Lucinha Mota pede ajuda dos participantes da festa em que Beatriz foi morta

Lucinha Mota, mãe de Beatriz Angélica Mota, usou as redes sociais para mais uma vez buscar ajuda no “Caso Beatriz”. Dessa vez a solicitação de Lucinha é aos participantes da festa na qual a garota foi morta, dentro do Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora, em Petrolina.

O objetivo da família é obter novas imagens e fotos. “Se você participou desse evento, por favor, envie fotos e vídeos para o email [email protected]. Eu quero, eu preciso dessas imagens para que a gente possa punir os assassinos de Beatriz. Por favor, colabore com a nossa investigação paralela”, afirma.

Confira o pedido de Lucinha:

Beatriz Angélica foi assassinada com 42 facadas em 10 de dezembro de 2015. O crime ocorreu dentro do colégio, durante a solenidade de formatura das turmas do terceiro ano do colégio Auxiliadora, um dos mais tradicionais de Petrolina. Apesar da repercussão nacional, até hoje o caso segue sem solução.

Caso Beatriz: família acredita que suspeito de praticar homicídio está no PI

Recompensa para quem ajudar nas investigações é de R$ 10 mil

São quase cinco anos sem uma resposta, mas a família da garota Beatriz Angélica Mota continua firme na busca por justiça. E na noite de domingo (5) veio à tona a informação de que o suspeito de assassinar Beatriz dentro do Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora em 2015 está no Piauí.

Um card com imagens do suspeito foi divulgada nas redes sociais, alertando para a recompensa de R$ 10 mil. Mãe de Beatriz, Lucinha Mota gravou um vídeo e pede ajuda dos piauienses. “Essa semana recebemos uma denúncia de que o assassino de Beatriz estaria no estado do Piauí, portanto gostaria de pedir a vocês que compartilhem a imagem. Que trouxer qualquer informação referente ao assassino vamos dar uma recompensa“, diz Lucinha.

Quem souber de alguma informação que possa ajudar nas investigações do caso deve entrar em contato através do seguinte número: (87) 98878-5733.

Caso Beatriz: Lucinha Mota e Sandro Romilton repudiam afastamento da delegada Poliana Nery

(Foto: Blog Waldiney Passos)

Já são quase cinco anos sem respostas para o crime brutal que vitimou a pequena Beatriz Angélica Mota. O caso ganhou um novo capítulo, a delegada Poliana Nery, quinta autoridade policial responsável pelas investigações do caso, foi afastada.

LEIA TAMBÉM

Delegada Poliana Nery confirma saída do Caso Beatriz

Lucinha Mota e Sandro Romilton, pais de Beatriz, divulgaram uma nota de repúdio ao Governo de Pernambuco pelo afastamento da Delegada. “É preocupante a saída da delegada Poliana Nery, pois a mesma tem uma linha de investigação muito forte e que acreditamos que leva a conclusão do caso. OOu será porque ela indiciou mais dois funcionários do colégio Maria Auxiliadora?”, questionaram.

LEIA MAIS

Delegada Poliana Nery confirma saída do Caso Beatriz

Delegada deixa caso que completará cinco anos em 2020 (Foto: Blog Waldiney Passos)

Em 2020 0 Caso Beatriz completará cinco anos sem respostas e nessa segunda-feira (16) a delegada da Polícia Civil, Poliana Nery confirmou a Rádio Jornal Petrolina, no programa Super Manhã com Waldiney Passos que não está mais a frente do caso. Ela é a quarta delegada a deixar o comando das investigações.

De acordo com Nery, uma força tarefa formada por quatro delegados foi montada para dar continuidade aos trabalhos. Por estar de férias, ela informou que não poderia comentar o caso oficialmente, somente quando retornar de suas férias no início e abril.

Sara Machado, Marceone Ferreira e Gleyde Ângelo foram os antecessores de Poliana, que ficou mais de dois anos a frente do caso. O Blog Waldiney Passos procurou a Polícia Civil de Pernambuco e os pais de Beatriz Angélica Mota em busca de mais informações sobre a mudança, contudo nenhuma das partes se manifestou até o momento.

Grupo ‘Somos Todos Beatriz’ está promovendo bingo solidário em prol das investigações

O bingo sorteia 10 caixas de cerveja long neck e um carneiro.

