Campanha Setembro Verde incentiva à doação de órgãos em Petrolina

doacao-de-orgaos-blog

Conscientizar sobre a importância da doação de órgãos e tecidos é o objetivo da campanha nacional “Setembro Verde”. Apesar das diversas ações de estímulo e esclarecimento sobre doação, a lista de pessoas que aguardam na fila da Central de Transplantes ainda é grande. Apenas no estado de Pernambuco, são 1.230 pacientes.

Em Petrolina, é a Organização de Procura de Órgãos e Tecidos (OPO) que atua, desde do ano de 2012, nos hospitais públicos e privados desenvolvendo o trabalho de identificação dos possíveis doadores. Os órgãos captados na cidade são: coração, rins, fígado e córneas.

Segundo a organização, o índice de recusa à doação é de 50%, o que segundo a enfermeira da OPO, Gerlene Lira, está dentro da média nacional. “De uma forma geral, os índices de recusa de doação no Brasil são altos, mas os índices de Petrolina, já estiveram menores que no resto do estado, chegando a 30% e 40%. São índices que costumam oscilar. ”, disse.

Para aumentar o número de doadores, a OPO vem desenvolvendo ações que buscam derrubar mitos e esclarecer dúvidas sobre a morte encefálica. “Explicamos aos familiares que o diagnóstico de morte encefálica se dá através de  processo rigoroso que envolve muitos profissionais. Quando eles entendem essas questões, fica muito mais fácil concretizar a doação. ”, explicou a gerente da OPO, Samyra Moraes.

De janeiro a setembro de 2016, foram realizadas 40 captações, a maioria ocorreu no Hospital da Universidade Federal do Vale do São Francisco (HU-Univasf), devido, principalmente, ao perfil do hospital que atende a pacientes neurocríticos, em sua maioria, vítimas de acidentes automobilísticos.

Os transplantes das córneas captadas são realizados na cidade, o restante dos órgãos são encaminhados para Recife(PE). A regulação é responsabilidade da Central de Transplantes, que identifica os perfis genéticos mais parecidos, entre os doadores e receptores, e localiza os que apresentam os menores índices de rejeição.

Deixe uma resposta