Autoridades participam de solenidade de encerramento das atividades na Alepe

A cerimônia contou com a presença do governador Paulo Câmara, do prefeito do Recife, Geraldo Julio, e do presidente do Tribunal de Justiça de Pernambuco, Leopoldo Raposo, entre outras personalidades. Foto: Roberto Soares

Após sediar por 142 anos as principais discussões políticas de Pernambuco, o Palácio Joaquim Nabuco recebeu autoridades do Estado nesta quinta (29) para uma última solenidade antes de ser convertido exclusivamente em museu. A partir de 1° de agosto, as atividades parlamentares da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) serão realizadas no Edifício Governador Miguel Arraes de Alencar, inaugurado também na tarde de ontem.

Durante a cerimônia, o presidente da Alepe, deputado Guilherme Uchoa (PDT), enfatizou o caráter histórico da ocasião, citando, nominalmente, parlamentares que marcaram a história recente da instituição. “Da tribuna deste palácio, discursaram homens e mulheres de elevado espírito público. As portas da Casa sempre estiveram abertas para o povo pernambucano, verdadeiro e único detentor do poder”, disse. “Nos despedimos deste Plenário com a sensação de dever cumprido, de que honramos a sua história e aqueles que a construíram”, acrescentou.

O governador Paulo Câmara, por sua vez, enalteceu a escolha dos nomes dos ex-governadores Miguel Arraes e Eduardo Campos para denominar, respectivamente, a nova sede e o futuro Plenário da instituição. De acordo com ele, a iniciativa demonstra “não apenas o reconhecimento a dois grandes líderes, como também, acima de tudo, a políticos de expressão nacional que honraram as mais caras tradições do povo do nosso Estado”.

Também compuseram a Mesa o prefeito do Recife, Geraldo Julio, o presidente do Tribunal de Justiça de Pernambuco, Leopoldo Raposo, o vice-governador Raul Henry e o presidente do Tribunal de Contas do Estado, Carlos Porto. O senador Fernando Bezerra Coelho (PSB) e o deputado federal Eduardo da Fonte (PP) representaram, respectivamente, o Senado Federal e a Câmara dos Deputados.

 

Deixe uma resposta