O grupo ‘Somos Todos Beatriz’, que luta para que o caso da garota Beatriz, brutalmente assassinada dentro do Colégio Maria Auxiliadora, está promovendo um bingo solidário para ajudar nas investigações do caso, que, após mais de quatro anos, ainda não foi solucionado.

As cartelas custam apenas R$ 10,00 e podem ser adquiridas clicando aqui. O evento acontecerá no dia 05 de abril, às 14h, no Centro Social de Maniçoba, em Juazeiro (BA). Ao todo, seis atrações devem se apresentar: Matheus do Acordeom, Gervilson Duarte, Elias Filho, Jefferson Leal, Rodrigo d’Avila e Cledia Nunes, e Laura Lima.

Outra forma de ajudar a família a seguir com as investigações particulares é através de uma “vaquinha” virtual, que foi lançada por Lucinha Mota, mãe da garota, em outubro do ano passado, e que pode ser acessada clicando aqui. A ideia da família é arrecadar R$ 75 mil. “Esse tipo de trabalho é muito custoso, envolve muita gente e equipamentos, coisas que nunca imaginei”, ressaltou Sandro Romilton, pai de Beatriz, em entrevista ao Blog Waldiney Passos.

LEIA MAIS

“O Colégio Maria Auxiliadora é um obstáculo na investigação”, diz mãe de Beatriz

Nessa terça-feira (10) fez quatro anos do caso. (Foto: Blog Waldiney Passos)

Durante a manifestação dos quatro anos da morte da garota Beatriz, os pais da menina falaram sobre diversas falhas no processo de investigação e apuração do caso. Dentre elas, eles lembraram da omissão do Colégio Maria Auxiliadora, palco do crime que chocou o país.

De acordo com Lucinha Mota, mãe de Beatriz, a escola tem sido um obstáculo na investigação. “Eu tenho mágoa porque a direção do colégio sabia do risco que todos estavam passando naquele dia. Hoje a gente vê que o Auxiliadora, de alguma forma, está tentando atrapalhar as investigações. É a única pessoa que eu vejo hoje como pessoa atrapalhando as investigações”, disse.

LEIA MAIS

“São quatro anos de dor, de muita saudade”, diz Lucinha Mota durante manifesto

Manifestação aconteceu na Praça Dom Malan, na Igreja Catedral de Petrolina.

No final da tarde dessa terça-feira (10), a família de Beatriz, juntamente com apoiadores do grupo “Somos Todos Beatiz”, realizaram uma manifestação para relembrar os quatro anos da morte da garota, que foi brutalmente assassinada dentro do Colégio Maria Auxiliadora.

Foi realizada uma exposição com fotos dos sete anos de Beatriz e dos quatro anos de luta, após a sua morte. Segundo Lucinha Mota, mãe de Beatriz, a exposição serviu para explicar para as pessoas toda a trajetória desses quatros anos.

Ainda de acordo com Lucinha, no entendimento da família, que realiza um trabalho paralelo de investigação, a impressão é de que o caso já foi solucionado. “A impressão que eu tenho é que, logo nos primeiros dias do crime, a polícia conseguiu identificar os assassinos de Beatriz e, não sei o porquê, não sei quem está financiando tudo isso para tentar colocar uma pedra no caso”, disse.

LEIA MAIS

Caso Beatriz: há quatro anos sem solução, grupo realiza manifestação em busca de justiça

O caso completa quatro anos nesta terça-feira (10). (Foto: Blog Waldiney Passos)

Nesta terça-feira (10) faz quatro anos que a garota Beatriz Mota foi brutalmente assassinada dentro do Colégio Maria Auxiliadora. Ainda sem resposta, o caso é coberto por fatos intrigantes, que dificultam o desfecho do crime que chocou todo o país.

Em busca de justiça, o grupo Somos Todos Beatriz, juntamente com a família da garota, realiza, nesta terça, uma nova manifestação, a partir das 17h, na Praça Dom Malan, em frente ao Colégio Maria Auxiliadora. Os protestos acontecem com uma mostra de fotos pessoais de Beatriz e da trajetória de luta do grupo que clama por justiça.

“A família da Beatriz Angélica Mota e o grupo Somos Todos Beatriz convidam toda população do Vale do São Francisco para participar de mais um manifesto por justiça. 4 anos sem Beatriz. Venha fazer parte dessa luta por justiça’, diz o convite para a manifestação.

