Balanço do feriadão: três pessoas morreram em acidentes nas rodovias federais de Pernambuco

(Foto: Ilustração)

A Polícia Rodoviária Federal divulgou, nesta segunda-feira (18), o balanço da operação realizada durante o feriadão de Proclamação da República. Ao todo, foram 45 acidentes, que deixaram 31 pessoas feridas e três mortas, entre a quinta-feira (14) e o domingo (17). Em comparação com o ano passado, o número de acidentes e mortes reduziu. Em 2018, a operação teve um dia a mais. Foram registrados 61 acidentes, com 59 feridos e cinco mortes.

O acidente mais grave aconteceu na BR-232, em Sairé, no Agreste de Pernambuco. Uma tentativa de assalto resultou em colisão e morte no quilômetro 94 da rodovia federal. Cinco homens que estavam em uma caminhonete tentaram assaltar uma kombi com oito passageiros, que seguia de Moreno, no Grande Recife, para Santa Cruz do Capibaribe, também no Agreste.

Na investida, houve tiros e batida entre os veículos. O motorista da kombi e um dos suspeitos morreram no local. Outro suspeito faleceu a caminho do hospital, enquanto outro ficou ferido e foi socorrido para o Hospital de Bezerros. Os dois homens que estavam na cabine da caminhonete fugiram. Duas passageiras da kombi ficaram feridas.

Fiscalização

Durante os quatro dias de operação, foram abordados 3.205 veículos e 3.600 pessoas. Mais de 2.500 condutores foram multados. Entre as principais infrações cometidas estão o não uso do cinto de segurança (143), ultrapassagens indevidas (132), falta de capacete (90) e ausência da cadeirinha para crianças (25). Quanto ao teste do bafômetro, que na operação deste ano contou com o etilômetro passivo, que detecta a presença de álcool pela fala do motorista, foram 2.076 testes realizados. A PRF emitiu 56 autuações e prendeu dois motoristas que estavam sob o efeito de álcool.

Na operação também foram presas 17 pessoas por crimes como roubo, receptação de veículo roubado, porte ilegal de arma, uso de documento falso e por mandado de prisão em aberto. 243 veículos irregulares foram recolhidos.

Com informações do Jornal do Commercio

Deixe uma resposta