Bate-boca sobre PT e Lula marca encerramento da sessão de quinta (23) na Casa Plínio Amorim

(Foto: Blog Waldiney Passos)

Uma pequena confusão encerrou a sessão de quinta-feira (23) na Câmara de Vereadores de Petrolina. Tudo começou com o debate sobre o Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), matéria enviada pelo prefeito Miguel Coelho cujo tema era a alienação por doação de área pública.

Para os membros da oposição, em especial Gilmar Santos (PT) a matéria mostra uma contradição entre do grupo dos Coelho, ao tratar de uma iniciativa que fez sucesso no governo do PT (Minha Casa, Minha Vida). Outro a destacar o sucesso do programa foi Horácio Freire (PMN).

Mas foi com Ronaldo Silva (PSDB) que o clima esquentou. O edil, crítico ferrenho do PT, chamou o Partido dos Trabalhadores de copiador de projetos e voltou a destacar os casos de corrupção envolvendo a sigla. “O Bolsa Família foi copiado pelo PT. Falando de ladrão, o PT não tem moral para falar de ladrão, o maior ladrão é Lula. Qual é a moral que esse partido tem pra falar de ladrão, de falar de Michel Temer?”, questionou.

Gilmar pediu a palavra, mas teve seu pedido negado. Mesmo assim ele respondeu que “Lula é o ladrão que roubou o coração do povo brasileiro para desespero dos outros”. Líder da situação, Aero Cruz (PSB) também interveio na discussão e desenhou do PT, afirmando que se o partido quiser montar um time de futebol na cadeia, tem membros suficiente para isso.

Quando tudo parecia ter se resolvido, Ronaldo Souza (PTB) pediu a palavra, negado pelo presidente da Casa, Osório Siqueira (PSB). Os dois continuaram a debater, Cancão exigindo direito de resposta para uma fala de “golpista”, mas Osório não cedeu.

O presidente da Casa colocou os projetos em votação, para críticas de Cancão que continuou questionando a quebra do Regimento Interno e não deu seu voto às matérias. Sem o voto de Cancão, os projetos do Executivo foram aprovados por 16×0.

Deixe uma resposta