Relembre o caso

Beatriz Mota tinha 7 anos quando foi brutalmente assassinada. Seu corpo foi encontrado em 10 de dezembro de 2015, com marcas de mais de quarenta facadas.

A garota sumiu durante festa na instituição de ensino em que estudava, o Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora, em Petrolina.

Com menos de 10% de valor arrecadado, Lucinha Mota pede contribuição em vaquinha para ajudar investigação do Caso Beatriz

Prazo para arrecadar meta é 24 de novembro (Foto: Jean Brito)

Lucinha Mota, mãe de Beatriz Angélica Mota, voltou a pedir a colaboração da sociedade na vaquinha on-line criada pela família da garota, morta em 2015. Com a meta de arrecadar R$ 75 mil até o próximo dia 24, até o momento pouco mais de 8% do valor estimado já foi obtido.

LEIA TAMBÉM:

Lucinha Mota lança campanha virtual para arrecadar fundos e dar continuidade às investigações particulares do caso Beatriz

“Já são quase quatro anos e até o momento não tivemos nenhuma prisão dos assassinos de Beatriz. Estamos fazendo uma investigação paralela, essa quantia que colocamos como objetivo para arrecadar é para contratar profissionais especializados na área de segurança, profissionais da área de informática, custo de viagens e despesas”, destacou Lucinha em um vídeo divulgado nas redes sociais.

LEIA MAIS

Comissão de Direitos Humanos e Minoria da Câmara Federal repudia demora na elucidação do caso Beatriz

Caso já vai completar quatro anos sem solução. (Foto: Blog Waldiney Passos)

A Comissão de Direitos Humanos e Minoria da Câmara Federal emitiu uma nota no final da tarde dessa quinta-feira (31) repudiando a demora elucidação do crime que vitimou a garota Beatriz, de sete anos, em Petrolina (PE).

O crime ocorreu em 10 de dezembro de 2015, durante uma solenidade de formatura do Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora. As investigações, a despeito do transcurso de aproximadamente quatro anos, encontram-se ainda na fase de inquérito policial, sem que se tenha conhecimento de que os prováveis autores tenham sido identificados.

Segundo a nota, o governado de Pernambuco, Paulo Câmara, afirmou que iria “acompanhar de perto o caso. Entretanto, conforme relato dos pais da criança, eles não tiveram mais retorno a respeito da investigação”.

LEIA MAIS

Lucinha Mota lança campanha virtual para arrecadar fundos e dar continuidade às investigações particulares do caso Beatriz

Lucinha Mota, mãe de Beatriz Angélica Mota, brutalmente assassinada em dezembro de 2015, durante uma festa de formatura no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, em Petrolina (PE), lançou nesta quinta-feira (24), uma campanha virtual no intuito de arrecadar fundos para a contratação de profissionais especializados para dar continuidade às investigações particulares do caso.

LEIA TAMBÉM

Caso Beatriz: advogado da família engrossa discurso de federalização após denúncia protocolada por Lucinha Mota

“Não me deram a oportunidade de lutar pela vida de minha filha, mas eu lutarei por um inquérito justo, Beatriz não será só um número nas estatísticas da violência, enquanto vida eu tiver lutarei por justiça”, diz Lucinha ao divulgar a campanha nas redes sociais.

Intitulada como ‘Investigação Caso Beatriz’, a campanha lançada no site “Vakinha Virtual” já está aberta e será encerrada no dia 24 de novembro. A família de Beatriz pretende arrecadar R$ 75 mil. “Esse tipo de trabalho é muito custoso, envolve muita gente e equipamentos, coisas que nunca imaginei”, ressaltou Sandro Romilton, pai de Beatriz, em entrevista ao Blog Waldiney Passos.

Caso Beatriz: advogado da família engrossa discurso de federalização após denúncia protocolada por Lucinha Mota

Investigação da família aponta interferência de policiais no caso (Foto: Blog Waldiney Passos)

Federalização. O pedido da família de Beatriz Angélica Mota voltou a cobrar que a investigação do caso vá às mãos da Polícia Federal. Nessa quinta-feira (16) o advogado da família, Jaime Badeca participou do programa Palavra de Mulher com a jornalista Sibelle Fonseca, em Juazeiro (BA) e comentou sobre a denúncia protocolada por Lucinha Mota na Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social (SDS) e no Ministério Público de Pernambuco, na quarta-feira (16).

