felizmente, a realidade é muito distinta, e as mulheres estão presentes, com seu talento e sua competência, no corpo discente e docente de todas os cursos de graduação, mestrado e doutorado, destacando-se inclusive por, frequentemente, serem aprovadas em primeiro lugar nos diversos concursos públicos realizados no País. Assim, já na década de 1960, a inteligência feminina, vencendo todos os estereótipos e preconceitos de um Brasil ainda subdesenvolvido, marcava uma época, com a aprovação, em primeiro lugar, da Professora Maria do Carmo Brandão Cardoso, em um dos primeiros concursos públicos do Senado Federal, para o cargo de analista do Senado.

Ademais, segundo dados do último Censo da Educação Superior, de 2012, coletados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), as mulheres são maioria nos cursos de graduação presencial, ocorrendo, em todo o Brasil, 3.286.415 matrículas femininas, contra 2.637.423 masculinas. Ou seja, a mulher representa, hoje, quantidade e qualidade em todos os espaços de destaque acadêmico e profissional do País.

A mulher assume, dessa forma, definitivamente, o domínio de seu destino, ocupando todos os lugares em que deseje estar, vencendo o preconceito, derrubando os estereótipos e superando o patrulhamento ideológico.

Rita Cristiane Ramacciotti Gusmão Soares – Profa Dra Rita Cristiane R.G. Soares”

Deixe uma resposta