“Houve muita negligência e compadrio, continua havendo muita cumplicidade. Ontem quando Lucinha vai a Recife e protocola essa denúncia [reforça isso]. Esses avanços são resultados dos avanços das investigações paralelas que Sandro e Lucinha fizeram. Eles estão saindo na frente, avançando. O Governo de Pernambuco não consegue evoluir”, pontuou.

LEIA TAMBÉM:

“Se houver elementos suficientes, poderá ser instaurado um Procedimento Administrativo Disciplinar”, diz Corregedoria Geral sobre denúncia de Lucinha Mota

Polícia Civil de Pernambuco afirma estar “empenhada na elucidação” do Caso Beatriz

Caso Beatriz: apuração particular da família aponta que agentes da polícia teriam atrapalhado investigações

De acordo com Badeca, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB) se comprometeu a federalizar o caso se houvesse comprovação de irregularidades nas investigações. Para o advogado, hoje está mais do que comprovada a necessidade de levar o trabalho à PF.

LEIA MAIS

“Se houver elementos suficientes, poderá ser instaurado um Procedimento Administrativo Disciplinar”, diz Corregedoria Geral sobre denúncia de Lucinha Mota

(Foto: Internet)

Em nota enviada ao Blog Waldiney Passos, a Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social de Pernambuco informou que recebeu a denúncia de Lucinha Mota, mãe de Beatriz. Uma investigação particular da família da garota, aponta que agentes da Polícia Civil teriam atrapalhado as investigações do caso.

LEIA TAMBÉM:

Lucinha Mota protocola denúncia e deve participar de reunião com o governo de Pernambuco na tarde desta quarta-feira

Ainda de acordo com a Corregedoria, uma Investigação Preliminar será instaurada para apurar os fatos relatados na denúncia, as partes serão ouvidas, e documentos serão analisados. Caso a investigação aponte elementos suficientes, o órgão pode instaurar um Procedimento Administrativo Disciplinar contra os acusados. Confira a íntegra da nota:

“A Corregedoria Geral da SDS informa que recebeu a denúncia, na manhã de hoje, e será instaurada uma Investigação Preliminar (IP) para apurar os fatos relatados. Serão ouvidas as partes envolvidas e testemunhas, além da análise de documentos e outros materiais que colaborem com esclarecimentos.  Se houver elementos suficientes, poderá ser instaurado um Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD).”

Lucinha Mota protocola denúncia e deve participar de reunião com o governo de Pernambuco na tarde desta quarta-feira

Lucinha Mota, mãe de Betariz Angélica Mota. (Foto: Arquivo da família)

O Blog Waldiney Passos acaba de ser informado que Lucinha Mota, mãe da menina Beatriz, está neste momento na Ouvidoria da Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social, em Recife (PE), protocolando a denúncia contra agentes da Polícia Civil, que segundo investigação particular da família da garota, atrapalharam as investigações do caso.

LEIA TAMBÉM:

Caso Beatriz: apuração particular da família aponta que agentes da polícia teriam atrapalhado investigações

De acordo com Sandro Romilton, pai de Beatriz, sua esposa, Lucinha Mota foi chamada pelo governo de Pernambuco para uma reunião, marcada para às 15h desta quarta-feira (16), no Palácio das Princesas. O Blog segue acompanhando os desdobramentos desta ação da família de Beatriz.

Polícia Civil de Pernambuco afirma estar “empenhada na elucidação” do Caso Beatriz

A Polícia Civil de Pernambuco (PC-PE) divulgou uma nota oficial sobre o novo fato do Caso Beatriz trazido pelos pais da garota nessa quarta-feira (16). De acordo com a Polícia, a instituição “continua empenhada na elucidação do caso” e tem uma delegada com dedicação exclusiva no inquérito.

LEIA TAMBÉM:

Caso Beatriz: apuração particular da família aponta que agentes da polícia teriam atrapalhado investigações

Contudo, a nota não responde aos questionamentos feitos por nossa Produção sobre a suposta interferência de agentes da corporação durante a investigação. Segundo Sandro Romilton, pai de Beatriz, há indícios e nomes de policiais os quais tentaram “desvirtuar” o trabalho da PC desde 2015.

Confira a seguir a íntegra da nota da Polícia Civil de Pernambuco:

LEIA MAIS
123